sábado, outubro 03, 2009

Que alianças?

É uma ingenuidade pensar que em Portugal são possíveis alianças políticas, mesmo em nome do país e por maior que seja a crise que este tem de enfrentar. A classe política te o seu bem-estar garantido e cada um vez o interesse nacional sob a perspectiva do seu bolso ou da sua ideologia.

A esquerda mais romântica sonha com uma grande maioria de esquerda como se fosse possível o PCP aceitar uma coligação onde o BE teria um maior peso em função dos últimos resultados eleitorais ou em que o PS se esqueceria das declarações de Louça ao Público onde divulgou o seu projecto pessoal de destruir o PS. O ódio dos comunistas às correntes social-democratas tem um século e uma longa história de crimes, para o PCP e para o BE a destruição do PS significa destruir o maior obstáculo ideológico ao seu projecto político. Qualquer aliança com o PS estaria condicionada a esse projecto.

À direita tudo é aparentemente mais fácil ainda que o crescimento eleitoral do CDS tenha complicado o jogo e alianças, tal como sucede na extrema-esquerda em consequência do crescimento do BE. Enquanto o PCP se considera o legítimo representante da esquerda conservadora, o PSD julga-se o titular desse estatuto na direita, O PCP precisa de se desenvencilhar do BE para crescer, da mesma forma que o PSD precisa de se livrar do CDS.

Aliar-se ao PSD de nada serviria para Paulo Portas pois não o levaria ao poder, em contrapartida significaria deixar que os seus novos eleitores se diluíssem no eleitorado do PSD. Para representar a direita como deseja Paulo Portas, o CDS terá de crescer e esse crescimento só será sustentado se crescer com votos da direita, isto é, do PSD.

Mas se o PCP e o BE teriam de se unir primeiro para depois negociarem uma coligação, já na direita isso não seria possível já que uma aproximação do CDS ou do PSD ao PS significaria uma rotura na direita. Por outro lado, uma aproximação significaria a marginalização do outro partido, pelo que CDS e PSD avaliarão a estratégia um do outro antes de uma decisão.

Se Portas ajudar Sócrates pode exigir contrapartidas e apresentar-se ao eleitorado da direita cobrando as medidas que conseguisse fazer passar. Tal perspectiva seria dramática para um PSD que teme a evolução do Caso BPN, o ideal seria uma aliança com o PS se a contrapartida fosse abafar o caso. Mas Sócrates não põe ajudar o PSD já que tudo depende do PGR depois do que o PSD e Cavaco Silva lhe fizeram nos últimos tempos, para além das vária campanhas que lhe foram movidas, estará muito interessado em saber quem são as personalidades do PSD (ou os familiares) que serão envolvidas no caso BPN.

Se Portas viabilizar um governo do PSD este partido ficará em maus lençóis e para os lados de Belém haverá quem faça contas ao dinheiro que se ganhou com as acções da SLN. Por isso não me admiraria nada se nos próximos dias Manuela Ferreira Leite acorde com uma imensa preocupação com o interesse nacional e venha dizer que tudo fará para assegurar a estabilidade do país no momento em que enfrenta uma grave crise.

É evidente que no actual contexto parlamentar os partidos da oposição estão mais preocupados com o parceiro eleitoral do que com o outro e até que as sondagens apontem para a inversão dos resultados das eleições nenhum partido estará interessado em ajudar ou derrubar Sócrates. Mas não é certo que as alterações das intenções de voto beneficiem a a oposição ou todas as forças da oposição. Se, por exemplo, o CDS cair Paulo Portas não estará interessado em eleições legislativas, o mesmo sucederá na esquerda conservadora se o BE perder votos.

E o que se fará do caso BPN? Bem, como é sabido, a Procuradoria-Geral investiga estes casos pontualmente com cinco anos de atraso, Cavaco Silva até poderá concluir o segundo mandato sem que ninguém lhe volte a explicar qual foi a mão amiga que o ajudou a ganhar uma pequena fortuna com um misterioso negócio de acções não cotadas.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Barco na Carrasqueira, Alcácer do Sal

IMAGEM DO DIA

[Raheb Homavandi/Reuters]

«Firefighters prayed in Tehran on Friday.» [The Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

Francisco Louçã

Francisco Louçã veio, com o seu habitual ar de padreca, dar lições de moral a Sócrates e Cavaco Silva, acusando-os de terem resolvido a crise institucional, acrescentando que houve muita insensatez e demagogia. Louçã esquece as posições que tem tomado e , pior ainda, de que foi ele que em plena campanha veio denunciar publicamente que foi Fernando Lima o assessor da Presidência da República.

Em matéria de demagogia este Francisco Louça faz inveja a qualquer líder de extrema-direita da Europa.

AVES DE LISBOA

Pardal-comum [Passer domesticus]
Local: Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

PLANTAS DE LISBOA

Em Monsanto

OS LIMITES DA DECÊNCIA

«Enganei-me sobre Cavaco. Nunca lhe reconheci grandeza (lembro por exemplo, na campanha que o elegeu, em 2006, a forma desastrada, canhestra, como reagiu à acusação de Santana Lopes de que não resistiria, como presidente, a ingerir-se na área do Governo: primeiro disse que não sabia do que os jornalistas falavam, sendo óbvio que só podia saber; depois abriu a boca de forma desmesurada, como quem encena surpresa, conseguindo apenas fazer uma figura ridícula e menorizando-se face a um homem que fora seu secretário de Estado e a quem intitulara de "má moeda"), mas nunca esperei o espectáculo deplorável do seu discurso de 29 de Setembro.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio,

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

OUTRA CONSPIRAÇÃO

«Como ele próprio solenemente anunciou, no caso de Cavaco, essa conspiração tinha (ou tem) dois fins. Primeiro, "puxar o Presidente para a luta político-partidária" (a favor do PSD), comprometendo de caminho a sua famosíssima "isenção". E, segundo, "desviar" o "debate eleitoral das questões que realmente preocupam" os portugueses. Cavaco não diz quem concebeu e executou este estrambólico plano. Um cidadão desprevenido suspeitará por força do PS ou, pelo menos, de um bando de partidários do eng. Sócrates, disposto a tudo para derrotar Ferreira Leite e para enfraquecer o Presidente, de quem depende, com uma Assembleia dividida e um Governo minoritário, a orientação final do país.

Perante uma acusação tão grave, era de esperar que o dr. Cavaco apresentasse provas de uma absoluta solidez. Não apresentou. Disse, para começar, que nunca falara de "escutas". Mas Fernando Lima falara já em "vigilância" (coisa que Belém nunca taxativamente desmentiu); e ele mesmo avisou, em 18 de Setembro, que se iria informar a sério sobre "questões de segurança" e, em particular, sobre a segurança do seu computador e dos computadores da Presidência. Estas conjecturas (as de Lima e as de Cavaco) são, como se perceberá, inteiramente gratuitas. Podem vir do excesso de zelo de um assessor ou dois, como podem vir da simples fantasia do dr. Cavaco. Não acrescentam nada e nem vagamente fundamentam a teoria da "conspiração". Face ao discurso do Presidente, não há qualquer motivo para acreditar nele.

Tanto mais quanto o dr. Cavaco toma como um "ultimato" as "declarações" de algumas "destacadas personalidades" do PS (que, de facto, não passam de figuras de terceira ordem), exigindo que ele explicasse a colaboração de membros da sua Casa Civil no programa do PSD. Fora que essa colaboração é provavelmente falsa, até Cavaco reconhece que jamais se limitou a liberdade cívica e política a nenhum funcionário de nenhum antigo Presidente. Mas, reconhecendo isto, não hesitou em usar o episódio como base essencial da conspiração que terça-feira revelou ao país boquiaberto. Com o resultado de que os portugueses ficaram a saber que ele não confia no primeiro-ministro. E, agora, de certeza, o primeiro-ministro nele. Para a situação envenenada em que vivemos, não se arranjava pior. » [Público]

Parecer:

Por Vasco Pulido Valente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

ASFIXIA DEMOCRÁTICA NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA?

«O director de Serviços de Informática da Presidência da República (PR), nomeado em Junho, não está autorizado a falar. Contactado pelo DN para esclarecer dúvidas relativas ao motivo da sua nomeação, bem como sobre a falta de segurança e "vulnerabilidades" nos e- -mails da PR, José Carlos Seruya disse não estar "autorizado a prestar declarações".

Conforme noticiou ontem o DN, Seruya é um importante perito em redes informáticas que Cavaco Silva foi buscar ao Centro de Gestão da Rede Informática do Governo (CEGER), onde estava como consultor. Antes tinha sido director do CEGER entre 2003 e 2006, nomeado por Durão Barroso. Este destacado especialista, que já passou por várias entidades públicas e privadas, é, pelas funções que desempenha, o principal visado pelas palavras do Presidente Cavaco Silva, quando este confessou, na comunicação ao País de terça-feira, que se tinha interrogado sobre a segurança da informação e e- -mails no seu computador. Tendo consultado, nesse mesmo dia, "várias entidades", ficou a saber que "existem vulnerabilidades", tendo pedido que se "estudassem as formas de as reduzir".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Será que o PSD vai protestar por mais este exemplo de asfixia democrática?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Manuela Ferreira Leite.»

PARECE QUE ANTÓNIO COSTA GOSTA DE HONRAS MILITARES

«A organização da tradicional cerimónia comemorativa da implantação da República Portuguesa, no próximo dia 5, está a provocar acesa polémica entre os serviços do protocolo da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e a GNR. A GNR está a ser pressionada para que um seu batalhão da Unidade de Segurança e Honras de Estado preste honras militares ao António Costa, que este ano preside à cerimónia nacional, na Praça do Município, em vez do Presidente da República. Cavaco Silva invocou o facto desta data ser próxima das eleições autárquicas para não participar.

O problema é que de acordo com o Regulamento de Continências e Honras militares, os presidentes de câmara não têm direito a esta homenagem. Numa fase inicial da organização da cerimónia a GNR explicou a situação, mas o protocolo da Câmara insistiu na "Lei das precedências do Protocolo do Estado Português" segundo a qual os presidentes das câmaras municipais, no respectivo concelho, gozam do estatuto protocolar dos ministros. E assim, no seu entender, terão direito.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Neste país perde-se tempo com coisas destas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a António Costa que crie um exército municipal.»

O QUE TERÁ CAVACO ESCLARECIDO A MANUELA?


«A líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, afirmou hoje que a audiência com o Presidente da República foi "importante e esclarecedora" e "necessária na actual situação económica e política do país". "Foi uma reunião importante, esclarecedora e obviamente necessária na actual situação económica e política do país", afirmou a líder do PSD, em declarações aos jornalistas à saída de uma audiência com o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Provavelmente explicou-lhe porque ficou pelos 29% dos votos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a manuela no que é que ficou esclarecida.»

SERGEI BIZYAEV

CNA




v








target="_blank"

sexta-feira, outubro 02, 2009

As crianças não votam

Olho para as notícias da campanha eleitoral das autárquicas e quase penso que estão em causa eleições para a direcção de centros de dia, os candidatos desdobram-se em visitas a idosos, Santana Lopes dança com velhotas num mercado e Luís Fazenda acha que Lisboa tem muito idosos e são maltratados.

Os candidatos desdobram-se em gestos de simpatia para com os velhotes, sabem que é este o grupo etário que decide as eleições autárquicas. Se as crianças votassem teríamos a oportunidade de os ver nas escolas primárias, mas, infelizmente, as crianças não votam.

Os autarcas especializaram-se em velhotes, levam-nos a tratar dos olhos a Cuba, passeiam-nos de avião, levam-nos a Fátima, organizam-lhes passeios de fim-de-semana. Basta ir a um qualquer ponto e interesse turístico, seja o Parque das Nações ou Óbidos, e encontramos os autocarros cheios de idosos, por vezes até estão acompanhados por vereadores para que saibam quem lhes pagou a viagem.

Visite-se um centro de dia e uma escola de Lisboa e tirem-se as conclusões, o desequilíbrio é total, as autarquias apostam fundamentalmente em quem vota. Em Lisboa ainda há escolas primárias em prédios de apartamentos, sem espaço para recreio, sem um mínimo de condições.
Pergunte-se a uma criança quantos passeios e visitas de estudo e faça-se a mesma pergunta a um velhote da mesma localidade e tirem conclusões.

E depois queixam-se de que a população de cidades como Lisboa está a envelhecer, que os mais jovens as abandonam ou que os casais têm cada vez menos filhos. A aposta na juventude é simbólica, não passa de iniciativas de achada, o grande investimento é feito nos idosos, são estes que vão votar e têm um peso determinante para a escolha dos nossos autarcas.

Umas no cravo e outras na ferradura

DUAS MÚSICAS DEDICADAS A CAVACO SILVA

Dois momentos musicais de algarvios para algarvio. O primeiro, inspirado nos apelos que Pacheco Pereira falasse durante a campanha e nas vozes do PSD que depois da comunicação oficial se queixaram de não ter ocorrido na campanha.

O segundo, inspirado na bela comunicação que Cavaco fez ao país:

FOTO JUMENTO

Barcos rabelos

IMAGEM DO DIA

[New Zealand Defence Force / REUTERS]

«Imagen aérea de la devastación que ha causado el terremoto y posterior tsunami en la isla de Samoa. Por el momento hay 148 muertos y miles de desaparecidos [20 Minutos]

A MENTIRA DO DIA D'O JUMENTO

Cavaco Silva ficou tão incomodado com o amadorismo da sua equipa, começando pelo seu agente para a imprensa que se deixou apanhar pelo inimigo at ao teólogo que confia na intervenção de Deus para proteger o sistema informático de invasões inimigas, que decidiu seguir a sugestão dada por Silva Pereira e mudou tudo no Palácio de Belém.

Até mudou a viatura oficial que agora é um Aston Martin igual ao usado pelo agente secreto 007 e agora serve de fundo à fotografia oficial do Presidente da República.

JUMENTO DO DIA

Juiz desembargador António Martins, presidente da Associação Sindical dos Juízes

Em plena campanha o presidente da absurda Associação Sindical dos Juízes tentou fazer passar a mensagem de que o PS se teria vingado do juiz Rui Teixeira, congelando-lhe a classificação de serviço. Teve azar no seu golpe baixo, a decisão de congelar a classificação até tinha partido de um ex-ministro de Cavaco Silva, mais precisamente Laborinho Lúcio.

Falhado o golpe baixo a Associação Sindical dos Juízes vem agora pressionar os membros do Conselho Superior da Magistratura para se demitirem. Os tribunais portugueses estão muito bem entregues...

DE METER NOJO

É bom ver como os intelectuais do PSD respeitam os portugueses:

«O povo português acaba de demonstrar a sua fatal propensão para viver num mundo às avessas. Não há nada a fazer senão respeitá-la. Mas nenhum respeito do quadro legal, institucional e político me impede de considerar absolutamente vergonhosa e delirante a opção que o eleitorado acaba de tomar e ainda menos me impede de falar dos resultados com o mais total desprezo.

Só o mais profundo analfabetismo político, de braço dado com a mais torpe cobardia, explica esta vitória do Partido Socialista.» [Diário de Notícias]

Este merdas do Vasco Graça Moura foi deputado europeu e não conseguiu aprender a comer à mesa!

A VULNERABILIDADE DA REDE INFORMÁTICA DE BELÉM

Pela porcaria que tem sido feita no Palácio de Belém e sabendo-se que o gestor da ree é formado em teologia, não me admiraria nada que tivessem ligado a rede informática à rede de esgotos. Um dia destes ainda vão encontrar os segedos de Cavaco Silva a boiar na estação de tratamento da Avenida de Ceuta.

AVES DE LISBOA

Pisco-de-peito-ruivo [Erithacus rubecula]

FLORES DE LISBOA

No Estádio Universitáirio

CONTRA AS CONVICÇÕES

«Não são as ideias nem as decisões que importam - interessam, mas não importam. É a convicção. É o convencimento. Qualquer decisão é mais eficaz do que a inteligência. O pensamento é um luxo e um atraso.

Há uma experiência que estão sempre a repetir. Quando se remove o córtex a um bicho qualquer, ele deixa de pensar e de duvidar; de se sentir seguro ou não; de medir as oportunidades. E qual é a consequência? Torna-se imediatamente o chefe dos outros bichos. Os pensadores, no reino animal, são seguidores. Foi o que aconteceu com as pessoas com as piores ideias do século XX: Hitler, Estaline, Mao. Foram as que tiveram mais poder e mais mal fizeram. Porque não hesitavam e o nobre ser humano, hesitante, não resiste a quem não hesita.

Cada vez mais se ouve dizer que qualquer decisão, por muito estúpida ("vou deixar crescer um bigode!"), é mais benéfica do que a dúvida mais inteligente. Na verdade, a pessoa inteligente só decide por instantes. A decisão é emitida como os talões de estacionamento. Pode (e deve) mudar a qualquer momento porque, felizmente, nunca se sabe. Aprende-se a não saber. Aprende-se a viver com isso. Aprende-se a ser enganado, de vez em quando, quando se acerta nalguma coisa.

Recuperamos de ter tido razão, naquela vez sem exemplo. Passa-nos. Esquece-nos. A convicção é convincente, mas é perigosa, por ser o contrário da inteligência e da condição humana, que é não ter bem a certeza de quase nada.

Custa - mas assim é que é bonito. » [Público]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

ESTÃO EXPLICADAS AS ESCUTAS!

«De acordo com um despacho da Secretaria-Geral da Presidência da República publicado na 2ª série do Diário da República de 06 de Julho, o director da Direcção dos Serviços de Informática é José Luís Machado Seruya.

José Luís Machado Seruya é licenciado em Teologia, mas desde os anos 80 está ligado ao sector da informática, tendo passado, entre outras empresas, pela UNICRE, onde foi analista-programador, e pela Companhia de Seguros Inter-Atlântico, onde foi director de informática.
Mais recentemente, José Luís Machado Seruya foi adjunto do gabinete da secretária de Estado da Cultura, secretário do Conselho Gestor do Sistema de Certificação Electrónica do Estado e Director do CEGER - Centro de Gestão da Rede Informática do Governo.»
[Diário de Notícias]

Mas antes tinha saneado o responsável do serviço:

«Paulo Jorge Vaz de Castro Costa estava no Palácio de Belém desde 1 de Fevereiro de 2004 e, em Junho, viu o seu Núcleo de Informática subir de escalão para Direcção de Serviços de Informática e o seu lugar ocupado por José Luís Seruya, ex-director do Centro de Gestão da Rede Informática do Governo (CEGER) de Barroso.

Foi, aliás, o primeiro--ministro José Sócrates, a assinar o Decreto-Lei 132/2009, que descreve as competências da nova Direcção de Informática, publicado em Diário da República de 2 de Junho.» [Diário de Notícias]

Parecer:

O director de serviços de informática da Presidência da República é especializado em ouvir vozes do outro mundo!

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco se foi Sócrates que lhe sugeriu o nome.»

UMA BOA CONVERSA

«O secretário-geral do PS, José Sócrates, esteve cerca de 45 minutos reunido com o Presidente da República e à saída limitou-se a dizer aos jornalistas que "foi uma boa conversa".

"Queria apenas dizer que foi uma boa conversa com o senhor Presidente da República e não tenho outra informação a dar que não seja essa", afirmou José Sócrates, que é também primeiro-ministro, em declarações aos jornalistas à saída do encontro com o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Quase que é caso para dizer, "não venha, escute".

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «É sinal que Cavaco está melhor da cabeça.»

O BE TAMBÉM ANDA AOS VELHOS

«Luís Fazenda, cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda à Câmara de Lisboa alertou esta quinta-feira para o «envelhecimento muito acentuado» da população lisboeta, referindo que «uma cidade que envelhece é uma cidade que trata pior os mais idosos». Em pleno Dia Internacional do Idoso, o candidato do BE, citado pela agência Lusa, defendeu que «os poderes públicos e a Câmara Municipal» devem estar «cada vez mais comprometidos com a vida, o conforto, as condições da sociabilidade dos mais idosos» em Lisboa. » [Portugal Diário]

Parecer:

Esta de os velhos serem maltratados por serem muitos só lembraria ao Fazenda,

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao Fazenda que visite as escolas primárias.»

ANDREW LUCAS

MELTIN' POT