sábado, abril 19, 2008

Procuram-se voluntários para liderar o PSD


Por mais que Pacheco Pereira se esforce o PSD não tem nem um projecto político que o identifique, nem valores ideológicos que unem os seus membros, o PSD é um projecto que une uma imensa direita que nunca se esforçou muito para estruturar um programa político. Existe quando está no poder e desaparece quando o perde, une-se em vésperas de chegar ao poder e desune-se quando este não está ao seu alcance.

O que neste momento se discute no PSD não é qual o projecto que se deve apresentar aos portugueses nas próximas legislativas ou qual o melhor primeiro-ministro para o liderar, mas sim se vai ser ou não possível impedir que Sócrates tenha uma maioria absoluta para existir um factor de crise política que conduza a eleições antecipadas antes do termo da próxima legislatura. Menezes ganhou facilmente as directas para a liderança do PSD porque na ocasião não se vislumbrava qualquer hipótese de regresso ao poder, nos últimos tempos os opositores a Menezes agitaram-se porque o governo enfrentou dificuldades e a crise económica mundial sugere um ano difícil para José Sócrates.

Anunciada a demissão de Menezes e apresentadas as candidaturas temporãs os principais interessados em eventualmente discutir a liderança vão entrar em período de reflexão, dando tempo a que as alternativas sejam testadas junto do eleitorado e avaliadas por sondagens, nenhum deles estará interessado em suportar mais uma legislatura na oposição, a não ser, eventualmente, Manuela Ferreira Leite que pela sua idade não pode esperar por mais uma legislatura para tentar a sua oportunidade.

É evidente que Luís Filipe Menezes sabe muito bem que os seus opositores não querem o seu lugar de líder do PSD, querem sim o seu lugar de candidato a primeiro-ministro e esse lugar apenas é cobiçado se houver hipóteses de ganhar eleições, ou as próximas ou as que resultarem de uma crise de ingovernabilidade se o PS não conseguir a maioria absoluta.

O problema é que se os candidatos credíveis apenas avançam se tiverem a perspectiva de chegar ao poder a curto prazo dificilmente estas perspectivas existirão o que os levará a recuar, deixando o caminho aberto para que Luís Filipe Menezes continue no cargo. Não foi por acaso que Menezes decidiu demitir-se quando as sondagens bateram no fundo, ele sabe que o preço cobrado pelos candidatos a salvadores do PSD é o acesso ao governo, se este acesso não é viável eles deixarão a salvação do partido para outra oportunidade.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Elevador da Bica

IMAGEM DO DIA

[Bjorn Sigurdson/Scanpix]

«El escote de la polémica. Angela Merkel en la inauguración de la nueva Ópera de Oslo el pasado sábado. La canciller alemana se ha mostrado sorprendida ante el revuelo que se ha montado en la prensa de su país por el escote que lució; aunque ha minimizado las críticas atribuyéndolas al solo hecho de ser mujer.» [20 Minutos]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Pela primeira vez a Polícia Judiciária foi chamada à sede de um partido na sequência de um líder, aconteceu ontem à noite logo que Luís Filipe Menezes pediu a demissão. Mal o líder do PSD terminou a conferência de imprensa os agentes da PJ entraram na sede para recolher provas numa tentativa de identificar quem atirou a bomba, isto porque há poucos dias Menezes assegurou que só sairia à bomba. A confusão instalou-se porque à mesma hora da intervenção de Luís Filipe Menezes foi lançado fogo de artifício junto a Belém.

O Jumento conseguiu apurar que as principais suspeitas da autoria do atentado bombista à liderança de Menezes recaem sobre José Sócrates. Depois de a última semana ter sido dominada pela acusação do PSD de que Fernanda Câncio iria ganhar umas massas na RTP graças à influência de um suposto namoro com o primeiro-ministro, os agentes da PJ recordaram-se que Sócrates já tinha experiência em explosões e implosões, sendo dos poucos políticos portugueses com experiência em explosões deste tipo, como se viu em Tróia.

Agora espera a vinda para breve, também à sede do PSD, do cardeal José Saraiva Martins que no Vaticano é responsável pela Congregação para a Causa dos Santos. É que nesta sexta-feira Luís Filipe Menezes assegurou na SIC Notícias que só se recandidataria à liderança do PSD se Cristo viesse à terra. Aliás, é bem provável que o cardeal antecipe a sua visita pois na mesma entrevista Menezes assegurou que no ano passado tinha avisado que a crise do subprime vinha aí.

Um eventual milagre vai suscitar muita polémica pois depois de Santana Lopes se ter apresentado como um Jesus que quiseram matar na incubadora para mais tarde ser vítima de facadas que o encheram de chagas, há quem desconfie que Santana Lopes se disfarce de Jesus Cristo só para convencer Luís Filipe Menezes que conta com o apoio no Céu que não teve no inferno do PSD da Linha de Cascais e decidir-se a apresentar a sua candidatura. No país das aparições tudo pode acontecer, até já há quem esteja a acampar junto à igreja da Serra do Pilar, em Gaia, convencidos que de é ali que Jesus vai aparecer.

JUMENTO DO DIA

Terminou a viagem de Cavaco Silva à Madeira

Foi um excelente passeio turístico, a principal intervenção de Cavaco Silva durante vários dias foi a que fez sobre o excelente tempo que estava.

ISTO É O FUTEBOL PORTUGUÊS

Num dia um empresário dá uma conferência de imprensa prometendo milhões, no dia seguinte é preso por ter passado cheques carecas. Isto no clube do grande Valentim Loureiro.

A ANEDOTA DO DIA

Para Rubem de Carvalho a culpa da crise no PSD é do PS porque roubou o seu espaço político. É estranho, o BE roubou o mesmo espaço do PCP e não houve crise nenhuma. A criatividade política de Ruben de Carvalho lembra-me a arte soviética do tempo do realismo socialista.

PCP PREOCUPADO COM A BLOGOSFERA?

«A Comunicação Social dominada cá do burgo - acéfala caixa de repetição das mentiras e intoxicações «made in USA» - não podia deixar de amplificar a campanha. Imediatamente, esta acção se reflecte na chamada «blogoesfera», e em centenas de blogs, milhares de cidadãos melhor ou pior intencionados comentam e censuram a atitude de Chavez. E em milhões de locais da esfera real onde vivemos, milhões reproduzem e comentam esta informação. Nascem anedotas, sedimentam-se preconceitos, tiram-se conclusões.» [Avante]

Concordo inteiramente com Manuel Gouveia que escreveu o artigo em defesa da alteração do horário dos Simpson's porque é “conteúdo contrário à educação de meninos, meninas e adolescentes”, as mamas da Pamela Anderson e das companheiras do "Marés Vivas" têm um conteúdo mais educativo do que os bonecos desenhados.

Já que estamos no Avante não podemos perder os artigos de Messias que neste número nos brinda com um belo exemplo da relação entre o dito cujo e as calças:

«Este quadro de intenções configura a restauração da desmantelada Acção Católica, a «forma organizada do apostolado dos leigos» inspirada pelo papa Pio XI , em 1933, e reforçada em 1965 pelo decreto «Ad limines», do Concílio Vaticano II que lhe imprimiu a vertente de actividade missionária. Por curiosa coincidência, 1933 é o ano da consolidação do fascismo em Portugal e 1965 pertence à fase da intensificação das guerras coloniais.»

Brilhante raciocínio do Messias que tem uma adoração especial por se atirar à Igreja Católica, talvez porque o apelido mexe com ele.

O INQUEBRANTÁVEL SENTIMENTO DO SENHOR SILVA

«É verdade o que José Miguel Júdice disse esta semana na SIC Notícias sobre Jardim: há décadas que os responsáveis políticos portugueses o tratam como se tratam os doidos, fazendo de conta que não o ouvem e nunca o contrariando. Aliás, não são só os responsáveis políticos. Basta não se ser madeirense ou, sendo, não viver na Madeira, para poder ignorar Jardim. E se um madeirense que vive na Madeira se queixa, a resposta está na ponta da língua: "Votam nele, não votam?"Certo que votam, há décadas, e sempre com maioria absoluta, não havendo notícia de quem acuse Jardim de manipular resultados. Terão pois o que merecem e nós, os outros portugueses, só damos por eles e por Jardim quando ele se lembra de insultar alguém "do Continente" ou desata num berreiro porque quer mais dinheiro ou ameaça não cumprir leis da República. Como alguns pedopsiquiatras dizem da má educação das crianças, será a forma de Jardim dizer "estou aqui".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

COMO REMOVER MENEZES

«A grande consequência do "caso" Fernanda Câncio foi que o PSD se mostrou como um partido não só dividido e comandado por uma direcção delirante, mas também como um partido pouco respeitável. A linguagem violenta usada para condenar Rui Gomes da Silva e o indivíduo Ribau não se limita a reflectir indignação (de resto, inteiramente justificada), afirma a diferença entre quem fala e "aquela gente". A política ainda tenta preservar uma certa dignidade e a classe média alguma decência. Não sei que meios frequentam as luminárias do actual PSD. Um ponto é certo: o PSD excedeu a tolerância do português comum. "São coisas que não se fazem", como se costuma dizer, e quem as faz paga o preço de uma reprovação moral, difícil de apagar ou diminuir.

Há hoje uma hostilidade geral ao partido, que o militante médio e muitos dirigentes que não perderam a cabeça sentem e percebem. Enquanto Santana Lopes, definitivamente perdido para a realidade, vê na maioria de Berlusconi a vingança do populismo e o prenúncio da sua própria ressurreição, outros, como Mota Amaral, procuram um cantinho de sombra ou, como Arnaut, não hesitam em reprovar Menezes, porque o mundo não acaba amanhã. Infelizmente, Pedro Passos Coelho e José Pedro Aguiar Branco preferiram apresentar a sua candidatura à presidência do PSD. Na aparência, o cálculo parece razoável. Não é. Primeiro, porque reforça o espírito de bunker de Menezes. Segundo, porque uma a uma, isoladamente, Menezes pode ainda resistir a qualquer ameaça.» [Público assinantes]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

OUTRA VEZ A MANUELA

«Manuela Ferreira Leite está a ponderar se tem ou não condições para avançar para a liderança do PSD, soube o DN. Para além de José Pedro Aguiar-Branco e de Pedro Passos Coelho, os únicos que se disponibilizaram antes de Menezes se demitir, Ferreira Leite era ontem o nome mais falado nos bastidores do PSD. Depois de ter sido lançada por António Borges na RTP1, quase à mesma hora que Menezes se demitia, a antiga ministra das Finanças começava a receber telefonemas e a conferenciar com alguns dos seus apoiantes mais próximos. Próxima do Presidente da República, de quem foi ministra da Educação, a actual conselheira de Estado é de longe a candidata preferida do cavaquismo.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Deus nos livre.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se à senhora que viva a sua reforma tranquilamente.»

BASTONÁRIO CONTRA ASAE NOS ESCRITÓRIOS DE ADVOGADOS

«O bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, rejeita a indicação dada pelo Ministério da Economia à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) de autorização para fiscalizar a afixação de uma tabela de honorários, assim como a existência de livro de reclamações, em escritórios de advogados. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Quem os quer em casa?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Apoie-se o bastonário.»

ASSALTO ORIGINAL

«"Pedi para meter cinco euros de gasóleo e o rapaz perguntou-me apenas se ia pagar em dinheiro ou com cartão, avisando-me que a máquina de multibanco estava avariada." Este é o relato de uma jovem, Andreia Moreira, que, tal como outros clientes, teve o seu carro abastecido por um ladrão "disfarçado" de gasolineiro durante um assalto à Cepsa de Rebordosa, em Paredes.» [Diário de Notícias]

Parecer:

A que ponto chegou o ambiente de impunidade.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a conhecer ao ministro da Administração Interna.»

QUE GRANDE INVESTIDOR QUE O BOAVISTA ARRANJOU

«Sérgio Silva deixou o Estádio do Bessa ao início da tarde desta sexta-feira, tendo entrado num veículo não identificado, acompanhado de dois homens. Em redor havia agentes da polícia a assegurar a segurança.

O homem que se anunciou como investidor e se propunha aplicar 38 milhões de euros no clube saiu pela porta das relações públicas do estádio. » [Portugal Diário]

Parecer:

Este é um bom exemplo do que é o futebol português.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Valentim Loureiro se foi ele que sugeriu este investidor.»

COMEÇOU A VAGA DE FUNDO DE APOIO A MENEZES

«O PSD/Porto considera que o projecto político de Luís Filipe Menezes ainda não está esgotado, pelo que o líder do partido «deve honrar» os compromissos que assumiu, voltando a candidatar-se ao cargo.

«O PSD/Porto entende que o presidente do partido deve honrar os compromissos que assumiu e que galvanizaram, e galvanizam, muitos milhares de militantes social-democratas, voltando a apresentar a sua candidatura», refere um comunicado divulgado no final de uma reunião da Comissão Política Distrital Alargada. » [Portugal Diário]

Parecer:

Aguarde-se pelo espectáculo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aposte-se numa recandidatura do PSD.»

OI PÚBLICO LANÇA A CANDIDATURA DE FERREIRA LEITE

«O PÚBLICO sabe que, de facto, Manuela Ferreira Leite pode vir a liderar uma "candidatura federadora" no PSD. A disponibilidade desta conselheira de Estado e ex-ministra dos governos de Cavaco Silva para liderar o partido a tempo das eleições legislativas de 2009 é já há algum tempo conhecida de alguns dirigentes históricos e figuras proeminentes do partido e é bem recebida por vários sectores do PSD.

A eventual manifestação pública de uma candidatura à liderança por parte de Manuela Ferreira Leite não estava, no entanto, prevista para o curto prazo, até porque, para a maioria das figuras com peso no PSD, este não era o momento para mudar de líder. O timing preferido para o lançamento de uma candidatura ganhadora era só depois do Verão, na chamada rentrée política. Mas ontem o anúncio de eleições directas baralhou todos os calendários.» [Público assinantes]

Parecer:

Duas ou três horas depois o Público foi para as rotativas informando de que sabia que se estava já a preparar a candidatura de Ferreira Leite, até já se sabiam todos os pormenores da candidatura d idosa. Notável!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se os parabéns a José Manuel Fernandes e aos seus jornalistas bem informados.»

RELAÇÕES DO BPN EM ÁFRICA ESTÃO A SER INVESTIGADAS PELO BdP

«As várias relações existentes entre a Sociedade Lusa de Negócios (SLN), holding que controla o Banco Português de Negócios (BPN), e capitais angolanos estão a ser vistas à lupa pelas autoridades de fiscalização nacionais. Em causa estão não só capitais angolanos geridos pelo BPN, mas também parcerias que a instituição, agora liderada por Abdool Vakil, mantém com empresas no Brasil e em Angola.» [Público assinantes]

Parecer:

Cá por mim que todas as suas relações devem ser investigadas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

SUECO COM 73 ANOS MUDOU DE SEXO

«Um sueco de 73 anos acordou nesta sexta-feira como mulher, tornando-se a pessoa mais velha do mundo a trocar de sexo.

A cirurgia de troca de sexo foi concluída na quinta-feira no prestigiado Instituto Karolinska, na capital sueca.» [BBC Brasil]

PÁGINA WEB ESPANHOLA FAZ APOSTA SOBRE QUAIS OS FAMOSOS QUE VÃO MORRER

«La web el polvorin.com propone a los miembros de su comunidad un juego mortuorio donde los usuarios podrán votar por el famoso que va a "palmarla antes". "Lo estrenamos como 'Mira quien casca', esa mítica porra de la que alguna vez has hablado con tus amigos sobre quién crees que será el próximo famoso que... nos dé el disgusto", según señala la web.» [20 Minutos]

O JUMENTO NO TECHNORATI

  1. O "Agora Blogo Eu" deu destaque ao post da preocupação do PSD e do PCP sobre o estado da democracia.
  2. "A Rosa" gostou da menina do Linux.
  3. "A Defesa de Faro" gostou de uma imagem da DGCI de outros tempos.

KENVIN PINARDY

AVISO

GUERRA DE ANÚNCIOS ENTRE A AUDI E A BMW [Link]

STOP PAIN

sexta-feira, abril 18, 2008

PSD: uma equação a onze incógnitas


Os últimos dias mostraram um PSD vergado pelas sondagens, pela incompetência de Menezes e pela perseguição a uma jornalista conduzida por uma das personagens mais cinzentas e cretinas que passaram pela direcção deste partido. Em poucos dias Menezes prometeu transformar Portugal num paraíso fiscal, Rui Gomes da Silva promoveu um ataque fascista a Fernanda Câncio, o PSD votou contra um projecto autárquico que propôs e votou favoravelmente na generalidade e voltou a propor uma nova Constituição, desta vez elaborada por Alberto João. A crise era inevitável.

Agora o PSD está transformado numa equação a dez incógnitas:

Manuela Ferreira Leite: será que a velha senhora aproveitar a última oportunidade antes de se reformar? Ferreira Leite é um general sem tropas, a última vez que esteve no poder rodeou-se de uma pequena guarda pretoriana, onde pontuavam personalidades como António Preto e Vasco Valdez, que à primeira oportunidade a abandonaram para se juntar a Pedro Santana Lopes. Tenta cultivar uma imagem de rigor mas a verdade é que as suas passagens pelo governo foram desastrosas, foi uma má ministra da Educação e enquanto ministra das Finanças iludiu a crise financeira com vendas de dívidas e de património. A sua vitória seria o regresso do cavaquismo, desta vez com uma maioria relativa, a sua derrota seria uma derrota do cavaquismo, passaríamos a ter um Presidente da República derrotado nas legislativas o que significaria o fim do sonho de Cavaco Silva de ficar na história de Portugal.

António Borges: desta vez o economista conseguiu que o seu calendário pessoal se ajustasse ao calendário político, recentemente foi dispensado pela Goldman Sachs e as portas do PSD abrem-se de par em par a eventuais salvadores. Só que os primeiros-ministros são escolhidos em eleições e não por avaliação curricular, para além disso ainda falta mais de um ano para eleições, demasiado tempo para incertezas e para que Borges dispense outras alternativas profissionais. Entre um futuro incerto na política e um bom emprego Borges não terá dúvidas em escolher, faz o que sempre fez, escolhe o bom emprego.

Aguiar Branco: o ex-ministro da Justiça de Durão Barroso é tão conhecido dos eleitores como o presidente da junta de freguesia do Castelo e o seu discurso político não estimula ninguém.

Pedro Santana Lopes: o líder derrotado nas últimas legislativas sabe que nunca chegará ao poder, ainda por cima com um Presidente da República que o designou por “má moeda”, Santana Lopes é um político morto que não enterraram por esquecimento. Como ninguém lhe ofereceu emprego no sector privado tem que se ir servindo da sua escassa influência para sobreviver da política, sempre vai ganhando uns contratos de consultorias em autarquias lideradas por autarcas amigos e um biscate aqui e acolá para compor o vencimento de deputado. Santana Lopes é um proletário da política, ainda que Cavaco Silva o enquadre mais no lumpen proletariado.

Marques Mendes: vencido nas directas e empregado no sector privado graças a uma mão amiga, o líder do PSD que estendeu o tapete a Menezes terá poucas hipóteses, foi derrotado porque os militantes perceberam que nunca ganharia as legislativas e desde então remeteu-se a um silêncio que faz lembrar Fernando Nogueira. Se Santana Lopes é um político morto que ficou por enterrar, Marques Mendes é um político enterrado vivo e sem direito a exéquias fúnebres.

Pedro Passos Coelho: sem grande projecto e contando apenas com a opinião do seu próprio espelho Pedro Passos Coelho tem poucas hipóteses, para ele a carreira política é como a carreira dos pilotos de fórmula um, começou por pilotar os kartings na JSD, tem-se entretido a tentar sponsors para conseguir uma escuderia que lhe proporcione um carro e tenta agora entrar para uma grande equipa na esperança de poder vir a disputar um futuro campeonato.

Rui Rio: fiel ao princípio de que “mais vale um pássaro na mão do que dois a voar” o autarca do Port espera que o próximo líder seja tão bom quanto baste para impedir uma nova maioria absoluta de Sócrates que viabilize uma crise política no momento certo para se mudar para Lisboa.

Luís Filipe Menezes: é evidente que o actual líder voltará a candidatar-se a não ser que chegue à conclusão de que a reeleição é impossível. Os seus críticos beneficiam com as sondagens e com as críticas dos opinion maker mas são os militantes do PSD que irão a votos para escolher o seu sucessor. O PSD é hoje mais o partido de líders como Santana ou Menezes do que o partido daqueles que em tempos foram designados pela elite da Linha de Cascais, a maioria do aparelho depende mais das autarquias do que do governo. Enquanto os seus opositores apostaram tudo na conquista da opinião dos comentadores de jornais e televisões, Luís Filipe Menezes anda há muitos meses junto dos autarcas e das concelhias, os primeiros ganham nas sondagens o segundo apostou nos votos dos militantes.

Cavaco Silva: o Presidente da República está pouco interessado em saber o que se passa no PSD, mas estas directas não lhe são indiferentes na medida em que se a escolha recair sobre a “má moeda” ou em alguém da velha tralha cavaquista continuará indirectamente envolvido nos problemas internos do partido que em tempos liderou e transformou numa máquina de ganhar e perder eleições. É evidente que a nova geração do cavaquismo não vai participar.

Durão Barroso: preocupado com a recondução em Bruxelas o presidente da Comissão Europeia vai fazer de conta que nem soube que iam haver directas no PSD. Os barrosistas não contam com o apoio das bases do PSD e por isso apenas vão gerir os seus apoios de forma a não perder posições na eventualidade de se dar o milagre de o PSD regressar ao governo.

Marcelo Rebelo de Sousa: continuará a ser comentador televisivo.

É evidente que a solução desta equação está no poder autárquico, o PSD está cada vez mais transformado num partido autárquico, transformação que foi consolidada pela adopção da escolha do líder por eleições directas. Com os cargos do poder central reduzidos ao mínimo, o aparelho partidário depende das benesses dadas pelas autarquias pelo que o próximo líder será aquele em que um maior número de autarcas votar já que são estes que controlam os votos dos militantes ao nível local.