sexta-feira, fevereiro 21, 2020

GENTE BONDOSA


Ainda não percebi muito bem qual a relação entre os cuidados paliativos e a eutanásia ou o suicídio assistido, já acompanhei um irmão a mudar-se pelo seu pé e aparentemente em forma de uma enfermaria de oncologia para a porta ao lado, que tinha uma placa de identificação que indicava “Cuidados Paliativos” e foi precisamente nessa hora que ele pediu para ser levado para casa, porque se queria suicidar.

Compreendo a bondade de muitas gente que de um momento para o outro se lembrou da necessidade de investimento em cuidados paliativos, mas a verdade é que a quem está em grande sofrimento fisíco e/ou psicológico, acabando que apenas está a aguardar pela morte e sem alternativas terapêuticas pouco importa a bondade destas boas almas. Mesmo assim deve registar-se como positivo o empenho de tantos padres e de gente de direita no investimento no SNS, julgo mesmo que desde que este foi criado que não se via tanta unanimidade.

O problema é que muitos dos que agora são generosos apelando ao investimento em cuidados paliativos, são quase os mesmos que há um par de anos defendiam apoios a todas as mães que não quisessem abortar, que se organizaram em ONG para ajudar essas mães, mas que hoje já se esqueceram dessas causas nobres. Onde estão os deputados que no debate do aborto tanto defenderam o apoio à maternidade, quantos propostas de apoio à maternidade apresentaram entretanto.

Mas também concordo com todas essas boas almas num ponto muito importante, que a questão da eutanásia é uma questão pessoal e que não pode ser decidida por deputados. É verdade, não pode ser decidia por deputados, por magistrados e muito menos por fanáticos que vão ouvir homilias para saberem o que devem impedir os outros de decidir.

terça-feira, fevereiro 18, 2020

O BOM POVO PORTUGUÊS


Das muitas entrevistas a cidadãos de Guimarães que se cruzaram com os jornalistas que os questionaram sobre os acontecimentos ocorridos no estádio da sua cidade a maioria não considerou como sendo racistas os adeptos do seu clube que sugeriram que um ser humano que já tinha sido um deles fosse colocado ao nível de gorilas. Pior ainda, consideraram que a reação podia ser considerada como legitimada só porque o atleta se lembrou de festejar o golo que marcou junto dos adeptos sofredores, a quem deveriam ser dado mimos porque a sua equipa viu uma bola entrar na sua baliza.

Entre todos os cidadãos comuns de Guimarães que não hesitaram em dizer o que sentiam perante as televisões poucos se manifestaram contra o racismo e apenas uma senhora associou o sucedido com a infiltração da extrema-direita nas claques de futebol. Toda a gente sabe que a extrema-direita encontrou nas claques um pasto ideal para crescer, mas a generalidade dos presidentes dos clubes fazem de conta que não percebem. Como durante muito tempo não perceberam os comandos da PSP ou mesmo os dirigentes sindicais, que parecem confortáveis vendo cada vez mais sindicatos a trilharem pelo mesmo caminho.

E como é que personalidades como Sousa Tavares tratam políticos oportunistas que para subirem na vida são o que for necessário e surfando na onda da extrema-direita optaram por ser racistas? Dando-lhes credibilidade cedendo-lhes palco em programa de prime time como se tivessem na sua frente uma grande personalidade mundial. Do alto da sua vaidade sentiram-se grandes democratas do Porto “desfazendo” um benfiquista racista, desta forma minimizaram a questão do racismo a mais um incidente Benfica-Porto ou norte-sul.

É óbvio que o Chega do oportunista vai crescer nas eleições mas isso não sucede porque de um dia para o outro passámos a ser racistas, a deixar de gostar de ciganos ou mesmo a ser imbecis. No bom povo português há de tudo e à medida que a imbecilidade, a xenofobia, o racismo e outras coisas vão perdendo a vergonha o Chega vai crescendo. Afinal, temos tanta extrema-direita como o resto da Europa.

Vivemos num país onde dizemos que não somos racismo mas empaturramos a caixa do WhatsApp dos amigos com piadas racistas, defendemos a doutrina social da igreja e somos democratas exemplares mas há noite cultivamos a imagem do Salazar e dizemos que o Tarrafal não passou de um pequeno beliscão. Somos todos amigos dos africanos mas provavelmente ainda guardamos as fotos de cabeças de africanos espetadas em paus ou mesmo alguma orelha guardada numa caixinha, recordações das primeira campanha em Angola.

segunda-feira, fevereiro 17, 2020

|RACISTAS, COBARDES E IDIOTAS|

Quando Eusébio marcava golos ninguém era racista, ninguém lhe disse para que fosse para Moçambique, nem sequer que o enterrassem na terra dele, nem um se lembrou de contar anedotas, imitar gorilas ou dizer as barbaridades se vão ouvindo. Mais recentemente todos os racistas deste país sentiram o ego nacionalista em alta quando o Éder ou o Ederzinho despachou a França e apagou a luz da Torre Eiffel, não lhes passou pela cabeça sugerir que fosse para a Guiné.

Mas no anonimato do magote de uma claque ou de uma multidão eis que o pior deles veio ao de cima, agora a frustração era descarregada na pele de um jogador. Mas como a claque parecem ser os modelos de virtudes dos presidentes dos clubes o presidente do Vitória logo descobriu que a culpa não seria do racismo, seria uma resposta quase legítima às provocações do jogador. E para o André Ventura a culpa era da Joicine.

Não, em Portugal não há racismo, o que há são muitos cobardes que gostam de se sentir superiores porque com luz natural a sua pele fica branca, como se um qualquer idiota deixasse de o ser só porque a sua pele fica mais branca que a dos outros quando é iluminada. Não lhes basta ser racistas, são também cobardes e idiotas.

quinta-feira, fevereiro 06, 2020

JUMENTO DO DIA


   
António Costa, primeiro-ministro

António Costa pode festejar, mesmo sem geringonça ou apenas com meia geringonça conseguiu impor a aprovação de OE, pelo meio tirou o tapete a Carlos Alexandre ao tornar públicas as respostas a um questionário que de forma ridícula tinha 100 perguntas.

Mas se Costa derrotou Rui Rio, mesmo sem ter sabido tirar partido da pequenez do líder do PSD, a verdade é que não passou uma imagem que conquiste simpatias para além do seu partido,  um partido de deputados disciplinados que apesar dos muitos temas onde deveriam ter defendido os seus distritos, só tiveram um pequeno gesto na questão das touradas. Onde estiveram, por exemplo, os deputados do PS eleitos pelo Algarve na questão do novo hospital do Algarve?

Costa ganhou a votação mas pouco ganhou fora dos seus eleitores. Não basta um OE equilibrado para se considerar que é um bom OE. E se Rui Rio se dedicou às miudezas a verdade é que o primeiro-ministro ficou muito aquém da grandeza de outros tempos. Mais duas ou três grandes vitórias destas e Costa perderá

O CHICÃO DOS PEQUENINOS


Já houve um tempo em que os debates do OE tinham nível, recordo-me de quando a Dra. Manuel Silva, a professora de Política Económica do ISEG recentemente falecida, declarou a propósito de um OE apresentado por Mota Pinto, que na época era primeiro-ministro, que se um aluno lhe apresentasse aquele OE levaria um chumbo.

O debate do OE deixou de ser o grande debate da política económica do governo para ser uma peixeirada digna do Mercado da Ribeira, como se fosse uma banca onde os carapaus e as pescadas fossem substituídos por medidas avulso. É triste ver os partidos mais interessados em apresentarem-se junto dos eleitores como tendo feito aprovar uma determinada medida, como se isso devesse colocar os cidadão em dívida.

É um nojo ver os líderes da direita a dialogar com os da esquerda conservadora, com o presidente de um PSD a declarar de forma quase subserviente que alterou uma medida para que a sua proposta ficasse mais próxima do pensamento do BE. Em vez de debater o OE com grandeza vemos um presidente do PSD a recorrer a truques só para dar beliscões ao PS com a ajuda do BE ou do PCP, enquanto ao seu lado a extrema direita comporta-se com alguma seriedade.

O que pretende Rui Rio? Ir ao Congresso do PSD em Viana do Castelo cantar vitória porque tramou uma linha do Metropolitano ou que conseguiu rasteirar o PS numa qualquer ninharia, graças à ajuda do BE ou do PCP. Parece que com isto Rui Rio não entende que se apresentam junto dos seus pares sem grandeza e parecendo mais um presidente de uma associação de estudantes do ensino básico, uma espécie de Chicão dos pequeninos, do que como um candidato a primeiro-ministro.

quarta-feira, fevereiro 05, 2020

POBRE SENHORA


Ou eu não percebo nada de economia ou esta senhora não sabe nada de agricultura, como pode alguém dizer que com uma potencial crise económica na Ásia a agricultura portuguesa pode beneficiar em exportações?

"Acho que até pode ter consequências bastante positivas. Ainda assim, não tenho dados que me permitam fazer uma avaliação. Atendendo a que é um mercado emergente, em crescimento explosivo, temos de preparar-nos para corresponder à nossa ambição que é reforçar as nossas vendas e equilibrarmos a nossa balança comercial" [declaração da ministra da Agricultura]

Já nem vale a pena comentar o cinismo da declaração, impróprio para um governante de um país civilizado. Enquanto um país se debate e luta com todos os meios contra o risco de uma epidemia de consequências incalculáveis para esse país e para o mundo esta senhora tem uns olhos a lembrar o tio Patinhas e à medida que morrem chineses parece que os seus olhos dão voltas nas órbitas como cifrões a rodar numa slot machine.

Mas ignoremos o lado da pobreza ética, questionemos o que vamos exportar em maior quantidade para a China graças ao coronavirus? Talvez a pobre senhora nos possa explicar, enfim, pode ser que lá mais para o fim do mandato nos saiba dizer alguma coisa sobre exportações agrícolas.