sábado, março 14, 2009

Crise, romantismo e oportunismo

Comparada com o que sucederia à economia portuguesa se fossem aplicadas as medidas propostas pelo PCP, BE e alguns alegristas a actual crise financeira não passaria de uma pequena simulação. A mistura de um falso romantismo com oportunismo político levam personalidades como Louça, Jerónimo de Sousa a tentar mobilizar as massas criando a falsa ideia de que o paraíso é possível, para o alcançar bastaria mudar algumas políticas.

Vejam-se as dificuldades no acesso ao crédito e imagine-se o que sucederia se estes partidos chegassem ao poder. A primeira consequência seria uma profunda crise financeira com as empresas a fecharem por falta de financiamento e a perda de mercados.

Mas é evidente que o problema seria fácil de resolver, sem limites ao défice público aumentar-se-iam os subsídios de desemprego, aumentava-se o emprego público e tornavam-se gratuitos todos os serviços públicos. Como estas medidas seriam insuficientes para travar o desemprego alterava-se a legislação laboral para dificultar o desemprego e, se tal não bastasse, as empresas com lucros seriam proibidas de despedir.

Imaginação minha? Basta ler as propostas do BE e do PCP para se concluir que é exactamente o que se propõe.

Como seriam financiadas as empresas? Com subsídios estatais. Como se conseguiriam mercados para empresas cada vez menos competitivas? Negociando com amigos como Cuba ou Coreia do Norte. Como manter o emprego? Aumentando o emprego público financiado por défices públicos crescentes.

Todavia estas soluções fáceis e românticas ainda conquistam a simpatia de muita gente, para isso ajuda a ignorância e o oportunismo de alguns grupos corporativos. Não admira que a CGTP consiga mobilizar uma boa parte dos eleitores do PCP para grandes manifestações. Enquanto o mundo, incluindo a poderosa China comunista, procuram soluções para uma crise de dimensões ainda não definidas, por cá o Carvalho da Silva e outros têm solução fácil para tudo.

Depois esqueceriam “Abril” e andariam décadas a falar do Portugal de 2009, mais uma grande experiência comunista em Portugal.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Pormenor de estátua no topo do Arco da Rua Augusta, Lisboa

IMAGENS DO DIA

[Alexander Natruskin/Reuters]

«Soldiers dressed in historical uniforms opened the doors for Russian President Dmitry Medvedev as he entered a Kremlin meeting Friday. In a rare move, Mr. Medvedev invited local lawmakers to remark on the government’s handling of the economic crisis.» [The Wall Street Journal]

[Elizabeth Dalziel/Associated Press]

«National People’s Congress delegates voted Friday in Beijing. The nearly 3,000 delegates approved a national budget for the coming year that boosts government spending by 25%.» [The Wall Street Journal]

[Sukree Sukplang/Reuters]

«Elephants enjoyed blocks of ice containing fruit during National Elephant Day celebrations at Ayutthaya Elephant Palace and Royal Kraal near Bangkok, Thailand, Friday. » [The Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

Carvalho da Silva, militante do PCP destacado na CGTP

Na pequena entrevista dada à RTP durante a manifestação Carvalho da Silva foi claro quanto ao seu objectivo, influenciar os resultados das eleições, só se esqueceu de dizer em quem sugere o voto. Mas não era difícil de adivinhar, bastava ver quais os líderes partidários presentes. Por outras palavras, Carvalho da Silva assumiu claramente objectivos político-partidários.

Carvalho da Silva só tem um pequeno problema, os eleitores do PCP e do BE podem promover uma manifestação de grandes dimensões, mas os manifestantes que estavam na Avenida da Liberdade não eram suficientes para eleger o presidente da Câmara Municipal de Sintra.

AVES DE LISBOA

Felosa-comum [Phylloscopus collybita]

POBREZA DESDOBRADA

«Desta vez foi na Quinta do Cabrinha, o bairro construído na Avenida de Ceuta, em Lisboa, para receber os habitantes do demolido Casal Ventoso. Uma série de pessoas ocupou casas que estavam vazias e foi despejada pela polícia. Directos no local dão a voz aos despejados: uma jovem mulher com um bebé ao colo explica que vivia na casa dos pais onde dormia no chão com os filhos, um dos quais "tem problemas" e que pediu à Câmara o "desdobramento" (jargão que refere a atribuição de uma outra casa a uma parte de uma família que vive num fogo de habitação social) mas "eles não deram". Perante a recusa, ela e o marido (que ficou detido) ocuparam uma casa "e agora não têm para onde ir". A repórter pergunta: "E a senhora estava disposta a pagar uma renda?" A resposta é não só afirmativa mas entusiástica: "Claro!". No fim, a repórter conclui: "Esta é só uma das versões".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

CAVACO EM BELÉM

«Por falta de assunto ou por espírito comemorativo, anda toda a gente por aí a fazer o balanço dos quatro anos de Sócrates (com melancolia, suponho) e dos três de Cavaco. Cavaco mereceu menos conversa. O país já não se lembra da campanha eleitoral do Presidente ou do ar patético do seu "Não me resigno!". Não se resignava (hoje parece irónico) à miséria e à estagnação de Portugal. Em 2009, perante o desastre, o tom mudou. Agora o Presidente, segundo ele próprio confessa, está "triste" e o extraordinário seria que não estivesse. O homem do "milagre económico", o sapientíssimo professor, assistiu inerme a um endividamento externo "explosivo" (palavra dele), a uma crise mundial que não previu e a um escândalo crescente de corrupção e fraude de que ninguém, nem ele suspeitava.

A presença de Cavaco em Belém, com a sua solenidade e o seu provincianismo, não serviu para nada. Não atenuou, como por exemplo a de Soares, a óbvia prepotência do Governo PS ou sequer protegeu quem lhe resistia. A "cooperação estratégica" (que era a negação da "força de bloqueio") durou, e só durou, enquanto foi do interesse de Sócrates (que não desceu a uma única concessão de essência) e acabou no momento em que as circunstâncias forçaram o primeiro-ministro a virar à esquerda. No estado comatoso da sociedade portuguesa, os "roteiros de inclusão" roçam o grotesco. E o prestígio internacional do Presidente começa lamentavelmente por não existir. Com 15 vetos (sete políticos, oito constitucionais), Cavaco ficou firmemente na irrelevância.

É, presumo, a isso que ele chama a sua "contribuição para a estabilidade", como se ela se reduzisse a uma espécie de paz podre entre o Presidente e o primeiro-ministro - como há vinte anos não houve entre Cavaco e Soares, para grande fúria de Cavaco - e não assentasse, de facto, na maioria absoluta do PS. E, no entanto, a corte de Belém persiste em ver no Presidente um "ponto de referência" (não se percebe de quê e para quem) e em lhe profetizar sempre mais poder e "espaço de manobra". Um poder e um "espaço de manobra" que ele manifestamente não tem. Não tem enquanto Sócrates controlar o partido e, com ele, o grupo parlamentar. E não terá, se a eleição de Outubro produzir uma Assembleia dividida, sem maioria do PS mas com maioria de esquerda. O fim deste mandato de Cavaco promete ser mau. E o princípio do outro, se ele se recandidatar, promete ser pior. » [Público assinantes]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A ANEDOTA DO DIA

«Manuel Alegre tem tido actos de coragem, de coerência, que mostram o seu valor e carácter". A frase é do líder do BE, Francisco Louçã, para quem a tese de uma aproximação do deputado do PS aos bloquistas "é uma especulação sem qualquer sentido".» [Correio da Manhã]

Parecer:

Este Louçã além de ser arrogante tem sentido de humor.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a competente gargalhada.»

O MAIS RICO ESTÁ MAIS POBRE

«Perdeu mais de metade da sua fortuna mas continua a ser o português mais rico do mundo. Segundo a revista Forbes, Américo Amorim ocupa a 183.ª posição na lista dos milionários de 2009, com os seus 3,3 mil milhões de dólares (cerca de 2,6 mil milhões de euros), contra os sete mil milhões (5,5 milhões de euros) que a revista lhe atribuía no ano passado. De fora ficou, pela primeira vez desde 2004, Belmiro de Azevedo.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Tão forreta com os seus trabalhadores mas acaba de perder 2,6 mil milhões de euros.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Manifeste-se a nossa solidariedade com Amorim.»

PINTO DA COSTA JURA "PERANTE DEUS"

«O presidente do F. C. Porto, Pinto da Costa, considerou a acusação do "caso do envelope" do "Apito Dourado" uma "tramóia" e jurou inocência perante a juíza do processo e "perante Deus".

Pediu mesmo "que caiam todos os males" sobre quem esteve na origem da "tramóia" e da "maquiavélica" suspeição levada a julgamento. Numa declaração ao tribunal, após as alegações finais, o dirigente portista disse ser "totalmente falso" que tenha dado "o que quer que fosse" ao árbitro Augusto Duarte "com envelope ou sem envelope".» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Esta do Pinto da Costa recorda-me uma outra jura, "juro pela saúde do meu gato, se não morrer o mato".

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Pinto da Costa que não use o nome de Deus em vão, ainda que não viole nenhum regulamento da Liga é pecado.»

APROVADA LEI DO PÃO INSONSO

«O Parlamento aprovou esta sexta-feira um diploma socialista para a distribuição de frutas e legumes nas escolas e outro que limita o teor de sal no pão, projecto que recebeu o voto contra de cinco deputados do CDS.

Os dois diplomas mereceram a quase unanimidade das bancadas, mas o projecto de resolução que visa limitar o sal no pão recebeu o voto contra de cinco de deputados da bancada do CDS-PP, entre os quais o vice-presidente do grupo parlamentar, Pedro Mota Soares, que pediu a liberdade de voto da bancada nesta matéria, e uma abstenção do deputado do PSD Mendes Bota.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Um dia destes vamos ficar todos para semente de repolho.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Coitadas das crianças.»

CHEV CHELIUS

DECATHLON

sexta-feira, março 13, 2009

A maioria relativa é mais lucrativa

Um dos debates mais frequentes na política portuguesa é sobre as vantagens ou desvantagens da maioria absoluta, sempre que há eleições a dúvida está em saber se um partido a alcança, se o governo conta com a maioria absoluta todos teorizamos sobre as suas desvantagens e se governa com maioria relativa queixamo-nos pelos cantos das consequências da instabilidade. Se simpatizamos com o partido do governo somos admiradores da maioria absoluta, se simpatizamos com a a oposição preferimos a maioria relativa.

Entre os partidos do “arco do poder”, como agora se diz o que espera ganhar as eleições só vê vantagens na maioria absoluta, para os que esperam perder as eleições o raciocínio é do tipo “o mal o menos”, que o adversário ganhe apenas com a maioria relativa, sempre é mais provável que a legislatura não chegue ao fim. O mais curioso é que tanto os que a desejam como os que a receiam usam os piores argumentos, os que a esperam alcançar não escondem o tédio que é aturar a oposição, os que a receiam não escondem o desejo de ver o país cair na instabilidade política.

O efeito deste debate tem tal peso no debate político que o país até para sempre que Manuel Alegre boceja, se no tempo de Cavaco Silva o agora proprietário dos votos dos que votaram nele nas presidenciais afirma-se publicamente que iria sair do PS e fazer criar um partido ouvir-se-ia uma gargalhada, se fosse noticiado que tinha organizado um comício com a extrema-esquerda perguntariam se este tinha sido feito nos jardins do Júlio de Matos. Mas como um partido, mesmo pequeno, tiraria a maioria absoluta já tudo o que Manuel Alegre diz é interessante, mesmo que nada diga ou que se limite a tornar públicos algumas das reflexões que faz enquanto apara a barba. A notícia não é o que Manuel Alegre pensa ou vai fazer e muito menos qual o seu programa política, a notícia é se ele vai ou não retirar a maioria absoluta ao seu partido.

A verdade é que a maioria relativa dá mais “lucro” e a mais gente do que a maioria absoluta, por exemplo, se Belmiro de Azevedo quer um aeroporto junto de Tróia isso é mais fácil de conseguir com uma maioria relativa, unas notícias no Público e o primeiro-ministro que governar com maioria relativa faz xixi nas calças. Um governo com maioria relativa é mais vulnerável aos grupos económicos que dominam a comunicação social, seja através das participações no capital ou (o que escapa ao controlo da lei) usando os imensos orçamentos publicitários. O caso do mensalão é um bom exemplo disso, o BES ameaçou e calou o Expresso e quem cala o Expresso cala qualquer jornal português.

Com uma maioria relativa os pequenos partidos tornam-se gigantes se conseguirem completar a maioria absoluta, foi o que sucedeu com a coligação entre o PSD e o CDS, quer com Durão Barroso, quer com Santana Lopes foram muitos os momentos em que era Portas quem mandava no Governo. O caso mais extremo foi o do famoso “orçamento limiano”, quando Guterres teve que negociar com um único deputado do CDS para fazer aprovar o Orçamento de Estado. Quando Cavaco Silva governou com a maioria absoluta nunca faltou dinheiro a Alberto João Jardim, os votos dos deputados da Madeira eram indispensáveis para compor a maioria absoluta.

Para partidos como o PCP ou o Bloco de Esquerda, que sonham com uma democracia que dispensa toda esta canseira das eleições o pior que pode acontecer é que uma legislatura chegue ao fim e se o governo governar bem então estão mesmo perante uma desgraça.

Para todas as organizações sociais o ideal é um governo com maioria relativa, a chantagem da instabilidade, das manifestações e das greves funciona às mil maravilhas nos processos negociais, dirigentes sindicais como os da Administração Pública quase se comportam como secretários de Estado.

Até os jornalistas, tal como os boys desempregados dos partidos da oposição, apreciam mais as maiorias relativas do que as maiorias absolutas, a instabilidade política gera mais notícias e expectativas de emprego a curto prazo.

É por tudo isto que ninguém está preocupado com o futuro do país, como se vai governar na próxima legislatura ou quais as propostas da oposição, o único objectivo de Sócrates é renovar a maioria absoluta e Manuela Ferreira Leite candidata-se com o único objectivo de o impedir. Aliás, é curioso o facto de Manuela Ferreira Leite achar que se devia suspender a democracia para fazer reformas mas vai a eleições com o único objectivo de evitra a estabilidade política.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Vista de Lisboa

IMAGEM DO DIA

[]Francois Lenoir/Reuters

«Climate activists dressed as penguins protested outside the European Commission headquarters in Brussels Thursday. Environmental organizations are urging Europe not to weaken the EU’s energy-efficiency goals for household goods.» [The Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

Rui Pereira, ministro da Administração Interna

O ministro da Administração Interna costuma convidar todos os que o criticam para um almoço onde faz as pazes e cede às reivindicações ou tal gesto é exclusivo do autarca de Lisboa por inerência do seu estatuto de número dois do PS?

AVES DE LISBOA

Gaivota caçando um pombo

O GPS QUEQUE

«Há um aparelho de localização que sempre admirei pela precisão dos resultados. Embora eu não saiba usá-lo - leva gerações de sangue azul -, amiúde o vi em operação.

É o GPS Queque e funciona assim: dois queques encontram-se e um diz ao outro que um terceiro queque está a morar no Estoril. "Onde?" é o primeiro passo. E arranca logo o GPS Queque, num primor de triangulação. Dão-se duas coordenadas queques - as casas dos maiores queques mais próximos - e, zás, já se sabe onde parou o queque tresmalhado.

"Sabes onde mora o Espírito?", pergunta o queque relator. O outro diz que sim. (Não é um teste religioso: "Espírito" é quequês para um membro da família Espírito Santo). "E estás a ver a casa antiga dos Lupis? É ali mesmo ao meio." Aqui, o queque auditor, num ápice, faz a leitura do GPS - quanto mais rápida, mais pontos-queques - e diz "Já sei!" ou "Sei perfeitamente!"

O povo que oiça fica na mesma. É essa a ideia: impedir que seja usado pelas massas. O GPS Queque não é o contador de água, que qualquer bimbo pode vir ler. Se não sabe onde mora o Espírito, não precisa de (nem merece) saber para onde se mudou o Sobral. Este GPS também transmite dados rigorosos de posição social de que nenhuma tecnologia é capaz. Sempre com total pontaria. As coordenadas fornecidas e conhecidas (ou não) revelam o GPS social tanto do queque relator como do auditor. Quanto mais bem, melhor. Eu, um mero possidónio, é que nunca hei-de saber quais são. Estou perdido. » [Público assinantes]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

GOVERNO QUER LIMITAR TAXAS DE JURO AO CONSUMO

«Os bancos e sociedades financeiras vão ficar proibidos de cobrar taxas de juro acima de um determinado limite no crédito ao consumo. À boleia da transposição para o direito por- tuguês da Directiva sobre contra- tos de crédito aos consumidores (n.º 2008/48/CE), o Governo português decidiu criar um regime de taxas máximas para os diferentes tipos de empréstimo ao consumo.» [Diário de Notícias]

Parecer:

A medida é justa mas ou estou muito enganado ou o Banco de Portugal vai fazer com que tudo fique na mesma.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»

LÍDER DO PSD DIZ QUE SÓCRATES É INCOMPETENTE

«A sala Almada Negreiros, no Centro Cultural de Belém encheu-se ontem de militantes e deputados sociais-democratas, para ouvir Manuela Ferreira Leite fazer um balanço de quatro anos de um Governo "arrogante" e "incompetente", liderado por um primeiro-ministro que conduziu o País a uma crise profunda. "E está desnorteado para ultrapassar a crise", disse, sob palmas dos presentes.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Olha quem fala...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Manuela Ferreira Leite se está convencida de que é este discurso que a vai ajudar a subir nas sondagens.»

BELMIRO FORA DA LISTA DOS MAIS RICOS

«Américo Amorim continua a ser o português mais rico do mundo, de acordo com a lista da revista Forbes divulgada esta quarta-feira, mas a sua riqueza baixou 3,7 mil milhões de dólares (2,9 mil milhões de euros).» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Estou cheio de pena.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Promova-se um peditório nacional em favor de Belmiro de Azevedo.»

LÍDER DO PSD NÃO TEM OPINIÃO SOBRE GESTÃO DO AEROPORTO DO PORTO

«A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, escusou-se a tomar posição sobre o futuro modelo de gestão do Aeroporto Sá Carneiro, frisando apenas que defende aquele que for "mais eficaz".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Pois, apesar de um dos seus vice-presidentes ser um colaborador de Belmiro de Azevedo e já ter escrito um artigo no Público em favor da gestão do dono deste jornal.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Ferreira Leite se ao menos tem um perfil, como sucede com o cabeça de lista das europeias.»

PROFESSORES QUEIXAM DO CONCURSO DE COLOCAÇÃO

«"Trata-se de um concurso em que se reflectem de forma inequívoca as medidas economicistas que o Ministério da Educação foi tomando ao longo dos últimos anos", afirma a Plataforma Sindical de Professores, sublinhando que o procedimento poderá deixar perto de 20 mil docentes sem colocação, sobretudo dos quadros de zona pedagógica (QZP) e contratados.

Segundo as novas regras, as colocações serão válidas para quatro anos e não para três, como aconteceu em 2006, enquanto os quadros de escola e de zona pedagógica vão ser transferidos gradualmente para quadros de agrupamento. Por outro lado, a avaliação de desempenho já será considerada no recrutamento de 2013 para a maioria dos professores, enquanto as colocações ciclícas sao substituídas por uma bolsa de recrutamento.» [Jornal de Notícias]

Parecer:

É estranho, no passado os professores queriam estabilidade e agora receiam contratos longos. Mais uma vez os sindicatos demonstram que acham que todos os actos de gestão das escolas devem ser adoptados tendo em conta apenas o interesse dos professores.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Alguém que entenda os sindicatos.»

O "ASSASSINO DE OBAMA" JÁ TEM PÁGINA NA INTERNET

«Aunque parezca mentira el dominio 'obamaskiller.com' ('el asesino de Obama') ya existe. Ha habido alguna persona en el mundo que ha pensado que el primer presidente afroamericano de EE UU podría ser asesinado como Abraham Lincoln o John F. Kennedy, y si se produjera ese hecho trágico la dirección aumentaría su valor exponencialmente.

Da la casualidad, además, que no hay que ir a buscar muy lejos al avispado personaje que ha comprado el citado dominio. Se llama Hugo Ruiz, y es un emprendedor zaragozano de 34 años que se dedica, entre otras muchas cosas, a adquirir direcciones de Internet un tanto curiosas, porque como afirma: "Quién sabe, algún día pueden valer algo de dinero".» [20 Minutos]

MASSIMILIANO UCCELLETTI

RELAÇÃO DE DEPENDENTES NA DECLARAÇÃO DE IRS

Mão amiga fez-me chegar por mail uma sugestão de actualização de dependentes na declração de rendimentos do IRS. Aqui fica a sugestão:

IRS 2008 - Atenção à actualização da relação de dependentes
PREPARANDO A DECLARAÇÃO DE IRS 2008!!!
Já actualizou sua lista de dependentes do IRS ? Não? Então pode copiar da minha.
DECLARAÇÃO ANUAL DE RENDIMENTOS - IRS
(Por definição, são meus dependentes, todos aqueles que SOU OBRIGADO, POR LEI, A SUSTENTAR)
RELAÇÃO DOS MEUS DEPENDENTES:
01) Presidência da República e assessores;
02) Governo e assessores (até mesmo os familiares nomeados por clientelismo político);
03) Câmara Municipal de ... e assessores, (até mesmo os familiares nomeados porpelo mais puro nepotismo, quer pessoal, quer político); (idem) ; Há Municípios onde trabalha a família toda do Presidente e do seu Vice, bem como antigos opositores.....
04) EPAL (consumos mínimos);
05) EDP (consumos mínimos);
06) TELECOM; TMN; etc.
07) Gás de Portugal (consumos mínimos);
08) Beneficiárias da taxa de saneamento básico (recolha de lixo, etc);
09) Centros de inspecção de veículos;
10) Companhias seguradoras (seguro automóvel obrigatório) ;
11) BRISA - Portagens;
12) Concessionárias de parques e estacionamento automóvel;
13) Concessionárias de terminais aeroportuárias e rodoviários;
14) Instituições financeiras - Taxas de administração e manutenção de contas correntes, renovação anual de cartões, requisição de talões de cheque etc.;
15) Mais de 250 deputados da Assembleia da República, com os respectivos ESQUEMAS de apoio.
16) BPN, BPP e demais esquemas de enriquecimento fácil de administradores e gestores cleptomaníacos a que o estado entrega os impostos que pago, para evitar o alarme social e financeiro. Tenho a certeza de que me esqueci de um monte deles ...Pode lembrar-se e acrescentar por mim?

ZIPPO