sábado, janeiro 20, 2007

Operação Furacão

De vez em quando vamos ouvindo notícias a propósito do desenvolvimento das investigações da chamada Operação Furacão no âmbito da qual se investiga uma imensa teia de operações fraudulentas que visam a evasão fiscal.

Ao que parece as investigações incidem sobre os anos 2003 a 2005 e estão em causa numerosas empresas e alguns bancos, suspeitando-se que a fuga ao fisco ascende a muitas dezenas de milhões de contos.

Antes de mais, não deixa de ser curioso que o período que está a ser investigado abrange mais de metade do mandato do dr. Macedo, o actual director-geral dos Impostos, que não se cansa de nos tentar fazer crer que é um campeão do combate à fraude. Mas deixemos os sucessos do dr. Macedo para outra ocasião, o que importa agora é questionar se centenas de operações passaram totalmente a margem do fisco, no seu total desconhecimento e sem o apoio de corruptos.

O que é feito da corrupção que Saldanha Sanches não se cansou de denunciar? Que se saiba nos últimos anos nada foi feito e o facto de algumas vozes se terem calado, convertidas o fascínio do dr. Macedo, não significa que as tais redes de corrupção tenham desaparecido, ate que os corruptos nunca se reforma, quando se aposentam vão para os escritórios de advocacia, para as empresas de consultoria fiscal ou mesmo para colaboradores de gabinetes de contencioso fiscais de alguns bancos.

Esperemos para ver se a Operação Furacão atinge a evasão e fraude fiscais em todas as suas dimensões.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Castro Marim

IMAGEM DO DIA

[Andrew Milligan/AP]

«A young Higland cow is covered in snow in Carronbridge, Scotland» [20 Minutos Link]

JUMENTO DO DIA


O censor

A crítica de Paulo Portas à participação de Manuela Morgado num seminário promovido pelo PS na Assembleia da República reflecte uma visão enviesada da liberdade de expressão, levada a sério os magistrados, assim como muitos outros funcionários públicos, não teriam direito a ter ou a expressar opinião, teriam que assumir como opinião pessoal o que estivesse publicado no Diário da República. O requerimento de Paulo Portas não passa de um acto de censura.

ABRIR INQUÉRITO AO QUÊ?

Desta vez estou de acordo com o ministro da Saúde, se não foi apurada qualquer negligência para quê abrir um inquérito, para saber que Portugal é pobre, que as receitas do Estado não dão para todas as suas necessidades ou para se confirmar a distância que separa Odemira de Lisboa? De repente todos os grupos profissionais descobriram a falta de meios naquela região do país e aproveitaram a morte de um cidadão para fazer ouvir as suas vozes. Mas será só naquela região que faltam meios? E mesmo com meios quanto tempo teria o doente levado a chegar a Lisboa?

QUEM PODE FALAR?

A polémica iniciada por Paulo Portas e apoiada pelo líder parlamentar do PSD, um partido que parece ter dito aos seus simpatizantes para colocarem a cruz na casa do meio, reflecte a forma como alguns políticos da direita entendem os direitos de cidadanias são úteis quando lhes interessa. Paulo Portas não fica incomodado por um cónego prometer o Inferno a quem votar sim e ao envolvimento abusivo da Igreja na campanha do referendo ainda antes de a lei o permitir, mas fica muito nervoso quando uma magistrada abre a boca e tem o desplante de dizer a sua opinião em vez de ler o Código Penal.

O POVO CONTRA OS TRIBUNAIS

Não admira que se avolumem as vozes que se manifestam com indignação contra a decisão do tribunal de entregar uma criança ao pai biológico, independentemente da opinião que se possa ter sobre este caso estamos perante um sinal evidente da revolta acumulada contra as decisões judiciais que a coberto da lei e do preconceito vai espalhando injustiças por esse país. As decisões relativas ao poder paternal de crianças é um dos domínios em que os magistrados decidem, em regra, mais pelo conformismo do que preocupados com a ou as crianças envolvidas, e os resultados têm sido desastrosos.

Todavia, muito do que se vai ouvindo também é preocupante pois a ideia que passa é a de que o pai em causa não tem condições, já que quanto ao aceitar ou não a paternidade a questão não se coloca e ficou evidente que os pais adoptivos nunca aceitaram ou quiseram saber dessa paternidade. Seja qual for a decisão espero que não obedeça a critérios económicos, sob pena de um dia destes os pobres ficarem proibidos de ter filhos ou obrigados a entregá-los para adopção.

POSIÇÃO HIPÓCRITA

A campanha do não parece ter-se inspirado nas antigas campanhas do sim, quando algumas mulheres tentavam convencer quem discordava do aborto afirmando que a barriga era delas. Agora são os defensores do "não" que por não terem a consciência tranquila, depois e nada terem feito em 9 anos, ontem foi um cónego a ameaçar com a excomungação dos que votarem sim, depois veio Gentil Martins defender que as mulheres reincidentes deveriam ser castigadas. Depois de ter sabido que o cardeal achava que os contraceptivos e o aborto químico era soluções começo a ficar confuso com a defesa da vida que os defensores do não dizem ser a sua preocupação.

DEXPEDIENTE OU AMBIÇÃO

António Vitorino analisa as propostas para os próximos 18 meses de presidência europeia apresentadas por Angela Merkel com destaque para o Tratado Constitucional:

«Com efeito, o ponto de partida assenta em 18 países que já ratificaram o Tratado Constitucional, dois que o rejeitaram e sete que se mantêm a aguardar para ver... A solução que se pede aos alemães aproxima-se assim da quadratura do círculo: respeitar os que já ratificaram o Tratado (que legitimamente dizem não poderem ser culpados pelo impasse), criar espaço para que os que o rejeitaram possam revisitar a sua decisão (com base num texto que corresponda às suas preocupações próprias para enfrentar as rejeições anteriores) e finalmente não abrir novas frentes de conflito, designadamente com aqueles que ainda não se pronunciaram (muito em especial o Reino Unido).» [Diário de Notícias Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O JUIZ MACHO E O APALPÃO LATINO

Fernanda Câncio está irritada com a desvalorização criminal do apalpão defendida por alguns magistrados:

«Primeiro foi a associação sindical, que num parecer sobre a proposta de revisão do Código Penal se manifestou contra a criação de um novo tipo de crime, a "importunação sexual", que estipula pena até um ano para "quem importunar outra pessoa praticando perante ela actos de natureza exibicionista ou constrangendo-a a contacto de natureza sexual". O novo crime, que veio substituir e englobar o que antes se denominava por "exibicionismo" (vulgo o homem da gabardine que ronda as escolas a mostrar o sexo) é considerado pelos doutos magistrados como "porventura excessivo", já que criminaliza "situações desagradáveis, mas de duvidosa gravidade", como "os 'encostos' nos transportes públicos". Chato, sem dúvida, admitem, isso de alguém roçar-se e esfregar-se noutro corpo, manipulá-lo sem pedir licença, para gozo próprio, não raro de tipo masturbatório. Mas crime, nem pensar. » [Diário de Notícias Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A ESTACA ZERO

A crítica de Constança Cunha e Sá à forma como vão ser gastos os fundos comunitários:

«Como o primeiro-ministro disse esta semana, a Educação é a grande prioridade do Governo. Mas basta olhar para os números que constam do Quadro de Referência Estratégico Nacional para os próximos sete anos para se perceber que os gastos previstos com o betão são bastante superiores ao investimento garantido para a Educação. Enquanto os custos da Ota e do TGV atingem 11.400 milhões de euros, o orçamento da Educação e da Qualificação para os próximos sete anos não chega aos nove mil milhões de euros. Num Governo cujos critérios se definem pelo mais estrito economicismo, esta diferença é reveladora das verdadeiras prioridades que se encontram por trás da velha e estafada aposta na Educação e Qualificação.» [Público Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A CAMPANHA DO REFERENDO

Bagão Félix parece ter aproveitado a sua reforma no Millennium, tão primária é a sua linguagem política:

«Se o dr. Louçã mandasse (credo!), de uma coisa estou certo: não era necessário dinheiro para campanhas porque... não haveria campanhas. Mas em Portugal não é assim. A minha legitimidade para defender uma posição é exactamente igual à dos iluminados, como o dr. Louçã.» [Público Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Arquive-se por ausência de valor intelectual, não se justificando a ocupação de espaço no escaparate do Palheiro.»

O MEU APLAUSO AO PATRIARCA DE LISBOA

José Pacheco agradece a José Policarpo pelas palavras mais idiotas já proferidas por um cardeal português:

«Eu, agnóstico de confissão, tenho de aplaudir o patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, quando, a propósito de considerar desnecessário alterar a actual lei sobre a interrupção voluntária da gravidez, assim o entendeu porque "o cruzamento dos métodos anticoncepcionais com os métodos abortivos e as soluções químicas para a interrupção da gravidez fizeram diminuir a realidade do aborto de vão de escada".

E aplaudo porque, numa síntese fabulosa, conseguiu clarificar que a Igreja passou a tolerar a utilização de todos os métodos anticoncepcionais e até os "métodos abortivos". Fiquei surpreso, ainda que admita estar mal informado, porque julgava que a Igreja só aceitava os métodos "naturais" (o velho calendário, o prático coito interrompido e o sofisticado método das temperaturas).» [Público assinantes Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

NOVO REGIME DE FALTAS POR DOENÇA NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Agora tem que se ir ao médico das faltas:

«Actualmente, o trabalhador pode apresentar como justificação um atestado de qualquer médico. Pelas novas regras, passa a ter como único “meio idóneo” para justificar as faltas uma declaração emitida pelas entidades competentes do Serviço Nacional de Saúde, por médico privativo dos serviços que dele disponham, por médico de outros estabelecimentos públicos de saúde e por médicos que tenham acordos com qualquer dos subsistemas de saúde da Administração Pública.» [Correio da Manhã Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

PORTAS IRRITADO

Acha que os agentes do Estado não têm direito a opinião pessoal:

«Em requerimento entregue no Parlamento, o ex-líder do CDS-PP lembra que a magistrada se encontra investida de especiais responsabilidades (‘Apito Dourado’) e que “não deve prevalecer-se da sua função para fazer política”. No documento, Portas sublinha que o Ministério Público, de acordo com o artigo 1.º do Estatuto do Ministério Público (EMP), “representa o Estado, defende os interesses que a lei determinar e participa na execução da política criminal definida pelos órgãos de soberania”.» [Correio da Manhã Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Decrete-se que em Portugal só Paulo Portas tem direito a opinião.»

VALE A PENA SER DEMITIDO

De administrador de uma empresa pública:

«As empresas públicas pagaram indemnizações no valor de 5,137 milhões de euros a gestores que foram substituídos antes do final do seu mandato, segundo uma auditoria do Tribunal de Contas, divulgada ontem, de seguimento de recomendações feitas em 2003 sobre a remuneração dos gestores públicos e práticas de bom governo.» [Diário de Notícias Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Sócrates se não te um lugar numa empresa pública de onde o pessoal do Palheiro possa ser demitido o mais cedo possível.»

AEP LANÇA CAMPANHA PARA SE COMPRAR PORTUGUÊS

Mas o símbolo não certifica a qualidade:

«"Compro o que é nosso" é o mote da campanha da Associação Empresarial de Portugal (AEP) para sensibilizar os consumidores a adquirirem produtos nacionais. Identificados com um logótipo com as cores da bandeira, os produtos não são garantia de qualidade.

"O logótipo não é um certificado de qualidade, mas antes um símbolo que comprova que os produtos têm um rácio de valor acrescentado, não inferior a 50%, para a economia portuguesa", afirmou Paulo Nunes de Almeida, membro do conselho de administração da AEP. » [Diário de Notícias Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se à AEP qual a percentagem de bens nacionais adquiridos pelos empresários que aderiram à campanha.»

SERÃO CONDENADOS PARA A ETERNIDADE

Os que votarem sim no referendo:

«"Os cristãos que vão votar 'sim' no referendo serão alvo de excomunhão automática, a mais pesada das censuras eclesiásticas", garante o cónego Tarcísio Alves, pároco há cinco anos em Castelo de Vide (Portalegre). A excomunhão automática atinge ainda "todos os intervenientes na execução do crime, como, por exemplo, médicos e enfermeiros", sublinha, enquanto consulta página a página o Código Canónico.

"Se um católico aceitar a liberalização do aborto incorre na censura da excomunhão e não poderá ser reintegrado na comunidade cristã sem intervenção do bispo", sustenta ainda. Doutorado pela Universidade Católica de Salamanca em Direito Canónico, Tarcísio Alves tem distribuído nos últimos tempos, pelos paroquianos, um boletim informativo em que adverte os devotos para os "perigos" de votar "sim" no próximo referendo e as consequências, junto da Igreja, que poderão sobrevir. "Não fui eu que inventei estas regras, está tudo bem explícito no Cânone 1398" sublinha.» [Diário de Notícias Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao Cónego se já reparou que não está na Idade Média.»

BELMIRO SÓ SOBE PREÇO DA OPA SE ENCONTRAR PETRÓLEO

Digamos que se encontrar petróleo aumenta o preço e se não aumentar é como se tivesse encontrado, em qualquer dos casos é caso ara dizer que há petróleo em Picoas:

«Belmiro de Azevedo diz que só sobe o preço da OPA se encontrar um poço de petróleo ou diamantes debaixo de uma das sedes da Portugal Telecom. O patrão da Sonae afirma ter 99% de certeza que a oferta vai sair vencedora e afirma que a cotação alta da PT deve-se a uma bolha especulativa dos minoritários.» [Jornal de Negócios Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Informe-se o Belmiro que o seu grupo investe tão pouco em inovação que se encontrar alguma coisa deve entregar no posto de polícia mais próximo, para que seja devolvida a quem a perdeu.»

GREVE ORIGINAL

Na Yazaki Saltano só um trabalhador aderiu à greve, o sindicalista:

«Américo Rodrigues, delegado sindical e técnico fabril da Yazaki Saltano de Portugal, em Ovar, era, ontem, o único trabalhador da empresa de produção de cablagens para automóveis a fazer greve, declaradamente. Isto, apesar de nos dois plenários de anteontem, a maioria dos operários afectados pelo despedimento colectivo anunciado para o final do mês ter votado contra a sua realização. Situação que, segundo a directora de recursos humanos da empresa, levou a que tenha sido mantido o nível normal de produção.» [Jornal de Notícias Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se um comentário a Jerónimo de Sousa.»

BE RETOMA PROPOSTAS DE JOÃO CRAVINHO

Que o grupo parlamentar do PS não apadrinhou:

«O deputado do Bloco de Esquerda Francisco Louçã anunciou hoje que o partido vai apresentar no Parlamento um diploma sobre matéria de corrupção que irá retomar as ideias defendidas pelo deputado socialista João Cravinho.

Em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, Francisco Louçã adiantou que o Bloco de Esquerda (BE) vai apresentar brevemente "um projecto de lei específico" que retomará "as ideias fundamentais" defendidas pelo deputado socialista João Cravinho, "ampliando-as".» [Público Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Diga-se a Louçã que faz muito bem, parece que foi ele que as fez.»

PINTO DA COSTA VOLTA A SER INVESTIGADO

Meteu-se com a Salgado e acabou por ir parar à salga da justiça:

«O processo relativo ao jogo FC Porto-Estrela da Amadora da época 2003-04 vai voltar a ser investigado. O presidente da SAD portista Pinto da Costa; o vice-presidente Reinaldo Teles; o empresário António Araújo e os árbitros Luís Lameira, Jacinto Paixão, José Chilrito e Manuel Quadrado podem ainda ver validada a tese do procurador Carlos Teixeira, do Ministério Público de Gondomar, que defende que os quatro primeiros cometeram o crime de corrupção desportiva activa e os restantes de corrupção desportiva na forma passiva. » [Público Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

ESPERO QUE FAÇA BOM TEMPO EM PEQUIM

Se assim for Sócrates sempre pode aproveitar a viagem a Pequim para dar umas voltas:

«No período em queo primeiro-ministro, José Sócrates, visitar a China, entre 30 de Janeiro e 4 de Fevereiro, quatro ministros chineses, bem como o Presidente, Hu Jintao, deverão estar fora do país. Ao que o PÚBLICO conseguiu apurar, os ministros do Negócios Estrangeiros, dos Minérios e Energia, do Comércio e da Presidência acompanharão o périplo do Presidente chinês por vários países africanos. » [Público Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Sócrates porque não adia a viagem.»

BOA VIDA

A dos dirigentes da Câmara Municipal de Lisboa:

«O vice-presidente da Câmara de Lisboa, Fontão de Carvalho, aceitou no início do ano passado um convite do patrão da empresa Bragaparques, que não chegou a concretizar-se, para passar um fim-de-semana em Trás-os-Montes, juntamente com o presidente da câmara, Carmona Rodrigues, e a vereadora do Urbanismo, Gabriela Seara.

A confirmação deste facto consta das transcrições das escutas feitas pela Polícia Judiciária a uma conversa telefónica havida entre Fontão de Carvalho e o empresário Domingos Névoa e a uma outra entre este último e o dono de um conhecido restaurante do concelho de Boticas, distrito de Vila Real.» [Público Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «mande-se um fardo de pão-de-ló para a CML, para ver se ficam de barriga cheia.»

WORTH1000: WHEN HELL FREEZES OVER 7 [Link]

ANDREY SENTYABOV [Link]

MICHAEL [Link]

CLAIRE [Link]

ANDREW EFTER [Link]

IMAGENS DO NOVO BOEING 747 [Link]

BARCO PROTEO [Link]

3D MORPHABLE MODEL FACE ANIMATION

FRANCISCO FRANCO A FALAR INGLÊS

Fartei-me de rir ao ver este vídeo de propaganda do regime de Franco onde se tenta mostrar que o caudilho até sabia falar inglês.

ZAPATERO A FALAR FRANCÊS

Digamos que o forte de Zapatero não é falar francês.

CHEVIGNON

[2][3][4][5][6]

NOKIA

DENHOLM

[2][3]