sábado, dezembro 19, 2009

Coitadas das criancinhas

A nossa direita pode ter muitos defeitos mas tem uma qualidade insuperável, o seu imenso amor às criancinhas, quando estão em causa as criancinhas é ver a direita a multiplicar iniciativas da sociedade civil, exigir referendos, apelar ao Presidente, enfim, tudo fazem em nome das criancinhas.

Só é pena que este amor às criancinhas, o apego à vida, o apoio às mães adolescentes e muitas outras preocupações sociais da nossa direita seja intermitente, só se manifeste quando surgem confrontos em torno da alteração do status quo jurídico herdade dos tempos em que Portugal vivia feliz, as normas e os hábitos estavam de acordo com os bons princípios.

Nos últimos tempos temos assistido à luta de uma adolescente por criar um filho que a justiça já tinha dado para adopção, fez greve de fome aporta do tribunal, conseguiu inverter a decisão, ser autorizada a ver o filho, por fim o tribunal decidiu entregar o filho aos cuidados da família materna. Onde estavam os defensores da vida, a ex-primeiras-damas, as senhoras de bem tão dedicadas à catequese? Eu digo-vos, estavam a planear as próximas férias à República Dominicana, a ler a Hola, a comprar revistas de moda para planear as mudanças do guarda-roupa. Também vos digo onde não estavam, não estavam a apoiar a mãe do Martim como tanto prometeram ao tentar enganar os portugueses levando-os a votar contra a despenalização da interrupção voluntária da gravidez.

O país tem dezenas de instituições para onde são atiradas crianças abandonadas ou retiradas às famílias pelos tribunais, umas estão à espera da adopção como se fossem animais num redil, outras aguardam anos e anos por que os senhores magistrados tenham tempo e pachorra para decidir o seu futuro, algumas têm sorte, principalmente as bonitas elourinhas, têm a sorte de serem adoptados.

Alguém se preocupa com a educação dessas crianças, com os abusos de que são alvo e que de vez em quando são notícia nos jornais, alguém questiona se o ambiente nessas instituições se aproxima de o de uma família e de que tipo de Família? Eu digo-vos, para além dos voluntários as nossas boas almas da direita nunca se preocupam com o assunto, o Paulo Portas e os outros estão mais preocupados em livrar empresários sem escrúpulos de pagar contribuições sociais, estão mais empenhados em se juntarem ao Bloco de Esquerda para suspenderem o código contributivo, do que em saber se essas crianças são melhor educadas do que se adoptadas por um casal gay.

Não partilho inteiramente da posição das associações de gays e lésbicas, mas o debate a que estou a assistir enoja-me, aparece gente que nunca vi em lado nenhum muito preocupada com as criancinhas a que ligam tanto como as associações anti-aborto ligaram à mãe do Martim.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Palácio da Regaleira, Sintra

IMAGEM DO DIA

[Daniel Mihailescu-AFP/Getty Images]

«People travel on a tram decorated with pictures from Romania's 1989 revolution in Timisoara, Romania. Residents of the western city gathered in front of the town's protestant church to recreate the 1989 protests against the eviction of pastor Laszlo Tokes by the communist authorities. Tokes, an ethnic Hungarian, used his sermons to criticize the regime of dictator Nicolae Ceausescu and is seen by some as the "spark" that began Romania's revolution. » [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

Cavaco Silva

Compreendo que Cavaco, que à medida que envelhece se torna mais conservador e devoto, discorde do casamento gay e até aceito que não se manifeste em desacordo, é um direito que lhe assiste. Mas colocar-se na posição de Presidente para dizer que o desemprego e a economia são as prioridades, insinuando que o Governo está mais preocupado com questões como o casamento gay é recorrer a uma argumentação canalha.

Só um Presidente muito incompetente, parcial e que intervém de má-fé na política é que acha que uma alteração legislativa que dá meia dúzia de horas de trabalho deve ser deixada para depois por falta de tempo para tratar do desemprego, até porque se é tão bom economista (eu duvido muito) como gosta de insinuar então que ensine os portugueses a resolver esse problema.

De um Presidente da República espera-se um discurso político sério e não este tipo de piadas rascas que apenas visam alimentar uma crise política que já existe, numa tentativa clara de fragilizar o partido do governo, num ataque preventivo que visa enfraquecer aqueles que muito provavelmente não o vão apoiar na sua recandidatura. Cavaco, como sempre, confunde os interesses do país com os seus objectivos políticos pessoais.

É tempo de fazer frente a Cavaco Silva, Portugal merece um Presidente com dimensão humana e política e não um presidente que ganhou dinheiro a comprar acções cujos preços de compra e de venda foram fixados por um criminoso fora do mercado bolsista.

INDICIOZINHO

Cândida Almeida disse que anda a investigar para apanhar o "indiciozinho" de violação do segredo de justiça no processo Face Oculta. Indiciozinho, ilustre procuradora-adjunta? Francamente, aquilo a que os portugueses assistira durante dias perante a passividade do Ministério Público foram indiciozões, no mesmo dia quase todos os jornais em simultâneo disseram as mesmas coisas, que agora o Procurador-Geral diz serem mentiras, agora que toda a gente já sabia serem mentiras.

Já agora a senhora procurador bem que poderia procurar uns “indiciozinhos” no caso Freeport que encheu páginas e páginas de jornais numa tentativa de fazer os eleitores mudarem de opiniões.

Fica a preocupação do Ministério Público com os indiciozinhos” de violações dos segredos de justiça, não vai dando em nada mas agora que parece estarem com medo de mandarem mais coisas para os jornais sempre nos vamos rindo do ridículo a que chegou o nosso simulacro de justiça, pago de forma choruda com o dinheiro dos contribuintes.

TERÃO DESAPARECIDO

Parece que os assessores de Belém, que durante mais de dois anos estiveram presentes e protagonizaram algumas golpadas políticas, desapareceram. Mas no site da Presidência estão lá todos, o que significa que receberam ordens para estarem parados durante algum tempo ou então para serem mais cuidadosos nas suas conspirações contra a democracia.

O 1.º DIA DO RESTO DA LUTA

«Mas há contradição, de facto. Não com a alteração que se pretende aprovar mas com o ordenamento jurídico já existente - contradição de que padecem também a cláusula da lei das uniões de facto que especifica ser o acesso à possibilidade de adopção só para casais de sexo diferente e a lei da procriação assistida, que só a permite a casais hetero. E porquê? Porque a lei portuguesa permite a adopção individual e nos critérios para a entrega de uma criança ao cuidado e amor de alguém não figura - nem poderia figurar, como garante a Constituição no artigo 13.º e reitera uma decisão de Janeiro de 2008 do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos ao condenar a França por inviabilizar a candidatura de uma lésbica à adopção - a orientação sexual. É pois atrozmente ridícula, para dizer o mínimo, a histeria alimentada por alguns sectores da sociedade portuguesa em relação à adopção por homossexuais e à sua alegada ligação ao casamento. Como aliás o prova a decisão ontem noticiada do tribunal de Oliveira de Azeméis, ao entregar a guarda de duas meninas ao tio homossexual que vive em união de facto com um homem. O tribunal agiu assim porque considerou que era aquela a pessoa que tinha melhores condições para as acolher - e é só isso que nos deve interessar: o superior interesse das crianças. Tudo o resto é preconceito e ódio. Que haja quem se oponha com igual preconceito e ódio ao casamento de pessoas do mesmo sexo e à adopção por homossexuais não nos deve fazer confundir os planos. Nem baixar os braços. A luta continua.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PEIXE PARA TODOS NÓS

«Vamos poder voltar a pescar bacalhau no Canadá. É a melhor notícia dos últimos tempos e vinha no PÚBLICO de anteontem, sob um título que diz tudo: Portugal mantém quota de pesca no bacalhau e limita cortes em várias espécies.

A vida do meu pai foi lutar pelas nossas quotas. Nos anos 60 ia secretamente a Moscovo; nos anos 70 encontrava-se secretamente com a Frente Polisário ou abarracava-se, literalmente, com uma garrafa de água Perrier a custar o mesmo que uma caixa de Glenfiddich, nos desertos da Mauritânia, a ver se arranjava peixe para nós pescarmos. A verdade é que a malta das pescas, aqui em Portugal, luta e alcança muito acima das possibilidades ou das proporções. O Japão e Portugal são os dois únicos países obcecados pelo peixe.

A Espanha também gosta de peixe, mas é uma açambarcadora industrial. Nós não só comemos o nosso peixe como ainda temos de comprar aos outros. O bacalhau, que é uma espécie exótica, está mais barato (e gordinho) do que o ano passado. Mas a vitória está nos peixinhos frescos e muito mais baratos que só conhece quem sabe: o badejo; a sarda; a juliana; a solha; o atum patudo. Há até um que eu não conheço: o areeiro. Vou já investigar.
A pescada aumenta 15 por cento. O lagostim - caríssimo, mas, mal se chupa o primeiro chupo, justificadíssimo - só se cortou 10 por cento. O fundamentalíssimo carapau - que esteve tão bem este ano - só foi cortado quatro por cento.

É um corte com que podemos viver, acho eu.» [Público]

Parecer:

Por Miguel Esteves Cardoso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

É BEM MAIS GIRA DO QUE O PAULO PORTAS

«Em Espanha, Carla Antonelli foi o rosto da luta pela mudança de género nos documentos oficiais após a alteração visual. Hoje é recebida pelo PS e BE.

Carla Antonelli, a transexual espanhola que deu a cara em Espanha pela Lei da Identidade de Género, aprovada em 2007, encontra-se hoje com deputados do BE e do PS. O objectivo é sensibilizá-los para a discussão de uma lei idêntica no País.

"É uma lei que deixa de discriminar e não custa dinheiro ao Estado. Por isso, não vejo qual é a dificuldade em ser aprovada", sublinha Jó Bernardo, a transexual portuguesa que organiza a visita de Carla Antonelli ao País. » [Diário de Notícias]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Paulo Portas se mandava uma fragata para expulsar o mal das nossas fronteiras.»

SANTANA JÁ ANDA A RONDAR POR AÍ

«A realização de um congresso extraordinário no PSD para debater a situação do partido antes da convocação das eleições directas, como é defendido pelo antigo líder Santana Lopes, divide as distritais do PSD. Mas Marco António Costa, o líder da maior daquelas estruturas, a do Porto, apoia "qualquer marcação de congresso que sirva para criar as condições para que as directas no partido se realizem com urgência" . O PSD, afirma, está a "apodrecer publicamente".» [Diário de Notícias]

Parecer:

parece que o Pedro Santana Lopes vai voltar a candidatar-se à liderança do PSD.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Paulo Rangel se é por medo de uma candidatura de Santana Lopes que discorda da realização do congresso.»

PCP PEDE FISCALIZAÇÃO À EMPRESA QUE PRODUZ O MAGALHÃES

«O PCP pediu esta sexta-feira uma fiscalização do ministério do Trabalho à empresa JP Sá Couto, onde afirma existir violação dos direitos dos trabalhadores, através de despedimentos e recurso a mão-de-obra temporária para a montagem dos computadores Magalhães, refere a Lusa.

Numa pergunta dirigida ao ministério de Helena André, hoje entregue no Parlamento, o PCP considera existir uma «situação absolutamente escandalosa naquilo que é a menina dos olhos de ouro deste governo e deste primeiro-ministro ao nível do relançamento da economia em Portugal». » [Portugal Diário]

Parecer:

Todo e qualquer que esteja envolvido num projecto governamental é suspeito.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao PCP que envolva nesta ofensiva os seus camaradas de toga.»

RANDY RAKHMADANY

VICTORIA'S SECRET

sexta-feira, dezembro 18, 2009

O Jardim que vá à bardamerda

Estou farto, estou mesmo muito farto de aturar o Alberto João Jardim, de o ouvir ofender a maior parte do país quando quer, de ofender a democracia portuguesa quando lhe apetece, de fazer chantagem permanente sobre os portugueses. Estou farto do esquema proxeneta que o PSD instalou numa Madeira liderada por gente com o estofo ético de um Jaime Ramos ou de um Alberto João.

Sou algarvio, o Algarve sempre foi a região do país com maior especificidades, poderia apelar ao seu passado história eu vai muito para além da reconquista, poderia evocar os seus poetas árabes, podia lembrar a gandeza do El Andaluz. Mas o Algarve sempre foi português, sempre foi uma importante fonte de divisas e durante década nunca recebeu nada em troca, muitos pagaram com a vida o estado miserável das suas estradas, e mesmo a Via do Infante não passa de uma auto-estrada de segunda qualidade.

No tentanto, a nenhum líder político algarvio passou pela cabeça ofender o país, a sua democracia ou as suas instituições, nunca os algarvios exigiram contrapartidas pelas receitas geradas no turismo, nunca alguém ousou usar a ameaça chantagista com objectivos proxenetas. Aliás, não sucede nada disso no Algarve, como não sucede nos Açores, em Trás-os-montes ou em ualuer das regiões que têm recebido emnos dinheiro dos contribuintes do Continente do que a Madeira.

Estou tão farto do Alberto João que depois de lhe ouviar mais uma ameaça chantagista só me apetece dizer o que uma vez disse o Almirante Pinheiro de Azevedo, que vá à bardamerda. Já não tenho paciência para políticos oportunistas, políticos que à sombra de um partido sem princípios montou uma democracia de opereta onde quem não é do partido é excluídos. Pois, a exclusão não se deve apenas a fenómenos económicos, na Madeira há gente que é excluída do acesso a cargos públcios a negócios e mesmo da tranquilidade.

Estou tão farto das ameaças separatistas de Alberto João que acho que quem deveria equacionar a hipótese de se tornarem independentes de gente como o Alberto joão são osm portugueses que não têm vergonha de o ser e se assumem como nação, estou a referir-me, pois claro, aos que vivem no Continente e nos Açores.

Enquanto o Alberto João vai fazedno as suas ameaças chantagistas é tempo de o país se assumir como nação e dizer não ao proxenetismo nacional, de consultar os portugueses dos Açores e do Continente sobre se querem ou não que a Madeira continue a ser Portugal ou se devemos declarar a independência de Portugal em relação à Madeira e aos seus proxenetas. Começa a ser hora de mandar o Alberto João à bardamerda.

Umas no cravo e outras tantas na ferradura

FOTO JUMENTO

Vida de cão, Rua Augusta, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Luis Acosta/Agence France-Presse/Getty Images]

«SEND IN THE CLOWNS: Hundreds of clowns, one holding a statuette of the Virgin of Guadalupe, arrived at the Basilica of Guadalupe in Mexico City Wednesday as part of their annual pilgrimage to the sanctuary.» [The Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

Pacheco Pereira

O grande liberal discute agora a mudança da Red Bull Air Race como se a Red Bull fosse uma empresa pública gerida pelo Armando Vara e a decisão da mudança pertencesse ao governo. Depois de a direita se ter aliado ao BE e ao PCP para suspender o Código Contributivo nada me espanta, vou ver o Pacheco cantar A Internacional num comício do PSD muito antes de conseguir ver um porco a andar de bicicleta.

RED BULL CORTA AS NOSSAS ASAS

«Lisboa não é Lisboa SAD, nem Lisboa SA, nem clube, nem empresa, é a capital portuguesa. Tal como o Porto não é SAD nem SA, é cidade portuguesa. Uma não seria o que é sem a outra. Durante séculos fizeram-se assim, uma para a outra. Foi no Porto que os cruzados do Norte da Europa foram convencidos a parar em Lisboa e fazê-la parte do Portugal que se fazia. Foi Lisboa que se levantou com o Mestre de Avis e livrou o Porto de ser castelhano. Foram uma e outra, pelos séculos, por Portugal. Camilo nasceu no Bairro Alto e foi buscar a mulher da sua vida à Baixa do Porto; entre os dois acontecimentos, aprendeu na aldeia de Vilarinho de Samardã o português que lhe permitiu fazer lembrar a Lisboa e ao Porto que o resto de Portugal não é paisagem. Eu, que sou de fora, de outros lugares que este Portugal permitiu, olho as duas cidades, vejo-as tão diferentes e não consigo vê-las afastadas. Sorrio às picardias bairristas, conheço-lhes as vantagens e fraquezas e amo ambas. Gosto que compitam porque, afinal, beneficio eu. Mas compitam, desculpem-me a inocência das palavras, como irmãs de destino comum. Que uma bebida manhosa leve uma, Lisboa, a roubar a outra, Porto, é indigno de tanto passado. E, basta ver o que acontece no país aqui ao lado, enfraquece o futuro. » [Diário de Notícias]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O NATAL NA EMPRESA

«Anos mais tarde encontraram-se na mesma empresa onde António trabalhara desde sempre, sendo um antigo director da casa. Miguel, recém-chegado à direcção da firma, preparava-se para ascender rapidamente à administração. António apesar de mediano, sentia que tinha o direito a aspirar ao topo. Casado e com 3 filhos a estudarem, viu a mulher ficar desempregada em resultado da crise. Miguel continuava casado com uma executiva de sucesso, mas de quem não tinha filhos.

Três meses após a entrada de Miguel na empresa, soube-se que a empresa tinha "gorduras" para queimar, comunicando-se a extinção da direcção do António que, amargurado, percebeu que era o seu fim.


Miguel, sempre o mesmo, sentou-se na secretária e escreveu uma carta à administração. Saiu do gabinete, entrou na sala do presidente e depositou-lhe a carta nas mãos: uma carta de renúncia ao cargo. António ficou na empresa e ocupou o lugar do Miguel.

Era Natal de um ano qualquer, numa história que não é verdadeira, é apenas um conto de Natal.» [Diário Económico]

Parecer:

Por João Duque.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PASSOU A DOR DE CORNO AOS PROCURADORES "AMIGOS" DO LOPES DA MOTA

«Uma nota de imprensa da Eurojust refere que José Luís Lopes da Mota informou hoje "o Colégio da Eurojust, durante a sua sessão plenária, de que ontem [quarta-feira] apresentou a sua demissão como membro nacional de Portugal às autoridades portuguesas".

De acordo com as regras da instituição, sediada em Haia, o vice-presidente mais antigo substitui interinamente o presidente em caso de ausência ou renúncia.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Agora já podem ficar contentes, o cargo ficou para uma belga.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Não se apresente qualquer candidatura para o cargo, Portugal está mal demais para nomear quem quer que seja para cargos internacionais.»

PRESÉPIO COM UM JESUS CRSCIDINHO E MARIA NA CAMA

«Com o Natal a aproximar-se a igreja de St. Matthew-in-the-City em Auckland, na Nova Zelândia, decidiu apresentar uma espécie de presépio alternativo. Mas o seu último cartaz já está a causar polémica. Nele surgem a Virgem Marie e José, o carpinteiro sem marido, deitados na cama, nus. Por cima, a frase: "Pobre José. Não é fácil vir depois de Deus". Os responsáveis pela igreja anglicana já vieram dizer que a sua intenção era apenas a de pôr as pessoas a discutir sobre o que é o Natal. Mas bastaram cinco horas de exposição aos olhares nas ruas de Auckland para que o cartaz desse que falar. E nem faltou um automobilista que decidiu estacionar debaixo da imagem, subir para cima do veículo e cobrir o cartaz com tinta.» [Diário de Notícias]

IGREJA CATÓLICA UM POUCO MAIS FUNDAMENTALISTA

«Os católicos que rejeitem formalmente a sua fé e que depois queiram casar pela Igreja passam a ter de pedir autorização especial. Sem essa autorização não podem casar. Mais: se casarem sem essa licença (que é um pedido de dispensa de impedimento) o casamento é anulado.

Esta mudança foi introduzida por Bento XVI num documento publicado na terça-feira. O Papa quis assim explicar ao mundo que ao rejeitar o fé católica, uma pessoa passa a ter um impedimento oficial para beneficiar dos sacramentos da Igreja Católica.

Tal como acontece agora nos casamentos entre pessoas católicas com pessoas de outras religiões. A Igreja, por regra, não os aceita - só com autorizações especiais dos bispos. Os católicos actualmente têm de pedir uma licença para casar com alguém baptizado pela Igreja protestante ou pela ortodoxa. Do mesmo modo, um católico tem de pedir dispensa de impedimento para casar com um muçulmano ou ateu, explica o padre João Seabra. Só assim, a igreja considera estes casamentos válidos. » [Diário de Notícias]

Parecer:

É pena que só reparem nos tiques fundamentalistas dos muçulmanos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «O papa quea fique descansado, não lhe vou enviar o requerimento, nem me caso pela Igreja nem estou arrependido de ter mandado esta padralhada à fava.»

NORONHA DO NASCIMENTO ARRASA O NOSSO JORNALISMO PACÓVIO

«"A comunicação social portuguesa beneficia e, simultaneamente, comparticipa do centralismo de poderes, típico no nosso país. Daí que, salvo uma única excepção na imprensa escrita, tudo o resto se localiza no mesmo espaço metropolitano, com o mesmo conjunto de actores comentando as mesmas notícias e transmitindo para o resto do território opiniões nuclearmente formatadas", disse.

Segundo Noronha Nascimento, aquilo que "era impensável há décadas é hoje um acontecimento banal: jornalistas transformados em comentadores vão-se revezando no tratamento repetitivo do assunto que estiver na ordem do dia, expulsando cada vez mais os especialistas da matéria".» [Diário de Notícias]

Parecer:

Noronha do Nascimento disse o que há muito que já devia ter sido dito.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se.»

JARDIM AMEAÇA COM SEPARATISMO

«“Se desta vez voltarem a negar os meios financeiros a que temos direito, temos que pensar noutros caminhos”. Com esta ameaça, de índole separatista, o presidente do governo regional, Alberto João Jardim, terminou hoje a intervenção final no debate parlamentar do Plano e Orçamento da Madeira para 2010.» [Diário de Notícias]

Parecer:

Neste PSD vale de tudo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Consultem-se os portugueses dos continente e dos Açores sobre se querem a independência em relação à Madeira.»

VASILIY *MAIA* STEPANOV

AFRICAN DIAMOND COUNCIL