segunda-feira, outubro 28, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 
 photo Flores-JB_zps04d16a5a.jpg
   
Flores do Jardim Botânico de Lisboa
   
Imagens dos visitantes d'O Jumento
 
 photo Cagada_zpsa89946f7.jpg
   
"Team Cagada", Maputo, Moçambique [J. de Sousa]
     Jumento do dia
    
José Pedro Aguiar Branco

Depois do folhetim da nomeação da ainda ministra das Finanças já não admira que um ministro da Defesa apele a todos os militares para que sejam ministros das Finanças. Este país começa a parecer uma imensa taberna onde andam todos com uma bebedeira das antigas. Parece que os ministros estão a estagiar para paalhços de um circo de província.
 
Em vez de apelar aos grumetes para que se armem em ministros das Finanças mais valia que se preocupasse com a competência da sua colega que detém a pasta das Finanças e acaba de concluir um OE mais inconstitucional do que a pena de morte.

«O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar Branco, defendeu domingo que todos os chefes militares, comandantes de unidades e soldados "são obrigados a ser ministros das Finanças".

"O ministro da Defesa Nacional é obrigado a ser, também, ministro das Finanças", frisou Aguiar Branco, ao discursar em Lamego durante as comemorações oficiais do Dia do Exército, realizadas em vésperas da discussão do Orçamento do Estado.» [Notícias ao Minuto]


 Este Sócrates é um grande malandro!

 photo malandro_zps2f0b19dd.jpg

 Miséria humana
 
 photo miseria_zps74161b83.jpg
 
 Coincidências
 
No mesmo dia em que o movimento "que se lixe a troika" se manifesta com o lema "não há becos sem saída" aparece Louçã a dizer que a esquerda deve apresentar propostas oncretas para a crise. Digamos que o BE continua a ser uma agremiação de surfistas, só que a vaga de manifestantes esteve longe da onda do McNamara, na Nazaré.
 
 O PREC das gajas está de volta
  
 photo PREC_zpseb6cbb28.jpg

 Um obrigado

À "Barbearia do Senhor Luís" pelas preocupações e acompanhamento do meu estado de saúde. Para além do aapoio dado é sempre bom sentirmos a amizade quando dela mais precisamos.

 O que nós temos não é um governo e um primeiro-ministro

São uma espécie de equivalências a um governo e a um primeiro-ministro herdadas do tempo em que Miguel Relvas ajudou Passos Coelho a enganar os portugueses com a ajuda preciosa do ti Silva da Coelha.

      
 Um sinal de esperança
   
«Rui Moreira fez um acordo com Manuel Pizarro para governar a Câmara Municipal do Porto. Presumo que tenham sido acertadas as principais linhas de actuação, os objectivos e a forma de os atingir. Estou convencido de que nenhuma das partes conseguiu impor à outra o seu programa na íntegra, apesar de ter existido uma prevalência das ideias de quem ganhou as eleições. Não duvido de que, em vários aspectos, existiram cedências de parte a parte. Ou seja, os representantes do povo juntaram-se e respeitaram o mandato de representação que lhes tinha sido conferido: governar da melhor forma possível a cidade segundo os programas votados. Tanto Rui Moreira como o candidato dos socialistas perceberam, e bem, que um executivo em minoria não podia trazer estabilidade governativa e que os compromissos necessários para mudar estruturalmente o que precisa de ser mudado exige um amplo consenso.

Parece que "certos sectores" do PS não gostaram do acordo. As razões do desagrado não foram divulgadas, mas não são difíceis de calcular. Imagine-se que o Presidente da Câmara do Porto, apoiado nesta coligação, faz um bom trabalho? Pois claro, quando as próximas eleições chegarem há uma grande probabilidade de os cidadãos voltarem a votar nele. Se o PS não se coligasse com Rui Moreira ficava muito mais difícil governar a cidade, havia uma maior probabilidade de as coisas correrem mal e a possibilidade dos socialistas ganharem as eleições daqui a quatro anos seria maior. O melhor para o bem comum, o melhor para a cidade será apenas um detalhe sem importância para esses socialistas.

Claro está: em idênticas circunstâncias, tanto a máquina do PSD como a do PS reagiriam como os tais "certos sectores" socialistas. A crise está a ter um papel vital no descrédito dos partidos e dos políticos, disso já não pode haver dúvidas. Uma crise destas dimensões afecta sempre a confiança dos cidadãos no regime, no próprio sistema democrático. Sejam as razões atribuíveis a causas internas ou externas. Aliás, teoricamente a crise que estamos a viver seria culpa dos políticos e dos partidos - não de agora mas de há vários anos. Mas não há que negar que a degradação dos partidos se tem acelerado e transformando-os em máquinas em que o poder deixou de ser visto como um instrumento para atingir fins, mas como um objectivo em si mesmo.
  
Ao transformarem-se em entidades sem ideologia, sem doutrina, funcionando em larga medida como agências de emprego, os partidos passaram a funcionar numa lógica de trincheira, com um comportamento igual ao duma claque de clube de futebol. Ou como agentes transformadores ou como fruto do que os partidos se transformaram, os líderes actuais e as suas equipas reflectem na cúpula o que as máquinas são na base. Daqui até à impossibilidade do diálogo, ao olhar a negociação como um campo de derrotas ou vitórias vai um passo de anão.
  
A falta da estabilidade das políticas públicas, a incapacidade de fazer reformas é o espelho desta realidade. E convém não ter falta de memória. A negociação e os consensos sobre grandes temas são marcas da nossa democracia. Integração europeia, Serviço Nacional de Saúde, escola pública, política internacional e as próprias revisões constitucionais mostram que essa cultura de diálogo existiu.
  
Ora, a forma como as máquinas partidárias encaram agora a conquista do poder e o seu exercício chocam de frente com a própria essência da democracia. Neste regime acredita-se que da negociação, da troca de ideias, da convicção de que a verdade não está só dum lado, surgem melhores soluções. Que a conflitualidade é boa, mas que os consensos, os compromissos, devem e podem ser atingidos. Que as grandes linhas políticas impostas são sempre piores do que as negociadas, bastando a razão simples de que podem ser alteradas na sequência do jogo democrático. Que as vitórias e as derrotas devem ser analisadas em função do bem comum e não do mero interesse partidário. E que os cidadãos, cedo ou tarde, reconhecerão quem se orienta pelo interesse geral.

Foi a primeira semana em muito tempo com uma boa notícia.

Foi bom terem-nos recordado que temos homens com cultura democrática e sentido de serviço público, fora dos partidos, como Rui Moreira, ou dentro dos partidos, como Manuel Pizarro. E mais há e em todos os partidos e fora deles. Como todos sabemos, mais do que leis, mais do que mil tratados, são sempre os homens e as mulheres os agentes da mudança. São eles que conseguirão mudar os partidos e, sobretudo, a comunidade.
   
Há uma luz ao fundo do túnel.» [DN]
   

   
   
 photo Krasnov-Vladimir_zpsb9b558d6.jpg
  
 photo Krasnov-Vladimir-2_zpsc369f03c.jpg
   
 photo Krasnov-Vladimir-3_zpsceebfebc.jpg
   
 photo Krasnov-Vladimir-1_zps764b1a16.jpg
  
 photo Krasnov-Vladimir-4_zps755c831f.jpg
blog comments powered by Disqus