sábado, maio 29, 2010

Taxar o dinheiro ocioso

Não alinho com os que tentam dizer aos portugueses que devem ser os ricos a pagar a crise no pressuposto de que todos os milhões de que ouvimos é dinheiro ocioso. Provavelmente há ricos que proporcionalmente esbanjam menos dinheiro que muitos pobres que conheço e muito do dinheiro dos ricos é capital investido em empresas, indispensável para criar emprego e gerar riqueza. Há quem num dia exija a criação de emprego e no dia seguinte proponha que se vá transformar o capital em receita fiscal para combater a crise, é como se a melhor forma do padeiro resolver a crise de tesouraria da padaria fosse vender o forno.

Isto não quer dizer que tenha alguma simpatia pelos nossos ricos, na verdade nem os tenho em grande estima e nalguns casos até os detesto. Mas não é por não gostar do Belmiro de Azevedo e por saber quantos milhões tem o dono da SONAE que vou chegar à brilhante conclusão de que se lhe aplicar um imposto extraordinário de 20% ao seu património que resolveria o problema. Talvez tivesse nessa situação, mas uns dias depois iriam devolver o dinheiro ao Belmiro e outros sob pena de terem mais umas centenas de milhares de desempregados e sem dinheiro para o subsídio de desemprego.

É evidente que a esquerda romântica que defende a apropriação colectiva dos meios de produção mas que durante cinquenta anos foram incapazes de criar um modelo económico viável, que nunca conseguiram sequer implementar um sistema de preços que substituísse os mercados em eficácia, achará o que acabo de escrever uma verdadeira heresia. A verdade é que essa esquerda foi incompetente, incapaz de acabar com a pobreza e acabou por transformar os ditos socialistas em economias de capitalismo puro e duro.

Mas se sou contra a confusão entre capital, riqueza investida no país, não tenho dúvidas de que da mesma forma que se pretende combater a baixa de produtividade ou o favorecimento da preguiça estimulada por algumas medidas do nosso “estado social” também se deve combater a ociosidade do dinheiro dos mais rico e mais ainda o seu esbanjamento em bens de luxo.

Se alguém que nada exporta, que não gera riqueza, que não cria emprego decide usar a sua riqueza na aquisição de bens de luxo importados eu nada tenho contra isso. Mas sucede que esse esbanjamento de recursos criados pelo país resultará num maior desequilíbrio externo e mais tarde ou mais cedo serei eu que nada beneficiei desses luxos a pagar a factura. Se o país não cria riqueza e usa que tem na aquisição de bens de luxo importados não tenho dúvidas de que seremos todos a pagar pelo luxo de alguns.

Discordo de muita proposta populista que sugere que sejam os ricos a pagar a crise, passando a ideia de que confunde capitais com dinheiro ocioso. Mas não aceito que o país assista impávido e sereno a fugas de dinheiro para paraísos fiscais ou que o que compra um carro utilitário para se deslocar diariamente para o emprego pague seja tão penalizado quanto aquele que compra um anel de diamantes para oferecer à amante.

Se o país quer crescer não basta falar da preguiça do trabalho, seja do trabalhador não qualificado ou do gestor, é preciso combater a ociosidade do dinheiro.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa

IMAGEM DO DIA

[Thomas Peter-Reuters]

«Water from the Oder river covers the garden of a house near the Polish border in Germany.» [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

Pedro Passos Coelho, líder do PSD

Fica bem a qualquer político defender a redução do número de deputados, cortes na despesa do parlamento ou a redução dos ordenados dos políticos, esta última foi mesmo a medida que Passos Coelho exigiu como condição para viabilizar as medidas de austeridade.

O que não fica nada bem é um dirigente partidário superar as dificuldades financeiras do seu partido ou muito simplesmente aumentar o seu staff recorrendo a truques para que sejam os contribuintes a pagar a despesa. Disfarçar a sua equipa de assessores disfarçando-os de assessores parlamentares é algo mais do que um abuso, é uma fraude porque os contribuintes pagam as assessores da Assembleia da República para melhorar a qualidade do que se faz no parlamento e não para ajudar a promover um líder partidário.

Se Passos Coelho quer ser o modelo que pretende dizer que é deve recuar nesta fraude e recolher os seus assessores à sede do PSD pagando-lhes com fundos do PSD e não com o dinheiro dos contribuintes tão sacrificados. Não só deve fazê-lo por se tratar de uma forma grave, como não lhe ficaria mal pedir desculpa aos portugueses, até porque estes gestos de humildade não devem servir apenas de truques de imagem para efeitos eleitorais.

(Imagem do "Câmara Corporativa".

ONDE ESTARÃO OS MEUS AMIGOS ESPANHÓIS?

No dia em que o FCP jogou em casa do Manchester United na Liga dos Campeões na época em que alcançou o título liderado por José Mourinho estava em Roterdão num seminário, vi o jogo na companhia da delegação espanhola composta maioritariamente por adeptos do Real Madrid.

Da Liga a conversa foi parar ao Europeu e quando lhes disse que havia um jogador chamado Ronaldo que deveriam ter em consideração riram-se, até brincaram com o nome comparando-o como o de Ronaldinho, que nesse tempo jogava na equipa madrilena. Nunca mais os vi, mas por vezes interrogo-me se terão voltado a lembrar-se dessa conversa, Portugal ganhou à Espanha nesse Europeu com a ajuda de Ronaldo, mais tarde o Real Madrid deu uma fortuna para comprar o jogador português e para a próxima semana vão fazer uma festa por terem contratado José Mourinho.

As voltas que a vida dá.

CAVACO SILVA, O PARLAMENTO E O TGV

Desde que o PS deixou de contar com uma maioria Cavaco Silva tornou-se um adepto das decisões parlamentares. Será que agora que o parlamento votou contra a suspensão da construção do TGV Cavaco Silva muda de discurso em relação a este projecto?

SEM ALEGRIA

«Desde 2006 que sabemos isto: Cavaco tem a intenção de fazer um segundo mandato. E é inevitável que o seu pessoalíssimo projecto de poder implique que nessa segunda estada em Belém tente explorar todas as virtualidades da indefinição que a Constituição portuguesa prescreve para a função, coisa que nenhum presidente fez até hoje mas que nem por isso está indisponível.

Acresce a isso - e por motivos que decerto se prendem com as características do seu projecto, plenamente desvendadas nestes quatro anos nos quais logrou suplantar as mais cassandricas previsões - que Cavaco tem sido apontado como o primeiro presidente em democracia a correr o risco de não ser reeleito. O que implicaria, em princípio, uma entusiástica movimentação de interessados e respectivos apoios. » [DN]

Parecer:

De Fernanda Câncio.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O CASO DE ESTUDO DO "SPECIAL ONE"

«Apanhei-me a ler a entrevista de José Mourinho ontem publicada pelo jornal desportivo AS, saboreando as respostas. No dia anterior, tinha ouvido Mozer numa tertúlia televisiva. O brasileiro convivera com Mourinho nos dias do Benfica, quando o ainda não Special One começava a carreira de treinador sozinho. "Fiquei admirado com o que ele sabia, como os melhores", disse Mozer, que varreu isso como se fosse menor porque quis sublinhar: "O mais importante, mesmo, é que ele era mais inteligente 'que' todos." Ser mais inteligente de todos é uma presunção, ser mais inteligente que todos é um estatuto ganho por múltiplas provas. Afinal já era o Special One... As fotos destes dias de Mourinho revelam um homem que passou por um risco. Ou, como as fotos, aquela cena, que poderia ser fingida, de se abraçar a um jogador a chorar. A verdade é outra, é de um tipo que jogou tudo e está, por estes dias, na ressaca. O presidente do Inter topou-o, nem o tentou reter porque o que tinha para dar era dinheiro e o que o outro queria era saber, outra vez, onde ir mais longe. José Mourinho tem um desafio consigo próprio. Isso acontece com muito boa gente e geralmente é lamentável de se ver. Agora, quando um tipo se lança reptos e os ganha sucessivamente é admirável. Dá-nos um desejo inconfessável: já agora, deixa-me ver quando ele bate contra a parede.» [DN]

Parecer:

De Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

E A PT VENCEU A TELEFÓNICA...

«O ataque da Telefónica à PT fracassou. Não à custa da “golden share” do Estado nem por causa de centros de decisão nacional do BES. Mas porque um investidor sem temperaturas nem pátrias está contra a oferta. A PT venceu a Telefónica no mercado.~

A Brandes é um fundo de investimento gigante, um investidor institucional com 8% da PT, o terceiro maior da empresa. Se quiser, chame-lhe “um especulador”. Em declarações ao Negócios, a Brandes recomenda que PT e Telefónica se entendam, o que é um pontapé na virilidade espanhola. Mais do que isso: a Brandes diz que a proposta de 5,7 mil milhões de euros pela posição da PT na Vivo incorpora um prémio elevado “mas não reflecte a estratégia de longo-prazo e o valor operacional da Vivo para a Telefónica”.

Este é precisamente o argumento que a administração da PT usou para recusar a oferta da Telefónica. E é aceite por um fundo de investimento que serve de farol a outros dos que, como ele, só olham para um critério: dinheiro. » [Jornal de Negócios]

Parecer:

De Pedro Santos Guerreiro.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PARA O MUNDO E EM FORÇA

«Escrevo normalmente à terça e quarta, dia de entrega. A velocidade das notícias, que acelera quando se aproxima o fim de semana por causa dos semanários, não permite que os textos tenham grande atualidade. Mesmo assim acompanho diariamente a informação, leio jornais, vejo telejornais. Faço-o por uma espécie de sentido do dever, já que o exercício é tudo menos aliciante.

Os portugueses, vá-se lá saber porquê, são dados aos piores defeitos. A inveja, a má-língua, o preconceito, o derrotismo. Gostam muito de falar, sobretudo mal, mas pouco de fazer. Essas características invadiram praticamente todo o espaço mediático. É muito raro ler ou ver algo realmente interessante, aprender qualquer coisa de novo ou simplesmente ter acesso a uma informação útil e estimulante. Jornais e tempos de antena são quase inteiramente preenchidos por más notícias, profetas da desgraça e insídias. A alarvidade também aumentou muito nestes últimos tempos. As poucas coisas positivas que vão aparecendo limitam-se à promoção e venda. Hoje, em Portugal, só existem sorrisos nos anúncios.

Dirão que a culpa é da crise. Não há boas notícias para dar. Mas, na verdade, a crise é uma condição do ser português. Com ela ou sem ela o negativismo predomina. Uma das frases preferidas dos portugueses é dizer que isto está mal, mas ainda vai ficar pior. Por cá adora-se este tipo de disparatadas profecias.

Felizmente nem todos se comportam assim. Os media, como sempre, só transmitem um lado da história. Um número significativo de portugueses vai descolando, literalmente, do país. E digo literalmente porque ao invés da maioria que não consegue pensar para lá das historietas do burgo, começam a ser muitos os que já vivem no mundo. Não é por acaso que as exportações têm vindo a crescer, em vários setores e de forma substancial. Já lá vai o tempo em que a única coisa que se encontrava fora de Portugal era o Mateus Rosé. Agora, para além dos produtos tradicionais como os têxteis ou o calçado, temos construção, tecnologia, comunicação, energia, inovação, cultura. Quem viaja dá-se conta da presença de nomes familiares em vários pontos do globo. São muitos os portugueses que obtêm reconhecimento internacional na política, nos negócios, nas artes, no desporto e não só no futebol. A perceção local de que isto não tem saída nem futuro, não é a mesma que os outros têm sobre nós.

Temos de facto um problema de pequenez. Para além das tão faladas incongruências estruturais, qualquer atividade económica, científica ou cultural que se queira realmente afirmar debate-se com essa questão. Dez milhões de habitantes, não é nada. Ainda para mais, com um nível de pobreza que impede a participação ativa de uma parte considerável da população. Não temos escala.

Mas a pequenez não é um problema em si mesmo. Outros países têm uma dimensão similar ou menor. A pequenez só é um obstáculo quando se vira para si mesma. Quando se pensa como limite. De resto, estamos no mesmo sítio de toda a gente. No planeta Terra.

O mundo já foi uma vez o nosso destino. Volta a sê-lo. Só é preciso ter uma grande vontade. Até porque a situação não é tão negra como a pintam. Portugal é um bom sítio para trabalhar. O clima e a vida quotidiana, ajudam. Temos também alguns talentos naturais, como jeito para falar outras línguas e uma postura de abertura e simpatia. Se a isto juntarmos ambição e criatividade, a pequenez transforma-se facilmente numa boa plataforma de exploração planetária.

O território já não é geográfico, é mental e comunicacional. Estar no mundo não significa estar num determinado lugar, mas agir sobre o que circula, partilhar ideias, realizar coisas que se disseminam por toda a parte. É preciso fazer parte da conversa como diz com frequência uma amiga americana. Estar no mundo é uma atitude, mais do que uma diáspora.

Por isso toda esta choramingueira, os rancores, os ódios, a mediocridade, o primitivismo das ideias e das palavras, que dia após dia enchem papel, olhos e ouvidos, já fartam. Não há paciência para o Portugal derrotado.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

De Leonel Moura.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

'NO NAME BOYS' VÃO TER SECÇÃO NAS CADEIAS

«O acórdão proferido esta sexta-feira pelo coletivo de juízes da 5.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa sobre o processo dos No Name Boys determinou 11 penas efectivas, a maior das quais de 12 anos, oito absolvições e 19 condenações com penas suspenas. » [CM]

Parecer:

É tempo de livrar o futebol português de marginais que transformam a ida a um estádio num gesto menos recomendável. As claques podem ser saudáveis desde que não se deixem infiltrar por criminosos.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprovem-se as penas.»

MOURINHO APRESENTADO COMO ESTRELA

«Madrid está a postos. A postos para mais um acto hollywoodesco encenado por Florentino Pérez e que terá José Mourinho como actor principal e o Santiago Bernabéu como palco privilegiado, pois tudo se conjuga para que o treinador português seja apresentado em pleno relvado com as bancadas compostas por adeptos, embora a data ainda esteja por definir - as previsões apontam para terça--feira. Um cenário que não é inédito nos merengues, mas que desta feita prima pela inovação por se tratar, não de um atleta, mas de um treinador, algo muito pouco habitual. Uma cerimónia especial marcará, portanto, o primeiro dia de Lo Speciale no Real, que antes mesmo da primeira subida ao relvado do Bernabéu terá de cumprir o habitual acto de assinar o contrato que o vinculará ao clube para as próximas quatro épocas.» [DN]

Parecer:

Longe vão os tempos em que Mourinho foi corrido do Benfica e um director desportivo do Sporting se ter demitido depois de o ter tentado contratar contra a vontade dos sportinguistas que pretendiam um treinador adepto do clube. O Benfica acabou por chegar ao título, mas com o Sporting foi o que se viu.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelo espectáculo.»

GOVERNO CONVIDA A MAIS UM ATAQUE POPULISTA

«Os concelhos do interior do País estão em risco de ver reduzido o ensino básico a três escolas. A estimativa é do Sindicato dos Professores da Região Centro depois de conhecidas as negociações entre o Ministério da Educação e a Associação Nacional de Municípios para o encerramento de todas as escolas com menos de 20 alunos.

As negociações entre aquela associação e o Ministério da Educação (ME) já estão a decorrer e foram ontem confirmadas ao DN por Fernando Ruas, que assumiu a intenção do Governo de "encerrar escolas do ensino básico com menos de 20 alunos". » [DN]

Parecer:

O PS arrisca-se a ter os votos dos seus dirigentes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver a onda de populismo que esta medida vai gerar.»

IGREJA CATÓLICA DESILUDIDA COM CAVACO

«"Já não lhe exigíamos que fosse tão longe como o rei da Bélgica, que abdicou por um dia para não assinar uma lei que não queria assinar. Mas se o fizesse [o veto] ganhava as eleições." A frase é do cardeal-patriarca de Lisboa, em entrevista ontem à Rádio Renascença e é um espelho contido das profundas divisões no eleitorado católico. O choque pela promulgação do casamento entre homossexuais no seio de algum eleitorado natural de Cavaco Silva vai ao ponto de alguns questionarem se o Presidente da República (PR) não pôs em causa a reeleição. » [i]

Parecer:

A verdade é que Cavaco fez a opção que fez a pensar nos votos do centro, convencido de que o voto dos mais conservadores está mais do que certo.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pelas presidenciais.»

SANTANA JÁ FALA DE OUTRO CANDIDATO PRESIDENCIAL DA DIREITA

«Santana Lopes está desiludido com a atitude do Presidente. Para o antigo secretário de Estado de Cavaco, o dossiê presidenciais está em análise. "On verra! Sabe-se lá se aparece outro candidato?!", diz» [i]

Parecer:

Não me admiraria nada que agora que o PSD está convencido de uma vitória eleitoral nas próximas legislativas prescinda de Cavaco Silva.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»

OS SUPERIORES INTERESSES DE PORTUGAL

«O Presidente da República, Cavaco Silva, recusou, esta sexta-feira, comentar críticas do cardeal patriarca de Lisboa à promulgação da lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo, frisando que as suas decisões visam os «superiores interesses de Portugal».

«Eu sou Presidente de Portugal e em todas a minhas decisões eu pondero os superiores interesses de Portugal, em particular naqueles actos que não têm efeitos práticos», declarou Aníbal Cavaco Silva aos jornalistas, no final de uma visita a Coimbra. » [Portugal Diário]

Parecer:

Grande Cavaco, abdica dos seus valores em nome dos superiores interesses da nação.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

YURI BIRD

sexta-feira, maio 28, 2010

O monstro alimentado pela teta estatal

Se perguntassem a todos os dirigentes e responsáveis do Estado que indicassem que meios seriam imprescindíveis para o desempenho do Estado o país iria À falência de um dia para outro para lhes satisfazer as necessidade prioritárias, poucos ou nenhum diria que estava satisfeito ou que deveria prescindir de aumentar a despesa em tempos de crise.

Os generais queixar-se-iam da falta de soldados, ordenanças e tanques sem os quais o país não poderia assegurar a sua defesa ou honrar os seus compromissos externos, os almirantes pediriam mais submarinos, uma ou outra fragata e alguns navios patrulhas. Os magistrados chamariam a atenção para a necessidade de garantir a dignidade da justiça, pediriam mobílias compatíveis com o seu alto estatuto, a conversão de alguns palacetes em tribunais, uns tapetes de Arraiolos e subsídio de viatura para que o país não ter se envergonhar por ver os seus juízes ficarem sem carro na inspecção automóvel. Os professores pediriam menos horas lectivas, subsídios de deslocação, a equiparação do topo da carreira aos juízes do Supremos e mais uma série de condições indispensáveis para assegurar a qualidade pedagógicas das nossas escolas.

Pior ainda, se pedisse aos dirigentes do Estado para paralisar toda a actividade que tivesse relação com a área do negócio dos seus serviços continuariam a queixar-se da falta de meios. Para manter um imenso Estado que vive produzindo burocracia para se alimentar a si próprio é necessário manter uma imensa estrutura especializada em produzir inutilidades e em satisfazer falsas necessidades, os serviços de recursos humanos continuariam a crescer, a imagem continuaria a ser produzida a bom ritmo, o batalhão de secretárias continuaria a aumentar a bom ritmo. Enfim, cada serviço do Estado quer ter os seus submarinos, não servem para nada mas são indispensáveis para dar credibilidade e assegurar o bom desempenho dos serviços.

À sombra deste monstro e alimentando-se das suas generosas tetas vive uma imensidão de gente, “altos dirigentes” especializados na gestão da treta burocrática, magistrados dos mais diversos tribunais, incluindo os altos especialistas da gestão da burocracia arvorados em juízes do TC, generais e almirantes, uma classe de sindicalistas pagos pelos contribuintes, a que se junta a classe de novo ricos formada pelos jotas, sobrinhos, sobrinhas e afilhados dos membros do governo e dos dirigentes dos diversos escalões dos partidos.

Alimentado por uma imensa elite que se alimenta da teta estatal e que enriqueceu e se multiplicou à custa do esbanjamento do dinheiro dos contribuintes este monstro ganhou vida próprio e não para de crescer.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Pormenor da calçada da Avenida da Liberdade, Lisboa

PORTUGAL VISTO PELOS VISITANTES D'O JUMENTO

Mosteiro de Alcobaça (fotografia de A. Cabral)

IMAGEM DO DIA

[Sean Gardner-Reuters]

«An oil-covered green heron looks out from a carrier held by a member of Louisiana's Wildlife and Fisheries Department. The heron was found in Pass-a-Loutre near Venice.» [The Washington Post]

JUMENTO DO DIA

Carlos Garcia, presidente da Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da Polícia Judiciária

Digamos que afirmar que os casos foram julgados iliba as polícias portuguesas equivale a assegurar que os métodos mudaram por obra dos acórdãos de dois juízes. Convenhamos que os métodos e as mentalidades não mudam e o facto de não terem surgido novos casos mediáticos não serve de garantia de que tudo está bem.

«No seu relatório de 2010 sobre a situação dos Direitos Humanos no mundo, a Amnistia Internacional (AI) refere, no que diz respeito à situação em Portugal, que as investigações sobre denúncias de torturas cometidas por polícias prosseguiram de modo lento em Portugal no ano passado, com "evidências de impunidade".

Na abordagem da situação nacional, relativamente a tortura e outros maus tratos, a AI refere os casos de Leonor Cipriano (mãe de Joana, menina desaparecida no Algarve em 2004) e de Virgolino Borges (funcionário da CP suspeito de roubo).

No relatório lê-se que em 2009 prosseguiram as investigações criminais sobre estas denúncias contra agentes policiais e recorda-se que o Tribunal Penal de Faro pronunciou a sentença do caso de Leonor Cipriano, reconhecendo que havia sido torturada sob custódia policial em 2004.

"Parece-me que o relatório da Amnistia está a lavrar um erro, porque é conhecido e público que o caso a que se refere da senhora Cipriano já foi julgado e todos os colegas foram absolvidos desse crime. As condenações que estão pendentes nada têm a ver com tortura", contrapôs o presidente da ASFIC, contactado pela agência Lusa.» [Público]

SERÁ QUE SÓCRATES TELEFONOU AO REI DE ESPANHA PARA A TELEFONICA COMPRAR A PT?

Não falta por aí gente com imaginação para lançar a dúvida ou será que agora dizem que é coisa do mercado?

A TORDESILHAS DE ZEINAL BAVA

«O Tratado de Tordesilhas (1494) dividiu entre Portugal e Espanha "as terras descobertas e por descobrir". No negócio o que contava era o "por descobrir" e o que contava mais era a alma do negócio, o segredo. E, aí, Portugal sabia o que os outros nem suspeitavam. Empurrou as futuras propriedades de Espanha para lá (para Oeste) de uma linha imaginária marcada a 370 léguas das ilhas de Cabo Verde. Isto é, para cá, connosco, ficou o Brasil. Foi o melhor negócio do mundo, ainda o Mundo não existia, nem o Brasil. 500 anos depois, a portuguesa PT e a espanhola Telefónica fizeram um tratado para dividir o "por descobrir" dos telemóveis brasileiros. Menos sábia e poderosa que D. João II, não deu à PT para aldrabar os espanhóis e fez um negócio de fifty-fifty numa operadora de telemóveis. Esta, a Vivo, mostrou-se mais viva do que se supunha, e abriu apetites em tempos de carência. A Telefónica, com os negócios estagnados nos outros sítios, precisava de crescer para não morrer. Ora, onde se cresce, hoje em dia, é para cá da linha inventada em Tordesilhas, nos territórios da Vivo. "Quero-a toda", disse, a bem, a Telefónica, abanando com fortes notas. "Quero-a toda", repete agora, a mal, ameaçando com OPA. Estes tempos em que metemos reis sucessivos no Real Madrid e fazemos finca-pé à própria Madrid estão mais animados do que eu esperava.» [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

ASSASSINO EM SÉRIE: DA TESE À REALIDADE

«O suspeito detido pela polícia britânica na quarta-feira por envolvimento no homicídio de pelo menos três prostitutas em Bradford, Yorkshire, no norte de Inglaterra, foi filmado por câmaras de segurança, revelou esta quinta-feira o 'Daily Mail', que avança ainda a identificação do presumível assassino em série. Trata-se de Stephen Griffiths, de 40 anos, e foi preso depois de pedaços do cadáver de uma das vítimas, Suzanne Blamires, de 36 anos, serem descobertos a boiar no rio Aire.

Segundo o 'Mail', Griffiths afirma ter um doutoramento em psicologia e estar a terminar outro em criminologia, na Universidade de Bradford. Um vizinho terá dito que o tema da sua tese era Jack o Estripador, o famoso assassino de prostitutas que aterrorizou Londres no final do século XIX. » [CM]

A JORNALISTA QUE FEZ MESMO M...

«A jornalista da RTP1 Carla Trafaria cometeu uma gaffe em directo, no programa 'Bom Dia Portugal' desta quinta-feira. Sem se aperceber que o microfone estava ligado e enquanto uma peça estava no ar, a pivô deixou escapar: "Boa m... que eu acabei de fazer." » [CM]

Parecer:

É coisa que anda muito boa gente a fazer neste país.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Diga-se à jornalista que a continue a fazer, com os jornalistas que temos ninguém vai reparar nem levar a mal.»

O RONALDO FEZ AQUECIMENTO ANTES DA SELECÇÃO

«Foram apenas cinco dias mas aproveitados ao máximo. Antes de se juntar à selecção nacional na Covilhã, Ronaldo teve direito a umas miniférias na Córsega e com uma companhia especial. A nova conquista do internacional português chama-se Irina Shayk e é uma modelo russa de 24 anos. A jovem esteve exposta por Portugal inteiro nos cartazes de promoção da marca de lingerie Intimissimi. Diz a imprensa internacional que Irina foi casada com Rob Bourdon, dos Linkin Park.» [CM]

Parecer:

É uma pena que a russa não tenha jogado contra Cabo-Verde, talvez o Ronaldo tivesse mostrado mais interesse.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao Queiroz que contrate a menina, o que não seria novidade na selecção.»

BELMIRO DE AZEVEDO ACUSA GOVERNO DE FALTA DE TRANSPARÊNCIA

«"[É necessária] essa cultura de transparência nas decisões importantes do Governo português. Não podem ser propostas decididas em gabinetes com paredes de betão, tem que ser em gabinetes com paredes de vidro, para que toda a gente saiba que o bem público é algo que tem de ser protegido, com muita transparência", afirmou o empresário, citado pela agência Lusa.» [CM]

Parecer:

Pois, o ideal é que as decisões fossem tomadas nos gabinetes da SONAE, principalmente quando estão em causa interesses da SONAE.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mande-se um garrafão de água de malvas a Belmiro de Azevedo.»

PORTUGAL NÃO É UM PAÍS DE CORRUPTOS

«O PGR referiu que é preciso combater o crime com a ajuda de todos os intervenientes: polícia, Ministério Público, entidades reguladoras, administração pública e local. É preciso repensar a forma de articulação entre estes intervenientes, apelando ao diálogo, pois caso este não seja alcançado terá efeitos “nefastos”.

O conteúdo do diploma de combate à corrupção tem boas medidas mas na sua opinião é preciso que “haja efectiva vontade política de a combater”, insistindo para que a população denuncie os crimes, pois o grau de criminalidade participada é menor do que a praticada.

O presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP), João Palma, concorda com afirmação de que Portugal não é um país de corruptos mas na sua opinião “há corruptos a mais em Portugal”. »
[CM]

Parecer:

O mais curioso é o comentário do senhor Palma, o grande lavrador alentejano que segundo Ângelo Correia é militante do PSD.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao sr. Palma se está a pensar nos corruptos que entregam processos em investigação aos jornalistas a troco de favores monetários, políticos ou outros, como muito bem definiu Garcia Pereira.»

O GOVERNO USARÁ A GOLDEN SHARE NA PT PARA TRAVAR TELEFONICA

«O primeiro-ministro José Sócrates afirmou hoje que o Governo português quer uma "PT grande, uma PT com escala", acrescentando que para Portugal a operadora é uma empresa estratégica, razão pela qual o Estado tem uma 'golden share', que, "se for necessário, utiliza-se".

"Para Portugal, a PT é uma empresa estratégica. É por isso aliás que temos uma 'golden share'. É para nós estratégica se for uma empresa grande, se tiver uma ambição de participar naquilo que é a economia global, de estar presente em vários continente, como está a PT, presente em África, no Brasil", disse o primeiro ministro, que falava em São Paulo.» [DN]

Parecer:

Veremos o que dirão agora alguns opositores da golden share.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se e, entretanto, pergunte-se a Passos Coelho se é contra a golden share..»

DESTRUÍDO O LADO OCULTO DA FACE OCULTA

«O juiz presidente da Comarca do Baixo Vouga, Paulo Brandão, reafirmou hoje que a ordem para destruição das escutas envolvendo o primeiro ministro no âmbito do processo "Face Oculta" foi "integralmente cumprida".

Segundo Paulo Brandão, a ordem do presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Noronha Nascimento, "abrange apenas as certidões e a extensão processual" que saíram do Tribunal de Aveiro.» [DN]

Parecer:

Enfim, devem existir umas 20 cópias por aí espalhadas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Quem não tem uma cópia que ponha o braço no ar.»

DIRECTOR DO SOL ESTÁ "À RASCA"

«O responsável do semanário disse ontem ao DN ter dúvidas sobre se terá de pagar dez mil euros por cada violação. "Se assim for, ficarei arruinado", disse, adiantando que "esse cenário colocava-nos um problema complicadíssimo: impossibilitava-nos ad eterno a publicação de escutas que envolvessem Rui Pedro Soares".

Defendendo a publicação das transcrições das escutas como única forma de tornar perceptível algumas das peças jornalísticas publicadas, José António Saraiva referiu ainda que os jornalistas vão recorrer até às últimas instâncias e destacou o facto de "o direito internacional, nomeadamente o europeu, privilegiar o direito à informação".» [DN]

Parecer:

Este artista auer transformar uma peça de investigação criminal que só pode ser produzida a título excepcional numa peça jornalística de uso corrente.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Condene-se o artista.»

HOJE LISBOA VIU POLÍCIAS NA RUA

«
A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP) realiza hoje, em Lisboa, uma manifestação contra o novo estatuto profissional que considera "agravar as injustiças" na corporação.

A manifestação começa às 17:30 no Marquês de Pombal, dirigindo-se depois para a Praça do Comércio, onde se situa o Ministério da Administração Interna, onde será entregue um memorando ao ministro Rui Pereira, com as alterações que a ASPP - o maior sindicato da PSP - pretende ver feitas no estatuto. » [DN]

Parecer:

O facto de as manifestações dos sindicatos da PSD surgirem sempre encostadas a iniciativas política do PCP só lhes retira credibilidade. Começa a ser habitual os polícias manifestarem-se sempre que Jerónimo de Sousa ameaça com acções de rua.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Eu também vi, mas foi uma carripanha velha da PSD destruir um lindo BMW.»

PS DIVIDIDO NO APOIO A ALEGRE

«Mais de três horas de reunião. 23 intervenções (contando com José Sócrates e Francisco Assis). No final, alguém fez as contas. 13 discursos pró-Manuel Alegre; sete contra; um (do deputado Fernando Jesus) advogando que o PS não estava obrigado a apoiar ninguém. E dois silêncios tácticos: o de Francisco Assis (que já tinha dito anteriormente que apoiaria Alegre) e o de José Sócrates.» [DN]

Parecer:

Enfim o paladino da unidade da esquerda só conseguiu unir o BE.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se campanha contra o novo "Otelo" do Bloco de Esquerda.»

PT PRETENDE LANÇAR CONTRA-OPA SOBRE A VIVO

«A Portugal Telecom está em conversações com investidores do Médio Oriente e da Ásia para o lançamento de uma possível contra-OPA sobre a participação da Telefónica na brasileira Vivo.

"Posso afirmar com certeza absoluta que existem muitos investidores do Médio Oriente e da Ásia interessados", afirmou o presidente do Banco Espírito Santo de Investimento (BESI), José Maria Ricciardi, citado pela Bloomberg sem avançar com nomes dos investidores.» [DE]

Parecer:

Agora ninguém fala mal do Zeinal Bava e da PT.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aprove-se a estratégia da PT.»

O EXEMPLO DE CONTENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS

«O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Sérgio Vasques, está a pagar à jurista nomeada para o seu gabinete 4088 euros por mês, mais do dobro do vencimento de muitos dos juristas do ministério das Finanças, apurou o Correio da Manhã.

Mafalda Coelho Moreira, 27 anos, foi nomeada por Sérgio Vasques dia 6 de Maio.» [i]

Parecer:

No fisco há centenas de juristas competentes e especialistas na matéria, a contratação desta jurista júnior é uma ofensa aos milhares de funcionários do fisco.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investiguem-se os laços de amizade e/ou familiares da rapariga.»

ANATOLY KALASHNIKOV

AA - ALCOHOLICS ANONYMOUS