quinta-feira, Novembro 27, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _Folclore_zps9663af2d.jpg

Folclores junto ao Palácio de Belém, Lisboa
   
   Fotos dos visitantes d'O Jumento


 photo _Povinho_zpsa4018eec.jpg

Zé Povinho na Pampilhoa [A. Moura]

 Jumento do dia
    
Rui Cardoso, sindicalista ao lado do MP

O sindicato dos magistrados do ministério Públco confunde a defesa dos trabalhadores coma defesa do MP e reage de forma brutal a Mário Soares, como se justiça portuguesa merecesse a admiração que o sindicalista parece ter. E não será uma vergonha um sindicato de magistrados ter organizado um luxuoso congresso com o alto patrocínio do BES?
 
Este é um sindicato estranho pois desde que o conheço quase nunca o vi envolvido em questões sindicais, pelo contrário, parece existir para defesa da Procuradoria-Geral da República, neste sentido trata-se de um verdadeiro sindicato soviético qu representa o interesse colectivo dos seus trabalhadores identificados pela instituição. É como se o sindicato dos trabalhadores do comércio estivesse na primeira linha da defesa do Pingo Doce ou se a representação pública de Ricardo Salgado estivesse entregue ao Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas.
 
Estamos perante um sindicato que para além de organizar faustos congressos para sindicalistas e acompanhantes em hotéis de luxo pertencentes ao BES e com o patrocínio deste, nos bons tempos em que Ricardo Salgado se entretinha a enterrar o banco, se dedica à defesa do MP sempre que os seus casos atingem o maior partido da oposição.

«O presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) considerou hoje "absolutamente lamentáveis" e "uma vergonha para o país" as declarações do ex-Presidente da República Mário Soares à saída da cadeia de Évora.

"As declarações do Dr.Mário Soares são absolutamente lamentáveis, são indignas de um Presidente da República, são uma vergonha para o país de que foi o mais alto magistrado", disse à Agência Lusa Rui Cardoso, presidente do SMMP, reagindo às afirmações do antigo Chefe de Estado à saída da cadeia, onde o ex-primeiro-ministro José Sócrates está em prisão preventiva por indícios de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada.» [DN]

 Zenit 1 - 0 Benfica

O imbecil do Jesus já se pode concentrar naquilo que é importante e sua prioridade, os jogos com o Arouca.

 Ridículo

Ainda há poucos dias Paulo Portas colava-se a uma grande empresa portuguesa de obras públicas e foi de propósito ao México, na companhia do Bobo da Horta Seca, para dar ares de ter sido o grande promotor do negócio. Ao mesmo tempo os jornalistas vasculham as viagens de Sócrates para identificarem as empresas que faziam negócios.

 Sugestão à Procuradora-Geral

 photo Dazibao_zpsa92bb45d.jpg

Não seria mais lógico em vez de andar a abrir inquéritos à violação do segredo de justiça, de que resultarão apenas mais perdas do dinheiro dos contribuintes que começa a ser escasso, democratizar as violações de todos os valores da justiça e mandar publicar todo o processo doo Sócrates num dazibao nas paredes da procuradoria-Geral da República.

Para além do recurso aos jornais de parede maoísas ser mais democrático do que dar a informação só à Felícia Cabrita é um método adequado aos objectivos parecem presidir a muito do que se vai passando, lido o dazibao a populaça poderia partir em busca de tudo e de todos os que cheirassem a Sócrates. Até poderia ser o velho maoísta José Manuel Fernandes, agora no Observador, a comandar a horda justiceira.

 Começo a perceber

Se for mesmo verdade que o ex-director do SEF foi acusado e preso por ter recebido duas arrafas de vinho por mera cortesia e o seu nome ter sido referido abusivamente num telefonema só podemos entender a actuação da justiça como uma perseguição com o objectivo de exibir um nome ligado por via de uma nomeação a António Costa.

Destruir a vida de uma pessoa, atingindo toa a sua família sem qualquer prova de crime é uma sacanice sem limites .
  
 Para que serve o segredo de justiça

Serve apenas para que aqueles que gostam de ser carrascos possam condenar na praça pública misturando mentiras com algumas peças processuais que até serem provadas não são nem verdades nem mentiras.

 Jornalistas sempre, sempre ao lado das polícias

É preocupante, mesmo muito preocupante ver a quase totalidade dos nossos jornalistas estarem ao lado das polícias e fazerem todos os fretes que estas lhes pedem.

 Rússia: como atravessar a estrada em segurança





 A PGR está de parabéns
   
«O Ministério Público (MP) comunicou a abertura de um inquérito a uma eventual violação de segredo de justiça no âmbito da investigação que levou à detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates e de outros três arguidos. “O MP, sempre que tem conhecimento de factos suscetíveis de integrarem o crime de violação do segredo de justiça, age em conformidade. Nestes termos, e na sequência de notícias veiculadas por diversos órgãos de comunicação social, foi decidido instaurar um inquérito onde se investiga toda esta factualidade”, refere uma resposta da Procuradoria-Geral da República enviada à Lusa.

José Sócrates, indiciado de fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais, foi detido na sexta-feira, no desembarque do avião que o transportou de Paris até Lisboa, encontrando-se em prisão preventiva no Estabelecimento prisional de Évora. O motorista do ex-governante, João Perna, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e Carlos Santos Silva foram detidos na quinta-feira, igualmente suspeitos da prática de crimes económicos.» [Observador]
   
Parecer:

A PGR está de parabéns pois a partir do momento em que mandou abrir um inquérito à óbvia violação do segredo de justiça limpou a sua honra, bem como dos seus subordinados. O habitual processo já pode seguir o seu curso habitual e agora já se aceitam apostas sobre quanto tempo vai decorrer até ser arquivado por falta de provas.

O problema é que o leitor já não sabe se estamos perante mais uma fuga ao segredo de justiça pois os jornalistas estão tão habituados a saber tudo por portas travessas que antes de saírem os comunicados é bem provável que já estejam na posse das competentes fotocópias.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»

 Polícia sofisticada
   
«O ex-primeiro-ministro, José Sócrates, preso preventivamente por indícios de corrupção, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, tencionaria destruir provas fulcrais quando regressou de Paris na noite da passada sexta-feira. Trata-se de documentos que mais tarde foram apreendidos durantes as buscas.

Esta é a convicção dos investigadores, alicerçada em indícios detectados durante as escutas ao ex-governante, que saberia que estava a ser investigado e que podia vir a ser detido. Foi, nomeadamente por essa razão que foi detido de imediato mal aterrou em Lisboa.» [Público]
   
Parecer:

As nossas polícias não fazem apenas escutas e limpezas de computadores, também tem aparelhos capazes de ler o pensamento À distância que vai daqui a Paris. O juiz Alexandre e o homem do MP sabiam que Sócrates vinha para Lisboa para destruir documentos. Felizmente a nossa justiça foi esperta, apanhou-o no aeroporto e levou-o a casa para lhe dar os documentos.

Esta informação é muito preciosa para o esclarecimento na verdade, agora percebe-se que Sócrates só não fugiu porque tinha os tais documentos por destruir. Sabemos também que Sócrates é um grande palerma, sabia que estava sob escuta e a ser investigado e mesmo assim foi para París sem ter destruído os tais documentos que acabaram por lhe impedir a fuga.

O que seria de nós e da nossa tranquilidade sem a inteligência e sagacidade dos nossos procuradores e Garzons tugas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se os parabéns ao MP.»

 Soares em Évora
   
«Mário Soares já se encontra no interior do Estabelecimento Prisional de Évora, onde se deslocou esta manhã com o intuito de visitar José Sócrates, preso preventivamente desde a noite de segunda-feira por suspeita de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção.» [Expresso]
   
Parecer:

De que lado está a cobardia? Do lado de Mário Soares e da esquerda não está certamente, a cobardia está do lado dos que se sentem inseguros e recorrem à violação do segredo de justiça para manipularem a opinião sem terem a coragem de dar a cara.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 O procurador falhado
   
«À volta de Jorge Rosário Teixeira já foram criados quase todos os tipos de mitos: um dos homens mais poderosos do país (chegando a integrar uma lista do Jornal de Negócios), especialista em crime económico, um "monge" que passa os dias e as noites no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), um investigador meticuloso... Porém, o magistrado de 52 anos tem contra si a sempre desconfortável estatística: nos últimos anos, não há memória de uma condenação em tribunal de um processo, sobretudo mediático, por si investigado.

É óbvio que, dada a complexidade dos "seus" processos, as acusações sejam poucas. Mas o último caso que teve origem numa investigação sua, o Portucale (no qual estavam em causa suspeitas de tráfico de influências para a aprovação de um projeto do Grupo Espírito Santo) acabou com absolvições, entre as quais a de Abel Pinheiro, antigo dirigente do CDS-PP.» [DN]
   
Parecer:

Parece que até aqui o super-procurador se ficou pelas investigações e as únicas condenações conseguidas foram os julgamentos na praça pública alimentadas pelas habituais violações do segredo de justiça.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mais uma gargalhada.»
  
 Ridículo
   
«O advogado João Araújo acabou com o mistério: José Sócrates ficou em prisão preventiva porque o juiz Carlos Alexandre temeu que caso fosse libertado, o ex-primeiro-ministro poderia fugir, continuar a atividade criminosa ou destruir provas do processo.

Em declarações ao "Diário Económico", João Araújo confirmou que o juiz Carlos Alexandre invocou todos estes motivos para justificar a prisão preventiva. O advogado de Sócrates revelou ainda que a defesa "não foi confrontada" com indícios do crime de corrupção. Apesar disso, o ex primeiro-ministro é suspeito deste crime por atos que terá praticado enquanto era governante.

Carlos Alexandre acedeu ao pedido do procurador Rosário Teixeira e invocou quase todos os pressupostos da lei para aplicar a medida de prisão preventiva a Sócrates. Só faltou o alarme social.» [Expresso]
   
Parecer:

Digamos que na cadeia Sócrates está mais silenciado para tranquilidade da falsa justiça portuguesa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»
  
 MP não tem meios para tanta escuta
   
«A Procuradoria-Geral da República (PGR) considera que a Polícia Judiciária não dispõe de meios técnicos nem humanos que lhe permitam dar resposta a uma concentração das escutas neste órgão de polícia criminal. Para a PGR uma medida deste género – defendida pela ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz – poderia ter “consequências nefastas” para a “eficácia da investigação”.

A concentração das escutas (intercepção de comunicações telefónicas, correio electrónico ou mesmo gravação de conversas entre presentes) na PJ chegou a integrar o texto de uma proposta de lei que altera o Código do ProcessoPenal (CPP), mas a medida teve a oposição do ministro da Administração Interna, Miguel Macedo (que saiu do cargo há pouco mais de uma semana) e acabou por ser retirada antes de o diploma ir a Conselho de Ministros, a 13 de Novembro último. Mas antes disso, o texto do Ministério da Justiça foi enviado a várias entidades, para que emitissem um parecer – e foi neste âmbito que a PGR alertou que não há condições práticas para que a PJ possa ficar com o monopólio das escutas.» [i]
   
Parecer:

As escutas telefónicas em Portugal são tantas que se o MP as fizesse sem o apoio de muitos organismos teria de paralisar.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se à OGR o porquê de tanta devassa,»
  

   
   
 photo Jonathan-3_zps9ad491ab.jpg

 photo Jonathan-2_zps18121b4f.jpg

 photo Jonathan-1_zps00f7bd4e.jpg

 photo Jonathan-4_zpsf62a87bf.jpg

 photo Jonathan-5_zps3e91e8b3.jpg
  

quarta-feira, Novembro 26, 2014

Roteiros

Durante a ditadura Portugal estava isolado internacionalmente e eram raras as viagens diplomáticas, os presidentes só saíam de Belém para ficarem com a fama de corta-fitas, Salazar detestava sair de Portugal, Marcelo (o Caetano porque as viagens políticas do outro ficaram por um mergulho no meio dos cagalhões do Tejo) fê-lo raramente e as poucas viagens do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, que ficou famoso por causa do xixi nas calças” no 25 de Abril, eram noticiadas como grandes acontecimentos internacionais.
 
Com a democracia Portugal afirmou-se internacionalmente e uma opinião pública pouco habituada a ver governantes viajar começou a tratar o assunto com humor, dizia-se que Deus estava em todo o lado e Mário Soares já lá tinha iido. Hoje as viagens entraram na rotina e algumas personagens que chegam ao governo tiram a barriga de misérias, chegando a criar mal-estar no governo com os seus excessos turísticos, como ainda recentemente se disse de Nuno Crato.
 
Agora todos os governantes, desde o mais desconhecido secretários de Estado ao presidente fazem diplomacia e enchem a “barriguinha” de viagens, nalgumas comitivas viajam aos dois, três e mesmo quatro ou mais governantes, são aviões a abarrotar de gente a viajar em classe executiva que depois enchem alas de hotéis de cinco estrelas, tudo à conta dos contribuintes,
 
Seria interessante saber quantos trabalhadores com ordenado mínimo, o tal que não podia ser aumentado por causa da competitividade, terão de pagar impostos (IVA e IRS) para suportarem uma única viagem de Cavaco Silva à Índia, enfim, uma pitada do usual populismo do tipo cavaquista não faz mal a ninguém, China ou como a que está fazendo agora ao Dubai. Até se poderia fazer as mesmas contas em relação à famosa visita do casal presidencial da Fonte de Boliqueime à Capadócia.
 
É evidente que as relações públicas da presidência e dos ministérios, tal como sucedia nos tempos de Rui Patrício, encarregam-se de passar a mensagem de que estas viagens dão grandes lucros, os empresários do Dubai irão comprar dívida soberana com juros mais baixos. As viagens de Portas são recheadas de grandes contratos e vendas em massa do Magalhães do agora maldito Sócrates, produzido por uma empresa que em tempos também foi investigada.
 
O problema é que em mais de três anos não se conhece uma única empresa que tenha vindo investir em Portugal na sequência destas centenas de viagens. Poderão dizer que pode levar mais tempo, nesse caso direi que em 8 anos de mandato presidencial de Cavaco Silva não me recordo de alguma empresa ter vindo estimulada pelos seus discursos e não tenho qualquer dúvida de que tal sucedesse o sarrabulho seria tanto que a notícia até chegaria à sonda Rosetta que está estacionada no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, mesmo que já esteja sem pilhas.

Há algo de errado quando os representantes do Estado enchem o papo em viagens de luxo com comitivas que fazem lembrar a de D. João II ao Vaticano e depois nada se saiba sobre o que gastara, como gastaram (excepção feita à visita desejada pela D. Maria a Capadócia) e quais os benefícios. Talvez fosse uma boa ideia de Cavaco Silva dedicar um volume dos seus roteiros às viagens, dizendo onde foi, com quem foi, porque foi, quanto gastou e que resultados foram alcançados. A ideia é extensível a Paulo Portas, outro governante itinerante, ou a ministros como o já famoso Nuno Crato.

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _ermida_zps0c7cf079.jpg

Ermida de São Sebastião, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Luís Montenegro, justiceiro do grupo parlamentar do PSD

Se os deputados do PSD-Madeira se queixa de incumprimento do acordado por parte dos membros do governo porque razão o líder parlamentar do PSD avança já com os castigos sem questionar se os deputados terão razão?

«O deputado e presidente da bancada 'laranja' referiu aos jornalistas no Parlamento que serão levados a cabo "os procedimentos internos" para "procurar as consequências relativamente a esse comportamento".

Luís Montenegro já tinha afirmado minutos antes, ao abandonar o plenário, não ver "nenhuma explicação para o voto dos deputados Hugo Velosa, Guilherme Silva, Francisco Gomes e Correia de Jesus contra o Orçamento.

"Vamos fazer isso internamente e quando houver alguma nota que tenha de ser dada publicamente eu fá-lo-ei, mas não há nenhuma dúvida de que vai haver consequências, disso não há dúvida", acrescentou.» [DN]

 JMF sofria de Socratismo?

 photo _JMF_zps30182565.jpg
 
Se o JMF sofria de socratismo é motivo de internamento no Júlio de Matos, um método de tratamento apropriado a alguém que foi redactor da Voz do Povo, num tempo em que isso implicava a admiração ilimitada de Estaline. MAs andar agora armado em Voz do Povo a promover a reeducação dos socráticos recuperáveis só merece um vómito.

 O comunicado

Foi impressão minha ou a escrivâ que leu o relatório da cronometragem elaborado pelo super juiz estava à beira do choro? Há um claro abuso por parte do Tribunal de Instrução Criminal ao poupar os juízes forçando uma simples escrivã a ser assessora de imprensa. Uma cois é estar à porta da sala de audiências chamando testemunhas, outra é fazer de assessor de imprensa.


 Caldo entornado com os deputados madeirenses
   
«Os quatro deputados do PSD Madeira que votaram contra o Orçamento do Estado vão ser alvo de um processo disciplinar. Guilherme Silva, Hugo Velosa, Francisco Gomes e Correia de Jesus votaram contra o documento por, justificam, ter havido “falhas de compromisso ao nível de secretários de Estado”.

O voto contra dos quatro deputados prendeu-se, de acordo com o deputado Guilherme Silva, com compromissos que teriam sido estabelecidos com o Governo e que não foram cumpridos nomeadamente no que diz respeito a verbas do fundo de coesão e também da gestão do dinheiro da Lei de Meios. Disse o deputado que queriam usar esse dinheiro, que foi acordado para fazer face à destruição do temporal da Madeira, em outras obras de requalificação e que não foi autorizado. “Houve compromissos que falharam nomeadamente de pessoas do Governo, ao nível dos secretários de Estado”. Sem no entanto explicar se foram vários os secretários de estado ou apenas um e qual.» [Observador]
   
Parecer:

Parece que os secretários de Estado não são gente de palavra.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Lá se vai a saída OMO
   
«A zona euro e, em particular, os países mais vulneráveis como Portugal correm o risco de entrar num período prolongado e persistente de estagnação económica, alerta nesta terça-feira a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

No seu relatório semestral sobre a economia mundial, a organização sedeada em Paris mantém a perspectiva de uma retoma moderada na economia mundial durante os próximos três anos, mas com “um crescimento que continuará a ser modesto face aos padrões do passado e um desemprego que deverá continuar muito acima dos níveis anteriores à crise em várias economias”.

Este pessimismo é particularmente visível em relação à zona euro. Enquanto para a média dos 30 países que compõem a OCDE a taxa de crescimento prevista para o próximo ano é de 2,6%, a zona euro não consegue mais do que 1,1%, em contraste com os 3,1% dos Estados Unidos.» [Público]
   
Parecer:

nem tão cedo o país sairá da cepa torta.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se tanta incompetência.»

 Fumadores teimosos
   
«A maioria dos fumadores portugueses declara ter pouco interesse em parar de fumar e, em quatro anos, o número de locais de consultas de cessação tabágica em Portugal foi reduzido a quase metade (número de consultas diminuiu de 25.756 para 21.577). Enquanto isso, o tabaco continua a ser responsável por cerca de 11 mil mortes por ano, sendo que quase um milhar se deve à exposição a fumo passivo. Estes são alguns dados que constam no relatório Portugal – Prevenção e Controlo do Tabagismo em Números 2014, que será apresentado esta terça-feira pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).» [Público]
   
Parecer:

A ministra das Finanlças agradece, ganha nos impostos e poupa com a morte acelerada dos fumadores.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»

 Cavaco está no Dubai
   
«O Presidente da República estreia-se esta quarta-feira no Abu Dhabi como o primeiro chefe de Estado português a visitar os Emirados Árabes Unidos. Na bagagem, Cavaco Silva leva objectivos económicos e políticos que vai discutir com empresários e com o príncipe herdeiro, mas também com responsáveis por três dos maiores fundos soberanos daquele território do Golfo Pérsico, todos pertença do Governo.

A visita de Cavaco coincide com o final da reunião da comissão mista Portugal-Emirados Árabes Unidos, cuja comitiva portuguesa de oito empresários e três secretários de Estado é liderada pelo vice-primeiro-ministro. O Presidente irá participar na assinatura dos acordos e memorandos de entendimento conseguidos na reunião, em áreas como a cultura, segurança interna, educação, defesa, farmacêutica, aviação, turismo, agro-alimentar e segurança alimentar. Não há ainda indicações sobre o conteúdo porque as negociações – trabalhosas, admitem fontes da Presidência e do Governo – ainda decorrem.» [Público]
   
Parecer:

Por este andar quando acabar o mandato os contribuintes só não lhe pagaram uma visita às Galapagos, isso se a até lá não encontrar um motivo de interesse para Portugal nessa visita.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco quantas viagens já fez e quanto gastou a presidência com as suas viagens.»

   
   
 photo Fabrizia-Milia-4_zps3310e600.jpg

 photo Fabrizia-Milia-5_zpsa7855c49.jpg

 photo Fabrizia-Milia-1_zps19cb84d7.jpg

 photo Fabrizia-Milia-3_zpse056e973.jpg

 photo Fabrizia-Milia-2_zps9499808c.jpg
  

terça-feira, Novembro 25, 2014

Matança da Páscoa

 photo _Domingos_zps08a5eca0.jpg
 
Todos os dias passo junto à Igreja de São Domingos, em Lisboa, cenário de um episódio triste da história dos portugueses, que como muitos episódios infelizes gostamos de esconder longe da nossa memória. Este episódio ocorrido no ano de 1506 começou a 19 de Abril e resultou no massacre de duas a quatro mil pessoas, homens mulheres e crianças assassinado por hordas de populaça que foi estimulada ao ódio e à condenação cega.
  
Tudo começou na Igreja de São Domingos, um crente julgou ter visto a imagem de um santo projectada num altar, mas um cristão novo lembrou-se de esclarecer que se tratava de um mero reflexo de luz. Atiçada por um frade dominicano a populaça linchou logo ali o cristão novo. Acusados de todos os males que Lisboa sofria, a seca a fome a peste. Os cristão novos da capital foram massacrados durante três dias. 
  
Mais recentemente, já no princípio deste século, Lisboa assistiu a mais uma manifestação de estupidez colectiva promovida pelo Caso Casa Pia. Tal como no passado agora também houve um conhecido ”frade”, um tal Namora, que convocava as hordas de puros para manifestações no terreiro do Paço. Os jornais e televisões eram os mesmos de agora, os jornalistas receptores das fugas de informação da Justiça eram os do costume e o processo foi em tudo semelhante ao que sucedeu
  
As formas de condenação rápida são as mesmas, a populaça é mobilizada pelo passa palavra ou por jornalistas, a condenação prévia e preventiva é promovida por frades ou por magistrados, o mecanismo é o mesmo, da mesma forma que depois se esquece para evitar a vergonha colectiva. Os judeus massacrados foram esquecidos até 2008 e do Processo Casa Pia ninguém quer falar. Ninguém gosta de lembrar os massacrados, os julgados em nome da fúria colectiva, todos desejam que apodreçam na cela de uma prisão ou na falta de memória colectiva.

Os rituais da nossa justiça, a sua utilização para resolver os nossos ódios, sejam religiosos ou políticos, os golpes baixos com que atacamos os adversários, a tentação do massacre que ilude as culpas pessoais atrás de hordas de populaça, nada disso mudou substancialmente. Só que os jornalistas são mais eficazes do que o passa palavra e os comentadores televisivos parecem mais credíveis do que o frade dominicano.
  
As hordas da populaça, os frades dominicanos, os jornalistas do passa palavra, os estrangeiros que passam por Lisboa, as misérias nacionais para as quais é necessário, tudo isso está de volta e já há culpados, condenados preventivamente. As primeiras páginas, os comentários televisivos, os emails apelam mais uma vez à matança colectiva. Como sempre sucedeu na nossa história a justiça impõe-se pelo medo, apoia-se na horda da populaça ignorante, recorre à manipulação de opiniões e de sentimentos.
  
Dizem que estas “matanças” são boas, tal como as podas revigoram as árvores a “matança” revigora o regime. Esperemos que daqui a uns tempos não andemos a esconder novamente as vergonhas do passado, a deixar condenados esquecidos a apodrecer nas celas da nossa memória colectiva. Esperemos que aqueles que hoje dizem que a democracia si renovada, não venham daqui a uns tempos dizer que ainda bem que tudo sucedeu porque isso permitiu renovar a justiça.