sábado, janeiro 18, 2020

A SUBVENÇÃO

Resultado de imagem para joicine



Se há um par de meses alguém sugerisse que o LIVRE usou a cor da pele da Joicine ou a sua gaguez para ganhar votos, usando estas características de forma oportunista, fazendo lembrar ouros tempos em as características das pessoas eram usadas para espetáculos cairia o Carmo e a Trindade. Ninguém podia criticar a Joicine ou sugerir que a gaguez era um obstáculo, seria logo apelidado de racista ou pior.

Agora é a própria Joicine que acusa os responsáveis do LIVRE sugerindo que a escolheram para ganhar a subvenção que o Estado paga aos partidos. A deputada do LIVRE foi muito clara “Elegeram uma mulher negra que gagueja e deu jeito para a subvenção”. É uma acusação muito grave, então o partido dos mais puros da vida política portuguesa usou a gaguez e a cor da Joicine para ganharem mais votos?

Era bom que os dirigentes do LIVRE esclarecessem esta questão que não é nada que muita gente não desconfiasse, ainda que era quase proibido dizer. Aquilo que a deputada do LIVRE disse é aquilo que muitos pensam, independentemente das qualidades humanas e políticas da deputada, que pela sua intervenção no congresso do seu partido parece valer muito mais do que muitos dos dirigentes do LIVRE.

Parece que esta extrema-esquerda ainda mais fina chegou ao seu fim, depois desta acusação da Joicine o melhor será fecharem o LIVRE.

sexta-feira, janeiro 17, 2020

Jumento do Dia


   
Alexandra Leitão, ministra da Modernização Administrativa e da Administração Pública

Uau, devemos estar gratos à ministra da ministra da Modernização Administrativa e da Administração Pública, graças À sua generosidade parece que os funcionários públicos vão ter a felicidade de beneficiar de um aumento superior a 0,3%. Deus lhe pague senmhora ministra.

«A Função Pública vai poder contar este ano com aumentos salariais para além dos 0,3% já anunciados pelo Governo. A revelação foi feita pela ministra da Modernização Administrativa e da Administração Pública, Alexandra Leitão, na Assembleia da República, onde está a ser ouvida esta sexta-feira sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2020 (OE/2020).

"Estamos neste momento a convocar os sindicatos para nova ronda negocial. E o primeiro ponto é precisamente os aumentos salariais", afirmou a ministra, revelando que "vamos apresentar aos sindicatos, em primeira-mão, o que será acrescentado aos 0,3%". E indicou ainda que o aumento adicional não irá apenas abranger o salário mínimo no Estado.» [Expresso]

quinta-feira, janeiro 16, 2020

JUMENTO DO DIA


   
Fernando Medina, autarca de Lisboa

Desde os tempos da famosas forças de obstrução do pouco saudoso Cavaco SIlva, que não se ouvia um ataque tão descabelado por parte de um político no exercício de funções a uma instituição, neste caso o Tribunal de Contas. E se o ataque é inaceitável por parte de um presidenete de uma autarquia falando nessa qualidade, quando ainda por cima assenta num pressuposto errado.

É verdade que a Segurança Social visa apoiar socialmente os cidadãos, mas isso não significa que os seus recursos sejam uma espécie de banco alimentar contra a fome de dinheiro por parte das instituições. Ao contrário do que sugeriu Medina o seu património é mesmo para valorizar no mercado e é por isso mesmo, que ainda recentemente o país se sindignou quando o governo de Passos Coelho teve a brilhante ideia de usar os recursos financeiros da Segurança Social na dívida do Estado.

O património financeior ou imobiliário da Segurança Social não serve para apoios sociais mas sim para sustentar o sistema de pensões. Para apoiar as autarquias existem outros mecanismos financeiros e temos muitas dúvidas que neste capítulo da habitação o orçamento seja o do Ministério do Trabalho.

terça-feira, dezembro 03, 2019

JUMENTO DO DIA


   
Marcelo Rebelo de Sousa


O Presidente da República explicou que não esteve com Greta Thunberg porque não queria que o acusassem de aproveitamento político. Qual aproveitamento político? Não se percebe bem, até porque a Suécia é uma monarquia e Marcelo não iria ganhar muitos votos por aquelas bandas.

A verdade é a presença de Greta Thunberg não é bem recebida por muita gente e por grandes interesses económicos do nosso país. Neste caso era mais a causa que ganhava com Marcelo, do que Marcelo a ganhar com mais uma selfie, desta vez ao lado de uma jovem que é tão atacada por certos meios.

Bem esperemos que Marcelo seja coerente e isso significa que só o voltaremos a ver na mensagem de Natal e, depois disso, no dia 25 de abril.

domingo, dezembro 01, 2019

CONFUSÕES NOS PARTIDOS




A não ser no BE onde a luta pelo poder não se faz sentir, no LIVRE porque havendo só um militante não há divergências e no PCP porque por definição há menos divisões do que na Conferência Episcopal há sinais mais ou menos óbvios de que os diretórios partidários andam muito agitados, uns porque o cheiro a palha anima as hormonas e noutros porque o medo de perderem, a palha dá-lhes para darem coices.

Até mesmo no PCP as coisas nem sempre são claras pois se o putativo candidato nas suas amenas cavaqueiras com o Mendes e o Pires descuidou-se a defender uma Gerigonça, logo na Assembleia Municipal seguinte o Zé Cruz pôs ordem na casa, usou o órgão municipal como sala de imprensa da sede (perdão, do centro de trabalho) do partido e fez uma daquelas declarações políticas que faz dele um mini Jerónimo de Sousa. Afinal o PCP quer a presidência da autarquia e os outros que os apoiem se quiserem.

No PSD começa-se a prever que o cantor deve estar a dar-se mal com o negócio da música e apesar de arruinada a autarquia ainda tem uns trocos, como podemos ver pelas fotos das viagens de turismo institucional que vamos vendo na rede, ainda hoje o Luís Romão fez fotografar junto de duas raparigas jeitosas, enfim, esperemos que não comecem a mandar cartas anónimas, porque alguém vai sugerir que é obra do LdF. Tudo o que em VRSA é anónimo, com exceção dos donos do Grand House é do LdF.

A dúvida está em saber que o Luís consegue passar por cima dos muitos quilos dos Ciprianos e é candidato pelo PSD ou se optar por pedir boleia ao Chega, como muita gente sugere, já que é visível a relação simpática entre o Mendes e o traste da extrema-direita oportunista.

No PS o espetáculo começa a ser divertido, agora que o Eng Murta parecia ter desaparecido e estavam a estender a passadeira rosa para o putativo candidato eis que surge a Super Sónia e quem assiste às reuniões da Assembleia Municipal fica a pensa que a senhora é a presidente do PS. Até se diria que depois de ter falhado em, Castro Marim e em faro, a senhora lá conseguiu oq eu quer em VRSA e há um sério risco de o PS passar a ser a sigla de Partido da Sónia.

Enfim, enquanto seria de esperar que esta gente procurasse soluções ou governasse com competência eis que os que governam governam-se e os da oposição fazem oposição à oposição.

POUCA SORTE




Não sendo a terra maravilhosa que é para os mais afortunados, Vila Real de Santo António não deixa de ser graças ao clima e à sua posição geográfica uma das terras que oferece melhores condições para viver. E se é fácil viver melhor seria se a terra tivesse tido sorte com as suas elites, sejam económicas ou políticas.

A sorte que tivemos com a geografia não tivemos com os dirigentes, exceção feita para o seu fundador e para os investidores que asseguraram ao concelho uma imagem de progresso que durou até finais de anos 70. Desde então temos assistido a uma decadência que não foi travada pelo crescimento do turismo ou por alguns negócios de ocasião gerados pelas vantagens comparativas em relação a Espanha, que geram numerosas oportunidades de negócios.

A última geração de industriais das conservas ou não conseguiram renovar as ambições industriais do concelho ou preferiram fazê-lo noutras paragens. O turismo que nasceu sob o signo da ambição, com a construção do Hotel Vasco da Gama, acabou por ir perdendo qualidade e agora surgem empreendedores anónimos promovidos por concursos camarários a que concorre um único interessado com um capital de 15.000!

Mas se as elites industriais e comerciais não estiveram à altura das possibilidades oferecidas pelo concelho, a verdade é que os vila-realenses não foram exigentes para com os diretórios políticos locais, capítulo em que o concelho nunca teve grande sorte. Os vila-realenses escolheram sucessivas lideranças autárquicas sem grande visão na última década e meia escolheram mesmo alguém que pada e meia escolheram mesmo alguém que quase destruiu a terra e parece querer voltar para destruir o que ainda está de pé.

Vila Real de Santo António merecia melhores industriais, melhores comerciantes melhores políticos locais, mas também merecia que os seus eleitores fossem mais criteriosos e em vez de fazerem como alguns políticos que governam segundo interesses, votassem sem pensar em benesses e envelopes. A margem para mudar este estado de coisas é cada vez mais pequena e mais uma escolha desastrosa e as consequências não apenas ainda mais ruína, o mais provável é que4 o concelho deixe de se é que o concelho deixe de se viável.