sábado, junho 16, 2007

Democracia em tempo real


Um dos aspectos mais interessantes do debate sobre se deverá ou não ser construído um novo aeroporto ou onde esse aeroporto deve ficar localizado é a forma esse mesmo debate é feito. Em trinta anos de democracia poucas foram as questões que suscitaram tanta discussão, recordo-me, a título de exemplo, do problema do aborto ou, em tempos mais recuados, da unicidade sindical, quando o PCP sonhou com o controlo total e absoluto dos sindicatos.

Seria interessante se os nossos sociólogos, politólogos e outros cientistas do tipo “ólogos” estudassem este fenómeno pois revela não só o estado da nossa democracia como a forma de intervenção dos seus diversos agentes, desde a actuação do Governo às intervenções subtis do Presidente da República, do empenho de alguns partidos até à cambalhotas de Marques Mendes, da independência de jornais como o Público à generosidade de alguns empresários que financiam estudos em que a única condição é que apontem para esta ou aquela localização.

De repente todos os portugueses, do mais comum dos cidadãos ao estagiário da estação de televisão, são autênticos especialistas na arte de construir e decidir a localização de aeroportos. Apoiados nos mais diversos especialistas, desde ambientalistas a engenheiros de hidráulica, todos sabemos da matéria e temos opinião definida. Não faltam as sondagens e os que defendem um referendo, as próprias televisões vão às aldeias das localizações possíveis perguntar aos que passam na rua sobre o que pensam do assunto.

Talvez seja tempo de dar um passo em frente e passar a uma democracia em tempo real, com o recurso aos meios existentes já é possível decidir em cada momento o que o povo quer. Se os agricultores conseguiram solicitar as ajudas agrícolas através da Internet, porque não decidir tudo e mais alguma coisa num referendo permanente online. Poderíamos, por exemplo, estabelecer um dia semana para as decisões, na próxima segunda-feira decidiríamos o aeroporto, na seguinte, o destino a dar à senhora da DREN e a pena a aplicar ao Charrua, depois poderíamos resolver o problema da flexisegurança.

O empresários financiariam os estudos, os jornais divulgariam, as televisões debateriam, os cidadãos votariam , o governo decidiria e Marques Mendes entreteria. No fim, que fosse o que Deus quiser.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Forte de Peniche

IMAGEM DO DIA

[Howard Yanes - AP]

«A university student protests against Venezuela's President Hugo Chavez's decision to pull the plug on Radio Caracas Television, RCTV, in Caracas.» [Washington Post]

BEM-VINDO AO AEROPORTO DE GRÂNDOLA-TRÓIA

(Imagem Donjopi)

O Jumento não quis ficar atrás da CIP e também promoveu o seu estudo sobre a localização do novo aeroporto de Lisboa, ou melhor da região de Lisboa ou melhor ainda das regiões do continente não cobertas pelos aeroportos de Faro, do Porto e de Beja. Em momento oportuno O Jumento divulgará quem fez o estudo e se os mecenas envolvidos o autorizarem também divulgará quem entrou com o pilim com que se pagou para o estudo. Podemos desde já adiantar qe os financiadores não têm interesses financeiros no estudo e apenas estão a tentar ajudar a Portugal neste processo difícil. Aliás, as suas boas intenções são tão grandes que até estão disponíveis para fazer mais estudos para outras localizações alternativas.

Para já, o estudo aponta para a localização na península de Tróia, tendo-se mesmo construída uma pista provisória que encheu de alegria os turistas estrangeiros que ali passam férias, como se pode ver na fotografia.

JUMENTO DO DIA




A UEFA suspendeu Couceiro por um jogo

É uma pena que veio com atraso, deveria ter sido suspenso por cinco jogos a contar do primeiro.

O LUDGERO MARQUES TAMBÉM FALA SOBRE O AEROPORTO DE LISBOA

Este senhor não foi o tal que disse que a Epo98 era para os papalvos de Lisboa?

A PREOCUPAÇÃO DA SENHOR DIRECTORA

Segundo o inquiridor oficial designado pela directora da DREN para apurar a verdade, só a verdade e toda a verdade da conversa privada tida pelo professor Charrua perto de um bufo portador de telemóvel com capacidade para enviar sms o arguido terá dito "estamos num país de bananas, governados por um 'f. da p.' de um primeiro-ministro".

A ser verdadeira a acusação o professor chamou f. da p. a Sócrates, afirmação cuja veracidade não poderá ter sido apurada no âmbito do processo disciplinar, e designou por bananas todos os outros portugueses, os mesmos que lhe pagam o vencimento. Mas a senhora directora ficou pouco incomodada por o professor ter chamado bananas aos portugueses, o que estimulou a sua veia justiceira foi ter ofendido a mãe do primeiro-ministro.

Das duas umas, ou a directora ficou tão ofendida com a ofensa feita ao primeiro-ministro que nem reparou em mais nada, ou concorda com a afirmação do professor Charrua de que todos os portugueses (com excepção de Sócrates que em vez de banana será f. da p.) são uns bananas. São capazes de ter razão, só num país de bananas o primeiro chegou a deputado e a segunda a directora da DREN.

A DEFESA DOS DIREITOS DE AUTOR DO JORNAL "PÚBLICO"

É assim que são apresentadas as imagens da edição electrónica do Público para os leitores que pagam assinatura. Para além da qualidade deficiente das imagens, são todas carimbadas para protecção dos direitos de autor do jornal, incluindo as imagens de agências noticiosas, imagens de qualidade tão má que só um palerma as utilizaria, para não referir que na fase inicial até as imagens publicitárias eram consideradas como propriedade do jornal. Ridículo!

A NÃO DECISÃO

«Ao fim dos próximos seis meses, a instituição encarregue desta análise comparativa entre Alcochete e a Ota - que é o Laboratório Nacional de Engenharia Civil - não chegará decerto a uma verdade científica ou técnica inatacável. E sendo uma instituição cuja credibilidade se me afigura comprovada, o seu campo de intervenção centrar-se-á nas implicações que mais directamente têm a ver com a implantação da infra-estrutura aeroportuária, não abrangendo várias outras vertentes (modelo económico-empresarial do novo aeroporto, relação custo-benefício, prazo de duração, impacto ambiental) que terão de ser chamadas também à decisão final.

Por isso, fazendo apelo ao princípio da precaução, desta feita aplicado ao processo de decisão política, seria razoável que antes de iniciarmos esta nova fase que desejavelmente nos deverá conduzir à decisão final sobre o novo aeroporto começássemos por construir um consenso sobre os critérios que prioritariamente deverão ser tidos em linha de conta para chegar a bom (aero)porto!» [Diário de Notícias]

Parecer:

António Vitorino faz uma proposta que faz sentido para o debate entre Alcochete e a Ota.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O BRILHARETE POR SMS

«Faz parte dessa coisa que dá jeito para se chegar ao poder, a democracia. Estes insultos acontecem à vista de todos, na rua ou via TV. Mas este não. Este foi no primeiro andar da DREN e chegou ao conhecimento do poder via SMS. Chegou ao telemóvel da directora e esta não esteve pelos ajustes.

Versão da própria: "Davam-me conta de que estaria a acontecer uma coisa grave (?) Foi numa sexta-feira. Na segunda-feira tinha a participação escrita do facto". Assim, tiro e queda. Margarida Moreira conseguiu o brilharete. E promete não ficar por aqui: "Se tiver de afastar alguém do PS também afasto". Quando se toma o gosto?» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Raul Vaz goza com a entrevista da dona Guida.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PORTUGAL NO SEU PIOR

«Em 1969, o Governo de Marcelo Caetano criou um "gabinete" para estudar a localização do "novo aeroporto de Lisboa". O "gabinete" estudou e encomendou pareceres (para que tudo fosse independente e claro) a uma empresa privada americana e a uma empresa luso-alemã. Em 1982, já neste regime, o estudo tornou a ser feito. E em 1986, pela ANA. E em 1990, outra vez pela ANA. E, em 1994, pelo MOP e pela ANA. Até que, em 1997, o Governo de António Guterres criou um segundo "gabinete", o NAER, para pôr um ponto final no caso e, em 1998, João Cravinho anunciou que se iria enfim construir o "novo aeroporto de Lisboa". O que levou evidentemente à contratação de um "grupo consultor", a ADP/Profabril, a um "relatório" sobre "impacte ambiental" da UNL e a uma Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CAIA). Em 1999, a ADP/Profabril aconselhou a Ota e Elisa Ferreira concordou. Mas Barroso, que veio a seguir, meteu o projecto na gaveta e só em 2005 o Governo de Sócrates ressuscitou a Ota, com 40 anos de atraso e 100 milhões de euros pelo cano abaixo.

Aqui o bom povo português, que tinha andado distraído, acordou para a Ota. As "notabilidades" peroraram. Os jornais serviram a sua dose de indignação. E o sr. prof. Cavaco Silva, autor do CCB, descobriu uma dúvida no seu seio presidencial. As coisas começavam a ficar distintamente azedas, com a intransigência do primeiro-ministro e a oratória do eng. Lino, quando, mirabile dictu, a CIP de repente produziu o plano de Alcochete e Sócrates, de certo iluminado por um espírito superior, concedeu seis meses para o estudo (fatalmente) e o debate (obrigatório) desse plano salvífico.

Houve como sempre quem atribuísse a Sócrates motivos de pequeno alcance e baixa política e à CIP um inconfessável interesse na matéria. Não vale a pena recapitular a maledicência. Mas qualquer cidadão pode perguntar com a maior candura (e o devido respeito) para que serviram 40 anos de estudos, se a CIP, em meia dúzia de meses, conseguiu abalar uma decisão tão longamente preparada e tão angustiadamente meditada. Porque ou este adiamento é de facto uma pura e aviltante manobra do Governo, que exibe sem vergonha o seu desprezo pelos portugueses, como pretendem os maledicentes; ou o episódio demonstra a total incapacidade do país para se governar a si próprio. Seja como for, o triste caso do "novo aeroporto de Lisboa" revela um Portugal irresponsável e mesquinho, que não merece respeito ou inspira esperança.» [Público assinantes]

Parecer:

Vasco Pulido Valente no seu melhor.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

TEMOS VÍTIMA

«Helena Roseta queixou-se esta sexta-feira de estar a ser descriminada pela comunicação social, explicando que teve apenas 15 minutos dedicados à sua campanha eleitoral numa semana.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Helena Roseta acha que a comunicação social não deveria tirar as câmaras dos seus lindos olhos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lance-se um canal público para acompanhar em exclusivo os passos de Helena Roseta.»

QUASE UM ANO DE SUSPENSÃO PARA CHARRUA

«O instrutor do processo disciplinar movido a Fernando Charrua, que alegadamente proferiu um insulto ao primeiro-ministro, propõe a suspensão do professor de Inglês. No despacho de acusação, conhecido ontem, é referido que o docente, na altura requisitado pela Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), demonstrou "grave desinteresse pelo cumprimento dos deveres gerais de lealdade e correcção". A suspensão poderá chegar aos 240 dias.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Digamos que vai ficar em pousio durante quase oito meses, para aprender a elogiar em vez de chamar coisas feias ao senhor primeiro-ministro mestre pela Universidade Técnica de Lisboa!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proponha a dona Guida para a Ordem da Liberdade.»

MARQUES MENDES COM MENOS UM VICE

«Luís Paes Antunes vai abandonar a direcção do PSD e o cargo de vice-presidente em rota de colisão com Marques Mendes. Ao DN, o deputado não quis "confirmar, nem desmentir ou elaborar sobre essa matéria", mas ontem a direcção acabou por confirmar a informação. Fontes próximas do dirigente garantem que o "divórcio" com o núcleo duro de Mendes estava para acontecer há já algum tempo. No entanto, entre as razões ontem apontadas para a saída, algumas não batem certo, segundo as mesmas fontes.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Os mais capazes vão partindo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se uma justificação a Marques Mendes.»

CAVACO NÃO QUIS SABER QUEM PAGOU O ESTUDO DE ALCOCHETE

«"Ele [Cavaco Silva] disse-nos que não lhe interessava absolutamente nada saber quem pagou o estudo", afirmou ontem ao DN o presidente da Confederação da Indústria Portuguesa. Francisco van Zeller, acompanhado de Carlos Borrego e Ernâni Lopes, entregou o estudo a Cavaco Silva na segunda-feira passada e foi nessa altura que o Presidente disse que não se interessava sobre quem financiara o trabalho.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Não quis mas devia ter querido, um aeroporto envolve interesses tão grandes que não são aceitáveis estudos sem conhecer as premissas, os autores, os promotores e os financiadores. Outra postura significa ingenuidade e digo ingenuidade porque confio na honorabilidade do Presidente da República.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Cavaco Silva que da próxima antes de ser divulgado o estudo se divulgue o nome de todas as entidades e personalidades envolvidas.»

COMPORTAMENTO "EXEMPLAR" DO ESTADO

«Escreveu um e-mail ao Governo, denunciando o que considera ser uma dívida fiscal de uma empresa. As perguntas que enviou ao cuidado do Ministério das Finanças acabaram na mão da administradora da firma para a qual trabalhava. O resultado foi penoso para a carteira. A empresa estava em processo de dissolução e da indemnização que lhe cabia foram retirados 3500 euros. O «castigo», como lhe chama Alice Marques, foi-lhe apresentado sem escapatória possível. «Disseram-me que ou levava este montante ou não levava nada, e tinha uma suspensão por processo disciplinar». » [Portugal Diário]

Parecer:

Da próxima o melhor é ficar calada.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Demita-se o responsável do serviço por excesso de idiotice.»

SONDAGEM ÀS AUTÁRQUICAS INTERCALARES DE LISBOA

«O candidato do PS à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, lidera as intenções de voto, com 31,1 por cento, na sondagem que a Intercampus realizou para o PÚBLICO, a TVI e o Rádio Clube.Nesse estudo de opinião sobre as eleições autárquicas intercalares que se realizam de hoje a um mês na capital, a candidata independente Helena Roseta surge em quinto lugar, com 9,1 por cento, ao lado de Ruben de Carvalho, candidato do PCP (9,1 por cento), estando ambos a seguir a José Sá Fernandes, o candidato também independente, mas apoiado pelo Blo-co de Esquerda, que surge em quarto lugar, com 9,6 por cento das intenções de voto.

Já à direita, o PSD e o seu cabeça de lista, Fernando Negrão, é segundo, com 19,5 por cento das intenções de voto. O presidente da Câmara de Lisboa cessante, Carmona Rodrigues, que se recandidata como independente apoiado por um movimento de cidadãos, depois de ter sido eleito como candidato independente pelo PSD, apresenta-se na sondagem da Intercampus em terceiro lugar, com 13,7 por cento. Telmo Correia, do CDS, recolhe 2,5 por cento das intenções de voto. Por sua vez, Garcia Pereira, do MRPP, tem 2,4 por cento.» [Público assinantes]

Parecer:

Ainda que os resultados finais venham a ser diferentes não ficaria surpreendido se a posição relativa dos candidatos se mantivesse. Todavia, é de esperar mudanças pois até ao momento nenhuma das campanhas revelou grande qualidade, havendo muito a melhorar e ganhar por parte de qualquer um dos candidatos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se.»

O PROJECTO OTA ESTÁ ANCORADO AO TGV

«O aeroporto é, aliás, uma das extremidades das várias secções em que será construída a linha Lisboa-Porto, dividindo os segmentos Pombal-Alenquer e Alenquer-Lisboa. O documento ontem divulgado refere também o prolongamento daquela linha desde Campanhã ao Aeroporto de Francisco Sá Carneiro, no Porto, para ligar por TGV as duas infra-estruturas aeroportuárias. Para a Ota, está prevista uma estação ferroviária.Entre 2001 e 2006, a Rave gastou 58,62 milhões de euros em estudos, dos quais 67 por cento foram financiados pelo Estado português e 33 por cento pela União Europeia. » [Público assinantes]

Parecer:

É mais do que evidente que um aeroporto não pode ficar à margem das opções em matéria de transportes ferroviários.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelo estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.»

40% DOS RUSSOS INGEREM LÍQUIDOS COM ÁLCOOL COMO ÁGUA-DE-COLÓNIA

«Un estudio realizado en Londres revela que más del 40% de los hombres rusos en edad de trabajar está arriesgando su vida al ingerir líquidos -como el agua de colonia- que contienen altos niveles de alcohol. Pero ¿por qué?, cabe preguntarse. Porque están disponibles en más puntos de venta y son más baratos al llevar menos impuestos asociados.

Además de los perfumes, que llegan a contener hasta 97% de alcohol, un buen número de rusos también bebe productos de limpieza e incluso anticongelantes. Estos productos, señala el estudio publicado en Lancet, contienen muy pocas toxinas, pero son mortales por los altísimos niveles de alcohol que hay en ellos.» [El Pais]

O JUMENTO NO TECHNORATI E NO GOOGLE BLOG SEARCH

  1. O "Range-o-Dente" foi incluído na coluna da direita.
  2. Para ler no "Aliás" um post comentário ao post d'O Jumento "também quero um aeroporto no meu quintal".

IGOR TVERDOKHLEBOV

NEWSYBOLS

ELKINIMAGES

ILYA KOKOREVA

OSTRAS COM VIAGRA

«Ostras con Viagra. Las venden enlatadas en Australia, cultivadas en tanques a cuya agua se le añade una mezcla de calcio con pastillas de Viagra molidas, supuestamente para aumentar sus propiedades afrodisiacas.» [20 Minutos]

ATIRADOR DESPREVENIDO

EURO RSCH

[2][3][4]

WWF

[2][3]

NIKE

[2][3]