sábado, abril 03, 2010

Dia do Judeu

Na minha infância o sábado da Semana Santa era o dia de Judas ou, mais genericamente, o dia do Judeu, a tradição popular deste dia consistia em fazer bonecos, os judeus, que eram depois queimados. Esta tradição não era exclusiva da mina terra, aqui e acolá vão sendo feitas reconstituições desta prática.

Foram necessários vinte séculos para que a Igreja Católica considerasse que o povo judeu não foi o culpado da morte de Cristo e pusesse fim à perseguição aos judeus que promoveu durante séculos e que conduziu a chacinas sucessivas.

A Igreja Católica tem um longo historial de não aceitação das suas responsabilidades e ainda maior quanto a aceitar as consequências dos crimes praticados pelos seus responsáveis, Galileu também teve de esperar até ao século XX para a Igreja lhe reconhecer uma razão que há muito a ciência já lhe tinha dado. Entre reconhecer e pedir perdão às suas vítimas ou colocar os seus interesses acima das vítimas a Igreja Católica nunca hesita, opta sempre pela segunda solução.

Só que já estamos em pleno século XXI e não é possível manter o encobrimento dos crimes praticados por alguns dos seus padres da mesma forma que se manteve a condenação de Galileu. A crise em que a Igreja Católica se está a envolver não se deve a um fenómeno novo, nada do que sucedeu nos últimos meses foi novidade, o que mudou foi o mundo e uma boa parte da Igreja Católica, incluindo o papa, ainda não o percebeu.

Os direitos dos cidadãos estão acima dos interesses da Igreja, os seus padres não estão acima da lei para defesa do bom nome da Igreja, foi isto que o papa e um bom número de bispos não perceberam a tempo. Não perceberam que não podiam exigir que a lei contemple a prisão das mulheres que abortam ao mesmo tempo que os seus crimes se resolviam com meia dúzia de ave-marias e uma oportuna mudança de paróquia.

O problema da Igreja não é saber como fazer esquecer o assunto mas sim como aceitar e assumir as culpas. D. José Policarpo, cardeal patriarca de Lisboa, soube fazê-lo ainda que saiba que as vítimas do padre Frederico foram esquecidas e ainda não receberam a indemnização a que o padre Frederico foi condenado. Mas D. José Policarpo foi a única voz inteligente que ouvi, todos os outros parecem estar mais preocupados em tentar abafar e desvalorizar as culpas do que em assumi-las, estão mais preocupados em proteger-se do que em proteger as vítimas.

Uma boa parte da hierarquia da Igreja Católica parece não perceber que os judeus, Galileu ou as vítimas dos cruzados são coisa do passado, quem em pleno século XXI ou a Igreja Católica assume responsabilidades e reconhece os direitos das vítimas ou será ela própria vítima dos seus próprios pecados.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Estrelinha-de-cabeça-listada [Regulus ignicapilla] no Jardim Gulbenkian, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Jason Lee-Reuters]

«Rescuers rest at the site of a flooding accident in the Wangjialing coal mine in northern China's Shanxi province. More than 1,000 workers tried to find 153 trapped workers.» [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

Ministério Público

Ultrapassado pela direita pelo Ministério Público de Munique o nosso Ministério Público mandou para os jornais a dica de que apesar das insistências não tinha recebido a colaboração das autoridades alemãs, deixando, portanto, no ar que se por cá nunca houve grandes novidades neste processo a culpa é da Alemanha. Curiosamente nunca este tipo de queixa tinha sido propalada, nem sequer vimos o exigente líder sindical dos magistrados queixar-se em público, podia ser que Cavaco o chamasse a Belém e depois disso usasse os seus bons ofícios. Também não se conhece qualquer diligência feita através das instituições comunitárias com competência na matéria.

De qualquer das formas se as autoridades alemãs não colaboraram com as portuguesas isso até se compreende, depois do regabofe que têm sido as investigações em Portugal, onde parece que os jornalistas sabem tanto como os investigadores é compreensível que se o Ministério Público de Munique tivesse evitado mandar informação que serviriam par ajudar o director financeiro do jornal Sol. A verdade é que ninguém com bom senso fornece informação confidencial a este Ministério Público. pelo menos se quiser ter sucesso numa investigação garantindo a sua seriedade.

BRAGA 3 - GUIMARÃES 2

Se o Guimarães tivesse marcado 5 golos o Braga teria beneficiado de 6 grandes penalidades...

O CASAMENTO MAIS 'IN' DA TEMPORADA

No Facebook.

A CAUSA DOS SANTOS

«O cardeal Saraiva Martins falou do encobrimento dos casos de abuso sexual de menores por padres como sendo algo "típico das famílias": "Não lavar roupa suja em público." Depois de assim admitir a possibilidade de uma maquinação hierárquica para abafar casos de abuso sexual de menores, o cardeal entendeu certificar que as denúncias de abuso "servem para atacar a Igreja" e que "existe uma maquinação, um objectivo muito preciso, bem claro". Chegou ao ponto de trazer à colação "uma progressiva descristianização e indiferença religiosa" - ou seja, a culpa disto tudo, está bom de ver, é dos ateus.

Este pronunciamento, que ocorreu há oito dias e não foi desmentido, mereceu já algumas indignações. Não as suficientes: o prefeito emérito da congregação para a causa dos santos (é esse o título do cardeal) não se limitou à litania da vitimização; desculpabilizou publicamente - justificou, aliás - o encobrimento de crimes. Ora não só o encobrimento de crimes é crime - chama-se cumplicidade e obstrução à justiça e pode significar encorajamento à continuação da actividade criminosa - como falar das denúncias de crimes como "maquinação contra a Igreja" é uma pressão indecorosa sobre as vítimas. » [DN]

Parecer:

Por Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

AS ÚLTIMAS SOBRE SUBMARINOS


«Olha, o caso dos submarinos. Só agora. Isso é que me faz espécie. Desde o princípio eu não entendi porque queríamos comprar submarinos alemães. Quem pode querer comprar submarinos alemães? Eles afundam sempre. Em todos os filmes que vi, eles afundavam graças às bombas de profundidade dos contratorpedeiros. Mas comprámos. Por milhões. Mais do que esquisito, é suspeito. Até porque há uma tradição de portugueses corruptos envolvidos com submarinos alemães. Gastão Ferraz, radiotelegrafista do barco Gil Eanes, que acompanhava os bacalhoeiros portugueses, era espião nazi. Corrupto, portanto. Ele mandava mensagens em código para a máquina Enigma dos U-boats, os submarinos. Os ingleses apanharam Ferraz e as cifras da Enigma, em 1942. Talvez a polícia inglesa nos possa decifrar a actual história dos submarinos alemães. Mas não estão lembrados da última vez que estivemos à espera que a polícia inglesa nos decifrasse um mistério e ficou tudo em águas de bacalhau? Não se zanguem com o meu tom de brincadeira. Que fazer numa história que começou com uma escuta no caso Portucale e acabou no caso submarinos? O caso Portucale, lembro, era sobre sobreiros. Só os portugueses eram capazes de ligar cortiça, que não se afunda, com submarinos, que são pagos para mergulhar.» [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

GORDO DEMAIS PARA ESTAR PRESO

«Um caso de obesidade mórbida obrigou as autoridades judiciais norte-americanas a optarem por retirar um ladrão da prisão devido ao excesso de peso.

George Jolicur, de 38 anos, roubou vários restaurantes à procura de comida e acabou detido. Porém, os seus 272 quilos de peso forçaram a polícia a encaminhá-lo para casa, não só pelo seu enorme tamanho mas pelos custos médicos que a sua prisão iria forçar.» [Correio da Manhã]

CHANTAGEM

«O almirante Vieira Matias considerou hoje que Portugal deve "comportar-se como um país adulto" no processo dos submarinos, alertando que uma denúncia do contrato pode eventualmente provocar o encerramento "de grandes empresas de capital alemão", como a Autoeuropa.

Em declarações à agência Lusa, o antigo chefe de Estado Maior da Armada (CEMA), cujo mandato (entre 1997 e 2002) coincidiu com o lançamento do processo de renovação da capacidade submarina, antevê consequências económicas para o país caso se verifique uma "não concretização de um contrato assumido pelo Estado português", devido à participação de 30 por cento da Volkswagen na Man Ferrostaal, uma das empresas do consórcio alemão vencedor do concurso, o German Submarine Consortium (GSC).» [DN]

Parecer:

O almirante deveria explicar qual a relação entre o negócio dos automóveis e a corrupção nos submarinos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Informe-se o senhor almirante que o cu nada tem que ver com as calças.»

O PSD ASSOBIA PARA O AR NO CASO DOS SUBMARINOS

«Apesar de os factos em investigação no Ministério Público estarem relacionados com o período do governo de coligação PSD/CDS-PP, o então primeiro-ministro, Durão Barroso, e Martins da Cruz, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, vieram já a público garantir que não tiveram qualquer envolvimento nas negociações. Sozinho em sua própria defesa fica, por ora, o partido de Paulo Portas.

Durão Barroso garantiu que, enquanto primeiro-ministro, nunca teve "qualquer intervenção directa ou pessoal", além da participação na decisão tomada colectivamente em Conselho de Ministros. Por sua vez, Martins da Cruz declarou, ontem à Rádio Renascença, que também "nunca" esteve "envolvido nesse contrato" de compra de equipamento de defesa de submarinos. Aliás, o Ministério dos Negócios Estrangeiros não tem nada que ver com isso". Martins da Cruz manifestou ainda o desejo de que as investigações corram rapidamente, "que é para estas coisas não ficarem numa suspeita colectiva".» [DN]

Parecer:

Acredita quem quiser.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pela conlusão das investigações.»

COMPORTAMENTO EXEMPLAR DO MP

«A poucas semanas das últimas eleições legislativas, em Setembro de 2009, o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) realizou uma série de buscas domiciliárias relacionadas com a investigação sobre suspeitas de corrupção no negócio dos submarinos. Um dos alvos foi, como o próprio confirmou ao DN, Pedro Brandão Rodrigues, actualmente deputado do CDS.

Pedro Brandão Rodrigues foi, entre 2003 e 2005, presidente da Comissão de Contrapartidas (nomeado por Portas), um organismo que tem por missão fiscalizar o cumprimento do contrato de contrapartidas assinado entre o Estado português e o German Submarine Consortium (ver dados do contrato nestas páginas).» [DN]

Parecer:

Desta vez foi mantido o segredo de justiça e se não fosse uma revista alemã não se saberia de nada.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se os parabéns aos investigadores.»

MP QUEIXA-SE DAS AUTORIDADES ALEMÃS

«O Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), uma estrutura do Ministério Público português especializada na investigação da criminalidade complexa e altamente organizada, critica duramente a falta de colaboração das autoridades alemãs, que ignoraram inúmeros pedidos de procuradoras portuguesas no inquérito ao processo de contrapartidas dos dois submarinos comprados pelo Estado português ao consórcio alemão GSC.

"Não obstante as inúmeras tentativas de contacto e diligências no sentido do cumprimento das diligências rogadas, as autoridades alemãs, para além de um pedido de esclarecimentos adicionais, remeteram-se ao silêncio, não tendo até à data remetido quaisquer dos elementos solicitados", lê-se numa nota que acompanha o despacho que acusa de burla qualificada e falsificação de documento sete gestores portugueses e três alemães da Man Ferrostaal, uma das três empresas que integra o GSC. O documento foi assinado pelas procuradoras Auristela Pereira e Carla Dias em final de Setembro passado.» [Público]

Parecer:

O que é que esperavam?

Até agora ninguém do MP estava preocupado com os submarinos, nem sequer o senhor Palma do sindicato fez uma das suas intervenções, foi preciso ser o MP de Munique a divulgar a existência de subornos para agora virem com desculpas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao PGR se depois da pouca vergonha que foram as fugas ao segredo de justriça nos casos Freeport e Face Oculta acha que as autoridades alemãs iam confiar no nosso Ministério Público onde manda menos que o líder do sindicato.»

O PAÍS DOS PATOS-BRAVOS

«A formação escolar dos empregadores portugueses é substancialmente inferior à da população empregada, e também à dos seus colegas espanhóis e à da média dos empregadores dos 27 Estados-membros da União Europeia, segundo dados relativos a 2008.

As qualificações dos empregadores nacionais - que coincide com a denominação de empresários ou patrões - perdem para as da população empregada (vulgarmente designada por "trabalhadores") em todas as categorias consideradas pelo Instituto Nacional de Estatística de Portugal e pelo de Espanha, que divulgaram ontem a publicação A Península Ibérica em Números - 2009, onde constam estes dados.» [Público]

Parecer:

É pena que sempre que se questione a produtividade o dedo seja apontado para os trabalhadores.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Solicite-se comentário à CIP.»

FINALMENTE D. JOSÉ POLICARPO FALOU

«D. José Policarpo sublinhou ainda que estes pecados «indignam o mundo».

«Estamos aos pés da Cruz num momento em que os pecados da Igreja, mesmo os pecados dos sacerdotes, indignam o mundo e ofuscam a imagem do Reino de Deus», declarou.

«Uma das características preocupantes do nosso tempo é o facto de se perder a consciência do pecado. [...] Os pecados da Igreja ferem, de modo particular, o coração inocente de Cristo e de sua Mãe», lamentou, durante a missa que assinala a Sexta-feira Santa.» [TSF]

Parecer:

E fê-lo com mais com mais inteligência do que o cardeal Saraiva Martins, não procurou conspirações nem fantasmas para encobrir o que já é impossível e nunca devia ter sido encoberto.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Elogie-se a frontalidade do cardeal.»

NO 'DA LITERATURA'

"Corrupção à solta":

«O engenheiro João Cravinho, antigo ministro de vários governos e actual administrador do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento, veio de Londres a Lisboa dizer que a «corrupção política anda à solta». Entre as medidas avulsas que propôs à comissão de inquérito anti-corrupção, sugeriu premiar cidadãos que avancem com processos contra quem lese interesses do Estado. «O cidadão em causa», lê-se hoje no Público, «teria o direito a 15 ou 20 por cento do valor recuperado». Não é extraordinário?

Em matéria de transparência na contratação de dirigentes da administração pública, gestores de sociedades de capital público e empresas com participação do Estado, o administrador do BERD propõe uma comissão independente para organizar o processo, «aberto a todos os cidadãos». OK.

Sucede que o eng.º João Cravinho tem um filho no governo, o doutor João Titterington Gomes Cravinho, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação. Não estando em causa nem o currículo nem as aptidões demonstradas para o cargo que exerce desde 14 de Março de 2005, o cidadão comum tem a pergunta na ponta da língua: «Estava lá, se não fosse filho do papá?» Claro que é injusto. O doutor João Titterington Gomes Cravinho não deve precisar do governo para nada. Mas, seguindo o raciocínio do pai, torna-se um alvo apetecido da deriva populista. Ou são só os filhos dos outros que beneficiam de tráfico de influência?»

NO 'CÂMARA CORPORATIVA'

"Do primeiro-ministro a quem ninguém prestava contas ao ministro da Defesa que se agarra ao estatuto de arrependido":

«Como o país compra submarinos quase todas semanas, é natural que o primeiro-ministro Durão Barroso nem sequer se tenha apercebido da aquisição do Tridente e do Arpão, submarinos a diesel que têm de vir a terra todos os meses para se abastecerem de combustível (o que nem permite guerras mais prolongadas do que as do Solnado). Por isso, Barroso fez bem em ter chutado a questão para o lado: — Perguntem ao Dr. Portas, que ele é que era o ministro da Defesa.

A chatice é que o Dr. Portas, depois de ter andado a defender que se impunha a aquisição dos submarinos por se tratar de uma opção estratégica, vacila perante a conjuntura económica, garantindo que se fosse hoje não teria feito o negócio.

Como se sabe, o estatuto de arrependido dá muito jeito em situações como esta — em que quatro políticos ligados ao PSD e ao CDS-PP terão recebido 6,4 milhões de euros no âmbito do negócio de compra dos submarinos (fora o caso do cônsul dos honorários, nomeado por Durão Barroso na época de ouro do cavaquismo).»

E "Do monstro à geração Fox News ":

«António Nogueira Leite deu duas entrevistas (ao i e ao Jornal de Negócios) que deram que falar na blogosfera.

Na entrevista ao i, Nogueira Leite disse o que pensava de uma certa direita que anda pela blogosfera e que se encontra refugiada no Instituto Sá Carneiro: “Na área política, foi um bocadinho, enfim, uma versão saloia da Fox News — acho que essa parte é menos relevante.”

Uma vez que a Marmeleira não se situa na região saloia, Nogueira Leite foi levado a ser mais explícito na entrevista dada depois ao Jornal de Negócios: “Há um grupo no PSD a que chamo ‘geração Fox News’: uma simbiose entre os ex-leninistas e os miúdos muito conservadores que têm no Pacheco Pereira uma espécie de ídolo.” E acrescenta: “Quando bato no Pacheco Pereira, sei que o estou a fazer. Estou convencido de que é uma das pessoas que fazem pior à democracia portuguesa. Não é bom ter uma pessoa que tenta ser a referência moral do regime, quando no fundo é uma pessoa que vive da polémica. A contrapartida é o tempo de antena. Um tempo que não é gracioso como o meu. É um tempo de antena profissionalizado.”

Mas talvez o aspecto mais interessante das palavras de Nogueira Leite tenha sido recordar, na entrevista ao i, o modo como Cavaco Silva fez disparar o défice para vencer as eleições legislativas de 1991:

“A crise exacerbou toda esta questão, mas o essencial é que a consolidação necessária não chegou. Isto não é uma crítica apenas a José Sócrates, faço-a aos governos de Cavaco. é uma crítica que vem desde a consolidação do Ernâni [Lopes]. Lembro, por exemplo, o ano de 1991, que foi importantíssimo do ponto de vista político, em que a maioria absoluta custou o maior crescimento da despesa pública de que me lembro, desde a I República. Esta associação entre despesa pública e política tem sido muito perniciosa.”

PS — Só é de lamentar que os jornalistas do i não tenham dado oportunidade a Nogueira Leite de ser mais claro em relação às parcerias público-privadas. Teria valido a pena.»

LIVING AMID THE FIRES [Link]

HOLY WEEK 2010[Link]

VENIAMIN VITER

CITROEN C5

sexta-feira, abril 02, 2010

Querem ver que a p. sou eu?

Não me canso de contar a anedota do compadre que foi ao bordel e acabou apanhado no meio de uma rusga, tipifica na perfeição o comportamento da nossa classe política, designadamente, dos lideres. Quando a rusga entrou no quarto do nosso compadre uma das meninas disse ao polícia que era manicura e a outra justificou-se dizendo que era cabeleireira, desesperado o nosso compadre exclamou: “querem ver que a p.. sou eu?”.

Já tinha sucedido mais ou menos a mesma coisa quando se soube do financiamento da Somague ao PSD, nessa ocasião Durão Barroso e Luís Arnaut disseram que não sabiam de nada, Durão Barroso justificou-se dizendo que o financiamento era pelouro do secretário-geral e do secretário-geral Adjunto. Quando Durão Barroso assumiu a liderança do PSD Marcelo Rebelo de Sousa fez como os presidentes da bola, retirou o seu dinheiro, aumento o ordenado dos funcionários do secretariado e deixou os cofres sem um tostão. Mesmo assim Durão Barroso lançou uma gigantesca campanha de outdoores e mudou a imagem do partido, isso tudo sem se preocupar sobre como arranjar o dinheiro ou saber de onde ele viria?

Acredita quem quiser, mas o certo é que o assunto ficou esquecido e a bem da Nação nem o Ministério Público puxou pela ponta da meada. Alguém ouviu na ocasião uma daquelas intervenções dos sindicalistas do MP a exigir investigações? Alguém ouviu alguma entrevista inflamada do eng. Cravinho? Alguém ouviu algum comentário da famosa magistrada, a Joana d’Arc do combate à corrupção? Ou não ouvi.

Agora o filme repete-se. O Ministério Público de Muniquee suspeita de terem sido dados milhões em luvas por conta do negócio dos submarinos e o que diz Durão Barroso? Que não sabia de nada, que só viu o negócio quando foi aprovado em conselho de ministros! Martins da Cruz, seu compadre e ministro dos Negócios Estrangeiros à época do negócio diz que nada passou pelo ministério dos Negócios Estrangeiros, foi tudo feito no ministério da Defesa.

Temos então um primeiro-ministro que nada soube do maior negócio feito pelo seu governo e um ministro dos Negócios Estrangeiros que se notabilizou por dizer estar empenhado na diplomacia económica mas que nada soube do que se passava apesar de os concorrentes serem alemães e franceses e de estarem em causa avultadas contrapartidas?

Vocês acreditam em Durão Barroso e Martins da Cruz? Eu não.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Fuinha-dos-juncos [Cisticola juncidis] no Parque da Bela Vista, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Rajesh Kumar Singh/Associated Press]

«CLEANSING RITES: A Sadhu, or Hindu holy man, prayed after taking a dip in the River Ganges in Haridwar, India, Thursday. Devout Hindus bathe in the Ganges during the months-long festival, expected to attract more than 10 million people, with the belief that it will cleanse them of their sins and free them from the cycle of life and rebirth. » [The Wall Street Journal]

JUMENTO DO DIA

João Cravinho, administrador do BEI

Começo a ter inveja do emprego de João Cravinho, um grande tacho conseguido à custa do PS pois se este partido estivesse na oposição o ex-ministro estaria agora sentado discretamente no parlamento e em vez de ganhar notoriedade armando-se em líder da oposição, estaria a fazer calos no traseiro. Pelas vezes que anda por cá a promover entrevistas e programas radiofónicos começo a pensar que o pelouro de João Cravinho no BEI deve ser o combate à corrupção.

Desta vez veio propor uma metodologia de nomeação de dirigentes da Administração Pública oposta àquela que seguiu quando era ministro, nesse tempo colocou alguns boys, agora propõe nomeações independentes. Isto é, faz o que eu digo, não faças o que eu faço. Aliás, um dos seus boys chegou mesmo a nomear António Preto para chefe de divisão num dos institutos tutelados por João Cravinho!

Mas pior ainda do que isso foi a proposta inspirada nos filmes de cowboys de dar prémios percentuais para quem abrisse processos contra a corrupção.

As coisas que este senhor inventa para dar nas vistas...

«Apresentou uma solução para os processos de contratação de dirigentes, com a inclusão de uma comissão independente mandatada para organizar o processo de selecção, aberto a todos os cidadãos, propondo depois "dois ou três candidatos". Ao ministro da tutela cabia apenas arrancar com o processo, indicando um perfil, mas escolhendo sempre entre os dois ou três nomes propostos pela comissão.

Já antes tinha explicado o porquê da proposta. A actual lei, denunciou, "conduz à partidarização", falando mesmo em "casos significativos" em Portugal de "manifestações de redes de tráfico de influência que desviam a administração dos seus objectivos últimos".

A rematar, foi particularmente duro com o Governo: "Não podemos continuar a ter um governo sem estratégia explícita de combate à corrupção", defendeu, para depois perguntar para que serviam "700 planos de anticorrupção" se o executivo não tomava em mãos a iniciativa. E classificou o actual estado das leis como um "problema de vontade política".

O agora responsável no Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento avançou depois com uma bateria de propostas "avulsas".

Entre estas propôs premiar cidadãos que avançassem com processos contra causadores de lesão dos interesses financeiros do Estado. No caso do processo judicial "propiciar activos financeiros ao Estado", "o cidadão em causa teria o direito a 15 a 20 por cento [do valor recuperado], ditado pelo tribunal".» [Público]

CRASH MORAL

«Se a Igreja Católica estivesse cotada na bolsa, as suas ações estariam em grande queda. Os escândalos sexuais dos últimos tempos atingem fortemente aquele que é o seu core business. As religiões, mais do que plataformas para se chegar aos deuses, são na realidade códigos de conduta moral. Por isso os escândalos recentes são tão chocantes. Aos atos em si mesmos, já de si deploráveis, acresce o facto de serem perpetrados por aqueles que se apresentam como juízes supremos do ordenamento moral. Aqueles que julgam todos os outros, que exigem determinados comportamentos, que são intolerantes para quem não os segue.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Leonel Moura.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

OS TRABALHOS E CANSEIRAS DE PEDRO PASSOS COELHO

«Assisti a dois ou três fóruns de televisões, nos quais a ira dos intervenientes não era amenizada pelos 61 por cento dos votos obtidos pelo triunfador. Ele não representa o sentimento profundo dos militantes do PSD, dizia, levemente esganiçada, uma senhora de Miraflores. O objecto de simpatia da senhora era Paulo Rangel. Debalde o apresentador do programa insistia no facto mais do que evidente de que os psd's haviam escolhido, sem margem para dúvidas, Pedro Passos Coelho.

Desconheço as dores d'alma que o novo presidente do PSD causa nos espíritos, e a origem do desassossego. Mas a verdade é que Passos Coelho averba um número substancial de inimigos no rol das suas amizades. E que inimigos! Desde o dr. Cavaco, verrinoso em silêncio, até à dr.ª Manuela, que o escorraçou das listas de deputados, passando pelo prof. Marcelo, ao dr. Sarmento e ao apenas concebível Pacheco Pereira, o vencedor está destinado a passar um mau bocado.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Baptista Bastos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O CAVAQUISMO PENSIONISTA QUER O NUCLEAR POR OPOSIÇÃO ÀS RENOVÁVEIS

«É mais um manifesto da sociedade civil que junta personalidades políticas, economistas, engenheiros e empresários contra opções do governo PS. Depois das Obras Públicas, é a política energética e a aposta nas energias renováveis, uma das principais bandeiras de José Sócrates, que vai ser posta em causa. Os argumentos serão apresentados em conferência de imprensa e vão ser pedidas audiências ao governo e ao Presidente da República. A expressão "energia nuclear" não aparece no documento, mas os subscritores contactados pelo i reconhecem que são favoráveis à discussão ao mais alto nível desta opção, em linha com o debate na Europa, mas sobretudo em sintonia com Espanha. » [i]

Parecer:

Se a opção nuclear deve ser debatida a sua apresentação como alternativa às energias renováveis só pode vir de gente que está fora do seu tempo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se aos senhores que se reformem definitivamente.»

MP ALEMÃO INVESTIGA EMPRESAS-FANTASMAS

«O Ministério Público (MP) alemão está a investigar suspeitas relacionadas com a criação de uma série de empresas-fantasmas que, por sua vez, terão sido utilizadas para o pagamento de comissões ilegais no âmbito do negócio da compra pelo Estado português de dois submarinos. De acordo com documentos do processo alemão, a que o DN teve acesso, são identificadas várias empresas que terão sido utilizadas para o esquema, assim como alguns cidadãos portugueses que estariam por dentro de todas as movimentações.

O contra-almirante Rogério d'Oliveira é citado directamente como tendo, em 2006, recebido um milhão de euros de uma daquelas empresas. O militar, segundo confirmou o DN, encontrava-se já na reserva e, de acordo com fontes militares, era um dos representantes dos alemães em Portugal. Além do contra-almirante, num despacho do MP alemão, são ainda citados, como tendo conhecimento das movimentações financeiras, Helder Bataglia dos Santos, quadro do Grupo Espírito Santo (GES), Luís Horta e Costa, ex-presidente da ESCOM, empresa do GES que prestou assessoria ao consórcio alemão, Miguel Horta e Costa, quadro da ESCOM, o advogado Vasco Vieira de Almeida, entre outros.» [DN]

Parecer:

Já que o MP anda mais preocupado com eventuais trocos no caso Freeport e com os robalos da Face Oculta...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelas investigações do MP alemão.»

NOGUEIRA LEITE: PACHECO PEREIRA FAZ MAL À DEMOCRACIA

«“Quando bato no Pacheco Pereira, sei que o estou a fazer. Estou convencido de que é uma das pessoas que fazem pior à democracia portuguesa. Não é bom ter uma pessoa que tenta ser a referência moral do regime, quando no fundo é uma pessoa que vive da polémica. A contrapartida é o tempo de antena. Um tempo que não é gracioso como o meu. É um tempo de antena profissionalizado.

” Nogueira Leite está a referir-se ao "tempo de antena" na SIC e no Público, onde ganha dinheiro: “Obviamente. E não tem mal nenhum. Mas no plano ético, ele tem muito a aprender comigo. Não está à vontade para lançar aquelas polémicas; só o poderia fazer se, como eu, não recebesse para fazer televisão.”

“Há um grupo no PSD a que chamo ‘geração Fox News’: uma simbiose entre os ex-leninistas e os miúdos muito conservadores que têm no Pacheco Pereira uma espécie de ídolo.“» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Gostei desta da 'geração Fox News'.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se a definição.»

PPM ESTÁ SEM "REI"

«O conhecido fadista e líder do Partido Popular Monárquico (PPM), Nuno da Câmara Pereira, demitiu-se da liderança do partido. No seu lugar encontra-se agora Paulo Estêvão, vice-presidente.

A par da demissão, Câmara Pereira também deixou de estar filiado no partido. Os motivos que estariam na base destas decisões são, de acordo com afirmações de Paulo Estêvão à agência Lusa, ‘razões de índole pessoal'.» [Correio da Manhã]

Parecer:

O que vale é que no meio monárquico a sucessão é sempre fácil.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se o PPM do "i" para líder.»

RUSLAN LOBANOV

FOWIN