sábado, dezembro 27, 2014

Foi-se-lhes o ímpeto trabalhador

A Comissão europeia queixa- se de o governo ter deixado esmorecer o suposto ímpeto reformista com que estava animado no tempo em que a troika andava por cá e Passos Coelho fazia vénias subservientes aos seus mais modestos funcionários. Mas oq eu parece mesmo ter desaparecido é o ímpeto trabalhador, um ímpeto que levou o governo a acabar com feriados e tolerâncias de ponto e a dar o exemplo com reuniões de governo aos domingos.
  
Agora até parece que o país entrou em férias durante esta quadra natalícia, Cavaco e Passos Coelho deixaram as suas mensagens de Natal e de Ano Novo gravadas com antecedência e com as baboseiras habituais e partiram, deixando o país entregue ao Bruno de Carvalho. Há ministros que já não se deixam ver vai para mais de um mês, outros andam armados em estrelas cadentes e aparecem a brilhar de tempos a tempos, Passos Coelho aparece quando é obrigado e Cavaco Silva parece que foi internado numa clínica de rejuvenescimento.
  
O país já estava sendo governado como se o primeiro-ministro fosse o Bruno de Carvalho e agora parece mesmo que o presidente do SCP cumulou a presidência do clube com a gestão do país, é a única personalidade que vai aparecendo. O governo perdeu o ímpeto trabalhador que tanto o animou e parece ter percebido que sendo incompetente o melhor seria nada fazer.
  
A ministra da Justiça deixou de funcionar mal o Citius começou a funcionar, o Crato parece ter entrado em férias escolares mal conseguiu colocar os professores, o maduro anda, anda e ainda azeda se não lhe agitarem a garrafa, o Macedo aguarda algures pela próxima epidemia que lhe permita contracenar com a Catarina Furtado nalguma acção de propaganda pessoal.
  
Com o Eduardo do Sporting a substituir um Marcelo acossado pelo Ricciardi e o Marques Mendes apanhado com a boca na botija dos vistos gold, o Sócrates silenciado por um qualquer coitado de um director-geral dos serviços prisionais de quem ninguém ainda sabe sequer o nome do desgraçado, o país vai sendo animado e governado pelo Bruno de Carvalho.
  

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _Feira_zps33228b10.jpg

À venda sem factura na Feira do Relógio, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Governo português

Alguns ministros há muito que desapareceram, como é o caso dos ministros incompetentes da pasta da Justiça e da Educação, o Opus ministro Macedo parece ter sido vítima da legionella e desapareceu quando deu o assunto por encerrado passando-o para o ministro do ambiente que desapareceu igualmente mal s e descobriu o foco da doença, a ministra da Administração Interna nunca apareceu enquanto do Portas ninguém sabe, o dos Negócios Estrangeiros apareceu sob a forma de mensagem imbecil de Natal e o Passos Coelho vai aparecendo sob a fomra de imagens gravadas. Portugal está sem governo e quanto ao presidente todos sabemos que não é grande espingarda.


 Nem todos são como o Passos Coelho
   
«Entregaram-nas depois do roubo num orfanato porque se terão apercebido de que continham prendas de Natal para órfãos

Ladrões que levaram caixas de uma carrinha entregaram-nas depois num orfanato porque se terão apercebido de que continham prendas de Natal para órfãos, afirmou hoje um fundo de caridade no Extremo Oriente da Rússia.

A viatura de um funcionário do fundo Vladmama foi assaltada na noite de Natal em Vladivostok, tendo sido roubados bens pessoais, mas também 55 prendas para órfãos, contou a presidente do fundo, Svetlana Kania, citada pelo diário russo Novye Izvestia. » [DN]
   
Parecer:

Se tivesse sido o Passos Coelho só devolveria 20% das prendas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

   
   
 photo Eduard-Gordeev-5_zps9894b8c8.jpg

 photo Eduard-Gordeev-3_zpsddbe4b35.jpg

 photo Eduard-Gordeev-2_zps489857a8.jpg

 photo Eduard-Gordeev-1_zps52c4691e.jpg

 photo Eduard-Gordeev-4_zps32af6197.jpg
  

sexta-feira, dezembro 26, 2014

Mensagem de Natal ou de 1 de Abril?

Os funcionários Públicos trabalham mais uma hora por dia sem qualquer contrapartida, sofreram aumentos brutais de descontos, perderam diversos direitos, tiveram um corte nos vencimentos mas devem estar felizes, o ano de 2015 vai ser uma maravilha porque vão receber 20% do corte de que foi alvo o vencimento.
  
Muitos jovens abandonaram o país, muitos desempregados deixaram de procurar emprego e outros estão em falsos estágios ou em cursos de formação profissional sem qualquer qualidade mas devem estar felizes pois por obra e graça de Deus a taxa de desemprego diminui, mesmo sem que sejam criados empregos.
  
O país tem um crescimento anémico, 2015 é uma um ano de austeridade, a troika queixa-se da inadequação das políticas pós troika, mas 2015 é um ano de esperança e o princípio de uma época maravilhosa.
  
Nos outros natais Passos Coelho optava pela mensagem miserável dos sacrifícios, queixava-se de não dar prendas às filhas e colocava mensagens desesperadas no seu Facebook. Três anos depois tudo está na mesma ou pior mas Passos Coelho vê um futuro radiante para os portugueses. Os bancos estão quase falidos, o mercado imobiliário vive dos negócios duvidosos, as empresas não investiram, não foi lançado nenhum projecto empresarial digno de nota, mas Passos Coelho vê neste cenário as bases para o seu milagre económico.
  
Passos Coelho enganou-se e em vez de escrever uma mensagem de Natal preparou uma mensagem para o dia 1 de Abril.
 

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _TP_zps0791629e.jpg

Terreiro do Paço, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Rui Machete

Que melhor dia do que a véspera de Natal para um ministro obscuro e fraco chamar a si o protagonismo? Foi o que fez Rui Machete que decidiu dizer umas baboseiras e ser no tícia no Dia de Natal.

«O ministro dos Negócios Estrangeiros apela à “classe política”, na mensagem de natal divulgada hoje, para que garanta o “escrupuloso respeito pelos sacrifícios feitos pelos portugueses” no “caminho de consolidação” que o país tem “pela frente”.

Na mensagem, enviada à agência Lusa, Rui Machete afirma: “Reconquistámos a nossa autonomia, recuperámos a nossa credibilidade e começamos já a vislumbrar um futuro mais promissor.”

Na missiva, o ministro presta “tributo” aos portugueses radicados no estrangeiro e ao seu “exemplo de coragem, de mérito e de abnegação”, bem como ao seu contributo “para o progresso e para a projeção internacional” do país e da língua portuguesa.

“Nos últimos anos, o nosso país atravessou um período de severas restrições, perante a grave crise com que nos defrontámos”, reconhece, assinalando, porém, que os portugueses conseguiram “superar” as “dificuldades”.

Sobre o atual contexto mundial, o chefe da diplomacia nota uma “grande complexidade e incerteza, com conflitos e ameaças” que se pensava “já ultrapassados”, exemplificando com o que se passa na Ucrânia, na Síria e no Iraque.» [Observador]


 Época natalícia com poucos feriados
   
«O jornal britânico The Guardian fez um apanhado dos feriados praticados em cada país da Europa neste período entre 15 de dezembro e 15 de janeiro e chegou a uma conclusão: a Rússia é o melhor país para se viver nesta altura do ano, com os trabalhadores a gozarem um total de oito dias de descanso. É que entre o Ano Novo e o dia seguinte ao Natal, que na igreja católica ortodoxa é celebrado no dia 7 de janeiro, todos os dias são feriado. O que perfaz um total de oito dias de folga.

Logo a seguir à Rússia vem a Arménia e o Lichtenstein, que têm feriados desde a noite de Natal até ao ‘Boxing Day’ (26 de dezembro), que é o dia depois da troca de presentes, assim como têm folga no dia antes e depois ao Ano Novo. E o Dia de Reis (6 de janeiro) também está incluído no pacote.

A maioria dos países da Europa ocidental, no entanto, tem um calendário parecido, com feriados no dia de Natal (25 de dezembro), assim como no dia seguinte, chamado o dia de St. Stephen – celebrado em países como a Áustria, a Croácia, a República Checa, a Dinamarca, a Estónia, a Finlândia, a Suécia, a Alemanha, a Irlanda, ou o Reino Unido, onde é conhecido como o ‘Boxing Day’ – e no dia de Ano Novo. Alguns países católicos celebram ainda o Dia de Reis. Portugal é dos países que tem menos feriados nesta época festiva, com apenas dois: o dia 25 de dezembro e o 1 de janeiro.» [Observador]
   
Parecer:

Em Portugal Passos Coelho acabou com feriados para agora pdoer dar tolerâncias de ponto a troco de votos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 O momento natalício da GNR
   
«"O expediente vai ser arquivado, por se ter verificado não existir infração", esclarece a GNR num comunicado sobre a situação que envolveu uma patrulha de trânsito e uma ambulância dos Bombeiros Voluntários de Óbidos.

Em causa está uma multa de 120 euros aplicada à corporação e ao condutor da ambulância no dia 23, quando, segundo o comandante dos Bombeiros, Carlos Silva, a viatura "se encontrava parada na berma, ao quilómetro 43 da A8, devidamente sinalizada".

A ambulância do INEM (ao serviço da corporação) tinha sido acionada para transferir a doente com um enfarte agudo do miocárdio do hospital das Caldas da Rainha para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, mas teve que parar para que a equipa médica procedesse a manobras de reanimação.» [Observador]
   
Parecer:

A partir de agora os bombeiros sabem que o código da estrada está acima do direito à vida e devem abster-se de socorrer se tiveram de violar alguma nora pois não podem ficar a aguardar pela generosidade natalícia da GNR.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se tanto excesso de zelo imbecil.»
  

   
   
 photo Alexander-Taranin-2_zps76436761.jpg

 photo Alexander-Taranin-3_zpse4bae7ab.jpg

 photo Alexander-Taranin-4_zps812cf8d6.jpg

 photo Alexander-Taranin-1_zps6906e723.jpg

 photo Alexander-Taranin-5_zps66e2c6e9.jpg
  

quinta-feira, dezembro 25, 2014

Faço minhas as palavras de Passos Coelho

É a mensagem que Passos Coelho deixou no Facebook no Natal de 2012, mas são actuais e faço minha esta sua mensagem, ainda que com algumas correcções a vermelho :

Amigos,

Este não foi o Natal que merecíamos, pelo menos aqueles que não votaram em mim e não têm culpa do meu extreemismo ideológico assente numa total ignorância em matéria de política económica
  
Muitas famílias não tiveram na Consoada os pratos que se habituaram porque acho que estavam a abusar e senti-me no direito de lhes cortar brutalmente nos vencimentos e pensões. Muitos não conseguiram ter a família toda à mesma mesa porque os filhos abandonaram o país a bem das estatísticas do desemprego. E muitos não puderam dar aos filhos um simples presente.
  
Já aqui estivemos antes pois apareço sempre nesta ocasiões com o discurso do remediado. Já nos sentámos em mesas em que a comida esticava para chegar a todos, já demos aos nossos filhos presentes menores porque não tínhamos como dar outros. Mas a verdade é que para muitos, este foi apenas mais um dia num ano cheio de sacrifícios, e penso muitas vezes neles e no que estão a sofrer.
  
A eles, e a todos vós, no fim deste ano tão difícil em que tanto já nos foi pedido, peço apenas que procurem a força para, quando olharem os vossos filhos e netos partirem, o façam não com pesar mas com o orgulho de quem sabe que os sacrifícios que fazemos hoje, as difíceis decisões que estamos a tomar, fazemo-lo para que os nossos filhos tenham no futuro um Natal melhor, algures em terras estrangeiras.
  
A Laura e eu desejamos a todos umas Festas Felizes.
  
Um abraço,
Pedro.

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _Presepio-azul_zps5dd3781e.jpg

Painel de azulejos da Igreja da Nossa Senhora da Oliveira, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Cavaco Silva

Cavaco Silva decidiu dar como prenda de Natal ao seu ajudante primeiro-ministro a promulgação do decreto-lei da privatização da TAP, um gesto de apoio esperado por quem o ouviu falar das privatizações no intervalo da sua viagem turística ao Dubai. Se alguém esperava que Cavaco não promulgasse o decreto-lei percebeu mais uma vez que Cavaco e Passos são as duas faces da mesma moeda e as políticas do segundo não passam de decisões do primeiro.

O lamentável é a escolha da véspera de Natal pois aquilo que é uma prenda para o seu pupilo ideológico é uma prenda amarga para os trabalhadores da TAP e muito provavelmente para o país.

É lamentável termos um presidente tão lamentável.

«O decreto-lei de privatização da TAP, que fixa as condições de venda de 66% do capital da companhia aérea através de venda direta, foi publicado esta quarta-feira, depois da promulgação do Presidente da República. O diploma sai em pleno braço de ferro entre o Governo e os sindicatos, na sequência da greve de quatro dias convocada contra a venda da transportadora aérea.

Para além da venda direta de 61% do capital a um investidor ou investidores de referência, o diploma prevê igualmente uma oferta até 5% do capital da TAP junto dos trabalhadores. O direito a participar nesta operação estende-se a trabalhadores das empresas do grupo. As ações desta tranche que não forem subscritas terão de ser compradas pelo investidor que ganhar a privatização.» [Observador]


 Presidente da TAP faz ameaças
   
«Ao mesmo tempo que o sindicato dos pilotos avisava que não tenciona cumprir a requisição civil imposta pelo Governo para os dias de greve na TAP, o presidente executivo da empresa emitiu uma circular interna dando conta das “consequências da requisição civil”, que é explícita sobre o que acontece em caso de incumprimento: quem faltar sem justificação está sujeito a um processo disciplinar.

Em caso de não comparência à prestação de trabalho ou, por qualquer outra forma, de não cumprimento da requisição civil pelo trabalhador a ela sujeito, será de imediato determinada a instauração de processo de inquérito, para apuramento rigoroso das causas e circunstâncias do incumprimento e, se for caso disso, de instauração de processo disciplinar, nos termos da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, conforme determinado na Portaria que efetivou a requisição civil.» [Observador]
   
Parecer:

Porque será que todos os candidatos à compra da TAP são brasileiros e este sebhor está tão empenhado na venda da empresa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se.»

 Quando a caça à multa é levada ao extremo
   
«Uma equipa de emergência médica, que parou uma ambulância na berma da A8, em Torres Vedras, para fazer manobras de reanimação a uma doente de 80 anos, viveu na madrugada de terça-feira uma situação “que tem tanto de caricato como de revoltante”, acusa o comandante dos Bombeiros de Óbidos.

Segundo Carlos Silva, “depois de verificado o óbito da senhora, e nos termos da lei, um dos elementos da equipa chamou a GNR ao local para que se cumprissem as formalidades necessárias ao transporte do cadáver, mas os agentes preferiram identificar todos os elementos da equipa e multar em 120 euros o condutor da ambulância, uma pessoa que estava a fazer serviço voluntário e que agora corre o risco de perder a carta de condução”.

“Quando me acordaram, cerca das 4h da manhã, pensei que era um pesadelo. E ainda agora me custa a acreditar que isto tenha acontecido”, comentou esta quarta-feira o comandante dos Bombeiros de Óbidos ao PÚBLICO. Carlos Silva frisou que tanto a direcção da corporação como o próprio Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) “estão já a tomar medidas para que o bombeiro que conduzia a ambulância não seja prejudicado por fazer serviço voluntário e por cumprir a lei”.» [Público]
   
Parecer:

O pessoal da GNR envolvido devia ir a uma consulta de psiquiatria.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

 Carga fiscal sobe de forma brutal
   
«A capacidade de financiamento da economia portuguesa aumenta, mas a das famílias diminui. O rendimento disponível cresce, mas a taxa de poupança baixa ao mesmo tempo em que a despesa de consumo sobe. Foi assim no terceiro trimestre. E se os sinais podem parecer contraditórios, é precisamente a combinação em cadeia dos vários indicadores que explica cada uma destas tendências.

Certo é que o peso dos impostos voltou a aumentar, atingindo entre Julho e Setembro um novo máximo, passando a representar já 11,6% do rendimento disponível das famílias. Este é o valor mais alto desde que o Instituto Nacional de Estatística (INE) tem registo destes dados, ou seja, desde 1999.

Nunca os impostos tiraram tanto rendimento disponível às famílias. Depois de estar todo o ano de 2013 a crescer de trimestre para trimestre, este indicador manteve-se estável, (em 11,2%) na primeira metade deste ano, voltando a subir no terceiro trimestre.

Os dados que o INE divulgou nesta terça-feira – as contas nacionais trimestrais das famílias, empresas, sociedades não financeiras e administração pública – mostram que a capacidade de financiamento da economia portuguesa aumentou de forma ligeira no terceiro trimestre. A melhoria foi possível porque houve um reforço da poupança corrente, que por sua vez se deveu ao facto de o aumento do rendimento disponível ter compensado o incremento da despesa de consumo final. Feitas as contas, a capacidade de financiamento passou para 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), mais 0,3 pontos percentuais do que no trimestre anterior.» [Público]
   
Parecer:

Se do combate À evasão fiscal não resulta qualquer benefício para os contribuintes o resultado é um aumento brutal dos impostos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Proteste-se.»
  

   
   
 photo Vladimir-Kirillov-5_zps140fc939.jpg

 photo Vladimir-Kirillov-4_zps12a101e5.jpg

 photo Vladimir-Kirillov-1_zps8fd4321a.jpg

 photo Vladimir-Kirillov-3_zps0ae03c10.jpg

 photo Vladimir-Kirillov-2_zpsa42ae2d7.jpg
  

quarta-feira, dezembro 24, 2014

Carta de Natal à Senhora Procuradora-Geral da República

  
Este ano decidi actualizar-me e a carta com os meus desejos terrenos não será enviada ao menino Jesus e nem mesmo ao Pai Natal, o meu paganismo teve um ataque de nacionalismo tuga e vou contar os meus desejos mais pecaminosos à Procuradora-geral Joana Marques Vidal. Não comecem a pensar coisa pois quando digo desejos pecaminosos não estou a pensar em maldades (Deus me livre de tais pesadelos), estou antes a imaginar-me a pecar com coisa materiais como o pecado da gula, pro exemplo.
  
Então porque motivo vou escrever à Procuradora-Geral em vez de escrever ao menino Jesus? Bem, o meu ateísmo ainda não deu para desconfiar que o menino Jesus não sabe ler e a minha generosidade não me leva a contar os meus segredos à senhora Procuradora-Geral em sinal de reconhecimento e recompensa pela imensidão de segredos de Justiça que o Ministério Público nos proporciona.
  
Começo a lista pelo mais fácil, se a senhor Procuradora-Geral fosse simpática arranjava um amigo empresário que me mandasse umas caixas de robalo e nem precisam de ser do mar, podem muito bem serem de aquacultura porque eu não sou esquisito. Se não houverem robalos pode mandar uns lavagantes, que gosto deles com em arroz, ou mesmo uns chocos grandes para fritar às tiras.
  
Como todos sabemos da generosidade do nosso Ministério Público em matéria de prendas aproveito para sugerir à senhora Procuradora-Geral que arranje quem me mande umas garrafas de vinho de colheita caseira, tanto pode ser tinto como pode ser branco, desde que não me mande o Aguiar-Branco tudo bem. Também me é indiferente que seja verde ou maduro, só no caso do maduro é que tenho alergia ao Poiares, não sei porquê sempre que o bebo fico com a sensação de que tem pico a azedo.
  
Também me dava jeito era uma casinha bem localizada e outra para os momentos lúdicos. Gostava de morar num lugar com menos bairros sociais e longe dos amigos dos gatos e quanto á segunda habitação nem sou muito exigente, troco Paris por uma casa em Guerreiros do Rio, na margem do Guadiana. Ouvi dizer que o MP anda a fazer concorrência com os vistos gold e em vez de procurar empresários que querem vir morar para Portugal a troco de um BI, arranja empresários generosos que oferecem casas a amigos.
  
Por falar em amigos também não me importava nada se a senhora Procuradora-Geral arranjasse ou mesmo se inventasse um empresário generoso que mandasse o motorista entregar-me uns envelopes com o pilim todos os meses. Isto, enfim, se não arranjar algum que me dê uma gorjeta de quinze milhões livres de impostos. Confio na criatividade do Ministério Público e o que não falta por aí é gente generosa e cheia de dinheiro sem saber o que fazer-lhe.
  
Por fim, peço desculpa por mandar a carta num dia em que está descansando graças à generosidade de Passos Coelho, que decidiu dar uma tolerância de ponto, agora que a toika está longe, quem poderia esperar tanta bondade do primeiro-ministro? Mas como agora a moda é o MP prender à sexta e o juiz Carlos Alexandre interrogar de sábado a quarta tenho a esperança de que o pessoal da Procuradoria esteja de serviço, preparado para pedir à AT para prender alguém, o que seria uma prenda para o juiz Alexandre.
  
Ainda pensei mandar uma prenda à Senhora Procuradora-Geral mas tenho de lhe pedir desculpa, quando me lembrei já tinha fechado o envelope.
  
Um Bom Natal e um ano cheio de presos preventivos e de condenações a penas longas.

Umas no cravo e outras na ferradura



   Boas Festas



   Foto Jumento


 photo _Natal_zpsf071ef3e.jpg

Pai Natal assaltando casa de Lisboa

 Fotos dos visitantes d'O Jumento
  
 photo _presepio_zps3dd50541.jpg

Presépio, Viseu (J. Carvalho)


  
 Jumento do dia
    
Maria Luís, ministra das Finanças

Passos Coelho fez questão de dizer que o cumprimento da meta orçamental de 2,7 % do PIB em 2015, ano em que não terá de prestar contas, era uma questão de honra, e o mesmo é dizer que dessa meta também depende a honra da ministra. Assim sendo, teremos de concluir que para Passos e a sua ministra das Finanças a honra em matéria orçamental é como os anos bissextos, acontecem de vez em quando, pelos vistos só são para cumprir nos anos terminados em 5.

Quando se sabe que o défice estava nos 4,9%, bem acima dos 4% acordados com a troika, é muito difícil de acreditar na meta para 2015 assente numa combinação muito optismista de previsões. A ministra Maria Luís devia explicar aos portugueses o que é a honra em matéria orçamental já que desde que este governo está em funções acabou sempre desonrado.

«O défice orçamental atingiu os 4,9% do PIB nos primeiros nove meses do ano, informou hoje o INE, em linha com o esperado com o Governo para a totalidade do ano, o que é acima dos 4% acordados com a troika.

Segundo as Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional dadas a conhecer esta terça-feira pelo INE, o défice terá atingido os 6.344 milhões de euros até ao terceiro trimestre, menos 0,8 pontos percentuais que o verificado em igual período de 2013.

A melhoria no défice deve-se, segundo o INE, a um aumento da receita total, que cresceu mais do dobro da despesa. O destaque vai naturalmente para o aumento das receitas com impostos.» [Observador]

 Um pequeno esquecimento

 photo _Bes-Accedilores_zps227fe66b.jpg

O Novo Banco dos Açores já tem uma nova página mas os seus autores esqueceram-se de substituir o favivon com que a página se identifica. Mas o icon da página não é a única recordação do passado, Jaime Gama também tinha sido escolhido no tempo da divina família e transitou para o BES supostamente bom. Lixo, lixo parece que só era o Ricardo Salgado.

 Pergunta ao procurador Teixeira

As violações do segredo d justiça, a maioria das quais meras suspeitas imaginativas, consentidas pela acusação não condicionam ou influenciam os depoimentos das testemunhas?


 CDS, o BE da direita
   
«O CDS-PP qualificou esta terça-feira de "chocante" a posição da Comissão Europeia (CE) sobre o aumento do salário mínimo nacional e vai pedir que o relatório divulgado ontem seja discutido na comissão parlamentar de Assuntos Europeus.

"O CDS vai pedir que, na próxima reunião da comissão de Assuntos Europeus, seja agendado um ponto para apreciar o relatório, uma vez que o queremos criticar vigorosamente, porque dá outra vez conta de uma obsessão da Comissão Europeia com o aumento do salário mínimo nacional", disse à Lusa o vice-presidente da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, José Ribeiro e Castro.

Ribeiro e Castro afirma que os centristas consideram "chocante a tomada de posição da Comissão Europeia", que criticou o aumento do salário mínimo nacional, por entender que terá consequências ao nível do emprego dos jovens e dos trabalhadores menos qualificados; e pode comprometer a redução do desemprego.

"Além da mensagem alarmista sobre os mercados que é particularmente injusta a errada e a que a Comissão Europeia não tinha o direito de fazer, consideramos inadmissível que a Comissão tenha o topete de considerar que um aumento para 505 euros é de mais", argumentou o deputado.» [Observador]
   
Parecer:

Andam, andam e ainda vão criticar os que se opõem à reestruturação da dívida.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  

   
   
 photo Chernayaliliya-5_zps7e2d81b5.jpg

 photo Chernayaliliya-1_zps2cf35989.jpg

 photo Chernayaliliya-3_zps8e3ac4c6.jpg

 photo Chernayaliliya-4_zps6c1db230.jpg

 photo Chernayaliliya-2_zpsf00df5ed.jpg