sábado, junho 19, 2010

Não é este o país que eu quero

Como se pode explicar que o país crie muito mais riqueza do que há trinta anos e dê aos mais jovens, com ou sem formação universitária, um estatuto equivalente ao de uma empregada doméstica?

Que desenvolvimento é este onde há de tudo à borla, desde a consulta de urgência que de urgência nada tem às portagens da auto-estrada, onde quem não quer trabalhar recebe casa e rendimento mínimo, onde os pensionistas ganham mais do que quando trabalhavam e os jovens chegam aos quarenta anos de emprego precário em emprego precário?

O que fizemos e fazemos à riqueza que o país cria? Vejo montes de gente a defender aquilo que dizem ser direitos adquiridos, até já vi um ministro das Finanças receber uma pensão absurda paga pelo Banco de Portugal justificá-la invocando que se tratava de um direito adquirido, enquanto as novas gerações ao mesmo tempo que pagam os direitos adquiridos dos outros são obrigados a viver sem direitos.

É verdade que o país está mais moderno, que tem melhores infra-estruturas, até vai ter aeroporto novo e TGV, tem estádios maravilhosos onde ninguém vê futebol, tem hospitais modernos para tratar dos mais velhinhos, tem tudo do bom e do melhor. Mas os mais jovens não têm carro para andar nas auto-estradas, não têm dinheiro para ir de TGV até Madrid e como são jovens nem precisam de ir aos hospitais novos. Em contrapartida têm a casa dos pais para viver, têm recibos verdes e têm um prazo no termo do qual serão despedidos e como se tudo isto não bastasse têm uma imensa dívida pública por pagar e um desequilíbrio externo crónico por corrigir.

As gerações que governaram o país amanharam-se, em nome da democracia encheram-se de direitos, direito dos funcionários à reforma antecipada, direito dos magistrados a subsídios de residência isentos de impostos, direito dos administradores do Banco de Portugal e das empresas públicas a pensões absurdas, direitos dos gestores a ficar com os carros depois de terminado o leasing, direito dos mais preguiçosos a confundirem-se com os pobres e receberem o rendimento mínimo.

Os políticos especializaram-se em ganhar votos a troco da manutenção dos direitos adquiridos e, se a dívida pública ainda o permitir, a alargarem esses direitos. Os autarcas desdobram-se em apoios aos mais velhinhos, desde visitas a Fátima até levar os velhotes a lançar na Expo depois de um passeio de avião. Em vez de investirem em escola aposta nos lares pois as crianças não votam, as crianças que daqui a uns anos serão trabalhadores ainda mais precários do que o que são os jovens de hoje.

Há que repensar esta combinação entre modelo económico, geração de empresários oportunistas e políticos incompetentes, não faz sentido que quanto mais riqueza cria um país piores são as expectativas para os mais jovens. É preciso parar para pensar.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Joalharia de rua, Lisboa

PORTUGAL VISTO PELOS VISITANTES D'O JUMENTO

Janela do Redondo (imagem de A. Cabral)

JUMENTO DO DIA

Cavaco Silva

Cavaco Silva tem razão ao afirmar que José Saramago será sempre uma referência, será uma referência do obscurantismo cultural que não hesitou em censurar aquele que viria ser prémio Nobel da literatura. Será mais uma referência do cinismo do cavaquismo que recusa uma pensão a Salgueiro dando a um PIDE e que quando chega a Presidente vai a correr a Santarém prestar homenagem ao capitão de Abril, o mesmo cavaquismo que desprezou Saramago como primeiro-ministro e apressa-se a homenageá-lo como Presidente da República.

«O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, disse esta sexta-feira numa mensagem enviada à Comunicação Social que o Nobel da Literatura, José Saramago, "será sempre uma figura de referência da nossa cultura".

"Escritor de projecção mundial, justamente galardoado com o Prémio Nobel da Literatura, José Saramago será sempre uma figura de referência da nossa cultura", afirma o Chefe de Estado.

"Em nome dos Portugueses e em meu nome pessoal, presto homenagem à memória de José Saramago, cuja vasta obra literária deve ser lida e conhecida pelas gerações futuras", acrescenta Cavaco Silva, endereçando condolências à família do escritor. » [CM]

GINGA PELÉ

CRÓNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA

«A Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso PT/TVI está morta e enterrada. Como escrevi logo no início de Abril, a comissão corria o risco grave do fracasso, devido à sua constituição tardia, tendo sido antecedida por uma inútil e impertinente "investigação preliminar" na Comissão de Ética. E, como também já escrevi em Maio, esse risco tornou-se ainda mais palpável quando se tornou óbvio que a comissão não poderia trabalhar com todos os elementos de prova à sua disposição. O resultado final não podia ser outro: o fracasso de uma comissão que não proporcionou aos portugueses uma explicação plausível para factos que põem em causa um pilar da democracia, a liberdade de imprensa.

Não obstante os esforços louváveis de alguns dos seus membros, os trabalhos da comissão padeceram de erros metodológicos que levaram em linha recta ao insucesso final. A "investigação preliminar" permitiu a articulação de depoimentos. A alegação infundada de regimes de sigilo esvaziou o dever de prestar depoimento. A falta da acareação entre certas testemunhas deu azo a contradições insolúveis que ficaram por resolver. A omissão da inquirição presencial do primeiro-ministro na comissão, como a Constituição prevê, deixou em aberto as questões políticas mais importantes que só o contraditório directo poderia esclarecer. Por fim, o silêncio sepulcral sobre meios de prova fundamentais pedidos pela própria comissão e prontamente colocados à sua disposição pelo poder judicial, para além de politicamente insustentável, é processualmente injustificável, porque não permitiu o confronto das testemunhas com todos os meios de prova disponíveis. » [DN]

Parecer:

Paulo Pinto de Albuquerque dá uma lição de investigação aos deputados da comissão de inquérito parlamentar, a primeira e pior parte da lição é a sua afirmação da presunção de culpa do arguido.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Paulo Pinto de Albuquerque de onde vem tanta certeza, também leu as escutas?»

A CONTAGEM DE CRUCIFIXOS

«Os partidos adoptaram, sabe-se, a expressão "contar as espingardas". Acontece quando se quer adivinhar, antes de ir a votos, quantos são arrastados por um líder ou uma facção. Geralmente sucede no ambiente quente dos congressos e a prática tem mais de póquer (bluff) do que de real contagem de forças. Também o país católico está, como já repararam, em pleno processo de "contar os crucifixos". Ao cardeal-patriarca deu-lhe para mensagens subliminares, a Santana Lopes deu-lhe para se chegar à frente, a Bagão Félix deram- -no como candidato e cem senhoras deram pela necessidade de alguém que "represente um povo maioritariamente católico". O moinho que move todas estas dádivas parece ser a promulgação por Cavaco Silva dos casamentos gay. Mas como acontece amiúde nas causas incertas este moinho é de vento. Ninguém quer abater Cavaco, com excepção da esquerda que esfrega naturalmente (e ilusoriamente) as mãos com esta imprevista divisão da direita. O que querem os promotores desta agitação é fazer prova de vida. Estes católicos não estão a pedir que se conte com eles, estão a dizer: "Contem-nos." Não um a um, com ábaco ou mesas de voto, mas no domínio da fé que lhes é próprio: eles contam com a mistificação de serem tomados pelas multidões que receberam o Papa. » [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

CRIATIVIDADE?

«A criatividade virou moda. Até o Presidente da República, que não é propriamente um vanguardista, já fala de criatividade e indústrias criativas como receita para resolver alguns dos nossos problemas estruturais. Para quem, como eu, anda às voltas com o assunto há décadas esta parece ser uma boa notícia. Mas, não sei. Depende. Não basta enunciar palavras. É preciso entender o que elas realmente significam. E ser consequente.

Não é criativo quem quer. Uma pessoa não se torna subitamente criativa através de um simples ato de vontade. Às condições ambientais, de que falou Florida com os seus 3 T's - Tecnologia, Talento e Tolerância -, é preciso acrescentar algumas qualidades dos próprios. A criatividade exige conhecimento e irreverência. O que pode parecer uma contradição. Há quem imagine que um ensino para a criatividade é deixar os alunos à solta a fazer o que lhes apetece. Não é. O saber é objetivo e tem que ser transmitido e aprendido com todo o rigor. Só a partir dessa base é possível partir para a experimentação, outra das componentes do saber. Uma escola para a criatividade tem de conseguir combinar o conhecimento puro e duro com a exploração aleatória da tentativa e erro.» [Jornal de Negócios]

Parecer:

Por Leonel Moura.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O MAU PERDER DE PACHECO PEREIRA

«Pacheco Pereira, o único deputado do PSD que consultou os resumos das escutas da Face Oculta enviadas à comissão, chegou a conclusões bem claras e desferiu um forte ataque ao PS, a Mota Maral e aos restantes partidos da comissão que não quiseram ver este documento.» [CM]

Parecer:

Afinal esta comissão tinha sido uma encomenda da sua tutora Manuela Ferreira Leite.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se um sorriso amarelo.»

CUMBO COLECTIVO NA ORDEM DOS ADVOGADOS

«O bastonário Marinho e Pinto barrou a entrada da maioria dos candidatos à Ordem dos Advogados (OA) deste ano ao chumbar 88% dos recém-licenciados.

Dos 275 que fizeram exame de acesso ao estágio profissional em Março - criado em Janeiro por Marinho e Pinto - foram apenas 33 os que foram aprovados e que poderão agora inscrever-se na OA para iniciarem o estágio em Setembro. Os restantes terão de repetir o exame nessa altura. Dos 12% de alunos aprovados, 21 são da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e apenas dois de uma universidade privada, a Católica de Lisboa (ver caixa).» [Diário de Notícias]

Parecer:

Quem chumbou? As universidades, os candidatos a advogado ou a Ordem dos Advogados.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Apure-se.»

ACUSAÇÃO DE HOMICÍDIO QUALIFICADO PARA POLÍCIA QUE BALEOU MC

«O polícia que baleou mortalmente o rapper conhecido por MC Snake vai ser acusado de homicídio qualificado. O processo de inquérito, concluído em apenas dois meses, concluiu que três segundos separaram o disparo de aviso, para o ar, e o tiro fatal.

Para o Ministério Público (MP) estes factos demonstram que "o agente da PSP é o autor material do crime", conta o sítio online da TVI24. A actuação de do polícia Nuno Moreira foi "desnecessária, desproporcional e desadequada".» [JN]

Parecer:

A morte de MC foi um disparate inexplicável.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se pelo julgamento.»

RAY COOPER

sexta-feira, junho 18, 2010

Nenhuma estrela caiu

Treinadores (2)

Não é fácil pegar numa equipa feita por outro treinador e transformá-la numa equipa ganhadora, mesmo que no momento em que se chega crie boas expectativas e apresente propostas de mudança do modelo de jogo que pareçam representar uma mudança para melhor. Quando se chega com uma nova equipa de adjuntos, com novos hábitos de treino, com promessas de jogar ao ataque ou a garanti de que se resolverão os problemas da equipa os adeptos vêm renascer a esperança.

Mas quando começa o campeonato a sério descobrimos que os jogadores são os mesmos, os novos não chegam para implementar o modelo de jogo e no banco estão os suplentes do costume começam as dificuldades. Se ainda por cima a equipa joga mal e aparece um dos velhos jogadores a atirar as culpas para o treinador as coisas complicam. Afinal, o treinador mudou, mas a equipa é a mesma, com os mesmos vícios, os mesmos indispensáveis, os mesmos a mandar no balneário.

Como se isso não bastasse nem sempre as novas tácticas se revelam tão eficazes como pareciam quando foram estudadas, poderão agradar a alguns adeptos que querem ver golos a qualquer custo, mas a maioria dos adeptos não se revê na forma de jogar da equipa. A equipa começa a soçobrar.

Pedro Passos Coelho começou bem, trouxe algumas caras novas consigo mas tem e vai continuar a ter grandes dificuldades em mudar uma equipa que só sabe jogar de uma única forma, que é incapaz de mudar de modelo de jogo, que conta com os jogadores do costume e tem no banco os indispensáveis do costume.

De pouco serve definir uma nova estratégia se Pacheco Pereira vem a público questionar a estratégia e se acaba, como no caso da comissão parlamentar de inquérito, por fazer o que o velho balneário quer. A comissão de inquérito é um bom exemplo de como Pedro Passos Coelho não consegue mudar a equipa, ele bem quer um jogo mais inteligente mas os seus jogadores preferem continuar a jogar como dantes, atirando bolas para a área na esperança de marcar um golo de um ressalto ou, pior ainda, na esperança de o árbitro assinalar uma grande penalidade inexistente.

Uma coisa é ter treinado putos com sucesso e até ter ganho campeonatos nos escalões juvenis, outra é mudar uma equipa com vícios, jogadores cansados e enriquecidos, com figuras de peso que se julgam mais importante do que o treinador. Uma coisa é juntar um grupo de experts e definir uma táctica, outra é implementá-la e ganhar a confiança dos adeptos. É fácil dizer que se vai criar emprego, a dificuldade está em convencer os eleitores de que a melhor forma de promover a criação de emprego é alterar as regras do mercado de trabalho com o objectivo de facilitar o desemprego.

Pode ser muito difícil conseguir à fase final e liderar a equipa no campeonato do mundo, trambolhão aqui, rasteira acolá lá se chegou à fase final. O problema é que agora é mesmo necessário provar que os supostos conhecimentos técnicos farão com que a equipa jogue melhor. Não estou a ver Pedro Passos Coelho chegar à final continuando a ter Manuela Ferreira Leite na defesa, Pacheco Pereira no meio campo e Marques Mendes no ataque, mesmo que conte com os conselhos de um Marcelo Rebelo de Sousa armado em treinador de bancada.

Com uma equipa destas nem mesmo com Cavaco Silva a marcar faltas que ninguém viu e grandes penalidades que só ele imaginou Pedro Passos Coelho terá condições para ganhar qualquer campeonato, promete muito mas ficará pela primeira fase. Um pouco o que está acontecendo a Carlos Queiroz.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Lagos

JUMENTO DO DIA

Cândida Almeida, magistrada

É verdade que os advogados usam e abusam de truques para tirar o maior proveito possível do direitos dos arguidos, mas também é verdade que o Ministério Público se socorre dos mesmos truques para complicar a vida ao máximo aos arguidos, ainda há pouco tempo, no processo Casa Pia vimos o MP alterar a data de alguns crimes que constam da acusação para deitar por terra as provas recolhidas pela defesa, uma manobra tão manhosa como os truques de que Cândida Almeida se queixa.

O que não é verdade é que todo o insucesso e incompetência do Ministério Público se explica pelos truques dos advogados, estes truques não explicam as acusações mal formuladas, as provas que não são aceites pelos juízes ou as manobras de propaganda feitas com recurso à violação sistemática do segredo de justiça. Não são estes truques que explicam o prolongamento do caso Freeport e muito menos o seu carácter sazonal pois só aparece em períodos eleitorais.

Se Cândida Almeida está mesmo apostada em melhorar a competência do Ministério Público que deixe os direitos dos arguidos em paz pois isso é com os políticos e com a democracia, que se preocupe com o espectáculo triste que é dado pelo Ministério Público e isso tem mais que ver com incompetência e promiscuidade do que com direitos.«A directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Cândida Almeida, criticou ontem o facto de o "sistema garantista" português ser "usado de forma abusiva nos direitos dos arguidos. Para a magistrada, "é preciso acabar com esses abusos", pois são este tipo de situações "que põem em causa a imagem que o cidadão tem da justiça".

A magistrada, que falava numa conferência sobre "Investigação criminal e segurança", organizada na Universidade Lusíada pela Revista Segurança e Defesa, deu como exemplo o caso Portucale. Esta investigação trata de uma suspeita de tráfico de influências para favorecer um empreendimento do Grupo Espírito Santo. Cândida Almeida sublinhou o facto de o processo de instrução ter durado três anos, mais que a própria investigação. » [DN]

BURRO SOU EU'

Há qualquer coisa de errado neste debate sobre a legislação laboral, vejo montes de gente a dizer que é necessário criar emprego e todos prõoem o mesmo, facilitar o desemprego. Apetece-me perguntar como Scolari: "e o burro sou eu? o ruim sou eu? o errado sou eu?".

DE 'RATING' A 'RANKING'

«O acrónimo PIIGS cheira a porco mas o Financial Times já o pôs em título. Reúne Portugal, Ireland, Italy, Greece e Spain (PIIGS), em inglês como o porco que ele sugere: são os países europeus com défice demasiado grande. Mas isso são os financeiros a falar, gente patarata, como se viu na prevenção da crise, e gente venal, a mando de uma qualquer agência de rating (por sua vez a mando de um qualquer Warren Buffet). Mas Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha não vos sugerem coisita mais actual e popular? Nem mesmo acrescentando a Inglaterra, que na noção mais lata do acrónimo, PIIGGS (mais um G, de Great Britain), também entra no lote dos países endividados? É, estão aí quatro dos oito países com melhores classificações mundiais no rating, perdão, no ranking da FIFA: Espanha (2.º), Portugal (3.º), Itália (5.º) e Inglaterra (8.º). E, já que estamos em matéria em que todos somos entendidos, vamos confirmar se esse ranking corresponde à realidade do Mundial 2010. Tudo ao lado: Espanha perdeu e Portugal, Itália e Inglaterra empataram com equipas reputadas mais fracas. Como a Grécia também perdeu e a Irlanda nem ao Mundial foi, a melhor conclusão é que PIIGGS é acrónimo justo, se falarmos de países maus... de bola. Está aí um nicho de mercado para as agências de ratings: além do Buffet (o da guita), podiam trabalhar para o Blatter (o da FIFA).» [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

PROSTITUTA JAPONESA OFERECE-SE COM COMPENSAÇÃO DA INVASÃO DA CHINA

«Anri Suzuki, uma estrela porno de 24 anos doutorada em história Sino-Japonesa, decidiu pedir desculpas pela invasão que o seu país fez à China em 1937 de uma forma, no mínimo, insólita: oferecer sexo aos estudantes do país vizinho.» [CM]

Parecer:

O Problema é que os chineses são uns bons milhões.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se à rapariga se sabe quantos são os chineses.»

PSD CHUMBA CONSELHO DOS VELHOS PROPOSTO POR PEDRO PASSOS COELHO

«A primeira proposta feita por Pedro Passos Coelho no congresso de Carcavelos, a da criação de um Conselho Superior da República, foi precisamente aquela que a comissão de revisão da constituição do PSD deixou para o fim. Isto porque a maioria dos seus membros não considerou "viável" a criação de semelhante órgão, soube o DN junto de fonte social-democrata.
Na 2.ª-feira, o grupo liderado por Paulo Teixeira Pinto saberá se o líder social-democrata irá "impor" a proposta. Na reunião com Passos Coelho, o projecto de revisão do PSD deverá ficar fechado. »
[DN]

Parecer:

Eu diria que o PSD dava uma péssima sala para Passos Coelho dançar o tango.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Passos Coelho que aprenda a dar uns passos de dança pois corre o risco de dançar mais cedo do que imagina.»

BAGÃO FÉLIX PRESSIONADO A CANDIDATAR-SE

«Bagão Félix já disse que não várias vezes, mas os activistas católicos acreditam que ainda vão conseguir convencer o ex-ministro das Finanças a candidatar-se à Presidência da República. Todos os dias aparecem novos apelos para que Bagão se apresente às eleições contra Cavaco Silva. Isilda Pegado, a ex-deputada do PSD que protagonizou os movimentos anti-aborto e pelo referendo ao casamento gay, vê "com bons olhos a candidatura do dr. Bagão Félix" e lembra o recente exemplo do social-democrata Paulo Rangel - que começou por recusar candidatar-se à liderança do PSD e depois mudou de ideias - para sustentar que "todos nós já vimos na política alguns 'nãos' converterem-se em "sins". » [i]

Parecer:

A igreja está a errar ao escolher o candidato sem hipóteses de vencer.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se à igreja que promova um candidato mais abrangente.»

E AGORA MANICHE?

«- Ainda vai jogar no Sporting?

- Não quero arrastar-me nos relvados, não quero chegar a Portugal e que me chamem chulo ou digam que estou velho. Em Portugal acha-se que aos 30 anos estamos velhos para jogar futebol. O Sporting é o clube do meu coração, o meu pai fez-me sócio logo de pequenino, tenho carinho, mas não está nos meus planos jogar lá.

Ontem Maniche foi apresentado como reforço do Sporting, depois de assinar contrato de um ano, com outro de opção. Costinha - o companheiro de FC Porto, de selecção, de aventura milionária por Moscovo - foi agora o director-desportivo que o convenceu a esticar a carreira e desfazer a ideia de pré-reforma amadurecida na última temporada, no Colónia, de onde saiu em diferendo com os dirigentes do clube. » [i]

Parecer:

Enfim...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se uma gargalhada.»

QUEREM ACABAR COM FERIADOSM E PONTES

«A eliminação de alguns e a mobilidade de quase todos os feriados, civis e religiosos, para evitar as “pontes” vai ser levada ao Conselho de Concertação Social.

A ideia, que teve origem num projecto de resolução apresentado pelas deputadas católicas independentes eleitas pelo PS, Teresa Venda e Maria do Rosário Carneiro, teve hoje, quinta-feira, luz verde da bancada socialista para avançar e passa por eliminar quatro feriados e transferir os outros de forma a inviabilizar as “pontes”.» [JN]

Parecer:

Depois vão querer acabar com o fim-de-semana e se a crise persistir será a vez de outros feriados.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se esta orgia.»

DEFENSOR DE MOURA PODE CANDIDATAR-SE A PR

«O deputado socialista Defensor de Moura, ex-presidente da Câmara de Viana do Castelo, está a ponderar avançar com uma candidatura presidencial alternativa à de Manuel Alegre.

«Estou a ponderar uma candidatura a Presidente da República. Tenho recebido muitos apoios dentro do grupo parlamentar do PS e fora dele. Nos próximos dias anunciarei a minha decisão», disse à agência Lusa o ex-presidente da Câmara de Viana do Castelo.

Defensor de Moura recusou-se a esclarecer à agência Lusa quem no Grupo Parlamentar do PS o apoia, assim como se já contactou o líder socialista, José Sócrates, sobre a sua possível disponibilidade para protagonizar uma candidatura alternativa à de Manuel Alegre.» [Portugal Diário]

Parecer:

Enfim...

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento ao senhor da cidadania.»

CEM MULHERES APELAM À CANDIDATURA DE BAGÃO

«O apelo foi anunciado ontem num almoço no Estoril e vai agora seguir por carta. Mais de cem mulheres católicas pedem a António Bagão Félix que se candidate à Presidência da República, certas de "não existem em Portugal muitas pessoas com a capacidade de representar um povo maioritariamente católico", num "tempo particularmente perigoso" em que "os valores parecem tornar-se absurdos, em muitos casos alvos a abater".» [Público]

Parecer:

Ena, tantas.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Bagão o que faz para ser tão sexy.»

RICK LUNDH

quinta-feira, junho 17, 2010

Retrocesso civilizacional

Na minha juventude os portugueses acabavam os estudos, iam para a tropa, faziam uma comissão na guerra colonial, por vezes eram chamados de novo já depois de terem passado à “peluda”, empregavam-se, casavam-se e quando chegavam aos trinta anos tinham um emprego estável, tinham comprado ou alugado a casa, tinham filhos e alguns tinham comprado carro, em muitos casais a mulher nem sequer trabalhava. Hoje a maioria dos jovens quando chegam aos trinta anos vivem na casa dos pais, têm um emprego precário, não têm dinheiro para comprar casa e dificilmente ganham para alugar e manter uma casa.

Como explicar que trinta anos depois, com um país mais moderno e desenvolvido os jovens vivam pior e com menos expectativas do que no final dos anos 70? A tudo isto chama-se retrocesso civilizacional, o país produz mais riqueza e os jovens vivem pior e com menos expectativas quando é suposto que o desenvolvimento se traduz em melhores condições de vida. É verdade que mudaram os hábitos culturais dos portugueses, que muitos jovens preferem a ilusão do dinheiro fácil que a precariedade por vezes proporciona, mas também é verdade que temos assistido à proletarização forçada dos mais jovens.

O que explica esta situação? A queda do muro de Berlim levou muitos a achar que não havendo medo do papão comunista podiam dispensar-se os direitos sociais, a globalização levou os nossos empresários a exigir a igualização das regras do mercado de trabalho com a das economias asiáticas, a crise financeira mais recente desencadeou mais uma vaga de propostas que apontam para a destruição da sociedade que o equilíbrio social construiu ao longo de décadas. A criação de emprego serve de chantagem para que os trabalhadores prescindam dos seus direitos.

Não são apenas os fenómenos económicos que explicam o fenómeno, o oportunismo explica muito daquilo a que assistimos. Um exemplo disso é o que se passa nalgumas profissões liberais, por exemplo, os advogados bem sucedidos nunca enriqueceram tanto e tão facilmente como agora, todavia, pagam menos a um jovem advogado do que a uma empregada doméstica, nem sequer se preocupam com o respeito da dignidade da classe. E o que se passa na advocacia passa-se na arquitectura e noutras profissões liberais.

EM nome da competitividade tudo vale, os empresários querem que os trabalhadores tenham os mesmos direitos do que os praticados na Tailândia, os governos querem que os funcionários públicos tenham as mesmas regalias do que os do sector privado, cada crise serve para a sociedade descer mais um degrau. Dantes o desenvolvimento servia para proporcionar mais bem-estar, hoje o crescimento é oferecido a troco da perda desse bem-estar.

Para salvarem as contas e não perderem eleições os políticos desdobram-se a inventar truques para retirar direitos aos trabalhadores, os empresários usam a crise para oferecerem emprego a troco de reduções de salários e de direitos laborais, os sindicatos protegem os que estão empregados e pagam quotas ao mesmo tempo que fazem de programas partidários a sua agenda sindical.

Depois de mais de um século de progresso o país e mundo ocidental assistem à maior perda de direitos e de garantias sociais desde o emergir do capitalismo. Um dia destes accionistas, investidores, políticos, sindicalistas vão acordar com uma revolução à porta e nessa altura vão arrepender-se da orgia que promoveram.

Umas no cravo e outras na ferradura

FOTO JUMENTO

Calçada da Rua de Santo António, Faro

JUMENTO DO DIA

Jorge Bacelar Gouveia, deputado

Não fica nada bem a um deputado que é um reputado jurista, ainda por cima uma especialista em direito constitucional, usar dos seus poderes de deputado para questionar o ministro da Justiça a propósito da correcção de um exame de admissão ao Centro de Estudos Judiciais, parecendo quere substituir-se aos mecanismos legais que permite o recurso aos candidatos que se sintam prejudicados. Fica ainda pior quando em vez de factos o deputado questiona o ministro com base em boatos sem que para os mesmos avance com o mínimo de fundamento que os torne credíveis.

Não sou partidário do argumento usado por Cavaco Silva a propósito do casamento gay, o parlamento não deve deixar de discutir os problemas do país que não sejam de natureza económico. Mas é provincianismo envolver o parlamento do país em tricas, por este andar vamos ver um deputado a questionar a ministra da Educação a propósito de uma prova de avaliação do primeiro ano de escolaridade, questionando os critérios de uma qualquer professora ou escola.

Os deputados devem evitar transformar este país numa espécie de associação recreativa, foram eleitos para discutir os problemas do país e não para se preocuparem com quem passou ou chumbou num exame de admissão. É tempo de os deputados romperem com o baixo nível de debate político introduzido por Manuela Ferreira Leite, até por aqueles que foram escolhidos por ela.

«Os resultados do exames escritos da último concurso do Centro de Estudos Judiciários (CEJ) de ingresso no XXIX Curso de Formação Inicial de Magistrados e II Curso Normal para Juízes dos Tribunais Administrativos e Fiscais, recentemente divulgados, estão a provocar muitas queixas dos avaliados. O deputado social-democrata Jorge Bacelar Gouveia, numa pergunta dirigida ao ministro da Justiça, diz mesmo que se generalizou "a suspeita de que a avaliação dos referidos exames escritos foi feita por pessoas contratadas por uma empresa de consultadoria privada".

A directora do CEJ, Ana Luísa Geraldes, afirmou ao DN que esta informação "não tem qualquer fundamento ou suporte fáctico". A juíza desembargadora sustenta que, tal como nos anos anteriores, quem corrigiu os testes/provas da fase escrita, relativas àquele concurso "foram os júris de selecção". » [DN]

A INSUSTENTABILIDADE DA VELHACARIA POLÍTICA

«O Presidente da República recebeu, em audiência, os subscritores do Manifesto “Energia para Portugal - por uma nova política energética”.» [Presidência da República]

Ok, não há dinheiro para grandes projectos, as pequenas estradas municipais é que trazem desenvolvimento, devemos produzir produtos transaccionáveis, promulga-se a lei do casamento gay para não perder tempo a debater o acessório, mas recebe-se os defensores do nuclear agora que o país aposta nas energias renováveis e que há dinheiro e crédito para centrais nucleares que ninguém quer perto do quintal.

Pois é, começa a ser insustentável viver num país em que o Presidente da República segue uma agenda política pessoal que nada tem que ver com os interesses políticos do país. Para se ser recebido ou ser convidado a ir a Belém basta estar contra o governo ou, muito simplesmente, querer falar mal do primeiro-ministro?

Às quintas o Presidente da República recebe o primeiro-ministro, às segundas, terças, quartas, sextas, sábados e domingos o Presidente da República recebe os que vão falar mal do primeiro-ministro. É assim que Cavaco Silva ajuda o país como prometeu nas eleições presidenciais em que o país teve a infeliz ideia de o eleger.

UM PROBLEMA DE COLHEITA

Ao propor alterações de regras do mercado de trabalho a título temporário Pedro Passos Coelho cria condições para que os trabalhadores portugueses sejam tratados como colheitas, a colheita de 2009 tem direitos e a colheita de 2010 não tem direitos. Há portugueses ricos e pobres, portugueses que trabalham e estão aposentados, agora passariam a haver portugueses empregados antes e depois de 2010, com e sem direitos laborais.

E o que faria Pedro Passos Coelho terminado este período?

A INSUSTENTÁVEL TORPEZA DO BURACO

«É claro que o adjectivo "insustentável" é muito pesado e não foi proferido de ânimo leve pelo Presidente da República. Tornou-se evidente para todos que Cavaco Silva quis dizer aos portugueses que o actual Governo não presta para nada, não tem feito mais do que acumular falhanços, não merece a confiança de ninguém e não tem condições nem capacidade para superar satisfatoriamente um estado de coisas por que é o principal responsável.» [DN]

Parecer:

Vasco Graça Moura diz o que Cavaco pretendeu dizer?

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco Silva se vai desmentir Vasco Graça Moura e a este se foi mandatado por Cavaco para o representar.»

QUEIROZ DEIXOU CORRER O MARFFIM

«O futebol pode ter muitas incertezas mas há dois factos universalmente aceites: o futebol africano é tacticamente fraco e a força do futebol europeu é a táctica. Ambas as considerações ficaram, ontem, amplamente confirmadas no Costa de Marfim-Portugal: 1) o futebol, que foi definido por um tacticista vindo de Torsby, Suécia, Europa, portou-se bem; e 2) o futebol do professor de Nampula, Moçambique, África, levou um baile. O futebol, como se vê, tem leis. Pena é que o futebol não seja reconhecido como uma ciência social, o que levaria de vez o tal professor para o seu lugar natural, ensinar no ISCTE (Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa). Isso levaria a greves académicas? Talvez, mas o interesse geral nacional estaria salvaguardado. Isso é o que se me oferece dizer sobre o jogo de ontem em Port Elizabeth, em que os marfinenses fizeram de Port e nós de Elizabeth. Voltemo-nos para o futuro. Vem aí a Coreia do Norte. A táctica já sabem qual vai ser: sermos inteligentes. Como disse o professor Carlos Queiroz do jogo de ontem: "A Costa do Marfim queria que a gente arriscasse e assumisse o jogo, mas fomos inteligentes." Os norte-coreanos, malandros, também vão querer que a gente jogue, mas vamos ser inteligentes, não jogamos. E, isso, não jogar, esta selecção de Queiroz sabe fazê-lo melhor do que ninguém.» [DN]

Parecer:

Por Ferreira Fernandes.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Afixe-se.»

O IMPÉRIO CONTRA-ATACA

«Nova escuta revela mais dados. Rui Pedro Soares tinha cinco milhões do Taguspark para investir na adesão das duas estrelas à campanha do PS.» [CM]

Parecer:

Parece que fascistas da justiça ainda têm umas escutas para animar, não vá o Sócrates sobreviver mais uma vez.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se por mais um folhetim.»

COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO FALHOU

«Está decidido: mesmo sendo aprovado ( o que não é certo) o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ao caso Sócrates/PT/TVI, este nunca dirá que Sócrates mentiu ao Parlamento quando, a 24 de Junho do ano passado, garantiu que nada sabia das intenções da PT em comprar uma quota da TVI.

O projecto de relatório final apresentado pelo deputado do BE João Semedo não o afirma. E só o PCP e o PS apresentaram ontem (último dia para o efeito) propostas para alterar o documento de Semedo. Nem o CDS nem o PSD avançaram. » [DN]

Parecer:

Esperemos que seja o último falhanço da dupla formada por Manuela Ferreira Leite e pelo seu guru Pacheco Pereira.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Ferreira Leite e a Pacheco Pereira que se retirem pois o país (nem mesmo o PSD) tem paciência para os aturar.»

PRESIDENTE DO FMI VISITA ESPANHA

«Segundo anunciou hoje o governo espanhol, Dominique Strauss-Khan encontra-se na sexta-feira com o primeiro ministro espanhol José Luis Zapatero.

Hoje, o governador do Banco de Espanha, Miguel Fernandes Ordonez, afirmou que o país deve aplicar "rapidamente" medidas de ajuste económico.

O jornal espanhol El Economista, citando "fontes próximas da entidade emissora", noticia hoje que o FMI, a União Europeia e o Tesouro norte-americano elaboraram um plano de liquidez para Espanha que inclui uma linha de crédito entre os 200 e 250 mil milhões de euros.» [DE]

Parecer:

Será que passa por Portugal na viagem de regresso.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver as voltas que o presidente do FMI vai dar.»

JOE BERARDO PROCURA PETRÓLEO

«O sonho do empresário Joe Berardo de encontrar petróleo em Portugal está mais perto de se tornar realidade. A Mohave Oil & Gas, empresa canadiana que tem o comendador como principal accionista, deu início aos estudos de sísmica tridimensional na concessão que detém na zona de Aljubarrota, acreditando que poderá encontrar petróleo ainda este ano.

"O petróleo pode vir a ser a salvação do nosso país", revelou o empresário, mostrando-se optimista quanto a um resultado positivo. É a primeira vez que se realizam em Portugal estudos de sísmica tridimensional, que servem para apurar as formas geométricas das estruturas geológicas. Esta pesquisa é necessária para que a perfuração dos poços avance até ao final do ano. Neste particular, a Mohave está à frente da Galp, da Petrobras e de outras empresas que vão realizar estudos idênticos nas suas concessões ao largo da costa nacional (ver infografia).» [DE]

Parecer:

A haver petróleo só mesmo o Berardo o encontrará.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Berardo que propecte no Beato.»

O BLOGUE QUE PREVIU A CRISE DO EURO

«Durante anos ninguém ligou aos avisos do tipo "o céu está prestes a cair-nos em cima" feitos por Edward Hugh, um bloguista britânico sociável e dedicado, economista autodidacta, que previu repetidamente que a zona euro não poderia sobreviver.

Vivendo uma existência bastante espartana com o seu salário de professor a tempo parcial, enviou posts sucessivos para a ciberselva. Era o cúmulo da cegueira política, alertava ele, pensar que uma sociedade envelhecida poupada como a alemã poderia coexistir com outras mais jovens e dependentes do crédito como a irlandesa, a grega e a espanhola, que com ela partilham o euro.

No entanto, agora que a crise da dívida soberana europeia está a abalar os mercados mundiais, a desvalorizar o euro quase diariamente e a lançar dúvidas sobre o futuro da união monetária, as suas substanciais elucubrações tornaram-se leitura obrigatória para todo um público influente, e cada vez mais internacional, entre o qual se contam muitos decisores da Casa Branca.» [i]

CARDEAL PATRIARCA CRITICA FALTA DE ÉTICA NA POLÍTICA

«O cardeal Patriarca de Lisboa considerou hoje, quarta-feira, "impressionante verificar a pouca importância que a dimensão ética tem nas escolhas políticas".

Falando em Fátima, durante as Jornadas Pastorais da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. José Policarpo lembrou que “em democracia participativa, o voto deveria ser sempre a escolha de uma consciência bem formada e esclarecida”.» [JN]

Parecer:

As críticas parecem ir direitinhas a Cavaco Silva.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento a Belém.»

EXCREMENTOS DE CACHALOTES ELIMINAM CO2

«Estudo australiano desmistifica a suspeita de que estes mamíferos aumentavam a quantidade de gás através da sua respiração.

Afinal, os cachalotes não fazem mal ambiente. Pelo contrário. Um estudo australiano concluiu que os excrementos dos cachalotes contribuem anualmente para a eliminação de cerca de 400 mil toneladas de dióxido de carbono» [JN]

Parecer:

Por cá há muito disso mas não elimina o CO2.

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Estude-se as qualidades dos excrementos das nossas elites.»

BORISK

McDONALD'S