sábado, dezembro 06, 2008

A teia


[imagem de Bernt Rostad]


O poder de algumas personagens que têm ocupado a comunicação social não resulta das suas capacidades inatas para as relações públicas ou apenas da facilidade com que entram nos corredores do poder, seja em São Bento ou em Belém. Para fazer bons negócios não bastam ministros, primeiros-ministros e outros titulares de cargos públicos, este podem sair a qualquer momento. Além disso os negócios não passam apenas pelas grandes decisões políticas, implica um processo de decisão que vai desde técnicos até governantes.

O poder destas personagens depende de uma imensa teia que foi tecida ao longo de anos de poder, de poder permanente dado que os laços privados levam as personalidades "impolutas" que estão no seu tono. verdadeiros senadores desta república de e das bananas tenham tanto poder com um governo do PS, como os barões do PS têm quando o PSD governa. A intimidade é tanta que os laços não se ficam por sociedades, nalguns casos já metem casamentos, filhos, afilhados, netos e sobrinhos. Não admira que um senador do PSD apadrine a biografia de um dirigente do PS, ou que os barões do PSD achem normal que os barões do PS se passem para a gestão da construção civil.

Trata-se de uma imensa teia a todos os níveis do Estado que assenta em esquemas de “compadrio”, assegurando que os negócios conseguem maximizar todas as vantagens que podem ser proporcionadas pelo acesso ao poder. Mesmo que um ramo da teia seja cortado rapidamente se reconstitui, a teia tem uma imensa bolsa de gente disponível para participar nela.

É por isso que ainda esta semana um alto responsável do Estado foi recentemente reconduzido pelo governo de Sócrates, apesar das suas prestações serem tão más que tiveram de ser mobilizados funcionários de outros distritos para fazerem o trabalho que ficou por fazer no seu. Mas entre manter um dos seus num alto cargo onde se podem tomar decisões que valem milhões e a defesa do Estado não há hesitações, os altos responsáveis da teia mobilizam-se para proteger os seus.

É esta imensa teia tecida ao longo dos anos, que se especializou em corromper o país e desviar a sua riqueza, que impede o desenvolvimento do país. Distorce os mercados proporcionando protecção às empresas menos competitivas que preferem apostar na corrupção a investir na inovação, na Administração Pública promove os bajuladores e corruptos em detrimento dos técnicos mais competentes e, que por isso mesmo, poderão ser potencialmente incómodos.

Desde que o BPN passou a ser notícia já se falou de meia dúzia de personalidades vindas da magistratura, do fisco e das secretas, isto é, gente com poderes mais ou menos ocultos, que por sua vez mantêm relações com muitas outras personalidades a todos os níveis do Estado. Aquilo que temos visto são só algumas pontas de uma imensa teia com poder para governar Portugal independentemente das escolhas que os portugueses fazem nas eleições.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Bote, Cascais

IMAGEM DO DIA

[AP]

«Men with their hands tied behind their backs lie dead in a field near the town of San Ignacio in Mexico. Police found 13 bullet-ridden bodies of men who had been executed near the resort city of Mazatlan» [Telegraph]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Já foi eleito o Pai Natal de 2008, depois de ter sido escolhido uma dos homens mais elegantes do mundo, graças aos seus fatos Armani e aos sapatinhos Prada, José Sócrates acaba de ser escolhido para Pai Natal do Ano de 2008. Depois de ter sabido que o nosso primeiro-ministro ofereceu aos portugueses mais rendimentos em 2009, graças à baixa dos preços do petróleo, à descida da taxa Euribor e aos generosos aumentos salariais, o júri não hesitou em escolhê-lo.

JUMENTO DO DIA

Mário Nogueira, militante do PCP

É evidente que a luta dos professores não conta com qualquer apoio popular o que se explica pelo facto de os portugueses estarem descontente com os professores, devido aos maus professores pagam todos. A verdade é que cada português tem uma história a contar sobre a passagem dos seus filhos pela escola.

Depois de grandes manifestações e de greves Mário Nogueira que por mais que una os professores na defesa dos seus interesses não consegue a adesão dos portugueses e isso faz perigar os seus objectivos políticos, se esperava que o descontentamento gerasse votos do descontentamento para o PCP receia agora que esse descontentamento se oriente para a responsabilização do PCP pelo impasse a que a situação chegou.

Mário nogueira precisa de uma vitória, nem que seja uma falsa vitória.

CEM MILHÕES DE DÓLARES

«Someone holds Zimbabwe's new bank notes in Harare. The newly released one hundred million Zimbabwe dollar bank note is enough to buy about 50 loaves of bread» [AP] [Telegraph]

No último congresso do PCP omitiram-se algumas referências recentes como as FARC ou o Zimbabwe de Robert Mugabe. Confesso que se pudesse receber notas de um milhão de dólares vendia a alma ao diabo e votava no PCP. É bom falar mal do capitalismo e esconder as misérias das experiências comunistas.

UM, DOIS, TRÊS, VAMOS CONTAR OUTRA VEZ

«Não me entendam mal: não estou, de modo nenhum, contra o protesto. Simplesmente, estou farta deste e não vejo o ponto da sua continuação. Já percebi, como toda a gente já percebeu, que os professores estão zangados com o ministério, com o estatuto da carreira docente, com o aumento do tempo de permanência nas escolas, com as aulas de substituição e, claro, com o modelo de avaliação. Anotámos todos. Anotámos todos também que o ministérioefectuou alterações ao dito modelo, tendo em conta uma série de críticas. E esperámos que os professores, em troca, aceitassem uma evidência simples: é preciso parar com esta história. Porque é preciso que as escolas funcionem e porque não chega encher a avenida da Liberdade nem fazer greves muito participadas para mandar. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

UM NOVO PARADIGMA ECONÓMICO

«A crise financeira, a recessão mundial e a reacção imediata de alguns governos do Ocidente provocaram o anúncio do fim do capitalismo, da inevitável emergência de um "novo paradigma económico" e, estranhamente, de comparações com a crise de 1929. Convém, primeiro, dispor destes disparates, para tentar perceber o resto. O capitalismo, como sistema, continua bem e agradece o cuidado. Meia dúzia de nacionalizações (como, aliás, sempre houve) e a chamada "recapitalização" dos bancos não fazem um "novo paradigma". E a crise de hoje nada tem a ver com a crise de 1929, quando só existiam quatro países, por assim dizer, "industrializados" (a Inglaterra, a Alemanha, a América e a Bélgica) e quando a França, a Itália e o Japão eram ainda sociedades "semi-industrializadas".

Mas claro que as teorias básicas do que se convencionou chamar "neoliberalismo" aparentemente faliram. Cinco professores de Economia, por exemplo, publicaram um artigo neste jornal para declarar que a crise é também "um colapso" da teoria e afirmar, como se fosse uma descoberta, que "o económico não é uma esfera autonomizável do institucional, do político, do social, do psicológico" e até do "histórico". Infelizmente, esses cinco missionários não percebem, ou não confessam, que a essência do problema não está nesta ou naquela teoria; está no facto, para eles sem dúvida desagradável, de a economia não ser, por nenhum critério, uma "ciência". Se o fosse, não haveria agora crise (ou haveria uma crise com um remédio prescrito e infalível) e, como Keynes, num momento místico profetizou, talvez mesmo já não houvesse "subdesenvolvimento" e pobreza.

Os cinco (João Ferreira do Amaral e companheiros) pensam, com imensa virtude, que o "neoliberalismo" é "profundamente insensível à realidade" e que vive de "abstracções" sem prova empírica e "deduções lógico-matemáticas". Não lhes passa pela cabeça que toda a economia é profundamente insensível à realidade e vive de abstracções sem prova empírica e deduções lógico-matemáticas. De que vivem eles próprios? Propõem por acaso um modelo que não "autonomize o institucional, o político, o social, o psicológico"? Não propõem. O "novo paradigma" de que por aí se fala fica invariavelmente por uma crítica furibunda e genérica ao "neoliberalismo". E porquê? Porque o institucional, o político, o social e o psicológico" não são quantificáveis. Não custa constatar a sua ausência na teoria, como imensa gente há imenso tempo constatou. O resto é que é difícil.» [Público assinantes]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

MANUELA FERREIRA LEITE IRRITADA COM DEPUTADOS FALTOSOS

«Manuela Ferreira Leite chamou à sede do PSD o líder parlamentar Paulo Rangel para saber quem foram os deputados que esta sexta-feira faltaram às votações no Parlamento.

“Quis saber quem são os deputados que se ausentaram quando não se poderiam ter ausentado. Considero isso inaceitável e considero que é alguma coisa que não se pode tornar a repetir”, disse a líder do PSD à Rádio Renascença.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Compreende-se a frustração de Manuela Ferreira Leite, sem deputados faltosos poderia fazer aprovar uma proposta de revisão da avaliação dos professores proposta pelo CDS. Acontece que as faltas dos deputados é um fenómenos antigo e Manuela Ferreira Leite, que até mudou o seu líder parlamentar, só agora se preocupou com o assunto. De caminho arma-se em justiceira do parlamento.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Manuela Ferreira Leite que dê um raspanete ao líder parlamentar, é ele que cuida do "rebanho" de deputados do PSD:»

MAIS UM MOTIVO PARA VOTAR EM BADAJOZ

«A governabilidade foi ontem o tema central de um debate promovido pelo PS sobre a reforma das leis eleitorais no Parlamento. O porta-voz do partido, Vitalino Canas, rejeitou alianças com o PSD, PCP e BE nas legislativas. Já um acordo com o partido de Portas não foi considerado inviável.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Tal hipótese dá-me vómitos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»

MANUELA FERREIRA LEITE DESVALORIZA SONDAGENS

«A presidente do PSD afirmou esta sexta-feira que "o dia da grande sondagem é o dia das eleições", desvalorizando os recentes estudos de opinião que mantêm o PS como o partido com mais intenções de voto.

“Todos estes barómetros apontam para que o PS não tenha maioria absoluta”, frisou Manuel Ferreira Leite em declarações à Rádio Renascença. » [Jornal de Notícias]

Parecer:

Pudera!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Ferreira Leite se espera mesmo ir a votos.»

AFINAL A MAIORIA ABSOLUTA NÃO É O ÚNICO PROBLEMA

«Um projecto do CDS-PP que recomendava a suspensão e simplificação da avaliação dos professores poderia ter sido aprovado no Parlamento, não fossem as ausências de deputados nas bancadas da oposição.

Seis deputados do PS votaram ao lado do PSD, CDS-PP, PCP, BE e Verdes a favor do projecto do CDS-PP e uma deputada socialista absteve-se. Outros treze deputados do PS faltaram à votação, reduzindo o peso da maioria parlamentar de 121 para 101 votos.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Ridículo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se aos faltosos se não lhes bastava um fim-de-semana de três dias.»

A ANEDOTA DO DIA

«O líder do Bloco de Esquerda (BE) prometeu "empenhar-se totalmente" em "retirar a maioria absoluta" ao PS nas eleições legislativas do próximo ano e garantiu que não tem o objectivo ser o terceiro partido.

"O BE vai empenhar-se totalmente" em retirar a maioria absoluta aos socialistas, "um grande objectivo que vai além do Bloco", afirmou o líder bloquista, Francisco Louçã, na apresentação, em Lisboa, da moção de orientação que levará à VI Convenção Nacional, a 07 e 08 de Fevereiro de 2009. » [Jornal de Notícias]

Parecer:

Este de o Louçã imitar os argumentos de Porta deve ter sido influência do irmão Miguel.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Loução o que quer ser quando for grande.»

ESTE LOUÇÃ É MUITO ESPERTO

«O líder do Bloco de Esquerda (BE) admitiu esta sexta-feira apoiar uma candidatura independente da actual vereadora independente Helena Roseta (ex-PS) à Câmara de Lisboa, nas autárquicas do próximo ano, noticia a Lusa.

Sem querer «pôr a carroça à frente dos bois», Francisco Louçã afirmou que qualquer entendimento entre bloquistas e Roseta «depende do trabalho, do diálogo», evitando pronunciar-se especificamente sobre a possibilidade de vir a apoiar a ex-socialista. Na conferência de imprensa, em Lisboa, para apresentar a moção que apresenta à V Convenção Nacional do BE, em Fevereiro de 2009, Louçã explicou que a «regra geral» é o partido concorrer sozinho, admitindo excepções. » [Portugal Diário]

Parecer:

Depois de perder o Zé tenta separar Helena Roseta de António Costa.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Louçã porque não candidata o Fazenda ou um dos seus, terá medo de dar a cara em Lisboa?»

ASSIM SE GANHA DINHEIRO EM PORTUGAL

«Manuel José Dias Loureiro e Jorge Coelho são accionistas da Valor Alternativo, uma sociedade anónima gestora que administra e representa o Fundo de Investimento Imobiliário Valor Alcântara, que foi constituído com imóveis adquiridos com o produto de reembolsos ilícitos de IVA, no montante de 4,5 milhões de euros. A Valor Alternativo e o Fundo Valor Alcântara têm a mesma sede social, em Miraflores, Algés, e os bens deste último já foram apreendidos à ordem de um inquérito em que a Polícia Judiciária e a administração fiscal investigam uma fraude fiscal superior a cem milhões de euros.» [Público]

Parecer:

Será que Cavaco Silva considera que Dias Loureiro deve continuar como conselheiro de Estado?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco Silva.»

QUEM ESTÁ A MENTIR

«A Plataforma Sindical dos Professores suspendeu hoje as greves regionais agendadas para a próxima semana, considerando que, pela primeira vez, o Ministério da Educação (ME) aceitou negociar todos os temas que têm levado ao braço-de-ferro com os professores.

No final de um breve encontro com o secretário de Estado Adjunto e da Educação, Jorge Pedreira, o porta-voz da plataforma, Mário Nogueira, anunciou que será realizada no próximo dia 15 uma reunião "onde tudo estará em cima da mesa", nomeadamente a revisão do Estatuto da Carreira Docente (ECD).» [Público]

Parecer:

Agora vejamos o comunicado do Ministério da Educação:

«Os sindicatos neste processo não apresentaram qualquer alternativa ou pedido de negociação suplementar, pelo que o Ministério da Educação (ME) dá por concluídas as negociações, prosseguindo a aprovação dos respectivos instrumentos legais.

O ME, mantendo a abertura de sempre, que já conduzira ao Memorando de Entendimento com a plataforma sindical (ver infra), respondeu positivamente à vontade dos sindicatos, expressa publicamente, de realização de uma reunião sem pré-condições, isto é, sem exigência de suspensão da avaliação até aqui colocada pelos sindicatos. Foi por isso agendada uma reunião para o dia 15 de Dezembro, com agenda aberta.

Os sindicatos foram informados que o ME não suspenderá a avaliação de desempenho, que prossegue em todas as escolas nos termos em que tem vindo a ser desenvolvida.»
[ME]

Alguém está a mentir.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao Mário Nogueira.»

DIAS LOUREIRO FAZ NEGÓCIO CHUMBADO POR TÉCNICO

«A operação de aquisição de duas sociedades tecnológicas com sede em Porto Rico pela Sociedade Lusa de Negócios (SLN) em 2001 e 2002, numa transacção ocultada das autoridades portuguesas, foi desaconselhada por escrito pela equipa técnica do grupo que avaliou o projecto por o considerar de elevado risco. O negócio foi liderado por José Oliveira Costa, antigo líder da SLN/BPN, e por Dias Loureiro, que na altura era administrador executivo do grupo. A transacção acabaria por ser concretizada com base num relatório favorável entregue pelas próprias empresas de Porto Rico que tinham como investidor o libanês Abdul Rahman El-Assir, amigo do ex--ministro e que é descrito na imprensa internacional "como traficante de armas" (ver pág. 6 e 7). » [Público assinantes]

Parecer:

Além de não saber nada de contabilidade Dias Loureiro também não sabe ler relatórios?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao visado.»

OS AMIGOS DE DIAS LOUREIRO

«Quem é, afinal, este contacto importante do ex-ministro e actual conselheiro de Estado de Cavaco Silva? Chama-se Abdul Rahman El-Assir, é libanês de nacionalidade e a primeira referência pública que o liga a Dias Loureiro está num livro publicado em Espanha em 2004. O ex-administrador da SLN surge como sócio de El-Assir, citado no livro como "traficante de armas", e, segundo a imprensa internacional, uma das personalidades mencionadas na megainvestigação que nos anos 80 envolveu um banco ligado ao narcotráfico internacional. Esta história, que foi contada originalmente pelo PÚBLICO na edição de 16 de Fevereiro de 2005, recupera agora actualidade.Em declarações feitas nessa altura, Dias Loureiro explicou que, por sugestão de "um amigo, Antoni Asuncion [ex-ministro do Interior de Espanha em 1994], deu indicações a um advogado em Espanha, Javier Beox, para impedir que em futuras edições o seu nome continue a constar como "sócio" de El-Assir. "Logo que tive conhecimento da existência desse livro, procurei agir de modo a repor a verdade dos factos e a evitar que em futuras edições essa mentira fosse repetida," disse ao PÚBLICO Dias Loureiro, quando confrontado com a informação de que seria sócio de Abdul Rahman El-Assir, conforme consta da obra publicada em Espanha, com o título Los PPijos. Os autores, os jornalistas Carlos Ribagorda e Nacho Cardero, analisam uma nova geração de políticos/homens de negócios do Partido Popular espanhol, à volta dos 40 anos, agrupada em torno de Alejandro Agag, genro de José Maria Aznar. À data da edição do livro, Agag era oficialmente colaborador do Banco Português de Negócios (BPN), de que era accionista Dias Loureiro. Os autores do livro já vieram esclarecer que nem eles nem a sua editora foram contactos no sentido de retirar ou alterar os termos em que se referem a Dias Loureiro no seu livro.» [Público assinantes]

Parecer:

Diz-me com quem andas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Dias Loureiro se ainda faz negócios com o seu velho amigo.»

"SMILE" NO CÉU [Link]

Ver as posições da Lua, de Vénus e de Júpiter.

GRAFIKA

A MULHER COM MAIS PIERCINGS DO MUNDO

«Hipertatuada. La brasileña Elaine Davidson, supuestamente la mujer con más piercings del mundo, un total de 6.000, posa para los fotógrafos durante la 18º Convención Internacional de Tatuajes, en Berlín, Alemania.» [Jens Kalaene / EFE] [20 Minutos]

Uma beldade! Se alguém lhe der um beijo fica com tantas picadas que até parece que tem acne.

O FRANGO MAIS FAMOSO NO YOUTUBE

AI PODE OU NÃO PODE?

CÃO SALVA O AMIGO

SONNTAGS ZEITUNG

sexta-feira, dezembro 05, 2008

Nas próximas eleições vou votar a Badajoz!


É isso mesmo, vou votar a Badajoz e de caminho ainda compro um pacote de caramelos para adoçar uma boca que está farta de amargos. E nos últimos dias foram muitos os amargos de boca que tenho sentido com a actuação de José Sócrates.

Mas votar onde?

No PCP e ficar à espera que Jerónimo de Sousa seja uma imitação do Kim Il-Sung da Península Ibérica com sotaque cubano e a tentar reeditar em Portugal a saudosa URSS?

No BE só porque a Joan Amaral Dias era capaz de convencer Estaline a fazer as pazes com Trotski e irem jantar os três, mais o Ramon Mecader, ao Papa-Açordas? Se sei que não quero o que Jerónimo de Sousa propõe, ao fim de anos ainda não conseguir perceber qual o projecto do BE, ainda que nos últimos tempos tenha melhorado um pouco, aparece mais a Joana Amaral Dias e a Ana Drago e desapareceu o Fazendas.

No PSD de Manuela Ferreira Leite? Se fosse a escolha para o delegado de turma de um lar da terceira idade ainda poderia considerar tal hipótese, mas não me passa pela cabeça votar em Manuela Ferreira Leite.

Resta o PS, isto é, Sócrates funciona como o mal menor, só que depois de o seu ministro das Finanças ter dado luz verde à devassa dos mais dos funcionários e a uma tentativa de vingança contra o autor deste blogue tenho umas contas a ajustar com o primeiro-ministro, já não posso considerar a hipótese de o considerar um mal menor.

Tenho criticado aqui os professores mas quando sei que dirigentes do fisco, mais incompetentes que qualquer professor, são reconduzidos por um ministro das Finanças que, por sua vez, é considerado o pior ministro das finanças da Europa sinto um amargo de boca.

Quando critico Manuela Ferreira Leite por, mesmo a brincar, ter falado em suspender a democracia quando personagens menores tiveram a cobertura do Governo para tentarem identificar o autor deste blogue mesmo sem base legal para acusação, tenho de sentir um amargo de boca.

Quando tenho apoiado uma política de austeridade vejo que as poupanças alcançadas servem para ajudar bancos mal geridos, sinto um amargo de boca.

A manterem-se as coisas como estão vou mesmo votar a Badajoz.