sábado, outubro 04, 2008

O senhorio CML


Por mais desculpas que sejam apresentadas é evidente que em Lisboa existia um mercado privativo de arrendamento, se as casas eram de menor valor serviam para alojar famílias com dificuldades, mas se aparecia um apartamento numa zona mais nobre da cidade entrava num mercado restrito de gente ligada aos responsáveis da autarquia.

Tratava-se de um mercado onde o arrendamento era feito de acordo com a lei, as rendas até eram actualizadas anualmente como mandam as regras. Mas eram alugadas a baixo preço a amigos. Veja-se, por exemplo, o caso da casa que a vereadora do PS teve alugada, foi alugada há cerca de vinte anos por uma renda que rondaria os vinte contos.

Vistas as coisas desta forma até se pode pensar que na época tal renda era o normal no mercado, mas não é bem assim. Por essa altura eu aluguei um T1 numa zona muito menos valorizada que a Rua do Salitre e pagava oitenta contos de renda mensal, quatro vezes mais do que custava a casa à vereadora. Nesse tempo as cass não eram tão caras como agora como eram mais escassas. Só que eu nem tinha direito a rendas de amigo nem as casas da autarquia disponíveis para aluguer eram do conhecimento público, portanto haviam os cidadãos de primeira que alugavam as casas da autarquia e eu era um cidadão de segunda.

Mas mais do que estes bombons camarários o que leva a colocar este post é o facto de me parecer absurdo que a autarquia seja um senhorio, ainda por cima um mau senhorio que não só aluga o seu património ao preço da uva mijona como ainda por cima nem sequer sabe muito bem o que possui na cidade. Ao mesmo tempo a autarquia está falida e eu, como todos os outros munícipes, sou obrigado a pagar taxas elevadíssimas para ajudar a recompor as finanças camarárias.

Faz sentido que a autarquia conte com um parque habitacional mínimo com que possa ocorrer a situações mais complexas, todavia, não se compreende que a CML tenha milhares e milhares de fogos mal geridos e, pró quilo que se tem visto, alugados a preços de amigo. Isto custa muito dinheiro aos cidadãos de Lisboa, não só pelo investimento congelado neste património, mas também pela imensidão de custos de manutenção e toda a burocracia necessária para gerir todo este património.

Talvez seja tempo de os autarcas deixarem de querer ser generosos para os amigos e substituir-se à segurança social. O mal não está só na forma como este património está a ser gerido, o mal está no facto de a CML manter todo este património. Eu trocá-lo-ia, por exemplo, por boas escolas. Poupava-se, apostava-se no futuro dos lisboetas e era tudo mais honesto e transparente.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Pescador na faina da sardinha, Vila Real de Santo António

IMAGEM DO DIA

[REUTERS / Benoit Tessier]

«Un modelo muestra esta creación del diseñador francés Jean-Charles de Castelbajac en la que se muestra una cara del candidato presidencial Obama.» [20 Minutos]

JUMENTO DO DIA

Jerónimo de Sousa

Jerónimo de Sousa decidiu assumir o seu papel de líder da esquerda virgem e enquanto portador do aparelho que mede a virgindade concedeu ao BE um estatuto de esquerda aceitável, até porque agora já vai às manifs da CGTP e no fim o Louçã até é tão educado que não disputa o tempo de antena ao líder do PCP. Quanto a Manuela Alegre só tem direito a um estatuto de observador, enquanto não partir a louça toda não leva o cinto de castidade oferecido por Jerónimo de Sousa.

A jogada de Jerónimo de Sousa até poderia ser brilhante se não fosse ridícula, a um ano de eleições o que ele pretende é subalternizar o BE e desvalorizar as posições de Manuela Alegre. Jerónimo de Sousa nunca fará qualquer aliança com o BE a não ser que este o papel que no passado teve o MDP/CDE.

A SANTA CÂMARA

«Conheço, superficialmente, Baptista Bastos e Ana Sara Brito. Tenho simpatia pelos dois. Por isso mesmo, esta coisa das casas da Câmara de Lisboa ainda me faz mais impressão. Leio as justificações de um e de outro e fico consternada. Diz Baptista Bastos, na sua coluna de opinião neste mesmo jornal - e neste mesmo espaço -, que em 1997, estando desempregado e com filhos a cargo, vivia numa casa arrendada em Alfama há 32 anos na qual chovia e havia rachas nas paredes e recebeu, na sequência de uma vistoria camarária e de uma análise aos seus proventos, um fogo da autarquia cuja renda se recusa a revelar mas garante ter-se actualizado desde então "ao ritmo da inflação". Diz o Correio da Manhã que B. B. vive num prédio na Estrada da Luz e paga 215 euros de renda. Isso implicará que a renda terá começado por ser de pouco mais de 150 euros. Em contrapartida, uma casa em Alfama arrendada há 32 anos e nas condições descritas teria em 1997 uma renda consideravelmente mais baixa. Logo, se a história é assim e os valores estes, B. B. foi pagar mais na casa da Câmara - embora muito menos do que pagaria por uma casa a preços de mercado. Mudou, pois, para uma casa melhor com uma renda superior - coisa normalíssima, não fosse dar-se o caso de a casa ser camarária e de ninguém conseguir explicar quais os critérios que presidiam, em 1997, à atribuição de casas da Câmara. Explico melhor: é garantido que outra pessoa qualquer a viver num apartamento velho com rachas onde chovesse e com rendimento igual ao auferido em 1997 por B. B. conseguisse uma casa da Câmara igual à dele?» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

LIBERALISMO RAFEIRO

«Um dos cães que cá passou pela família era um soberbo Schnauzer gigante, com nome de família, "Bruxa", trazida de um canil espanhol, e que me custou mais que uma série de acções EDP(R) (lagarto, lagarto). Tinha tudo o que pode ser um aristocrata. Ascendência exactamente determinada até à 4ª geração, porte altivo e ar arrogante, parece que ainda era prima do Bismarck.

Tinha um problema: era estúpida de doer, nem conseguia regressar a casa, naquelas escapadelas tipo Manuel Alegre, "anti-establishment". O género que justificou o Robespierre.A "Lola", a antecessora, era um tanto arrafeirada, mas uma inteligência, maior que muita gente que eu conheço, e, seguramente, mais que 50% daquele povo com momentos magistrais, nos fóruns de opinião, que às vezes fazem lembrar com saudade o próprio José Estaline (porque, ao menos, não estavam a debitar barbaridades, e, no final, eram fuziladas).» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Fernando Braga de Matos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

APETECE FUGIR DE PORTUGAL, O PROBLEMA É SABER PARA ONDE

«Face a uma maioria que usa e abusa do poder que tem, a oposição não perde uma ocasião para criar má impressão. E não se vê forma de sair deste filme macabro, em que somos tratados como acéfalos figurantes.» [Público assinantes]

Parecer:

Por José Manuel Fernandes.

PS: Pacheco Pereira que é o português com mais tempo de antena sente-se asfixiado pela comunicação social, Ferreira Leite que tem um problema de tiques autoritários está preocupada com a democracia e agora é o José Manuel Fernandes que quer fugir. Coitados, andam com falta de imaginação.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Arquive-se.»

O MEDO

«O primeiro-ministro inglês, Gordon Brown, queixava-se de que, neste tempos conturbados, tudo mudava a cada hora que passava. Tinha razão, estamos a viver um PREC financeiro. Mas vale a pena respirar fundo e olhar a crise financeira internacional com alguma distância. Algumas lições já podem ser tiradas.

Antes de mais importa recapitular o seu desenvolvimento. Tudo se inicia quando os empréstimos à habitação nos EUA se mostram mais frágeis do que poderíamos imaginar: é a crise do subprime e o rebentar da bolha do imobiliário. Além disso, o volume dos maus créditos era imenso e boa parte deles tinham sido titularizados (ou securitizados) e passados a outros. Desde fundos de pensões a investidores comuns que pouco percebiam destes assuntos, mas que ficaram com os problemas. Por outro, sobre estes créditos tinham sido feitos seguros de várias formas que põem bancos de investimento e seguradoras na falência. Por último, os EUA têm há longo tempo um défice nas contas externas, o que significa que foram vendendo estes créditos e espalharam o problema por todo o mundo. Os agentes principais do problema eram instituições financeiras várias, mas, principalmente, bancos de investimento, security houses, seguradoras e agências de rating. Os principais prejudicados (os tomadores destes riscos) eram os fundos de investimento, fundos de pensões, seguradoras e o público em geral. 1)

Nos mercados financeiros vende-se risco em troca de rentabilidade: é a vida deles e nada de grave há nisso. Simplesmente, com o dinheiro barato, há quatro ou cinco anos, todos andavam à procura de rendimento, o que levou muitos daqueles agentes a aplicarem em activos sofisticados de maior rendimento e assumindo, sem pensarem, maior risco. Deviam ter tido mais cautelas, mas a pressão é sempre brutal e quase todos cederam.

Primeira lição: quando pedir conselhos para os seus investimentos, faça-o a alguém que já tenha passado por uma crise financeira. Quem acaba de sair da universidade é tecnicamente sofisticado, mas nunca viveu uma crise, só a estudou.

Com os créditos a falharem, os prejuízos a somarem e a pressão nos balanços a apertar (sem possibilidade de obter mais capital), as garantias e os seguros foram accionados, mas estes estavam, igualmente, nos bancos de investimento, nas seguradoras, fundos... O efeito de dominó financeiro mundial intensificou-se e chegou a todos. Neste momento, todos desconfiam de todos, ninguém empresta a ninguém, mesmo entre instituições que, inicialmente, nada tinham a ver com o assunto. O medo instala-se para além do razoável. Há dias, com a taxa do Fed a 2%, a taxa de juro O/N ultrapassava os 6%, a diferença era o medo.
Segundo aspecto e muito importante: nesta situação de emergência, a taxa dos bancos centrais é irrelevante como vemos. Outras actuações, como cedência generosa de liquidez ou intervenção directa, são as únicas que interessam para minorar o aperto na quantidade de crédito à economia. Pressões sobre o BCE para baixar as taxas reflectem apenas não perceberem que o problema não é de juros altos, mas de não haver crédito.

Terceira lição: quais os países que têm tido mais problemas? Os EUA e o Reino Unido, exactamente os países em que os bancos de investimento estão fora da supervisão dos respectivos bancos centrais. Que instituições chocaram o problema? Bancos de investimento, seguradoras, bancos de crédito imobiliário, etc. Nos EUA a banca de retalho, que tem sido vítima e parte da solução e não parte do problema, está supervisionada pelo Fed. Mas a banca de investimento e security houses são, basicamente, auto-reguladas ou vagamente reguladas pela entidade de regulação do mercado de capitais (a nossa CMVM). E no Reino Unido toda a supervisão está fora do Banco de Inglaterra. Assim, a supervisão (de todas as instituições do sistema financeiro) nos bancos centrais tem-se revelado fundamental. É bom que assim continue, espero que me entendam.

O natural é que os EUA tentem fazer um dique neste efeito de dominó e de contágio em que a falta de confiança mina todo o sistema. Essa barragem - o plano Paulson - cifra-se em 700 mil milhões de dólares. Qualquer coisa como 3 vezes o PIB português. É bom que seja para salvar empresas e as suas obrigações para com clientes e não para salvar os donos dos bancos e seus gestores com o dinheiro dos contribuintes. Até porque há quem coloque as necessidades em 2.000.000 milhões (8 vezes o PIB nacional) e os próprios EUA começam a ser questionados sobre a sua sustentabilidade financeira. Penso, e comigo os mercados, ser um exagero, pois a dívida pública há um ano rondava os 30% do PIB americano, quando na Europa era o dobro. De qualquer modo - em quarto lugar -, finanças públicas saudáveis têm sido muito oportunas. É mais uma herança Clinton.

Em quinto lugar, é de salientar o desempenho muito razoável que Portugal tem tido. As razões são várias. Por um lado, a situação orçamental está muito melhor que há três anos. Por outro, o facto de estarmos na zona euro dá uma credibilidade que nunca teríamos, se ainda tivéssemos moeda própria. Caso contrário, estaríamos com taxas de juro de 20% para defender a moeda, com desvalorizações dramáticas, com subidas da inflação para dois dígitos, etc. Estes são dois aspectos cruciais em que é bom lembrar quem andou a perorar contra a consolidação das contas públicas e duvidava da bondade de estarmos na zona euro.

Um último aspecto que tem facilitado a nossa vida - ironia das ironias - é o facto de há uns dez anos termos um défice externo significativo - ou seja, tal como os EUA, andámos no negócio de vender activos, pelo que, em média, não devemos ter comprado activos tóxicos do subprime. Há males que vêm por bem...

O Governo pouco poderá fazer neste momento. Pode, no entanto, sinalizar que está preparado para apoiar qualquer instituição em crise, como já o fizeram a França e, mais dramaticamente, a Irlanda. Pode, e deve, repensar os grandes projectos, pois os custos de financiamento subiram fortemente (e os concursos estão aí) e a sua mais que duvidosa rentabilidade fica ainda mais em dúvida.

Há mais problemas nesta crise internacional, que não mencionei, e há culpados, naturalmente. Mas isso fica para mais tarde e Greenspan não deixa de ficar chamuscado. Mas há mais, muitos mais.

1) As garantias dos créditos eram, fundamentalmente, os próprios bens imobiliários, os seguros de crédito e credit default swaps (cds).» [Público assinantes]

Parecer:

Por Luís Cunha.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

CAVACO QUER REJUVENESCER A AGRICULTURA

«'Em Portugal apenas 3,7 por cento dos agricultores são jovens, o que é menos de metade da média da União Europeia. Isso dá-nos a ideia de que temos de fazer mais, encontrando uma estratégia adequada para que mais jovens agricultores se instalem”, entendeu o Chefe de Estado, após uma visita a uma exploração leiteira, em Mancelos, Amarante, e a uma unidade vitivinícola, em Sousela, Lousada, ambas exploradas por jovens empresários.» [Correio da Manhã]

Parecer:

De boas intenções está o inferno cheio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao Presidente da República quantos jovens da sua família vivem em Boliqueime.»

MANUELA DIZ QUE DEMOCRACIA ESTÁ DOENTE

«“A nossa democracia está muito doente”, diagnosticou na noite de quinta-feira a líder do PSD, Manuel Ferreira Leite, atribuindo as culpas ao Governo socialista, que restringe liberdades para continuar no poder.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Se é isto que preocupa MFL então é ela que deve estar doente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Meça-se a temperatura a MFL.»

MICROSOFT APOIA MAGALHÃES

«O presidente da Microsoft, Steve Ballmer, anuncia hoje um conjunto de aplicações exclusivamente desenvolvidas para o Magalhães. O minicomputador produzido em Portugal vai ser o único no mundo com a nova Learning Suite, numa estratégia de exportação assinada também pelo Governo português. Este é o mais recente resultado da pareceria estabelecida entre Portugal e a Microsoft em 2006, que já levou o gigante informático a investir 346 milhões de dólares, cerca de 245 milhões de euros.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Agora é que o Pacheco Pereira vai ter uma crise de nervos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Apoie-se o projecto.»

GOVERNO VAI RECONHECER O KOSOVO

«O Governo português decidiu reconhecer a independência do Kosovo. A decisão pode tornar-se oficial na terça-feira, dia em que o ministro dos Negócios Estrangeiros vai à comissão parlamentar da especialidade informar formalmente os partidos políticos sobre a alteração da posição portuguesa. Luís Amado poderá, em seguida, fazer uma declaração pública. "O ministro nunca falará antes de terça-feira", indicou fonte do seu gabinete ao DN. » [Diário de Notícias]

Parecer:

E depois reconhecer todos os micro estados?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao ministro dos Negócios Estrangeiros.»

O JUMENTO NOS OUTROS BLOGUES

  1. O "Cu-Cu" gostou da fotografia de Matthew Scherfenberg.
  2. O "Politikae" gostou da forma de a Sonae fazer as contas.
  3. O "Café Margoso" pescou uma fotografia divulgada n'O Jumento.
  4. O "Câmara de Comuns" sugere a leitura do post dedicado à nova nobreza.
  5. O "Imhotep Portugal" pescou algumas imagens n'O Jumento.
  6. O "Ava Kedavra" anda incomodado com a censura que o blogger está a impor nalguns blogues.

ORCA [Flickr]

TUBERCULOSE EXTREMA [imagens]

JAN SCHOLZ

DAGENS INDUSTRI

sexta-feira, outubro 03, 2008

Medo?


Confesso que não fiquei muito surpreendido ao ouvir Manuela Ferreira Leite evocar o 25 de Abril e a revolução, ainda que fosse motivo para ficar pasmado, desde que a líder do PSD segue a orientação de Pacheco Pereira é de esperar que diga coisas destas. Todavia, tenho que confessar que quando ouço MFL falar de Abril e da Revolução fico com a mesma sensação que sinto quando ouço padres falar de sexo, o discurso é bem estruturado mas não combina bem com quem o profere, não bate a bota com a perdigota.

Sem ideias nem projectos, porque não os tem, ou porque os quer manter escondidos, resta a MFL tentar desgastar a imagem do Governo e como Sócrates até tem uns tiques autoritários o discurso do medo pode ajustar-se. Não é nada de novo, o seu tutor ideológico, Pacheco Pereira, há muito que ensaia o discurso da falta de liberdade e do controlo da comunicação social.

Só que esta estratégia política revela uma atitude defensiva, mais própria de quem quer retirar uns quantos votos e não de quem tem a convicção de que pode ganhar eleições. Quem quer ganhar eleições não faz queixinhas, apresenta-se como alternativa. Ora, em matéria de democracia e de tiques autoritários MFL não é alternativa a Sócrates, nem ela nem os governos em que participou foram exemplo de tolerância e de liberdade.

Fica mal a Manuela Ferreira Leite vir agora falar de Abril e de revolução, ela que nunca falou do tema e que até pertenceu a um governo que desprezou a comemoração dos 30 anos do 25 de Abril. Ela que saneou todos os altos dirigentes do ministério das Finanças pouco depois de tomar posse, ela que nas várias pastas governamentais em que esteve nunca deu o mais pequeno sinal de diálogo. Se os tiques autoritários são uma imagem de Sócrates então que venha o diabo e escolha, quanto a mim, diabo por diabo prefiro o que lá está.

Manuela Ferreira Leite está confundindo falta de liberdade com falta de poder, é uma confusão muito típica de quem gosta de exercer o poder com autoritarismo. Ao acusar os outros de asfixia democrática a líder do PSD está a espantar os seus próprios fantasmas.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Fazendo pela vida na Rua Augusta, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Daniel Acker-BLOOMBERG NEWS]

«Jeremy Conway holds a sign reading "Unemployed Buy Apples $1.00 Each" next to a bucket of apples outside the New York Stock Exchange in New York. U.S. stocks rose and the Standard & Poor's 500 Index rebounded from its biggest plunge in two decades after lawmakers said they intend to salvage a $700 billion bank-rescue package.» [Washington Post]

JUMENTO DO DIA

Alberto Martins, líder parlamentar do PS

Se a disciplina de voto no parlamento é um abuso, essa disciplina aplicada a uma questão que não colide nem com o programa político do PS nem com o programa do Governo e ainda por cima uma questão de consciência é uma aberração política. É triste ver Alberto Martins preocupado em transformar o grupo parlamentar num rebanho obediente que prescinde das suas opiniões e das suas convicções para obedecerem a uma ordem vinda de fora do parlamento.

Isto não é um parlamento, é um ornamento.

A QUALIDADE DA INTERNET MÓVEL DA VODAFONE

Sou assinante da internet móvel da Vodafone, na ocasião optei por esta empresa porque na Baixa de Lisboa era a que permitia melhor qualidade de acesso, apesar das paredes grossas do edifício conseguia chegar a 1 MB por segundo. Só que ou a Vodafone aumentou o número de clientes que usam os seus serviços nesta zona ou o sinal diminuiu, agora fico feliz quando consigo chegar aos 30 KB em GPRS.

Não me recordo de a Vodafone ter avisado que na Baixa o sinal era pré-histórico, nem me foi comunicado qualquer desconto ou dispensa de pagamento pela má qualidade do serviço. Até imagino que os responsáveis da empresa conseguem saber a que velocidades acedem os clientes.

É assim que as nossas empresas nos tratam

A AUDIÊNCIA DE CAVACO A MANUELA POR CAUSA DO KOSOVO

Manuela ferreira Leite está a ser vítima do seu voto de silêncio e agora precisa de inventar desculpas para aparecer, só assim se entende o pedido ao Presidente da República para ser recebida a fim de saber a sua posição sobre o Kosovo.

É evidente que o Kosovo deve preocupar tanto Ferreira Leite como o referendo no Equador, mas desta forma sempre vai aparecendo com pose de estado. O problema é que ninguém lhe ligou.

Bem, pelo menos sabemos que MFL está preocupada com os problemas do país, está a pensar sobre que posição deve tomar em relação ao Kosovo e, pelos vistos, só vai dizer qual a sua posição depois de saber qual é a de Cavaco Silva.

A SONAE NO SEU MELHOR

AFINAL, QUEM É "MARICAS"?

«No dia 11 de Fevereiro de 2006 publiquei neste mesmo jornal um artigo intitulado "E se ganhássemos todos?". Passaram dois anos e no dia 10 de Outubro de 2008 o PS será confrontado com o desafio da votação nas propostas de alteração do Código Civil apresentadas pelo BE e pel'Os Verdes. Nestes dois anos, o PS não deu nenhum passo no sentido de estabelecer a igualdade no acesso ao casamento civil. Nestes dois anos tornou-se evidente, graças ao exemplo espanhol, que essa igualdade é não só uma questão básica de direitos e democracia, como torna a sociedade mais aberta, tolerante e dinâmica. A JS percebeu isso e ofereceu de bandeja ao PS a oportunidade de tomar a iniciativa legislativa nesta matéria. De pouco parece ter servido. O máximo que se ouviu do PS foram platitudes sobre o adiamento do assunto para a próxima legislatura, sendo que a sociedade não faz obviamente ideia de quais serão os resultados eleitorais. Finalmente, Sócrates colocou uma pedra sobre o assunto: "Não está na agenda do PS".» [Público assinantes]

Parecer:

Miguel Vale de Almeida.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

GEBALIS SOB SUSPEITA

«A Polícia Judiciária (PJ) já terminou a investigação à Gebalis – Gestão de Bairros Municipais de Lisboa – e recolheu elementos que apontam para a prática de gestão danosa nesta empresa municipal. A par dos indícios deste crime, as investigações da PJ detectaram também, segundo apurou o CM, indícios dos crimes de peculato e de abuso de poder.

O relatório da investigação da PJ já está, segundo referia o ‘Expresso’ on-line de ontem, no Ministério Público, em concreto na 9ª secção. A partir da informação contida no relatório, o Ministério Público irá decidir se deduz ou não a acusação contra os suspeitos das práticas dos crimes de gestão danosa, peculato e abuso de poder. Para já, garante fonte conhecedora do processo, os investigadores propõem ao Ministério Público que seja feita acusação.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Parece que na autarquia da capital sempre que se dá uma cavadela encontra-se uma minhoca.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Continue-se a cavar.»

MFL ESTÁ MUITO PREOCUPADA COM O KOSOVO

«A presidente do PSD foi ontem ao Palácio de Belém ao fim da tarde, para um encontro que teve o Kosovo como único ponto da conversa. Manuela Ferreira Leite terá pedido ainda ontem a audiência ao Presidente da República com carácter de urgência, sendo que esta foi mesmo concedida às 19 horas, numa demonstração única de como são boas as relações institucionais entre a nova presidente do PSD e o PR.» [Diário de Notícias]

Parecer:

de facto é um dos problemas que mais nos atormenta.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco Silva se a partir de agora também concede audiências para tirar dúvidas.»

JOÃO SOARES INCOMODADO POR ANTÓNIO COSTA NÃO O DEFENDER

«Num take da Agência Lusa, João Soares dizia lamentar que o seu "camarada" António Costa apenas respondesse pelo seu mandato. Ao DN, o ex-autarca explica: "Se o António Costa, de quem sou amigo político e pessoal, não me defendeu, é pena, porque eu defendo-o a ele e ao Jorge Sampaio". O antigo presidente da CML diz que as casas do seu tempo foram "entregues com todo o rigor". Por isso, acha "estranho" que Costa apenas responda pelo actual mandato do PS e não pelo que ocorreu entre 1996 e 2001. João Soares cita o exemplo da casa de função de presidente da CML, em Monsanto, onde diz ter sido "o único presidente de câmara que nunca ficou lá". "De todos os presidentes de câmara desde o Abecasis, fui o único que nunca lá ficou. Só emprestei a casa ao Xanana [Gusmão] e ao primeiro-ministro de Cabo Verde. Mas o Santana [Lopes] viveu lá e com grande ostentação", concluiu João Soares em declarações ao DN. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Defendeu só o autarca que entregou a casa à vereadora Ana Brito.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

FALHANÇO DA GREVE

«A greve da função pública ontem levada a cabo é apenas a sétima com maior adesão de entre as dez já efectuadas desde que o actual Governo tomou posse. Isto segundo dados do Executivo, que se estima serem comparáveis com os anteriores protestos envolvendo um universo de trabalhadores semelhante.

Como de costume, os números da adesão à greve apresentados pelo Governo e pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSFP) - organismo da CGTP que convocou a paralisação - não batem certo, nem de perto nem de longe. É o costume. O Governo baseia os seus dados nas respostas administrativas dadas por uma amostra de serviços, enquanto os sindicatos reportem aquilo que vêem no terreno. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Mais um falhanço de Carvalho da Silva.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pela próxima luta agendada pelo CC do PCP para ver o resultado.»

PSD CONTRA CASAMENTO GAY PORQUE O CASAMENTO É UM SÍMBOLO

«O PSD é contra o casamento entre homossexuais devido ao simbolismo da instituição e a sua ligação à estrutura familiar. Esta é a posição oficial do partido e justificada esta quinta-feira pelo líder da bancada parlamentar, Paulo Rangel.

O líder parlamentar do PSD admitiu que "a protecção das uniões de facto homossexuais porventura pode ser melhorada e ajustada", mas sublinhou que neste momento a questão colocada não é essa, mas a do casamento.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Nada mau para um partido liderado por uma divorciada. O casamento religioso talvez seja um símbolo, o casamento civil não passa de um contrato civil, a simbologia está nas roupas e nos bolos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

BANCO SANTANDER SAI VENCEDOR DA CRISE FINANCEIRA

«As financial institutions worldwide struggle to stay afloat, Banco Santander -- now the euro zone's largest bank by market value -- is emerging as one of the few winners in the global economic crisis. With no exposure to toxic U.S. subprime assets, a diversified business spread across Europe and the Americas, and an estimated $68 billion in capital reserves, the bank, based in the port of Santander on Spain's northern coast, is sailing past troubled rivals.» [Spiegel]

O JUMENTO NOS OUTROS BLOGUES

  1. O "Der Terrorist" também acha que a república tem a sua nobreza.
  2. O "Politikae" sugere o post dedicado à nobreza da nossa república.
  3. O "Perguntas para Pensar" pescou um vídeo.

NÃO VOTES

AS MINAS DE SAFIRAS NO MADAGÁSCAR [Link]

GRZEGORZ ADAMSKI

HOMER SIMPSON TENTA VOTAR EM OBAMA

COMO SE INSTALA O AR CONDICIONADO [imagens]

POLAR MUSIC PRIZE