sábado, dezembro 15, 2007

Abertura do Mercado de Inverno (II)


Agora que se aproxima a abertura do mercado de Inverno e depois de analisados os problemas da equipa é a ocasião para fazer uma breve prospecção do mercado, procurando conhecer a qualidade da oferta.

A primeira constatação é que a oferta é variada mas principalmente para a posição de treinador principal, ainda que entre os adeptos do actual treinador não faltem os que gostariam de passar á equipa principal abandonando a academia do hemiciclo ou mesmo a academia do município onde se perfila um candidato à sucessão do treinador Sócrates, se não mesmo do presidente do clube.

Começando pela oferta de treinados são quase os mesmos da época anterior, Jerónimo de Sousa está sempre disponível para treinador vitalício prometendo uma democracia perfeita no clube, tão perfeita que os adeptos até deixariam de ter a chatice de votar nas assembleias e estariam proibidos de ir para o estádio sem lenços brancos, quem quisesse assoar o nariz teria que o fazer em casa ou em local recatado.

Paulo Portas continua a pôr-se em bicos de pés, oferecendo-se para treinador principal na esperança d ser convidado para treinador adjunto. Especializado em golpes baixos e jogadas estudadas ficou conhecido no passado pelas remas de papel que usava nos jogos, ao ponto de quase ter sido necessário reservar a Torre do Tombo para o seu arquivo pessoal.

De Menezes pouco se conhece, apenas que tem treinado a tempo parcial uma pequena equipa de província. Todavia, pode vir a ser útil numa futura formação na posição de massagista, pelo menos conseguiu que o menino guerreiro voltasse a jogar, algo ainda mais difícil do que voltar a vender o Mantorras ao Barcelona.

Resta a possibilidade de contratar Louça ainda que dele pouco se saiba pois apenas se tem limitado a liderar pequenas claques. Há quem defenda que poderia dar um bom líder de um grupo misto de Cheerleaders.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Contrates urbano, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Adrian Dennis - AFP]

«Camilla, The Duchess of Cornwall, inspects soldiers near Salisbury, England. Camilla presented operational medals to the soldiers who have recently returned from a six-month tour in Iraq. » [Washington Post]

JUMENTO DO DIA


O Presidente do óbvio

Uma boa parte das intervenções de Cavaco Silva têm-se pautado pelo óbvio, o Presidente da república raramente diz algo de novo, antecipa um problema ou sugere uma solução. Limita-se a fazer intervenções óbvias perante os problemas. Não há nada de mais óbvio do que perante os homicídios recentes no Porto em Lisboa estamos perante um problema sério, tão óbvio que qualquer português o diria, de pouco adiantando que neste caso tenha sido u Presidente da República a dizê-lo.

SÓCRATES DEVE AVANÇAR PARA O REFERENDO?

Independentemente do que cada um possa pensar sobre a realização de um referendo ao Tratado, Sócrates avançará para a sua realização em função do cálculo dos ganhos e perdas que daí poderão resultar. Não é difícil faer as conta e perceber que Sócrates não tem nada a ganhar com a sua realização.

A questão do referendo não passa de um exercício intelectual para algumas elites políticas, a maioria dos portugueses não estão preocupadas com o assunto, nunca vão querer saber o que consta no Tratado e votaria em função das indicações dos partidos ou de personalidades como Cavaco Silva. A verdade é que uma boa parte dos que defendem a realização do referendo estão mais preocupados com a sua notoriedade ou estão mais contra a participação na UE do que com o próprio Tratado.

Por melhor que fosse o Tratado o PCP ou o BE nunca votariam a favor, estes partidos sempre foram contra a integração europeia, o PCP até defendeu no passado um bloco económico com regras bem piores do que as que agora critica. Muitas das personalidades que defendem o referendo apenas pretendem notoriedade e vender opiniões, a realização do referendo seria um bom negócio para alguns dos nossos profissionais do comentário, durante alguns meses teriam um excelente mercado para cobrar honorários às estações de rádio e televisão e aos jornais.

Do ponto de vista de Sócrates a questão é simples, se optar pela ratificação pela via parlamentar ouvirá algumas críticas durante uma semana e pouco mais. Só que essas críticas são dos partidos e comentadores que nunca o elogiaram e destinam-se a segmentos do eleitorado que não é por este motivo que muda de opinião. Se optar pelo referendo obra a Caixa de Pandora e não serão poucos os que aproveitarão o tempo de antena para argumentarem contra o Tratado com críticas às políticas governamentais.

Só se for parvo Sócrates apoiará a realização de um referendo.

CM DE LISBOA INVESTE NA ESCOLA

O investimento de 12, 7 milhões de euros nas escolas é uma boa notícia, o parque educativo da capital está em degradação acelerada sendo um dos piores do país. Mas não basta reparar algumas escolas e projectar outras, é necessária uma estratégia consistente para este sector o que implica medidas globais que visem melhorar a qualidade das condições do ensino na capital.

Compreende-se que da forma como António Costa ascendeu a presidente da autarquia não lhe permita apresentar soluções estruturadas e bem pensada para todos os domínios de actuação da autarquia. Que este investimento seja um sinal de que a autarquia prepara uma aposta consistente para um sector que deve ser considerado prioritário.

LUÍS FILIPE MENEZES É LELÉ DA CUCA

«O dito faz parte da história da democracia portuguesa: foi cunhado pelo ilustre Marcelo Rebelo de Sousa, na sua encarnação de jornalista do Expresso (que dirigiu) e de redactor da respectiva secção de mexericos politiqueiros e rosa, a Gente . "Balsemão é lelé da cuca", escreveu ele no meio de um texto, antecipando gargalhadas dos jornalistas da secção de copy desk antes de apagarem da versão final a apreciação sobre o proprietário do jornal, à época primeiro-ministro. Mas nenhum dos copy desks, por distracção ou por respeito pela hierarquia ou por serem ferozes adeptos da liberdade de expressão ou por pura perversidade (talvez tivessem as suas próprias ideias sobre quem era ou deixava de ser lelé da cuca), "corrigiu" o texto. E lá foi Pinto Balsemão tratado de lelé no seu próprio jornal, para gáudio do país, do léxico nacional e da aura um pouco disparatada do professor.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

VALEU A PENA?

«Marques Mendes não servia às frenéticas bases do PSD. Queriam um motim, um escarcéu, um levantamento. Queriam um "menino guerreiro", ninguém sabe se com ênfase no "guerreiro", se no "menino". Escolheram Menezes. Passou este tempo todo e Menezes não existe. Ao princípio, houve quem pensasse que era por manha. Depois, que talvez fosse por prudência. Agora, tristemente, já se percebeu que Menezes vai continuar a ser o presidente da Câmara Municipal de Gaia, ou seja, nada. Ou menos que nada. Em Gaia, à distância, e protegido pelo benefício da irresponsabilidade, sempre se ia dando ares de grande demagogo. Na presidência do PSD, sucumbiu ao velho vício do político português: é respeitável ou tenta que o achem respeitável. Perdeu a graça e a função.

Começou por deixar que Santana se apropriasse do grupo parlamentar. Com isto, anulou o grupo parlamentar. Sócrates trata Santana como se trata um homem que ninguém leva a sério e representa o pior do PSD. E, como o país se diverte com o espectáculo, Menezes, mesmo quando fala muito, pesa pouco. De resto, ainda bem que pesa pouco. O "populista" Menezes, que tanto se insurgia contra a moderação de Marques Mendes, já propôs seriamente ao Governo "pactos de regime" sobre justiça, segurança, obras públicas e a lei eleitoral autárquica. Já concordou com a essência da lei eleitoral legislativa. Já se queixou de que a lei da "direcção" escolar é uma cópia da proposta do PSD. E já manifestou a convicção bacoca de que o primeiro-ministro anda a "liderar a Europa".

Menezes chama a esta tristeza sem alívio "a fase de desmascarar o Governo" e anuncia que chegou ou não tardará que chegue "o momento de viragem". Em Janeiro, promete que irá mostrar a enorme "diferença" entre o PSD e o PS (que se esqueceu até agora de mostrar) na economia, no ensino, na saúde e até na descentralização do Estado. E, aí sim, o Governo entrará "em crise". Entretanto, e como é preciso fazer qualquer coisa, Menezes reclama que Sócrates peça desculpa por causa de um assassinato no Porto. Exige o despedimento de António Vitorino da RTP. E decidiu, certamente com a ajuda de Ribau Esteves (um cavalheiro que se declara muito apaixonado por si próprio), vender a sede da S. Caetano e gerir o partido como quem gere uma empresa: presumivelmente para empregar amigos. Valeu a pena a troca?» [Público assinantes]

Parecer:

Vaso Pulido Valente desanca Luís Filipe Menezes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «»

ESGOTOU-SE A BCG

«O País está há mais de quatro semanas sem a vacina contra a tuberculose (BCG). Depois de percorrerem hospitais, maternidades e centros de saúde sem obter respostas positivas, tanto no sector público quanto no privado, pais portugueses estão a optar por ir a Espanha vacinar os filhos recém-nascidos, pois o stock está esgotado em Portugal. Isto apesar de o Infarmed ter garantido ontem que as unidades de saúde já tinham sido reabastecidas. Por seu lado, a Direcção-Geral de Saúde desvalorizou a importância da ruptura de stock.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Esta notícia quase passou despercebida mas num país onde a tuberculose grassa, tornando-se num problema de saúde pública deveria ter merecido maior atenção. Como é possível que tal tenha sucedido e a DG de Saúde venha dizer que o problema não é preocupante? No mínimo estamos perante uma situação de desleixo dos responsáveis da saúde.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Demitam-se os responsáveis dos serviços que se desleixaram.»

ESTÁ EXPLICADA A DERROTA DE MARQUES MENDES

«O ex-líder do PSD Marques Mendes gastou 98 mil euros na campanha para as directas dos social-democratas, menos 100 mil euros que o presidente eleito, Luís Filipe Menezes (193 mil euros).» [Correio da Manhã]

Parecer:

Dado que a escolha do novo líder resultou de uma opa ganhou quem comprou mais votos, portanto venceu o candidato que gastou mais dinheiro.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Marques Mendes se pensou que a liderança do PSD estava em saldos.»

TABACO VAI AUMENTAR 10%

«O preço do tabaco vai aumentar 30 cêntimos a partir do próximo ano em algumas das marcas mais vendidas e que são fabricadas em Portugal. O SG Ventil e o Português Suave, por exemplo, devem passar dos actuais três euros por maço para 3,3 euros, o que representa um aumento de 10% em relação ao preço em vigor actualmente, de acordo com dados recolhidos pelo DN junto de fontes do mercado. » [Diário de Notícias]

Parecer:

À conta de uma suposta política anti-tabagista o governo comporta-se como um traficante de tabaco e sempre que precisa de dinheiro vai buscá-lo ao bolso dos fumadores, da mesma forma que os traficantes de estupefacientes os fazem com os toxicodependentes. Em contrapartida pouco faz para ajudar os que desejam deixar de fumar, aliás, faz muito mais pelos toxicodependentes do que pelos fumadores porque estes sempre dão o seu contributo para o sucesso financeiro do ministro das Finanças.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Adoptem-se medidas para combater o tabagismo não se devendo ficar pelas medidas proibicionistas que são fáceis e baratas.»

NÚMERO RECORDE DE TRABALHADORES QUE QUEREM MUDAR DE EMPREGO

«No 3.º trimestre de 2007 havia 145 mil trabalhadores à procura de outro emprego, ou seja, 2,8% da população empregada, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Em termos homólogos, este é o número mais elevado desde 1998 e reflecte a crise em que o mercado de trabalho mergulhou desde 2001. Com efeito, o número de insatisfeitos com o seu emprego tende a acompanhar a evolução do desemprego. Desde 2000, o universo de desempregados disparou 115% para 444 mil, enquanto o número de pessoas empregadas que pretende obter novo emprego cresceu 104%. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Nem os empregados estão contentes...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «O último a sair que apague a luz.»

O ALBERTO VOLTOU AO DISCURSO ANTI-COLONIALISTA

«"Há sempre alguém que resiste, há sempre alguém que diz não", declamou Alberto João Jardim, citando o poeta Manuel Alegre, no final do discurso que encerrou o debate do Plano e Orçamento para 2008, aprovado ontem na generalidade com os votos da maioria social-democrata. Neste âmbito Jardim aproveitou para apresentar as contas do "haver" com a República (mais de 132 milhões de euros), criticar os "cúmplices" do "roubo" feito à Madeira, em sede de Orçamento do Estado, lançando um grito de guerra."Não nos rendemos. Pelo contrário, enfrentamos o garrote colonial ilegítimo", disse.

Para Jardim, a região é "objecto injusto de uma obsessão doentia. O separatismo de Lisboa está a provocar danos à coesão nacional". É a imprensa do Continente, a política dos transportes aéreos, a "jurisprudência calamitosa do Tribunal Constitucional", o desenho de um "Estado policial, assente na bufaria", "é dar ao estrangeiro o dinheiro que nos vai sendo sonegado", disse. Jardim garante que entende as "provocações" até porque essas têm um objectivo. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Compreende-se, o colonizador deixou de dar o dinheiro com que a elite local tem progredido.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Declare-se unilateralmente a independência do Continente e Açores em relação á Madeira.»

AUMENTO DE 5.000% DE PREJUÍZO NOS HOSPITAIS PÚBLICOS

«Os prejuízos dos hospitais de estatuto público administrativo (SPA) aumentaram 5000% no terceiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2006. De acordo com o relatório da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), a que o DN teve acesso, os prejuízos ascenderam a 54,8 milhões de euros contra 1,1 milhões de euros no período homólogo. No entanto, falham apenas ligeiramente em relação aos compromissos do Governo, fixados em 52,9 milhões.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Convenhamos que este aumento não é realista denunciando que as contas não estão bem feitas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Analisem-se as contas com todo o rigor.»

PORTUGUESES ANDAM COM A PEDRADA

«Mais de 60% dos utentes dos centros de saúde analisados num estudo do Observatório Nacional de Saúde foram considerados dependentes de, pelo menos, um medicamento do foro psiquiátrico. Os tranquilizantes (benzodiazepinas) foram os psicofármacos (indicados para a ansiedade, para dormir ou para a depressão) mais vezes prescritos aos utentes. Estes números espelham vidas. Pessoas. Gente que suporta diferentes níveis de desequilíbrios.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Compreende-se o governo deveria comparticipa estes documentos a 100%, a título de indemnização pelo discurso deprimente que adoptou.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proponha-se a medida ao ministro da Saúde.»

MAIS UMA CAPELINHA OFENDIDA

«Helena Fazenda, a procuradora que irá coordenar a equipa especial para investigar os homicídios no Porto, já está a trabalhar nas novas funções. Esteve ontem na directoria do Porto da PJ para se inteirar dos inquéritos. Mas não passou pelo Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) do Porto, onde procuradores e funcionários estão "perplexos e chocados" com a medida tomada por Pinto Monteiro. O despacho do procurador-geral da República (PGR) chegou ao DIAP através de um e-mail de Pinto Nogueira, procurador distrital.» [Diário de Notícias]

Parecer:

O comportamento de alguns grupos profissionais chega a ser ridículo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se aos magistrados ofendidos pelos seus resultados.»

PORTUGUESES PRECISAM DE SEGURANÇA, DIZ CAVACO SILVA

«O Presidente da República, Cavaco Silva, considerou hoje no Porto que a criminalidade violenta no Porto e em Lisboa, ligada aos negócios da noite, «é um assunto muito sério» ao qual as autoridades darão «resposta adequada», noticia a Lusa.

«É óbvio que, como presidente da República, acompanho com preocupação todas estas manifestações de violência, mas confio que as autoridades darão uma resposta certa e adequada», acrescentou. » [Portugal Diário]

Parecer:

Pois, a bagunça na segurança teve início quando Dias Loureiro inventou as super esquadras.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Recorde-se Cavaco Silva da política dos seus governos neste domínio.»

ERROS NOS EXAME DE ACESSO Á ESPECIALIDADE DOS MÉDICOS

«Centenas de recém-licenciados em Medicina estão a contestar as condições de realização do exame de acesso ao internato realizado no final de Novembro. A Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) fala em relatos de "situações de fraude" ocorridas durante a prova. Em causa estão também erros detectados na formulação das perguntas e repetições de questões do exame do ano anterior.» [Público assinantes]

Parecer:

Parece que não é só o ministério da Educação que comete erros.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se um comentário ao ministério da Saúde.»

DIMITYR ERMENKOV

RUSLAN KADIEV

FATHER

SAVCHENKO JULIA (SAVA)

KASSANDRA

OUTLOOK

[2][3]

Advertising Agency: Triton Communications, New Delhi, India
Art Director / Illustrator: Kishor Pingle
Copywriter: Shashank Gupta

FHM

[2][3]

Advertising Agency: mc2, India
Creative Directors: Kartik Mani, Amaii Vijeth
Art Directors: Yamie Shah, Amaii Vijeth
Copywriter: Kartik Mani
Photographer: Debasis Mandal

MITCHELL EYE CENTRE

[2][3]

Advertising Agency: WAX, Calgary, Canada
Creative Director: Joe Hospodarec
Art Director: Jonathan Jungwirth
Copywriter: Nick Asik
Illustrator: Bruce Morser
Photographer: Justen Lacoursiere

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Abertura do mercado de Inverno


Com a fase decisiva do campeonato a ter início depois do fim do ano, está para breve a oportunidade de mexer na equipa fazendo as aquisições necessárias para tapar os buracos e substituir alguns lesionados, bem como aproveitar para colocar no mercado alguns jogadores menos usados ou que tenham desiludido.

Já que no PSD as funções de treinador de bancada foram assumidas por Menezes e no PS de Sócrates nem o Carrilho se oferece para essa função, O Jumento decidiu chamar a si essa função tão importante para o desempenho da equipa de São Bento. Não é que Sócrates tenha dificuldades, desde o início que está jogando sem adversários.

Aqui fica uma avaliação da equipa e algumas sugestões de mexidas:

  • José Sócrates: para quem tinha menos habilitações do que o Paulo Bento e sem sequer ter treinado uma equipa de juniores o treinador tem surpreendido, não tanto pela qualidade do jogo mas pelos resultados. Todavia, os resultados devem-se mais à falta de qualidade dos adversários do que à qualidade do seu futebol que era o que se esperava, pouca qualidade e demasiado pula da areia. Tem tido sorte, os adversários têm recorrido a chicotadas psicológicas mas sem resultados, a excepção é o Jerónimo de Sousa que está para o seu clube como Sir Ferguson está para o Manchester, o seu cargo de treinador é vitalício e não sairá de lá mesmo que a equipa vá parar ao regional.
  • Mário Lino: está visto que o Mário não resulta na posição de defesa central, cada vez que toca na bola faz-se silêncio no estádio pois ou marca auto golo ou passa a bola ao adversário. Já se sabia que era um jogador desajeitado, o género de atleta com um futebol pouco bonito, mesmo grosseiro, mas esperava-se que fosse um trabalhador incansável. Tem desiludido, fez mais auto golos do que o Beto do Sporting, quando o Vale Azevedo o felicitou pelos golos que estava a marcar.
  • Rui Pereira: chamado à equipa principal com a saída de António Costa o Rui ainda não se adaptou ao jogo da equipa, mostra ter bom toque de bola mas ainda não está entrosado. Vale a pena dar-lhe mais algum tempo.
  • Augusto Santos Silva: o trinco da equipa tem-se revelado pouco eficaz, em vez de fazer a transição da defesa para o ataque não são raras as vezes que joga ao contrário devido a alguns maus passes. Sabendo-se das suas ligações às claques e da sua boa relação com o treinado não é de esperar mexidas neste sector.
  • José Vieira da Silva: contratado par a posição de extremo esquerdo revelou mais aptidão para jogar pela direita, dizia-se que tinha um bom pé esquerdo mas é com o direito que tem feito a maior parte dos passes.
  • Maria de Lurdes Rodrigues: apresentada como uma ponta de lança tem desiludido, apresenta um futebol confuso e pouco esclarecido, falhando demasiados lances tem lançado a desconfiança junto dos adeptos. É uma jogadora que nos lembra o Vinia do Benfica, vale mais pelas caneladas que dá aos adversários do que pelo jogo que constrói.
  • Mariano Gago: ainda não mostrou o seu valor, tem passado a maior parte do tempo no banco.
  • António Correia de Campos: quando entrou na equipa foi apresentado como um tecnicista capaz de lançar passes que tratariam da saúde aos adversários. Tem desiludido, não só tem falhado os passes como equipa começa a ter dificuldades financeiras, tantas são as bolas que vão parar às pitas, até o senhor Teixeira já começa a ficar preocupado, as quotas dos pagantes quase não dão para as bolas perdidas pelo António Correia.
  • Luís Amado: um jogador de fino recorte que lembra Nené, graças à gosma te marcado alguns golos decisivos ainda que trabalhe muito pouco para a equipa. Mudou de posição na equipa devido a lesão na vértebra A6 de Freitas do Amaral.
  • Manuel Pinho: é um jogador que nos lembra Mantorras, só joga quando a equipa faz amigáveis longe da Europa, como sucedeu na China onde fez tantos disparates que os portugueses passaram duas semanas a ver o resumo do jogo. Uma grande promessa de Sócrates que contava com ele para dinamizar o futebol da equipa, um verdadeiro número dez, te desiludido. Tal como Nuno Gomes parece estar mais preocupado com o penteado do que com a direcção da bola, Manuel Pinho dá mais atenção às pulseirinhas do que à eficácia do seu jogo.
  • Pedro Silva Pereira: um trabalhador incansável ma modesto, está para a equipa como os aguadeiros estão para os ciclistas, é do tipo de jogadores que não jogam grande coisa mas são indispensáveis pois sabem interpretar as instruções do treinador.
  • Alberto Costa: apresentado como um médio esclarecido esperou-se demasiado dele, até porque sendo um dos mais velhos da equipa poderia dar consistência ao seu futebol. Na verdade tem tido grandes dificuldades em segurar o jogo, começando a despertar a antipatia de algumas das claques mais influentes do clube.
  • Francisco Nunes Correia: não joga grande coisa mas trata a relva como nenhum dos seus colegas, vale mais pelas asneiras que não faz do que pelas poucas jogadas em que participa.Justificar completamente
  • Isabel Pires da Silva: é uma jogadora pouco esclarecida que ainda não se percebeu para que função foi contratada. As poucas vezes que tem entrado em campo tem saído por acumulação de amarelos.
  • Jaime Silva: contratado no estrangeiro parece que ainda não se adaptou ao futebol nacional, está mais preocupado com as medidas do equipamento do que o jogo que pratica.
    Nuno Severiano Teixeira: um defesa discreto que pouco tem entrado em jogo.

Cabe aqui uma palavra para a envolvente do jogo, como é o caso das claques. O destaque para a claque dos “No Never Boys” que com a Margarida Moreira à frente das hostes até faz inveja aos Super Dragões. Tem partido mais loiça na sala de troféus do clube do que os Super Dragões nas estações de serviço na auto-estrada do Norte. Estimulados e protegidos pelo treinador os “No Never Boys” têm-se tornado excessivamente agressivos, ameaçando todos os que criticam Sócrates com os seus pitbulls e rotweillers, tendo havido já vários casos de mordeduras. Que o diga o Fernando Charrua que já foi impedido de entrar no estádio durante uns tempos depois de se ter metido com a claque, acabando com um par de dentadas no rabo.

Uma palavra também para o senhor Teixeira, incansável a cobrar as quotas, uma tarefa discreta e antipática, mas indispensável para sanear as contas dos clubes. Ainda que alguns se queixem de ter sido a pagar as quotas à força ou de lhes exigirem o seu pagamento depois de já as terem pago, tem-se revelado uma peça importante do clube.

Apesar de estar à frente no campeonato a equipa está longe de agradar aos adeptos, havendo mesmos alguns, coo é o caso de Manuel Alegre, que não escondem o desagrado pela forma de jogar da equipa, não se cansam de criticar Sócrates de canalizar quase todo o seu futebol pela direita, como os benfiquistas que se queixam que o Benfica não joga à Benfica, estes adeptos estão desiludidos porque o PS já nem sabe jogar à PS. Houve mesmo alguns, como a Hlena Roseta, que abandonaram o clube porque Sócartes não os deixava entrar no balneário para aconselharem os jogadores antes dos jogos.

Uma palavra final para o presidente Aníbal, quando se candidatou prometeu ser um presidente interventivo à imagem de Pinto da Costa, mas acabou por seguir as pisadas habituais no Belenenses, os presidentes pouco mais fazem do que os discursos de ocasião.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Sapateiro de Alfama, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Yuriko Nakao / Reuters]

«Balón con GPS. Un directivo de Adidas presenta en la ciudad japonesa de Yokohama un modelo del nuevo balón de fútbol desarrollado por la firma y Cairos Technologies, que cuenta con un dispositivo en su interior para seguir la ruta del esférico. El chip manda la información a los árbitros, lo que les servirá para saber si un balónçon ha cruzado o no la línea de la portería en caso de duda.» [20 Minutos]

JUMENTO DO DIA

O Calimero

O senhor Vaz Guedes anda muito incomodado, queixa-se de que a construção está sempre sob suspeita, que está sempre sob suspeita, por isso o sector abandonou a CIP. Acontece que este senhor é o mesmo que falava muito dos centros de decisão nacionais e depois vendeu a empresa aos espanhóis, e como isso não bastava lidera a empresa que pagou as facturas do PSD de Durão Barroso. Que grande lata, agora o senhor Vaz Guedes quer ser o Calimero.

HÁ UM PROBLEMA DE SEGURANÇA EM PORTUGAL?

É evidente que há, negá-lo é meter a cabeça no buraco como a avestruz, quando criminosos desafia as polícias e assassinam em série usando armas de guerra é impossível negá-lo. tentar iludir a realidade com estatísticas é inútil, depois dos seguranças da concorrência chegará a vez dos empresários da noite e, mais tarde ou mais cedo, os próprios polícias.

O número de homicídios pode não ter aumentado, mas aumentou a sua natureza, ás estatísticas não explicam tudo para além de serem muito fiáveis já que a generalidade dos portugueses já deixaram de apresentar queixa pois sabem que as polícias só actuam perante crimes muito graves.

POLÍTICA DE CLASSE?

«Ele há coisas que nos devem fazer pensar. Será propositado? Será coincidência?

Durante nove anos, um Presidente da República, inequivocamente um democrata, visitou dezenas de países estrangeiros. Nunca nas suas delegações foi incluído um sindicalista. Nem um para amostra. Mais: Jorge Sampaio, porque é dele que falamos, agastou-se quando Carvalho da Silva chamou a atenção para o facto. Será que esta anormalidade já se tinha tornado tão "normal" que ninguém dava por ela?

O tratamento dado pela comunicação social portuguesa à maior manifestação dos trabalhadores portugueses nos últimos 20 anos é também revelador. Mas não só em Portugal. Uma acção que englobou mais de 200 mil trabalhadores foi pura e simplesmente apagada da comunicação social mundial. O silêncio é particularmente chocante se nos recordarmos que mais de 1300 jornalistas de todo o mundo estavam a cobrir a Cimeira da União Europeia no Parque das Nações. Não duvidamos que muitos desses jornalistas terão transmitido a notícia para as suas redacções. Mas, nesse dia 18 de Outubro de 2007, os chefes de redacção, directores e proprietários da comunicação social devem ter esgotado os seus stocks de lápis azuis. Porque terá sido?» [Público assinantes]

Parecer:

António Vilarigues queixa-se da discriminação de que os sindicatos são alvo por parte da comunicação social e dos governantes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

LÁ VAI LISBOA

«Sim, sou sensível ao bairrismo, ao patriotismo e a isso tudo. Da última vez que Portugal ocupou a presidência europeia, eu era emigrante. O nosso país foi elogiado, e a sensação era inegavelmente reconfortante. A The Economist, se bem me lembro, chegou a sugerir que o melhor para a União Europeia seria deixar-se de presidências rotativas e entregar o assunto de vez aos portuguesinhos, que se tinham safado bem. Bom para a Europa, bom para Portugal e, se tudo tivesse corrido de outra forma, bom para António Guterres, que teria dado um excelente presidente da Comissão Europeia. Como não gostar?

Agora, não estou tão seguro. A acreditar nos líderes europeus, há um novo espírito, o "espírito de Lisboa", que vai levar a Europa para um novo patamar. O problema é que esse novo patamar não é mais acima, nem mais próximo.

Depois de os Açores ficarem internacionalmente conhecidos por uma cimeira vergonhosa, eu gostaria que o nome Lisboa evocasse aos europeus mais democracia e mais clareza. Em vez disso, arriscamo-nos a que "Lisboa" signifique líderes com medo dos seus eleitorados e uma Constituição (perdão, um "Tratado Reformador" que em tempos era para ter sido um "minitratado") deliberadamente confusa. É bom isto?

Já escrevi uma vez que os meus instintos europeístas colidem com os meus instintos democráticos. Não teria de ser obrigatoriamente assim, mas é: por culpa da maneira como os líderes europeus fazem as coisas. Se for forçado a escolher, eu escolho os meus instintos democráticos. Europa sem democracia não passa de geografia e conversa fiada.

Pois enfim, celebrem. Há razões para isso. Seis meses cheios, algumas coisas boas (a cimeira com o Brasil), os trabalhos de casa bem feitos, as tarefas cumpridas. José Sócrates, em particular, merece, por uma vez, que a sua lendária teimosia seja elogiada. As culpas pela fuga dos líderes estão partilhadas: de Sarkozy a Merkel, passando por Durão Barroso e pelo Governo inglês.

Ainda assim, eu gostaria que Portugal deixasse de ser o país que cumpre com as tarefas menores "pelas razões que todos conhecem", como diria Luís Amado. Ao contrário daquilo a que nos habituou o nosso triste choradinho, os países pequenos não saem prejudicados quando assumem a defesa dos princípios democráticos. Durão Barroso quis fazer-nos crer, antes da Guerra do Iraque, que não tínhamos outra alternativa senão fazer o que os EUA de nós esperavam (e que retaliações sofreram os países pequenos que não apoiaram a guerra?). Também agora nos dizem que tivemos de nos prestar ao papel que os "grandes" designaram para nós. Cavaco Silva acorre pressurosamente a garantir que não quer referendos, como se isto fosse uma ideia de lesa-pátria. Por que razão, então, a Irlanda ou a República Checa não seguem o guião e podem levar o Tratado de Lisboa a referendo? Serão menos europeus por isso?

Os políticos vivem obcecados com fazer boa figura. Mas há coisas mais importantes. Eu preferia que pensássemos um pouco mais nos europeus e um pouco menos na figura que fazemos. Aí talvez o nome "Lisboa", a prazo, evocasse coisas mais dignas aos nossos concidadãos.» [Público assinantes]

Parecer:

Rui Tavares desconfia do novo Tratado.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

SONDAGEM COM RESULTADOS APARENTEMENTE CONTRADITÓRIOS

«Os portugueses estão desiludidos com o Governo. Esta é a conclusão de uma sondagem CM/Aximage que revela que nem mesmo o eleitorado do PS está satisfeito com a governação de José Sócrates. Mas, apesar da queda de expectativas no Governo, o PS continua a subir nas intenções de voto.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Coma oposição que temos o governo até nem precisa de se preocupar em governar bem.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento aos líderes dos partidos da oposição.»

OLHA QUEM FALA!

«Diogo Vaz Guedes disse ontem adeus à presidência executiva da Somague. Apesar de abandonar funções importantes no sector, o líder da construtora "que mais factura em Portugal" não deixou passar em claro o clima de suspeitas públicas geradas à volta das empresas de construção e que culminaram na saída da federação do sector da CIP (Confederação da Indústria Portuguesa).

"Somos apontados como o mal de tudo", ao contrário do que acontece em Espanha. "Em Portugal, sempre vivemos a bater na construção e somos sempre retratados como os que fazem mal e não pagam ao Fisco." As declarações do ex-líder da Somague surgem na sequência da polémica aberta pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Amaral Tomaz, que a propósito da Operação Furacão disse que há fuga e fraude fiscal entre as mil maiores empresas. O presidente da CIP, Francisco Van Zeller, apontou a construção como um sector onde essa situação existe.» [Diário de Notícias]

Parecer:

É mesmo preciso ter lata!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao senhor Vaz Guedes se, por acaso, tem um espelho em casa.»

CDS QUER DEMISSÃO DO MINISTRO DA AGRICULTURA

«O CDS-PP pediu hoje a demissão do ministro da Agricultura, Jaime Silva, por «incapacidade, irresponsabilidade e incompetência» para coordenar as políticas do Estado no sector, noticia a Lusa.

Numa declaração política no plenário da Assembleia da República, o deputado do CDS-PP Abel Baptista recuperou o caso da exoneração, por parte do ministro, a 16 de Novembro, do director-geral dos Recursos Florestais, Francisco Castro Rego. » [Portugal Diário]

Parecer:

Já não é a primeira vez que o faz, os grandes proprietários não se conformam por terem deixado de ter um defensor dos seus interesses à frente do ministério. Só que se Portas espera uma remodelação e por isso exige a demissão do ministro acaba por lhe fazer um favor, as críticas de Portas são um elogio para qualquer governante.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Agradeça-se a Paulo Portas em nome do ministro da Agricultura.»

JS QUER REFERENDO AO TRATADO

«A Juventude Socialista não esperou pela posição oficial do PS e anunciou hoje que é favorável à ratificação do novo tratado europeu através de referendo, por considerar que esta via "permitirá aproximar os portugueses do processo de integração europeia".Em comunicado, os jovens socialistas elogiam a assinatura do tratado, dizendo que "representa um marco incontornável na evolução do processo de construção da unidade europeia e um êxito histórico da Presidência Portuguesa da União".» [Público]

Parecer:

Como é costume os putos do PS decidiram fazer xixi fora do penico.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Diga-se a Sócrates que tenha paciência.»

BROWN FEZ FIGURA TRISTE

«Mais de duas horas depois de os restantes líderes europeus terem assinado o tratado, na cerimónia que decorreu nos claustros do Mosteiro dos Jerónimos, Gordon Brown colocou a sua assinatura nos livros oficiais. A discreta assinatura, no Salão Nobre do Museu dos Coches, foi feita na presença do primeiro-ministro português, José Sócrates, do presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, e do presidente do Parlamento Europeu, Hans-Gert Poettering.» [Público]

Parecer:

Começam a haver saudades de Blair.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Da próxima assina no jardim...»

AFINAL AMARAL TOMÁS VAI OU FICA?

Não há ninguém na Administração Tributária que não tenha ouvido um mexerico sobre a saída próxima de Amaral Tomas do Governo, que sai em Janeiro ou em Março, que sai porque está cansado ou porque é o resto do governo que se cansou dele, que sai porque não gosta dos assessores, que está cansado que está em conflito com o gabinete do ministro, porque não foi escolhido pelo actual ministro, etc., etc.. Uma boa parte dos mexericos asseguram que foi o próprio a dizer que ia sair, uma vezes disse à mesa da sua casa de Mira, outras vezes confidenciou a directores-gerais.

São mexericos a mais que apenas resultam em instabilidade da máquina fiscal, a ser verdade que é o próprio que fala do assunto estaremos perante uma grande irresponsabilidade. É tempo de se clarificar o futuro deste membro do governo pois os funcionários do fisco têm mais que fazer do que se preocupar com o su emprego.

ADIVINHA FISCAL

Fiquei a saber, por um mail devidamente identificado, que um conhecido director de finanças usa métodos muitos populares para cobrar dívidas, enquanto os contribuintes faltosos de todo o país vivem sob a ameaça da penhora, ainda há altos responsáveis do fisco que se revelam ser muitO simpáticos:

«Não posso deixar de o colocar ao corrente da ultima tropelia do director de finanças d* ***.

O sujeito autorizou esta terça feira uma empresa com uma dívida superior a 500000 euros a efectuar o pagamento da mesma em suaves prestações mensais, através de cheques pré datados, foi esta a garantia oferecida… dando ordem verbal ao serviço de finanças da sede da empresa para que levantassem todas as penhoras entretanto feitas.»

Aqui fica a adivinha, quem é o director simpático? Ficamos a aguardar que o director-geral dos Impostos consiga adivinhar.

O JUMENTO NOS OUTROS BLOGUES

O "Um Sonho Chamado Matilde" e o "PS Lumiar" deram destaque ao post onde se critica a forma como o governo comemorou a assinatura do Tratado.

NO "SOBRE O TEMPO QUE PASSA"

Num dia para pensar a Europa dois posts de leitura obrigatória, um com o título "com muitas saudades do futuro"

«Hoje é dia dito de festa, pelo Tratado dos Jerónimos, à beira Tejo. E a cidade de Lisboa associou-se ao evento, com transportes gratuitos, bandeirinhas e os museus de porta aberta, sem bilhete de entrada. Sócrates e Amado, cansados, mas felizes, esqueceram a cena de ontem no parlamento europeu, com aquela meia dúzia de membros de um rancho folclórico que, não obedecendo aos ditames das duas principais multinacionais partidárias da Europa, exigiram que os povos referendassem o tratado. O primeiro, até logo os carimbou de "anti-europeus". E com toda a razão. Pelo menos, o povo português apenas está dividido entre o Senhor Feliz e o Senhor Contente.»

Outro a que o Professor Maltez titulou "em dia de pátria das pátrias, de novo o Quinto Império":

«Hoje a Europa tem uma bandeira azul, com uma coroa de doze estrelas, não uma estrela por Estado, mas o emblemático número doze, considerado símbolo da plenitude e da perfeição, como doze eram os filhos de Jacob, os trabalhos de Hércules, os signos do zodíaco, os meses do ano, os apóstolos ou a romana lei das doze tábuas.

Doze estrelas, como as da auréola de uma Virgem que aparece no vitral da catedral de Estrasburgo, uma mulher vestida de sol, com a lua debaixo dos pés, tendo uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça (et in capite eius corona stellarum duodecim)...

Tudo muito conforme, aliás, com o capítulo XII do Apocalipse de S. João.»

NO "CAUSA NOSSA"

O Professor Vital Moreira sugere uma ratificação rápida do Tratado:

«Claro que o PS não deve adiar a resposta a este desafio. Se a opção é pela via parlamentar, como defendo, então o Governo deveria apresentar o Tratado na AR já na próxima semana (ou, se quiser esperar pelo fim da presidência portuguesa, logo no primeiro dia parlamentar de Janeiro), não havendo nenhuma razão para atrasar o procedimento de ratificação. »

CHARLES JONES

MISS MOURNING

RABIDGIRLSCOUT

DAMIENNE

MARTYA ADELA

ZAPTOR

[2][3]

Advertising Agency: Hjaltelin, Stahl & CO., Copenhagen, Denmark
Creative Director:Nicolai Stahl
Art Director:Peter Strange
Copywriter: Gustaf Hultberger
Photographer: Martin Juul

THINK

[2][3]

Advertising Agency: Leo Burnett, London, UK

SKODA

Advertising Agency: Cayenne Italy
Copywriter: Evelin Loprete
Art Director: Giorgio Tezza
Creative Directors: Stefano Tumiatti, Giandomenico Puglisi