sábado, junho 27, 2009

O Cavaco de Boliqueime

O maior erro que Sócrates terá cometido, para gáudio dos alegristas, pois ter acreditado que poderia governar com Cavaco como Presidente ou, pior ainda, que Cavaco se ajustava que nem uma luva no papel de presidente. Sócrates não percebeu duas coisas: que Cavaco sempre ambicionou mandar simultaneamente em Belém e em São Bento e que tem como único objectivo político a projecção da sua própria imagem pessoal.

Enquanto Sócrates parecia cair nas graças do eleitorado Cavaco aceitou uma posição subalterna, colou-se à imagem do primeiro-ministro, os seus assessores mantiveram-se em silêncio, até elogiava as reformas promovidas por José Sócrates, incluindo a da Educação, usava-as de forma vaidosa nas suas viagens ao estrangeiro. Nunca foi solidário nos momentos difíceis, limitou-se a colar-se aos sucessos de Sócrates.

Com a crise financeira Cavaco mudou radicalmente, Manuela Ferreira Leite e a demais tralha cavaquista que andava dispersa e sem objectivos políticos animou-se, os assessores de Belém saíram do anonimato para ajudarem à eleição da antiga directora-geral da Contabilidade Pública, o único cargo público onde a actual líder do PSD poderá ter tido uma nota acima da negativa.

Com a chegada de Ferreira Leite à liderança do PSD Cavaco Silva mudou a sua estratégia, passou a acumular as funções de presidente da República com as de presidente vitalício do PSD, o tal PSD do qual se desvinculou tal como tanto disse no debate com Soares durante a campanha das presidenciais. Enquanto com Marques Mendes Cavaco tentava impor ao país a partilha do poder pelo PSD com recurso a pactos de regime, com Manuela Ferreira Leite e a crise financeira já a provocar estragos Cavaco Silva passou a usar o argumento dos consensos alargados para vetar todas as decisões do Parlamento que não lhe agradassem ou que fossem contra os interesses estratégicos do PSD. Sempre que Ferreira Leite protestava contra uma votação parlamntar Cavaco vetou ou questionou os diplomas, a não ser em questões menores.

A partir do momento em que acreditou que Sócrates poderia perder a maioria absoluta Cavaco começou a alinhar com as posições de Ferreira Leite, chegou-se ao ridículo institucional de deixar que Ferreira Leite antecipasse as suas intervenções políticas ou de tornar suas as posições políticas de Manuela Ferreira Leite. A partir daí sempre que Manuela Ferreira Leite espirrava era declarada a gripe em Belém, o extremo do ridículo ocorreu agora com a suposta compra da TVI pela PT.

Enquanto Manuela Ferreira Leite era administradora não executiva do banco Santander Cavaco Silva não questionava as obras públicas, limitava-se a meter grãos no processo de decisão política, como sucedeu com a localização do aeroporto, nunca questionou a sua necessidade nem a capacidade de o país o financiar, optou por questionar a sua localização. Em relação às restantes obras públicas, como o TGV, nunca as questionou. Com Ferreira Leite em líder do PSD o presidente passou a considerar mais importante para o desenvolvimento do país a construção de estradas para carroças de burros do que quaisquer outras vias de comunicação. Se há coisa que Cavaco Silva sempre apreciou foram as grandes obras, porque mudou de opinião? O caso do financiamento da SOMAGUE à campanha eleitoral de Durão Barroso e Ferreira Leite diz tudo, quando o PSD voltar ao poder vamos perceber que Cavaco não é assim tanto a favor daquelas estradinhas que Salazar mandava construir.

Mais do que presidente da República Cavaco é neste momento o líder do PSD usando as suas competências para manipular a opinião pública. Veja-se a forma como se tem comportado em relação aos casos BPN e Freeport. No caso BPN usou toda o poder da instituição para que em má hora foi eleito para proteger um dos maiores responsáveis do BPN, até hoje Dias Loureiro nem sequer foi incomodado pelos investigadores e não há o mais pequeno sinal de evolução nas investigações. No caso Freeport chegou a chamar a Belém o representante sindical dos magistrados, passando pró cima do Procurador-Geral da República.

Cavaco tem um projecto pessoal para cuja concretização a democracia é meramente instrumental, Cavaco quer ficar na história como um grande político, algo que nunca foi nem será, limitou-se a surfar nas circunstâncias, a usar os poderes que teve para gerir a sua imagem e poder. Cavaco não tem ideologia nem projecto político, o seu projecto é o de um rural de Boliqueime deslumbrado com o poder que sonha tê-lo de forma absoluta graças a uma democracia que apesar dos seus trinta anos ainda gera não tem anti-corpos suficientes para rejeitar falsos salvadores da Pátria.

PS: a partir desta data neste blogue “Presidente da República” passa a escrever-se com letra pequena, pela actuação partidarizada de Belém o termo não merece a utilização de maiúscula, o actual inquilino de Belém é um presidente menor na curta história da democracia portuguesa.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Vila Real de Santo António

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Em poucos dias Manuela Ferreira Leite conseguiu operar dois milagres, convencer os seus militantes de que vai ser primeira-ministra e revalorizar Santana Lopes que já voltou a ter cotação no mercado de câmbios políticos, de má moeda de Cavaco Silva o candidato a Lisboa passou a ser a boa moeda da afilhada do presidente.

Manuela não perdeu tempo e não só já está a preparar o seu governo e, como se pode ver pela imagem, até já encarregou Santana Lopes de tratar das cadeiras governamentais.

JUMENTO DO DIA

José Sócrates

Sócrates sabe como ninguém que será alvo de todos os golpes, de gay a corrupto e agora de manipulador dos negócios de uma empresa privada em favor da sua imagem. Depois de ter ficado claro que a eventual compra da TVI pela PT não passava de um negócio privado só tinha que deixar Cavaco Silva e Ferreira Leite a falarem sozinhos e deixar que duas empresas privadas fizessem os negócios que entendessem. De nada serve o gesto de impedir o negócio, daqui a alguns dias Ferreira Leite inventará outra e é sabido que Cavaco Silva usará a artilharia que o cargo lhe oferece para dar mais um exemplo do que entende por lealdade institucional.

ARGUIDOS

Não sou jurista mas gostava que se comparasse a forma como são constituídos os arguidos no caso Frreport e no caso BPN. Tenho uma ligeira sensação de que no segundo caso tudo se faz para evitar constituir mais arguidos, enquanto no caso Freeport fico com a sensação que basta ter passado por Alcochete.

ENGANEI-ME ... OU TALVEZ NÃO

à medida que as eleições se aproxima o caso Freeport volta a ganhar animação enquanto o caso BPN cai no esquecimento judicial. Será que o caso BPN vaio ficar na prateleira até que as corporações da justiça andem zangadas com um governo do PSD?

Mas ainda bem que o caso Freeport acelerou, bom, bom, seria estar concluído antes das eleições, mas duvido que os magistrados sejam tão generosos.

CONSENSO

Vamos ver se Cavaco Silva que tanto fala em consenso vai respeitar o consenso da maioria dos partidos quanto à data das eleições, ou desta vez dispensa o consenso e apoia a pretensão de Manuela Ferreira Leite.

AVES DE LISBOA

Felosa-comum [Phylloscopus collybita]

FLORES DE LISBOA

Jardim Botânico

O CONTRATO

«Raramente os portugueses viveram a paz social e a paz política destes 30 anos de democracia. Desde 1976 que nenhuma força desafiou o regime. Os partidos revolucionários respeitaram a legalidade e quase não influíram na história do país. Não houve, por assim dizer, repressão ou violência e as normas constitucionais foram aplicadas com regularidade e consenso. Tudo isto se deveu a um contrato tácito entre quem governava - ou seja, o PS, o PSD e, de quando em quando, o CDS - e a maioria do eleitorado. Os termos desse contrato estiveram sempre à vista: o Estado criava as classes médias que não existiam, protegia as que existiam e assegurava uma certa prosperidade a todas. Com um soluço ou outro - de resto, sem gravidade de maior -, as coisas correram bem.

Na essência, o contrato tinha três partes. Em primeiro lugar, o Estado garantia o emprego, mesmo através de um funcionalismo monstruoso, de um investimento público discutível ou de subsídios ao sector privado (indígena e estrangeiro) sem rentabilidade ou segurança. Em segundo lugar, sustentava um sistema universal de pensões de reforma, que permitissem uma existência digna. Em terceiro lugar, fornecia serviços de saúde com o mínimo de eficiência e prontidão. Em quarto lugar, o Estado educava gratuitamente as crianças no básico, no secundário e, em alguns casos, na universidade. Mas, principalmente, o Estado (o Estado-Providência que o PS e o PSD fizeram) não impunha às classes médias - que resistiam ou se formavam com dificuldade - uma carga fiscal intolerável.

As classes médias, que já não precisavam de poupar para a velhice e para a doença, ou para a instrução dos filhos, ficavam com um rendimento disponível, que, como é natural, usaram para "consumir" o que julgavam que a "Europa" consumia. Infelizmente, pouco a pouco a situação mudou ou, se quiserem, a sua intrínseca fraqueza (a penúria atávica de Portugal) acabou por se revelar. Hoje o desemprego aumenta dia a dia; Sócrates limitou e reduziu as pensões de reforma; os serviços de saúde (subfinanciados) não conseguem tratar em tempo útil uma parte considerável da população; e o ensino não passa de uma fraude irreformável e caríssima. Pior ainda, e antes de mais nada, o fisco é hoje pura e simplesmente punitivo. O Estado não cumpriu o contrato com as classes médias, que vinha do princípio da democracia. Votar em Sócrates, como por aí se aconselha, não esconde, ou alivia, esse fracasso essencial.» [Público assinantes]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

A PORCA DO NILO

«Todos nós temos um papão, que nos atormenta as noites e do qual passamos a vida a fugir. Para uns, é o homem do saco. Para outros, o dos impostos. Para mim, é a perca do Nilo. É um monstro lamacento do lago Vitória, tão voraz e nauseabundo que fizeram um documentário sobre ele chamado O Pesadelo de Darwin.

Quem comeria um peixe de água podre tão repugnante? Eu. Eu e o leitor e toda a gente à sua volta. Então entre 1995 e 2005, quando ainda era possível ocultar e disfarçar a identidade do bicho. Aparecia em tudo o que era casamento ou restaurante duvidoso como "cherne". O cherne, como toda a gente sabe, é um peixe raro, caro e delicioso. Como é que ninguém estranhou que, de repente, explodisse uma abundância de medalhões e de filetes de cherne, a preços (e aparências e sabores) de cantina da tropa? Comemos e calámos que nos fartámos, pensando que estávamos a papar uma pechincha.

Há tempos entrei num pseudo-restaurante de sushi onde o pseudo-itamai confessou que aquela gigantesca ossadura de carne translúcida que ali jazia era de uma perca do Nilo. Agarrei as narinas e saí a correr.

Estamos tramados. Como os mercadores da porca do Nilo já não podem dizer que é cherne, vendem-na descaradamente como perca do Nilo. Se são mais espertos, omitem o "do Nilo" (que mete nojo) e dizem só "perca" (que também mete nojo, mas que engana os ignorantes, que julgam que é peixe do mar).

Cuidado com o papão que anda aí!» [Público assinantes]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

TÍTULO 16

«O Governo decidiu hoje a marcar a data das próximas eleições autárquicas para o dia 11 de Outubro, referiu à agência Lusa fonte oficial do executivo.

"O Governo decidiu marcar a data das eleições autárquicas para o próximo dia 11 de Outubro, data que foi referida nas preferências de todos os partidos políticos que, nos termos da lei, foram previamente ouvidos sobre esta matéria", justifica o Governo.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Agora Cavaco já pode dar o seu golpe e marcar as legislativas para o mesmo dia.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pela decisão do "presidente" do PSD.»

FREEPORT: MAIS UM ARGUIDO SEM CRIME

«Foi o ex-autarca que na altura solicitou uma reunião com o então ministro do Ambiente, José Sócrates, para tratar do licenciamento do centro comercial.

O processo relativo ao Freeport conta agora com seis arguidos: Charles Smith, Manuel Pedro, Eduardo Capinha Lopes, Carlos Guerra, José Manuel Marques e José Dias Inocêncio.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Parece que o MP primeiro encontra os arguidos e só depois procura o crime.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela conclusão das "investigações".»

MANUELA FERREIRA LEITE NÃO LARGA PT

«A líder do PSD acusou hoje o primeiro-ministro de utilizar a 'golden share' na Portugal Telecom para defender a sua imagem, recorrendo "ao argumento mais extraordinário", de afastamento de suspeições, para vetar o negócio com a Media Capital.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Sinal de nervosismo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Ferreira Leite se não percebe que está a fazer uma figura triste.»

CHOVEM COMPRADORES PARA A TVI

«A Cofina, que detém títulos como o "Correio da Manhã", "Record" ou "Jornal de Negócios", quer comprar uma posição de controlo na Media Capital, não estando interessada nos 30 por cento que agora ficaram disponíveis com a inviabilização do negócio da PT, disse à Lusa fonte oficial do grupo.» [Público]

Parecer:

Não me admiraria nada que Joaquim Coimbra também aparecesse na corrida, assim juntava-se o SOL à TVI e o novo grupo até se poderia chamar Freeport TV.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Ferreira Leite se já sugeriu o negócio ao seu colega de partido e dono do SOL.»

PORTUGAL TEM MENOS 700 MILIONÁRIOS

«A crise financeira fez Portugal perder 700 milionários em 2008. O número de pessoas com activos financeiros superiores a um milhão de dólares, cerca de 719 mil euros, (os chamados high net worth individuals, HNWI) caiu 6,4 por cento face ao ano anterior. Ou seja, segundo o World Wealth Report, há actualmente 10.400 milionários em Portugal, que representam uma fatia mínima da população total: apenas 0,09 por cento.A desaceleração económica e a quebra do preço das casas e da capitalização de mercado são apontados no relatório, a que o PÚBLICO teve acesso, como os principais inibidores de riqueza. No lado oposto, a estimular a criação de riqueza, estão a descida das taxas de juro decididas pelo Banco Central Europeu, os apoios ao sector automóvel e a estagnação do consumo, para níveis de 2007. » [Público assinantes]

Parecer:

Resta saber para onde foi o dinheiro, talvez para accionistas mais sortudos como Cavaco Silva e a filha.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dêem-se as boas-vindas aos novos "pobres".»

20% DOS TRABALHADORES DA BRITISH AIRWAYS

«Quase sete mil dos cerca de 40 mil trabalhadores da companhia de aviação inglesa British Airways aceitaram a proposta feita pela administração de trabalhar um determinado período de tempo - no prazo máximo de um mês - sem dele receberem vencimento imediato. A percentagem de adesão voluntária conseguida, que não chega a 20 por cento, foi considerada pelo presidente executivo da empresa, Willie Walsh, como uma "fantástica primeira resposta", e que demonstra "claramente a diferença que um indivíduo pode fazer".A diferença invocada por Walsh pode ser medida em números, e eles foram avançados do último comunicado de imprensa que pode ser lido na página da companhia aérea: foram 6940 os empregados que responderam afirmativamente ao e-mail que lhes foi enviado há pouco mais de uma semana. E essa resposta positiva irá permitir à empresa poupar, no imediato, cerca de dez milhões de libras (11,7 milhões de euros). Estes funcionários aceitaram tirar licenças sem vencimento, abdicaram de horas de trabalho ou voluntariaram-se mesmo para trabalho não pago - o vencimento correspondente ser-lhes-á creditado num período de entre três e seis meses.» [Público assinantes]

Parecer:

Ainda bem que na TAP o dinheiro é tanto que os nossos trabalhadores se entretêm a fazer greves.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Jerónimo de Sousa, pode ser que perca o sono.»

BURAK ERTRUK

WWF

sexta-feira, junho 26, 2009

A transparência segundo Cavaco Silva

A PT decidiu equacionar a hipótese de comprar a Media Capital e Manuela Ferreira Leite não perdeu tempo, insinuou a o envolvimento de Sócrates com o objectivo de se livrar da família Moniz que, como se sabe, tem sido o “abono de família” da líder do PSD. Compreende-se que os partidos da oposições levantem questões e nos últimos tempos deixaram de respeitar as empresas privadas, Jerónimo de Sousa meteu-se na Autoeuropa fazendo perigar o seu futuro e Manuela Ferreira Leite atacou a PT e a Media Capital. Num país onde deixou de haver princípios a direita aproveita-se do jornalismo rasca, a esquerda conservadora faz tudo para agravar a situação económica do país, os votos tudo justificam.

O Presidente da República poderia ter ficado de fora, fazendo de conta que respeita a sua promessa de cooperação estratégica, mas o petisco era tão apetitoso que não resistiu à tentação, mal os outros partidos alinharam com Ferreira Leite sentiu-se em condições para evitar a crítica do alinhamento com a líder do seu partido. Mas Cavaco não se limitou a pedir explicações, usou a necessidade de transparência nos negócios de que se tanto fala desde que deflagrou a crise financeira.

Ora, Cavaco nem é presidente da assembleia de accionistas da PT nem do regulador da concorrência e, como é óbvio, a referência a transparência pode ser interpretada e é entendida por muitos portugueses como uma insinuação em relação ao primeiro-ministro, uma insinuação de que o governo mandou a PT comprar a Media Capital para se livrar da família Moniz. O que Cavaco fez foi dar força institucional a uma insinuação de Manuela ferreira Leite, diria que a líder do PSD espirrou e Cavaco constipou-se.

Isto é grave, um Presidente da República que em vez de pedir explicações ao primeiro-ministro vem a público quebrar todos os laços de solidariedade institucional e lança insinuações sobre a gestão interna de uma empresa privada sabendo que essa insinuação vai ser interpretada como uma insinuação sobre a actuação do primeiro-ministro, é um Presidente da República que intervém no processo político não hesitando em provocar uma crise política num momento de grandes dificuldades para o país. É a irresponsabilidade levada ao mais alto nível.

Mas já que Cavaco Silva fala de transparência nos negócios é bom recordar que o seu negócio de acções da SLN é um péssimo exemplo de transparência nos negócios privados de um político, o argumento de que não estava no activo não pega, o célebre artigo em que designou Santana Lopes por “má moeda” é a prova de envolvimento activo na política. É também um péssimo exemplo de transparência nos negócios de um banco, Cavaco ganhou muito dinheiro ao confiar as suas poupanças a um banco gerido pelos seus antigos subordinados, poupanças que serviram para comprar e vender acções da empresa dona desse banco, acções que não estavam cotadas pela bolsa e cujo valor foi arbitrariamente fixadas por um burlão que está preso e sobre o qual recaem suspeitas de fraude de valor superior a mil milhões. Mas nesta república das bananas parece ter-se abandonado o mais elementar princípio republicano, o de que todos os cidadãos são igual perante a lei, tratamos o Presidente da República como se fosse um Rei-Sol.

Se tivesse sido Sócrates a fazer este negócio ficaria sob suspeita, seriam analisados os negócios com acções de todos os seus familiares, até ao quinto grau de parentesco. Mas como foi Cavaco Silva e a filha a fazerem um negócio de lucro fácil e altamente lucrativo (que bom seria se todos os portugueses tivessem podido duplicar as suas poupanças num ano) não mereceu grandes críticas, bastou a Presidente fazer um “choradinho” público para o assunto ficar encerrado. Nos Estados Unidos um presidente pode ser posto em causa, mas nesta democracia de pacotilha o Presidente está acima de tudo, não pode ser questionado, como se a democracia dependesse do seu bem-estar. Em qualquer país com uma democracia a sério em vez de estar a falar da transparência nos negócios da PT, Cavaco Silva estaria a enfrentar um processo de demissão compulsiva na sequência do seu negócio estranho e altamente lucrativo com acções da SLN.

Para Cavaco Silva transparência é afirmar publicamente a inocência de Dias Loureiro, um dos ex-homens fortes do BP e, usando a mesma via, lançar insinuações sobre a PT e, pelo menos de forma indirecta , lançar insinuações sobre actuação do primeiro-ministro. Para Cavaco Silva a amizade pessoal parece ser mais importante para o país do que a lealdade institucional.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Óbidos

JUMENTO DO DIA

Cavaco Silva

Não me recordo de Cavaco Silva ter ficado incomodado quando era primeiro-ministro e entregou um canal de televisão ao número um do seu partido e seu antecessor no cargo e outro à Igreja. Com o controlo que exercia na RTP1, onde estava precisamente José Eduardo Moniz, Cavaco passou a contar com a militância noticiosa de todos os canais de televisão, isso sim, era a preocupação de Cavaco Silva com as regras da democracia.

Também não me recordo de ter ouvido Cavaco imiscuir-se em negócios privados, nem mesmo quando o BPA foi privatizado de forma muito estranha, para não referir milhentos negócios duvidosos a começar pelo BPN dos seus velhos amigos.

Também não ouvi Cavaco manifestar qualquer preocupação com o jornalismo praticado pela TVI apesar da condenação generalizada e das violações primárias aos mais elementares valores e princípios do jornalismo.

Mas bastou Manuela Ferreira Leite espirrar num dia para que no dia seguinte Cavaco Silva aparecesse cheio de tosse, nem se deu ao trabalho de dissimular a fonte do contágio. Se alguém tinha dúvidas de que Cavaco Silva abandonou a camisola de Presidente para vestir a de um qualquer J do PSD pode deixar de as ter. Há muito que Belém era uma fonte de crise política, agora evoluiu de forma clara para o envolvimento no processo político.

Mas pode ser que Cavaco Silva tenha azar e os portugueses não lhe satisfaçam o desejo de acumular o cargo de Presidente com o de primeiro-ministro, algo que sempre ambicionou. E se isso suceder Cavaco corre um sério risco de voltar a Boliqueime mais depressa do que espera.

Resta-me fazer uma sugestão a Cavaco Silva: que vá perguntar ao Moniz se este não estará interessado em ser despedido e receber três milhões de euros. Eu diria mesmo que o director da TVI tem feito tudo para isso. Aliás, é ridículo vir com estas intervenções quando há apenas uma semana Moniz pôs a hipótese de deixar a TVI e ir para o Benfica. Terá sido Sócrates a pressionar a candidatura?

É muito grave que um Presidente da República use uma empresa privada para lançar suspeitas em público sobre o primeiro-ministro. É o bater no fundo de Cavaco Silva enquanto Presidente da República.

O DESAFIO DE MANUELA FERREIRA LEITE

Manuela Ferreira Leite não está tão certa de que os resultados nas eleições europeias estejam consolidados ou que signifiquem uma vitória nas legislativas e desafiou Sócrates para um debate. Fez bem, a crise económica pode favorecê-la e prefe fazê-lo agora, antes que as sondagens retomem a normalidade, os 28% que a abstenção elevada fez o milagre de transformar em 33%. Manuela Ferreira Leite sabe que dificilmente ganha um debate com Sócrates ou qualquer outro político, nem mesmo em entrevistas onde as perguntas estão mais ou menos combinadas a líder do PSD consegue escapar a declarações desastrosas.

Não acredito que a sua equipa esteja segura de que um debate favorece Manuela Ferreira Leite, o mais certo é a líder do PSD estar a desafiar Sócrates convencida de que o primeiro-ministro recusa e assim poder insinuar medo. José Sócrates deveria aceitar, se para Manuela Ferreira Leite um debate pode ser decisivo, para Sócrates seria a forma de resolver já este falso problema.

Não é difícil de adivinhar que se Sócrates aceitar Manuela responde com condições tais que assegurem pelo menos o equilíbrio. Sócrates deveria aceitar apenas com uma condição, que os jornalistas merecessem o acordo de ambos.

Aposto que Manuela Ferreira Leite vai usar argumentos e condições para recuar inviabilizando o debate.

GERAÇÃO MUDASTI

Não foi só Sócrates que parece ter mudado, Manuela Ferreira Leite continua em busca do elixir da juventude e mudou de estilo de indumentária, de penteado e de cor do cabelo pela enésima vez, mas ninguém reparou. Como também ninguém reparou que a líder do PSD diz que vai fazer tudo ao contrário do que fez quando era ministra das Finanças, usando o falso argumento das normas comunitárias.

AVES DE LISBOA

Andorinha-das-chaminés [Hirundo rustica]

FLORES DE LISBOA

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

CAVACO, SONDAGENS E JORGE JESUS

«Os portugueses estão escaldados com as soldagens, mas o Presidente confessa que as ouve: "(...) sondagens que terão sido feitas manifestam uma preferência por eleições simultâneas...", disse. Cavaco fez bem em ser dubitativo: "terão sido feitas..." De facto, sondagens recentes sobre o assunto, não se conhecem. Antigas, há uma, do Expresso, de de Janeiro (em matéria de sondagem, pré-História). E mesmo essa diz o contrário do que Cavaco sugeriu: a maioria queria eleições separadas; e a minoria que as queria juntas falava das europeias e legislativas. Então, onde foi Cavaco desencantar a tal sondagem que prefere legislativas e autárquicas no mesmo dia? Só se fala daqueles inquéritos on-line que os jornais fazem. Ontem mesmo, o Correio da Manhã tinha um, onde se apontava para aquela leve ideia de Cavaco: sim, o povo quer eleições juntas... Mas se o Presidente dá ouvidos aos inquiridos do CM, posso adivinhar também o pensamento presidencial sobre outros temas tratados nos inquéritos do jornal. Lembro perguntas recentes: "CR é melhor que Messi?", "Sporting perde com saída de Derlei?", "Jesus vale indemnização de 700 mil?" » [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PALAVRAS COM A GAFA

«Quando leio a palavra gaffe num título, não consigo fugir. Foi no PÚBLICO de ontem: "Matemática melhor, História com gaffe". Numa época cada vez mais premeditada e coadjuvada por assessores de toda a espécie (alguns dos quais humanos), a verdadeira gaffe vai rareando. Em contrapartida, quando aparece, é cada vez mais gira, como uma giraffe.

Em 2001, o dicionário práfrentex e estraga-prazeres da Academia das Ciências de Lisboa sacudiu o segundo (ou o primeiro) f e as aspas. Saltaram como pingos de lama das costas de uma cadela de raça estrangeira cujos avós já nasceram em Sobral do Monte Agraço, naturalizando-a portuguesa. Ficou gafe. No entanto, a definição não está mal (embora falte a gafe falada): "1. Atitude, comportamento, inconveniente, impensado e inoportuno, particularmente contrário às normas de etiqueta, de cortesia. 2. Erro cometido por lapso ou por negligência".

No exame de História do 12.º ano, havia um rodapé que informava os alunos que Gorbatchev tinha sido dirigente da URSS de 1985 a 2001. 16 aninhos! Dá a ideia que foi um ditador soviético da velha guarda, que resistiu à queda do Muro de Berlim e tudo.

Era 1991, claro. Foi uma gralha? Foi um erro? Não, declarou Helena Veríssimo, presidente da Associação de Professores de História: "Não é um erro, é uma gaffe". Gosto de para aonde isto nos leva. Isto não é uma piadola, é uma boutade. Isto não é uma crónica, é um texte. Nem tão-pouco me peidei: soltei um pet.» [Público assinantes]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

MANUELA FERREIRA LEITE MENTE

«'Não aumentarei com certeza os impostos, porque as regras [da União Europeia] são diferentes das que vigoravam quando fui ministra das Finanças', assegurou Manuela Ferreira Leite. » [Correio da Manhã]

Parecer:

Para justificar uma política oposta à que defendeu quando era primeira-ministra Manuela Ferreira Leite invoca uma mudança das normas comunitárias. Está a mentir, as normas adoptadas são normas de excepção para afzer frente à crise e mesmo assim os défices do tempo de Manuela Ferreira Leite eram superior aos actuais, se considerarmos o défice que foi determinado pelo grupo liderado por constâncio e as vendas das dívidas do fisco teríamos um défice bem acima dos 7%, superior ao que seria aceitável mesmo em tempo de crise.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Ferreira Leite que fale a verdade que tanto promete.»

EX-ADMINISTRADORES ACUSADOS DE BURLA

«O Ministério Público acusou cinco ex-administradores do BCP de burla, falsificação de documentos e manipulação de mercado. Jardim Gonçalves, Cristopher Beck, Filipe Pinhal, Castro Henriques e António Rodrigues são acusados de terem provocado um prejuízo de 600 milhões de euros ao banco.

De acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR) os crimes foram praticados entre os anos de 1999 e 2007 e dizem respeito à utilização de veículos off shore, detidos de facto pelo Banco, de modo a determinar os valores de mercado e o rating dos títulos BCP no mercado de valores e também à falsificação da contabilidade do Banco, com vista a ocultar as perdas resultantes para o Banco o que resultou num prejuízo de 600 milhões de euros.» [Correio da Manhã]

Parecer:

Tiveram sorte, o banco foi salvo a tempo. Tiveram eles e tivemos nós, senão teriam sido os impostos a suportar os prejuízo que provocaram.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a estes opus banqueiros se aquilo que fizeram não dará direito a um lugar no infernou, ou se ficam apenas por uns quantos açoites e autoflagelações de sacristia.»

FERREIRA LEITE TOSSE E CAVACO ESPIRRA

«O Presidente da República afirmou hoje que os responsáveis da Portugal Telecom (PT) devem explicar aos portugueses que motivos levam esta empresa a querer comprar 30 por cento da Media Capital, por "uma questão de transparência".

"Face às dúvidas fortes que neste momento estão instaladas na sociedade portuguesa, é importante que os responsáveis da empresa de telecomunicações expliquem aos portugueses o que está a acontecer entre a PT e a TVI. É uma questão de transparência", afirmou.» [Diário de Notícias]

Mas Cavaco está em matéria de azar e acabou de dar um tiro no pé, é o próprio Moniz que defende o negócio:

«O director geral da TVI considera que a entrada de uma “empresa de telecomunicações de grande dimensão” na Media Capital é positiva no sentido em que proporciona a possibilidade de “novas oportunidades”. No comunicado emitido pela Media Capital, as declarações de Manuel Polanco e de Bernardo Bairrão sugerem que o negócio entre a Media Capital e a PT já estará concluído.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Há dias de azar, desta vez o casal maravilha do PSD meteu água.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Informe-se Cavaco Silva de que a PT é uma empresa privada, tão privada quanto o BPN que tão gentilmente lhe comprou e vendeu acções com lucros chorudos.»

POR CÁ FAZIA FALTA UM MACACO DESTES

«Que o diga o Presidente da Zâmbia, Rupiah Banda. Na altura em que ontem falava à imprensa sobre a situação económica do país, em frente ao gabinete da presidência, em Lusaca, um macaco urinou-lhe em cima. "Urinaste em cima da minha roupa", exclamou, surpreendido, para o autor de tal sacrilégio, um dos muitos primatas que elegem como casa as árvores vizinhas do gabinete presidencial. "Vou dar este macaco a comer ao sr. Sata", disse o líder zambiano brincando, referindo-se ao líder da oposição do país, Michael Sata. O Presidente prosseguiu depois a conferência e tentou dar garantias face à crise. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Muitos políticos passariam a olhar para cima antes de abrirem a boca.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se ao presidente da Zâmbia que ofereça o macaco a Portugal.»

CAVACO JOGA AO GATO E AO RATO COM A DATA DAS ELEIÇÕES

«"É o Governo em primeiro lugar que tem de anunciar a sua decisão sobre o dia das eleições autárquicas. E só depois disso é que o Presidente da República pode anunciar a sua decisão. Fá-lo-ei quando chegar o meu tempo. Estarei concerteza preparado para anunciar aos portugueses essa data depois de o Governo anunciar a data das eleições autárquicas", disse Cavaco Silva, falando aos jornalistas à margem de uma visita ao Ave Parque, em Caldas das Taipas, Guimarães.

O chefe de Estado sublinhou ainda que "este é o processo sugerido pelas leis em vigor".» [Diário de Notícias]

Parecer:

É ridículo dizer que as leis fazem sugestões, de um Presidente da República espera-se que trate a lei com maior rigor e que não a use em jogos públicos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao presidente da Zâmbia que nos empreste o macaco..»

DECISÃO DE JERÓNIMO DE SOUSA CUSTA 350€ AOS TRABALHADORES DA AUTOEUROPA

«A decisão da Autoeuropa de aplicar um lay-off de dez dias entre Setembro e Dezembro, depois de chumbado pelos trabalhadores o pré-acordo com a administração sobre a flexibilização do trabalho aos sábados, representa um prejuízo de mais de 350 euros até final do ano para os bolsos dos operários.

Nas contas apresentadas por António Chora, coordenador da Comissão de Trabalhadores da fábrica da VW em Palmela, o pré- -acordo previa que, até final de 2009, cada trabalhador fizesse apenas dois sábados, o que equivalia a perder 48 euros; com o lay-off, o prejuízo poderá, em alguns casos, superar os 400.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Sugira-se aos trabalhadores que foram lesados pela manobra perigosa do PCP que vão pedir o dinheiro à Soeiro Pereira Gomes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Jerónimo de Sousa se quer ver a Autoeuropa fechada ou lhe basta o lay-off.»

RONDALDO É DEMASIADO GAY

«Segundo a revista "Daily Star", Paris terá dito a uns amigos que nunca poderia ter um romance com Cristiano Ronaldo porque ele é "demasiado gay".

Uma amiga da herdeira do império Hilton, diz que Paris Hilton gosta de “homens muito machos”, uma característica que parece não ter sentido no futebolista português. "Paris pensa que os amigos se iriam rir se ela namorasse com um rapaz que anda com flores no cabelo", diz aquele tablóide britânico, citando uma fonte de Hollywood...» [Jornal de Notícias]

Parecer:

Desta ves gostei.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a devida gargalhada.»

CAVACO FALA DE TRANSPARÊNCIA

«O Presidente da República, Cavaco Silva afirmou, esta quinta-feira, que a constituição como arguido de, Jardim Gonçalves, fez mais uma vez vir «ao de cima» os «dois princípios fundamentais» da transparência e de valores éticos.» [Portugal Diário]

Parecer:

O seu negócio de compra e venda de acções da SLN com as cotações fixadas por Oliveira e Costa foi tudo menos transparente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco Silva o que entende por transparência.»

GOVERNO ADJUDICA A EMPRESA SUSPEITA DE CORRUPÇÃO

«A empresa a quem o Ministério da Administração Interna (MAI) adjudicou, na terça-feira, a proposta de fornecimento e instalação do Sistema Integrado de Vigilância, Comando e Controlo da Costa Portuguesa (SIVICC) surge referenciada num caso de corrupção num relatório divulgado esta semana pela Transparência Internacional, uma entidade que, anualmente, faz um levantamento deste tipo de criminalidade no mundo.

A Indra, assim se chama a empresa em causa, é uma empresa espanhola também instalada em Portugal e é suspeita de, em 2004, ter tentado corromper funcionários do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) durante um concurso para fornecimento de material informático. O PÚBLICO confirmou ontem, junto de diversas fontes do SEF e da Polícia Judiciária (PJ), a existência de um inquérito, o qual acabou por ser remetido, com proposta de acusação, para o Departamento de Investigação e Acção Penal.» [Público]

Parecer:

O melhor é publicar todos os inquéritos no DR.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão.»

ESPERTOS

«Os empregos dos 250 contratados vão manter-se, pelo menos para já, e a produção continua a dois turnos, afastando um corte de 15 por cento no salário. Mas as boas notícias ficam por aqui, na Autoeuropa.

Além de ir produzir menos 25 carros diários a partir de Setembro, a fábrica de Palmela decidiu ontem marcar dez dias de não produção em sistema de lay-off (redução temporária do período normal de trabalho). Uma medida que atingirá mais os funcionários do que os seis sábados de produção por ano previstos no pré-acordo, que foi chumbado pelos trabalhadores.» [Público]

Parecer:

Parece que na Soeiro Pereira Gomes não sabem fazer contas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Ofereça-se uma calculadora vermelha a Jerónimo de Sousa, apenas com cálculos aritméticos elementares para que seja fácil de usar.»

ANEDOTA IRANIANA

«Neda Agha-Soltan, conocida simplemente como Neda, murió "por error" a manos de un "grupo terrorista". Esa es, al menos, la última versión del Gobierno de Irán;, según informó la agencia de noticias de la República Islámica, citada por la CNN.

Neda, una estudiante de 26 años, se ha convertido en el símbolo de la revuelta iraní desde que fue asesinada el pasado día 20 durante una manifestación en Teherán y el vídeo con las imágenes de su trágica muerte dio la vuelta al mundo, especialmente a través de Internet.» [20 Minutos]

MIKHAIL VJUZHANIN

FIAT PANDA