sábado, dezembro 20, 2008

Crescimento económico e distribuição de riqueza


Não admira que Portugal não consiga eliminar as assimetrias na distribuição de riqueza, havendo mesmo períodos em que estas se agravam, o nosso modelo económicos alimenta-se e alimenta a pobreza ao centrar a produtividade nos baixos salários. Quando a economia cresce multiplicam-se os apelos à contenção salarial, quando se enfrenta a crise o congelamento salarial é a norma. Veja-se, a título de exemplo, a posição assumida por Manuela Ferreira Leite e uma desconhecida associação de pequenos empresários (coincidências) a propósito do recente aumento do salário mínimo nacional, que em termos europeus é miserável.

Este modelo está esgotado e falido, não só favorece as empresas e os modelos de gestão menos competitivos, como empobrece o mercado interno impedindo o desenvolvimento de iniciativas empresariais que não dependam do mercado externo. Do mercado interno vivem as petrolíferas, a energia, o sector agro-alimentar, as telecomunicações e pouco mais. Se a estes sectores juntarmos o Estado e a banca temos quase toda a actividade económica. Dependentes da ineficácia do Estado, das altas taxas de juro da banca, dos elevados custos da energia e das telecomunicações estão quase todas as outras empresas que para sobreviverem dependem do mercado externo.

Este paradigma tem de ser invertido, em vez de se afirmar que para a economia crescer os salários deverão ser baixos é preciso evoluir para um modelo em que o aumento dos rendimentos dos portugueses é gerador de crescimento económico.

Só que esta mudança não se opera por decreto, nem pode ser confundido com as tradicionais exigências sindicais, exige um esforço colectivo, é preciso trabalhar mais, melhor e com mais qualificações. Pagar mais sim, mas para isso é necessário que se trabalhe mais e melhor, dependendo isto tanto dos métodos de gestão e da inovação das empresas, como da prestação e qualificação dos trabalhadores.

Esta mudança implica uma revolução, quer pela resistência de empresários com uma mentalidade herdada do tempo do condicionamento industrial e do salazarismo, quer pela oposição de sindicatos cada vez mais corporativos e empenhados em proteger as mordomias dos milhares de sindicalistas que há muitos anos que se esqueceram das suas profissões.

Esta mudança implica que se conclua de uma vez por todas que a nossa pobreza não resulta apenas da má distribuição da riqueza, resulta também da pouca riqueza que se produz e que para produzir mais riqueza será necessário produzir mais e melhor e produzir mais e melhor não se consegue com iniciativas como o “dia do trabalho nacional”.

Remunerar melhor pressupõe também produzir melhor e para o fazer precisamos de melhores escolas, de melhores professores, de melhores funcionários públicos, de melhores operários, de melhores gestores, de melhores políticos. É preciso acabar com a cultura da mediania e com uma mentalidade em que em vez de se discutir como produzir mais passa-se o tempo a descobrir fórmulas milagrosas para enriquecer com o pouco que se produz.

O país precisa de uma revolução cultural que ponha fim a discussões inúteis, que reforme políticos incompetentes, que leve à falência empresários sem escrúpulos, que dinamize a concorrência, que privilegie a excelência em vez da mediania, que estimule a ambição, que ponha fim a um ciclo histórico de pobreza material e cultural.

O nosso problema não está apenas em saber como distribuir melhor a riqueza, mas também em saber como criar melhor riqueza e os dois problemas estão associados, para produzir mais será necessário distribuir melhor, mas para distribuir com justiça será necessário produzir riqueza de forma mais eficiente.

QUer a esquerda, quer a direita, mas mais a esquerda do que a direita, preocupam-se pouco com a produção de riqueza e tendem a encontrar a solução para todos os males na sua distribuição. Até os comunistas que em tempos tentaram demonstrar que o modelo de economia planificada seria mais eficaz do que o mercado para produzir riqueza de forma eficiente já centram a solução na distribuição, como se falar em produção fosse politicamente inaceitável, o que se compreende, isso implica questionar a produtividade das empresas.

O país tem um problema na distribuição do rendimento mas tem um outro bem maior e mais complexo que é produzir riqueza insuficiente para assegurar a todos os portugueses os níveis de bem-estar que todos os políticos propõem. Se assim é, porque razão se fala tão pouco em produzir?

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Ria de Aveiro [Imagem de A.M./Quebeque]

IMAGENS DO DIA

[Andrew Biraj / Reuters]

«Tapizada. Una calle de Dacca, Bangladesh, llena de carteles electorales de cara a los comisios de enero.» [20 Minutos]

[Adrian Dennis/Agence France-Presse ]

«Thousands of cars sat on the runway at the unused Upper Heyford air base near Bicester, Oxfordshire, England. The British car industry is being hit by the global economic slowdown, as figures showed new vehicle sales plunging at the fastest rate for nearly 30 years.» [The New York Times]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Depois da Venezuela o Magalhães já chegou à Papua-Nova Guiné. Entretanto a diplomacia portuguesa está preocupada com a segurança de José Sócrtates, receia que algum canibal info excluído se lembre de o comer, sem sequer lhe tirar o fato Armni e os sapatinhos Prada.

JUMENTO DO DIA

Ramalho Eanes, ex-Presidente da República

Na opinião de Ramalho Eanes sempre que haja um conflito institucional entre Presidente da República e o Parlamento o primeiro deve dissolver o segundo? Ou os deputados votam segundo a vontade de Cavaco Silva ou vão para eleições. E porque não o contrário, porque não se demite o Presidente se estiver em conflito com a vontade do povo expressa nas decisões parlamentares?

E até proporia uma mudança de método, em vez de ser o Presidente da República a sobressaltar os cidadãos com comunicações bruscas em vésperas de férias, o Parlamento deve passar a consultar a Presidência da República antes da votação, ou talvez, uma solução ainda mais sofisticada, o Presidente da República deveria ter um representante no Parlamento para dizer aos deputados o que devem decidir em cada votação.

Quem torto nasce tarde ou nunca se endireita.

RIDÍCULO!

Desde que fez a figura triste de perder uma votação devido à balda generalizada dos seus deputados o grupo parlamentar do PSD e o seu líder desdobram-se em tentativas sistemáticas de criar incidentes nas votações, numa tentativa desastrada de limpar a sua imagem.

Lamentavelmente o líder do grupo parlamentar do PSD, pessoa apagada e sem autoridade, optou por fazer política pequena.

TEREI OUVIDO BEM

Comenta um visitante d'O Jumento:

«Acabei de ver no Telejornal da RTP1 que alguns accionistas do SLN pretendem processar o Estado por falhas na supervisão dos negócios do BPN. Ou seja, para além do Oliveira e Costa, a culpa da situação do BPN é também do Estado e, por isso, o Estado também tem arcar com as consequências e indemnizar os accionistas. Isto só deve ser uma piada do "natal"... Ou será mais uma estratégia do Miguel Cadilhe para vingar do PS?»

De facto os senhores da SLN não têm lá muita vergonha da cara, deram as golpadas, viciaram a contabilidade e no fim a culpa é do Estado porque a supervisão falhou. Este Cadilhe está a sair melhor do que a encomenda, está aqui e está a sugerir que se venda o ouro do Banco de Portugal para lhe resolver os problemas.

AVES DE LISBOA

Gaivota-argêntea [Larus michahellis], Rossio

FERREIRA LEITE NA RATOEIRA

«A Economist não é conhecida por ser especialmente favorável ao Governo trabalhista nem a Gordon Brown. Mas sem dúvida que é a melhor revista de actualidade do mundo, uma espécie de Bíblia para empresários, quadros superiores, dirigentes políticos, opinion makers. Em 18 de Outubro deste ano, escreveu um editorial (que nunca são assinados, pois exprimem o pensamento da publicação) intitulado The riddle of Gordon Brown. No desenho que acompanha o texto, Brown surge a voar ao melhor estilo do Super-Homem. Nesse texto, referindo-se à oposição, escreve-se que, durante as crises, fica entalada numa ratoeira "between seeming irrelevant and seeming indecently opportunistic".

A oposição de esquerda ao PS não lê provavelmente a Economist. Quando lê, discorda automaticamente de uma revista que assume o credo liberal ao modo que só os britânicos sabem e que por vezes desconcerta até os liberais europeus. Mas o PSD - o que se compreende, se calhar - também parece não ter lido com atenção este artigo. Se o tivesse feito, talvez não tivesse caído de uma forma tão profunda na ratoeira e, com isso, talvez não tivesse colaborado tão activamente com Sócrates no seu esforço para obter a maioria absoluta. Como dizia alguém, com adversários destes, Sócrates nem precisa de aliados.

É neste contexto de uma certa desorientação e de más sondagens que surge a escolha de Santana Lopes para Lisboa. Esta selecção pode ser um erro trágico ou uma aposta muito inteligente. O que não devia ser era, no entanto, apenas uma tentativa de resolver um problema criando outro. Como tentarei já de seguida demonstrar.

Foi contra Santana Lopes e o que ele significa que Manuela Ferreira Leite e o sector iluminista do PSD se candidataram há meses. A linha populista, bonapartista, conservadora social do PSD - a parte que facilmente se assumiria como expressão de um projecto de direita - foi derrotada pelas chamadas elites, mais orleanistas, liberais, cordatas. Candidatar Santana Lopes em Lisboa é uma inequívoca abdicação da linha estratégica e da razão de ser imanente ao projecto que supostamente lidera hoje o PSD. Como escreveu um dia Pacheco Pereira, num luminoso artigo, o PSD com Valentim Loureiro ganhava Gondomar, mas perdia o país. Ferreira Leite perderá sempre em Lisboa: se António Costa ganhar, ela arrostará com as consequências; se Santana Lopes ganhar, o sinal fica dado e será favorável à linha populista. Sobretudo se o PSD tiver perdido as eleições legislativas pouco antes.

Mas pode essa candidatura ser uma aposta muito inteligente. Santana Lopes é o melhor campaigner que o PSD possui; talvez mesmo o melhor que existe em Portugal desde que Mário Soares se retirou. A crise económica e social provoca grande descontentamento. Pode ser que Sócrates com isso ganhe a maioria absoluta, mas é admissível que logo a seguir - resolvido o problema de não trocar o diabo conhecido pelo desconhecido - passe a votar BE e PCP em tal dimensão que será fácil a um político hábil e determinado ficar à frente do PS por fazer o pleno da direita apanhando ainda algumas franjas menos sofisticadas da esquerda. Mesmo que minoritário (ainda que não seja de excluir uma aliança entre PSD e PCP depois para governar a CML), pode ganhar e com isso compensar a derrota nacional do PSD no que surgiria como um começo da mudança do ciclo.

Em resumo: Ferreira Leite podia - em nome da coerência - recusar Santana Lopes e pagar o preço de ser acusada de perder Lisboa, mas assim separar águas e ganhar o futuro. Ou podia apoiar com entusiasmo o antigo primeiro-ministro com um caderno de encargos e uma equipa de excelência, apostando tudo em Lisboa, colando-se ao candidato e aproveitando os ataques para afirmar uma liderança e uma coesão. Qualquer das hipóteses tem vantagens e inconvenientes. A situação actual não é de molde a permitir soluções fáceis.

O que Manuela Ferreira Leite não podia fazer é... o que fez: escolher Santana Lopes como quem engole óleo de fígado de bacalhau, adiar semanas a revelação formal do que já era sabido, tentar misturá-lo num pacote para que se não note, aceitá-lo como uma inevitabilidade não desejada, fazer de conta que escolhê-lo equivale à escolha de outros louváveis candidatos que são politicamente irrelevantes, dar a sensação de que quase deseja que ele seja derrotado para assim se ver livre dele, permitir a convicção de que escolheu para não ser culpada de uma derrota ou por não ter mais ninguém para apresentar.

Escolher Santana Lopes, três anos e meio depois de o seu mandato de primeiro-ministro ter acabado sob um coro de críticas em que se realçou o actual Presidente da República e a esmagadora maioria dos apoiantes de Manuela Ferreira Leite, é um acto com muito relevante significado político. É talvez "o" acto político que define em 2008 o consulado da maior amiga política de Cavaco Silva. Teria de ser assumido com coragem e ousadia, "porque sim" e nunca apenas "porque não?".

Deste modo não auguro grande sucesso a Ferreira Leite. Com o seu gesto, que surge como uma rendição e não como uma decisão, aliena os iluministas que lhe não perdoarão a escolha e não conquista os populistas que não lhe agradecem a escolha. Já bastava a ratoeira inevitável da crise. Não era preciso ser apanhada na ratoeira evitável de Lisboa.» [Público assinantes]

Parecer:

Por José Miguel Júdice.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A DERROTA DE PACHECO

«Como pôde Pacheco Pereira enganar-se assim a respeito de alguém que conhece há tantos anos, política e pessoalmente? É Manuela Ferreira Leite uma assim tão boa actriz ou foi Pacheco Pereira que, desejoso de acreditar ter enfim encontrado a criatura perfeita para dirigir o PSD por interposta pessoa, se enganou a si próprio? Certo é que, esgotado o seu prazo de utilidade como propagandista da "seriedade" e "credibilidade", o homem que mais incensou a rectidão da líder, o seu carácter tão tão superior ao dos outros candidatos, as suas tão extraordinárias experiência e visão políticas e lhe guardou a vitória numa terna fotografia de groupie, viu prescindidos os seus serviços. Como ri Menezes, como ri Santana do seu arqui-inimigo. Como ri Passos Coelho, a quem chamou "velho jovem", a quem acusou de ser nada mais que um aparelhista e reduziu a "uma imagem" (e que era a Ferreira Leite das "nobres rugas" nos close-ups da RTP senão uma imagem?).» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

COITADOS DOS MILITANTES DO PSD

«Manuela Ferreira Leite lançou um aviso ao grupo parlamentar do PSD: 2009 vai ser "difícil" e "exigente", um ano "sem férias, sem feriados". O alerta teve como palco o jantar de Natal da bancada laranja e surgiu pouco depois da polémica que se instalou no seio do partido por causa das faltas dos deputados às sessões plenárias.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Manuela Ferreira Leite que o problema não está no trabalho, está na equipa, nas ideias e, acima de tudo, nela própria.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela "grande sondagem".»

SINDICALISTAS DOS PROFESSORES NÃO PROGRIDEM PORQUE NÃO SÃO AVALIADOS

«Perto de 300 professores sindicalistas - todos os que têm dispensa a tempo inteiro das actividades lectivas para exercício das actividades das suas estruturas - estão impedidos de ser avaliados ou de progredirem nas carreiras até regressarem às suas escolas de origem.

Esta é uma consequência directa do modelo de avaliação que entrou em vigor no início do ano, que só prevê a classificação de quem está nos estabelecimentos. Até agora, como a generalidade dos colegas, estes docentes sindicalistas eram classificados com um "satisfaz" e progrediam ao ritmo normal.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Esta notícia vale pelo facto de nos dar a saber que os contribuintes pagam a trezentos professores para em vez de darem aulas fazerem trabalho sindical. Se somarmos a estes todos os da função pública e das empresas do Estado temos que concluir que a CGTP é a maior empresa do país, com a vantagem de os seus trabalhadores serem pagos pelos contribuintes.

Resta saber quantos destes professores são sindicalistas de manhã e funcionários do partido tarde e quantos deles prescindiram dos dias de vencimento quando convocam greves.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «E quem os iria avaliar, o Jerónimo de Sousa?»

ALEGRE GANHOU UNS COBRES Á CONTA DO BPP

«O que têm em comum o ex-candidato presidencial Manuel Alegre, o social-democrata José Pacheco Pereira, o general Vasco Rocha Vieira (ex--governador de Macau), a jornalista Maria João Avillez, o escultor João Cutileiro, o advogado Proença de Carvalho, o pintor Julião Sarmento, o músico Pedro Abrunhosa e o director das Produções Fictícias (e moderador do programa "O Eixo do Mal", da SIC Notícias)? Todos fizeram publicidade ao Banco Privado Português. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Manuel Alegre pode ter devolvido o cheque ao BPP, mas ficamos a saber que o candidato a grande líder da esquerda além de viver à conta dos contribuintes desde que voltou do exílio ainda ganha umas massas pagas pelo "inimigo". Agora pode ter-se sentido envergonhado, mas o facto é que emprestou o seu saber a um banco de gestão de grandes fortunas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a competente gargalhada.»

VIVIA COM 1700 PERIQUITOS NUMA CASA COM 62M2

«Un jubilado berlinés de 60 años vivía con cerca de 1.700 periquitos en su apartamento de dos habitaciones, comunicaron los servicios veterinarios, que debieron retirar todas las aves a causa de las quejas de los vecinos, molestos por el exceso de ruido.

Los periquitos vivían en jaulas colgadas en las paredes del apartamento de 62 m2, cuyo suelo estaba cubierto de excrementos.» [20 Minutos]

RIDÍCULO

«O Fisco reembolsou 225 contribuintes, enviando-lhes cheques que em alguns casos não são possíveis de descontar, por a data estar fora da validade, confirmou fonte oficial do Ministério das Finanças.

"225 pessoas estão nesta situação, mas algumas delas conseguiram ainda movimentar os cheques que receberam", disse a mesma fonte, acrescentando que a "Direcção-Geral de Impostos (DGCI) já está a fazer o levantamento das pessoas que, de entre estas 225 situações, não conseguiram movimentar os cheques devido à recepção tardia dos mesmos".» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Será que a DGCI também aceita cheques na mesma situação?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao dr. Eduardo.»

MODA DE ATIRAR SAPATOS JÁ PEGOU

«Igor Dmitriev, jornalista do canal televisivo ucraniano ATV, decidiu manifestar o seu desagrado face à aproximação da Ucrânia em relação à NATO arremessando um sapato à cabeça do professor Oleg Soskin, director do Instituto da Transformação da Sociedade, que foi apregoar os benefícios dessa aproximação aos alunos da Universidade Pedagógica de Odessa. » [Portugal Diário]

Parecer:

É bom para a indústria portuguesa de calçado.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Diga-se à ministra que se cuide, da próxima vez em de ovos são sapatilha Nike.»

PARLAMENTO 1 - CAVACO SILVA 0

«O polémico Estatuto Político-Administrativo dos Açores foi hoje aprovado no Parlamento por uma maioria de dois terços dos deputados presentes que ignoraram, assim, o veto do Presidente da República, Cavaco Silva. O diploma contou com 152 votos a favor, do PS, CDS-PP, PCP, BE e PEV, de dois deputados do PSD e de um deputado não inscrito. Nenhum parlamentar votou contra o documento, mas 76 dos presentes abstiveram-se, dois dos quais do PS, um não inscrito e os restantes do PSD.» [Público]

Parecer:

A haver conflito institucional é com o Parlamento e não com o PS.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Ofereça-se uam esferográfica a Cavaco Silva para promulgar o diploma.»

TEMPESTADE [imagem]

TELEGRAPH: DESTRASTRES NATURAIS 2008 [imagens]

«Fish remain stuck in a fence on September 15 as flood waters caused by Hurricane Ike recede, in West Orange, Texas»

IGOR SIWANOWICZ

ZANGA NUM CONCURSO DE BIKINIS NO BRASIL

13E RUE: THE CRIME CHANNEL

sexta-feira, dezembro 19, 2008

O que será ser de esquerda?


Manuel Alegre ouvir Sócrates dizer que o PS é um partido “popular e moderado” e, apesar de assegurar que sabia o que o líder do seu partido pretendia dizer, lá sacou das suas banalidades ideológicas para afirmar o seu protesto.

Confesso que cada vez me identifico menos com aquilo que por aí se vai dizendo que é ser de esquerda, agora que a direita anda pelas ruas da amargura, multiplicam-se as “correntes” de esquerda, são o PCP e os ex-militantes d PCP, é a constelação de correntes abrigadas no Bloco de Esquerda, destes os antigos dirigentes do extinto PCP(R) aos trotskistas, é Paulo Pedroso e Vera Jardim, é Manuel Alegre e os seus companheiros da “cidadania”, só para referir as opiniões mais visíveis.

Há esquerdas para todos os gostos, desde a popular e moderada de Sócrates até à moderna de Louça, passando pela de Manuel Alegres que ninguém sabe muito bem o que é ou quer ser.
Mas que propostas vêm de todas estas esquerdas que só mesmo Manuela Alegre poderia sonhar poder unir?

O PCP propõe a ditadura do proletariado, ainda que pela via eleitoral, o Bloco de Esquerda não propõe nada porque sendo moderno não pode propor o mesmo que o PCP, Manuel Alegre não sabe bem o que há-de propor, Sócrates propõe que a esquerda seja uma escolha do melhor da direita.

Se não fosse o facto de a direita ainda estar pior do que a esquerda até diria que me apetece ser de direita.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Aves de Lisboa: Corvo-narinho-de-faces-brancas [Phalacrocorax carbo],
Cais das Colunas, Praça do Comércio

IMAGEM DO DIA

[AP]

«Dennis Baltimore Jr walks along a street in Long Beach, California, carrying a sign which his father made him wear for writing on school property» [Telegraph]

[EPA]

«Chinese Peoples Liberation Army soldiers listen to President Hu Jintao give a speech at the Great Hall of People in Beijing» [Telegraph]

[Channi Anand/Associated Press]

«A woman waited to vote Wednesday at a polling station in Kishtwar, in Indian Kashmir. Thousands of security forces patrolled the region to protect voters in state elections. Muslim separatists urged residents to boycott the vote and called for a general strike.» [The New York Times]

[NASA-Carla Thomas / Reuters]

«A lomos. El transbordador espacial Endeavour, transportado por un Boeing 747 especial, vuela sobre el desierto de Mojave en California, Estados Unidos, de regreso al centro espacial Kennedy en Florida.» [20 Minutos]

JUMENTO DO DIA

Manuela Ferreira Leite, líder do PSD

Se Manuela Ferreira Leite ganha o vício das mensagens vamos vê-la com muita frequência, vamos ter mensagem de Ano Novo, mensagem de Carnaval, mensagem de Páscoa, mensagem de aniversário do Joãzinho, mensagem da Primavera, do Verão do Outono e do Inverno, mensagem de despedida para férias, mensagem de regresso de férias, enfim, não faltarão motivos para a líder do PSD nos entreter com as suas interessantes mensagens.

QUEM ESTÁ MANDANDO EM QUEM

[Pool photo by Ria Novosti]

«Russia's president, Dmitri A. Medvedev, left, met with the prime minister, Vladimir V. Putin, in the Gorki residence outside Moscow on Wednesday. Also in Moscow, the Lebanese defense minister announced that Russia had offered to deliver 10 MIG-29 fighter jets. The move would be a boon for Lebanon's antiquated air force and a slap to the United States. » [The New York Times]

COISA ESTRANHA

Catalina Pestana que não se tem cansado de dar entrevistas desde que o julgamento da Casa Pia se aproxima do fim reage com uma gargalhada de falsete e dizendo que esperará pelo fim do julgamento para falhar. Os critérios são de Catalina Pestana, mas a acusação foi feita e vamos ficar à espera das suas explicações, protegeu ou não um ministro do governo de Durão Barroso, o mesmo governo (e provavelmente o mesmo partido) que tanto a apoiou?

A ANA AIVOLA ESTÁ DE PARABÉNS

Juntou uma dúzia de manifestantes devidamente equipados com bandeiras negras (há muito que esperava que o PCP as lançasse), organizou uma manifestação e revelou falta de educação entrando pelo ministério dentro e encheu a árvore de natal de falsas prendas (aceitável) e de bandeiras negras (abuso).

Quase aposto que haviam mais jornalistas do que manifestações.

Será que a Ana Aivola também estava na pequena manifestação que o PCP organizou na passada quarta-feira na avenida Almirante Reis onde foi usado de forma descarada uma carrinha de som da CGTP?

A MENSAGEM DE NATAL DE MANUELA FERREIRA LEITE

Bastava-me a fórmula final da mensagem de Natal para não ter gostado deste disparate oportunista de Manuela ferreira Leite: "desejo a todas as famílias portuguesas um santo Natal e um bom ano de 2009". A líder do PSD esquece a laicidade do seu próprio partido e usa uma fórmula típica dos católicos mais fervorosos, ainda por cima esquece que nem todos os portugueses têm ou vivem em família.

Quando dei com a mensagem tive que olhar bem para quem aparecia no ecrã e por alguns segundos o raciocínio ficou baralhado, já era primeira-ministra ? O seu amigo Cavaco Silva ter-lhe-á pedido para o substituir na mensagem de Natal ? Seria um tempo de antena?

Percebi que Manuela Ferreira Leite ainda não era primeira-ministra senão lá estariam as tradicionais fotografias com o papa ou com um qualquer primeiro-ministro europeu, a substituir o Presidente da República também não estava senão teria ao seu lado a bandeira portuguesa, um tempo de antena do PSD também não era pois faltava a bandeira do PSD, uma mensagem para a família também não senão lá estaria uma moldura com a fotografia do Joãozinho.

Desesperada com a queda das sondagens e a recorrer a sais de frutos muito antes de digerir o peru já que o Pedro Santana Lopes é bem indigesto, Manuela Ferreira Leite elaborou uma mensagem, deu-se ao trabalho de usar o teleponto tão criticado em Sócrates para dizer pouco mais do que "em democracia há sempre soluções para os problemas", algo que todos sabíamos mas que a líder do PSD levou demasiado tempo para aprender.

Prefiro este vídeo dos Gatos Fedorentos:

BURACO DE 950 ESCONDIDO NO BPN

«As auditorias mandadas realizar pela actual administração da Sociedade Lusa de Negócios (SLN) detectaram imparidades e perdas superiores a 950 milhões de euros, ocultadas ou omitidas pelos anteriores responsáveis.


Segundo informação disponibilizada hoje aos accionistas reunidos em Assembleia Geral as auditorias às contas mandadas realizar pela adminsitração liderada por Miguel Cadilhe revelam perdas e imparidades de 20 milhões de euros na área não financeira e mais de 740 no Banco Português de Negócios (BPN) e subsidiárias, onde se inclui o Banco Insular. »
[Correio da Manhã]

Parecer:

E Dias Loureiro não viu.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Informe-se Dias Loureiro que buraco de tal magnitude qualquer criança consegue ver, quanto mais um administrador.»

PSD RECUSA LIBERDADE DE VOTO A DEPUTADOS

«Zita Seabra e Miguel Macedo pediram esta quinta-feira que lhe fosse concedida liberdade para votar contra o Estatuto dos Açores, um pedido recusado pela direcção parlamentar do PSD, que vai abster-se na votação.

A deputada social-democrata confirmou ter pedido liberdade de voto, por concordar com o Presidente da República nesta questão. Zita Seabra revelou ainda que vai apresentar uma declaração de voto individual explicando a sua posição.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Ainda recentemente o PSD tinha criticado igual decisão no grupo parlamentar do PS, quando esteve em causa o projecto do BE sobre casamentos gay. Agora proíbe-se votar a favor de um projecto que já foi votado favoravelmente pelo PSD por duas vezes, ao mesmo tempo admite-se liberdade de voto para os deputados dos Açores como se para estes um distrito pode estar acima do país. Alguém entende?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

PSD: UM MALUCO DO RISO CANDIDATO A VILA FRANCA DE XIRA

«O PSD já escolheu mais de dois terços dos candidatos a presidente de câmara para as eleições de 2009, mas a Comissão Política optou por anunciar os cabeças de lista a conta-gotas. Terça-feira à noite, foi a vez de revelar, sem surpresa, a entrada de Santana Lopes na corrida a Lisboa, bem como de Ricardo Rio em Braga. Mas há nomes que fogem entre portas, como o dos jornalistas Hernâni Carvalho, para a Amadora, e Cecília Carmo, para Odivelas, e o do actor João de Carvalho para Vila Franca de Xira. » [Correio da Manhã]

Parecer:

Deve-se para o pessoal rir.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a competente gargalhada.»

A MANUELA SOZINHA NÃO CONSEGUE DAR VITÓRIA AO PSD

«A presidente do PSD optou por fazer um discurso sobre o actual estado da economia, acusando o Governo de estar a adoptar medidas que os sociais-democratas avançaram em primeiro lugar. Tudo isto, sob a complacência da comunicação social, ideia que viria a ser reforçada por conselheiros afectos à actual direcção. Depois disto, Ferreira Leite passou ao ataque e virou-se para dentro do PSD. A líder social-democrata garantiu que sozinha não consegue dar a vitória ao partido nas eleições legislativas de 2009, uma declaração que se ofereceu a várias interpretações. Desde as que viram aqui uma confissão de derrota antecipada, até às que a encaram como um desafio à união entre as várias facções internas.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Nem sozinha nem acompanhada, quanto mais mal acompanhada.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a MFL se acredita mesmo na vitória.»

BANCA REJEITA PRESSÃO DO GOVERNO

«Confusão e perplexidade. A banca não entende as palavras do ministro das Finanças, Teixeira do Santos, que admite repensar o sistema de garantias atribuídas ao sector financeiro, caso o dinheiro não chegue às empresas e fala em pressão para que os bancos não travem os empréstimos concedidos por via das linhas de crédito às PME.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Compreende-se, com o aval do Estado consegue acesso a crédito a juros mais baixos, ao mesmo tempo aumenta-se o spread e orienta-se o crédito para o consumo, onde se praticam as taxas mais altas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Chame-se ingénuo a Teixeira dos Santos.»

EMPRESÁRIOS QUEREM PORTELA PARA TRANSPORTE DE NEGÓCIOS

«Os empresários juntaram-se e aprovaram a construção da futura estação central de Lisboa, que vai servir os comboios de alta velocidade, nos terrenos da Portela, quando o aeroporto for desactivado em 2017 e deslocalizado para o Campo de Tiro de Alcochete. O projecto é viável técnica e financeiramente, conclui um estudo desenvolvido pela Adfer (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento do Transporte Ferroviário), a pedido da AIP (Associação Industrial Portuguesa), e que contou com o apoio da CIP (Confederação da Indústria Portuguesa) e da AEP (Associação Empresarial de Portugal) , que hoje é apresentado na sessão promovida pela Adfer subordinada ao tema "A nova estação central de Lisboa", apurou o DN.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Seria um luxo, um pequeno país ter um aeroporto no centro da cidade vocacionado para negócios e servido por TGV, enquanto o cidadão comum teria que ir para Alcochete.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se uns frascos de água de malvas para os representantes das associações empresariais.»

75% DE PROFESSORES MUDAVAM SE TIVESSEM ALTERNATIVA

«Quase 75 por cento dos professores mudavam de profissão se tivessem alternativa e 81 por cento admitem que, se pudessem, pediam a aposentação, mesmo com penalizações, segundo um inquérito a mais de mil docentes que será apresentado esta quinta-feira.

De acordo com dados do Observatório da Avaliação de Desempenho, órgão criado pela Federação Nacional dos Sindicatos da Educação e pelo Instituto Superior de Educação e Trabalho, apenas 26 por cento dos inquiridos continuariam a escolher a profissão de professor.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Num país onde o grande objectivo profissional é a reforma não admira que 81% dos professores digam que pediriam a aposentação se pudessem, isso é verdade para quase todos os grupos profissionais. O mesmo se poderia dizer em relação à mudança de profissão.

Só que esta sondagem é manhosa pelo simples facto de ser feita num momento de grande desorientação, por isso mesmo não vale nada. Seria interessante saber qual a percentagem dos professores que agora dizem que mudariam de profissão se pudessem, se alguma vez o tentaram fazer, bem como questioná-los sobre as motivações que os levaram a escolher a profissão.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Elogiem-se os 20% que gostam de ser professores.»

AGORA O PROBLEMA NÃO É A AVALIAÇÃO

«A Federação Nacional dos Professores garantiu esta quarta-feira que só participará no processo de revisão do Estatuto da Carreira Docente se nas primeiras rondas negociais for abolida a divisão da profissão em duas categorias hierarquizadas.

"Se a questão da divisão da carreira em professores e professores titular não ficar resolvida positivamente no primeiro ciclo de negociações não participaremos no resto do processo", avisou o secretário-geral da Fenprof, em conferência de imprensa.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Se não querem negociar então que não negoceiem. Pediram para abrir um processo negocial para quê? Devem estar a gozar.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Suspendam-se as negociações.»

PSD CONTINUA EM QUEDA NAS SONDAGENS

«A sondagem mais recente às intenções de voto dos portugueses revela que se as eleições fossem hoje, o PS continuaria a ser o partido mais votado, com 41 por cento. No entanto, o governo de Sócrates perderia a maioria absoluta de que dispõe. Ao contrário do esperado, os votos que o Executivo perde não vai para o PSD, que continua em queda, mas sim para os partidos da esquerda que continuam a subir.

De acordo com a estimativa da Universidade Católica, para a RTP, Antena 1 e Jornal de Notícias, o Partido Socialista soma 41 por cento dos votos. Apesar de manter o mesmo valor nas intenções de voto que obteve no barómetro de Outubro, o PS vê agora o PSD a distanciar-se mais, caindo quatro décimas e obtendo, dois meses depois, 30 por cento.» [Portugal Diário]

Parecer:

É certo que entre as sondagens e as eleições podem haver diferenças significativas, mas essas diferenças, para além dos erros de estimativas e de opiniões, reflectem uma atitude de penalização do governo que nas eleições não se verifica totalmente. Isto significa que Manuela Ferreira Leite tem sérios motivos de preocupação, não só perde votos no seu espaço político como não está a captar as intenções de voto dos descontentes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pela "grande sondagem".»

UMA INDIGNIDADE DE RAUL CASTRO

«Na primeira visita de Estado ao Brasil, o presidente de Cuba, Raul Castro, afirmou que o seu governo estaria disposto a libertar presos políticos como uma das formas de dialogar com o próximo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

«Estes prisioneiros que falam, querem que os deixemos ir? Vamos enviá-los com as suas famílias e todas as coisas», disse o presidente cubano durante a visita a Brasília, informa a agência Reuters. «Devolvam-nos os nossos cinco heróis. Isso é um gesto de ambos os lados», frisou, referindo-se ao grupo de funcionários cubanos acusados de espionagem pelo governo americano e presos há quase dez anos. » [Portugal Diário]

Parecer:

É uma vergonha tentar negociar a liberdade de prisioneiros políticos, que estão presos por terem opiniões contrárias ao regime, é vender os seus próprios cidadãos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Jerónimo de Sousa.»

BURGER KING LANÇA PERFUME COM CHEIRO A HAMBÚRGER

«La última novedad que la cadena de restaurantes de comida rápida Burger King no es una variante de sus famosas hamburguesas, sino un perfume con olor a uno de sus productos, el famoso Whopper, que ha dirigido especialmente a los hombres estadounidenses. Un aerosol blanco con un corazón rojo envuelto en llamas, y que se vende sólo en Estados Unidos por menos de cinco dólares, promete a quien lo utilice oler como una auténtica Whopper, la favorita de los estadounidenses, según afirma la cadena de restaurantes.» [20 Minutos]

Parecer:

Por cá poderia ser lançado um com cheiro a sardinha assada.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a proposta à Ramirez.»

2008 EM FOTOGRAFIAS [Link]

ALEKSANDR DOODKO

QUEM TEM O SORRISO MAIS BONITO, EU APOSTO NO CAVALO

[PA]

«The Duchess of Cornwall tours the stables backstage at Olympia, The London International Horse Show» [Telegraph]

NVAS MEDIDAS DE SEGURANÇA NAS CONFERÊNCIAS DE IMPRENSA DE BUSH

HEINEKEN