quinta-feira, fevereiro 14, 2019

DE QUE LADO ESTÁ O RUI RIO?

Da última vez que o PS esteve no governo o Cavalo de Tróia da direita para o assalto ao poder foi o ensino e tal como agora assistimos a um acordo tácito entre direita, setor privado, corporações e sindicatos. O Mário Nogueira queria ajudar a derrubar um governo que lhe tinha cortado no número de professores em funções sindicais e as escolas privadas queriam continuar a aceder a subsídios. 

Agora assistimos a mais do mesmo e como os problemas dos professores já perderam a capacidade de mobilização atacam outro pilar do estado social, o Serviço Nacional de Saúde. No passado os professores do setor privado, com condições piores do que os do setor público ficaram em silêncio, agora assistimos ao mesmo, os sindicatos (e agora a Ordem que está ao serviço do Passos Coelho e do seu diabo) só atacam no setor público.

Mas desta vez o ataque está sendo bem mais violento e já não se trata apenas de aumentar subsídios para o setor privado, agora ataca-se o SNS em toda a linha e até o boicote à ADSE, como forma de ameaçar o SNS de colapso está sendo usado. Temos a bastonária extremista dos enfermeiros, os sindicatos, o bastonário dos médicos, as empresas do setor privado, todas concertadas para atacar o SNS. Até o palerma da UGT parece querer uma pequena fatia de protagonismo num sinal de que a ala do PSD naquela central se está a mexer.

Empresas, bastonária, TSD, PCP, UGT e grupos corporativos estão todos unidos para distribuir o pouco que se poupou no Estado antes que se apague. Vale de tudo e basta ver os milhões que estão em causa na ADSE para percebermos que os grupos privados da saúde terão muito a ganhar financiando greves feitas para destruir o Estado e forçar este a reencaminhar os seus doentes para o setor privado, pagando o que estes exigem.

Começa a ser tempo de Rui Rio e do seu PSD tomar posição e assumir de que lado está em relação às reivindicações, ao financiamento secreto de greves que visam destruir o SNS, à chantagem sobre a ADSE e sobre o SNS e a todos os fatos estranhos que estão ocorrendo. De que lado está Rui Rio, do lado do país ou do lado dos que não se cansam de tentar fazer com que o diabo venha?

quinta-feira, fevereiro 07, 2019

O DIABO VEM DE BATA


Há muito que se sabe que a bastonária da Ordem dos Enfermeiros está usando a sua posição para repetir com este governo aquilo a que já assistimos em governos anteriores com outros grupos profissionais. Como os enfermeiros podem fazer chantagem com o governo pondo em perigo a vida dos portugueses e ameaçando o país com a destruição do SNS a enfermeira amiga de Passos Coelho pode tentar derrubar o governo.

O único problema da guerrilheira da extrema-direita chique estaria na perda de rendimentos por parte dos enfermeiros. Paralisar os bancos de cirurgia com uma greve de poucos enfermeiros e pagar o ordenado destes com doações. Não falta no setor privado da saúde quem esteja interessando em conseguir uma fatia maior do negócio das cirurgias e descredibilizar o SNS. Uma doação pública era demasiado perigosa, mas a solução estava na Net, a troco de uma comissão a uma página de crowdfunda é garantido o anonimato dos doadores.

O setor privado apostado em governos que odeiam o SNS matam dois coelhos com uma cajadada, financiam uma greve que lhes trás clientes que lhes pagarão o que gastaram para financiar a greve. Ao mesmo tempo derrubam um governo que protege o SNS. Tudo estava pensado, era uma questão de tempo, esperou-se pelo anos das eleições, pedia-se o impossível e ou o governo dava aos enfermeiros um estatuto igual ao dos médicos ou o país era metido de pernas para o ar.

Não é a primeira vez que a extrema-direita chique aposta na morte de portugueses, Passos Coelho ficou tão excitado quando numa visita a Pedrógão lhe disseram que algumas vítimas dos incêndios se tinham suicidado que não se conteve e deu a notícia sem qualquer pudor. Passos Coelho e os seus, onde está a enfermeira dessa ordem absurda que é a Ordem dos Enfermeiros, nunca escondeu que confiava no diabo.

Agora percebe-se que o diabo vem com Fátima de enfermeiro, resta aos portugueses perceberem o que está em causa e saírem em nome da democracia e do SNS.


terça-feira, fevereiro 05, 2019

O REGIME INDEFENSÁVEL

Apoie-se ou não a oposição do regime venezuelano, concorde-se ou não com as suas críticas, associemo-nos ou não às posições da EU ou dos EUA, é cada vez mais óbvio que o regime de Maduro é indefensável. Antes de mais porque é um regime, emanou da democracia, teve na sua génese eleições ganhar por Chavez, mas há muito que as regras democráticas estão dando lugar a regras típicas do autoritarismo.

É um regime indefensável porque assenta no autoritarismo, na força dos militares, na intimidação e na alteração contínua das regras para converter o que foi um dos países mais democráticos da América Latina em mais uma ditadura. Mas não se limita a ser cada vez mais autoritário, é um regime de gente incompetente, que esbanja os recursos do país e que neste momento é incapaz de assegurar o mínimo de qualidade de vida aos cidadãos, a não ser aos militares e aos que suportam o poder.

Enquanto o petróleo esteve em alta o regime escondeu a incompetência, com os preços em baixa só se vê miséria. Faltam medicamentos, hospitais que colapsaram, fome, pobreza generalizada. Não vale a pena o Maduro queixar-se de que há mil milhões de euros congelados em Portugal ou noutro país, muito mais do que isso estava em contas escondidas no BES e a fome já atingia a maioria dos venezuelanos.

Podem defender o regime porque a riqueza do país poderia ajudar Cuba a sobreviver, podem querer dizer-nos que a Venezuela só não é mais um paraíso porque é boicotada pelos imperialistas, mas a verdade é cada vez mais óbvia e a tacanhez apenas vai levar ao conflito e muito provavelmente a mais um regime autoritário de direita, é desta forma que muito provavelmente vai terminar a aventura política do imbecil do Maduro.

É urgente que o Maduro caia porque estamos fartos de visionários que querem levar os seus países e os seus povos com eles. O ditador venezuelano não tem futuro e há muito que se limita a prestar uma preciosa ajuda aos que diz combater. Chega de ameaças, de miséria, de sofrimento humano, chega de Maduro.

quinta-feira, janeiro 31, 2019

OS BONS E OS MAUS


Desde que consta que a extrema-direita se infiltrou nas forças de segurança que há quem queira transformar as polícias em modelos de virtudes, sendo uma manifestação antinacional a mais pequena crítica à atuação das forças policiais. Se um ministro questiona a colocação se fotos nas redes sociais tiradas por agentes policiais em desrespeito dos direitos de um qualquer detido, como sucedeu recentemente, insinua-se que o ministro está do lado dos bandidos, em vez de estar do lado dos bons.

Esta separação entre os bons, os que combatem o crime, e os maus os que cometem o crime, está a ganhar uma nova dimensão, nos bons estão todos os polícias independentemente dos métodos e todos os que de forma militante e incondicional os apoiam, do lado dos maus estão todos os criminosos mais os que ousem questionar se um criminosos perde acesso a qualquer tipo de direitos, pouco importando se são direitos humanos ou constitucionais.

Macis grave ainda, quem critique as polícias ou proteste contra os seus abusos perde o direito à segurança porque não pode pedir ajuda aos mesmos polícias que criticou, como se as polícias fossem associações sem fins lucrativos financiadas por cidadãos bons e que apoiam incondicionalmente aquilo que eles consideram estar do lado dos bons. Quem for bom tem direito aos serviços prestados pelas polícias, quem estiver do lado dos maus perde esse e muitos mais direitos.

Segundo esta lógica quem ouse criticar o SNS deverá ser proibido de entrar num centro de saúde ou de ser consultado numa urgência, em caso de acidente grave terá de pedir uma ambulância privada e seguir para um hospital privado. Quem criticar a competência da corporação de bombeiros da sua localidade já sabe, em caso de incêndio esqueça o telefone e agarre-se ao balde.

O país está a ficar idiota e o mais grave é que são muitos os poucos que se batem contra esta idiotice coletiva que está transformando maus políticas, maus juízes, maus políticos em modelos de virtudes.

segunda-feira, janeiro 28, 2019

FILHOS DA PUTA


É impossível que a CGD tenha concedido créditos de centenas de milhões de euros sem quaisquer garantias e que isso apenas fosse do conhecimento dos administradores de honestidade duvidosa que os concederam. Nem quadros do interior do banco, nem auditores externos, nem os ministros das Finanças, nem sequer o Banco de Portugal? Ninguém acredita que um grande banco público tenha sido conduzido à beira da falência depois de esbanjar milhares de milhões de euros sem que ninguém tivesse reparado.

O que é evidente em relação à CGD também é evidente em relação a todos os bancos que foram à falências ou estiveram à beira disso. Ninguém viu por uma razão muitos simples, a banca deu de ganhar a muita gente, altos quadros do Estado tinham na banca o emprego seguro para os filhos, os políticos tinham na banca promessas de carreiras bem remuneradas quando deixassem a política.

Enquanto empresas e cidadãos eram espremidos pela banca sempre que precisavam de um crédito ou da prestação de serviços, havia umas centenas de pessoas que tinham todas as facilidades e beneficiavam das vantagens do acesso fácil ao dinheiro barato do BCE. Os bancos tinham lucros e todos os seus quadros recebiam prémios, os amigos tinham facilidades, havia milhões para jogos na bolsa e compras de casas de luxo no Algarve.

Na hora da verdade todos desapareceram, eram como o Carlos Costa que no BCP tinha o pelouro das relações internacionais mas não sabia de nada, até foi promovido a governador do Banco de Portugal, tal como um outro distraído, um tal Vítor Constâncio, foi enriquecer para o BCE.

O que se passou na banca foi uma pilhagem coletiva onde desde os chefes das agências aos altos responsáveis do regulador estiveram envolvidos. Esta pilhagem foi um dos maiores atentados à economia do país em toda a sua história e lamentavelmente vai ficar impune.

sexta-feira, janeiro 25, 2019

E SE NÃO TIVESSE OCORRIDO A CRISE DAS DÍVIDAS SOBERANAS

Se não tivesse ocorrido a crise das dívidas soberanas que levou o país a pedir ajuda Às instituições financeiras internacionais, é muito provável que neste momento a situação do país seria bem mais trágica do que aquela que resultou dos efeitos do memorando com a Troika, efeito largamente agravados por gente irresponsável, como Vítor Gaspar, Passos Coelho ou Maria Luís Albuquerque.

Hoje é óbvio que os grandes bancos portugueses estavam à beira da falência e que sem qualquer ajuda pública iriam cair um a seguir ao outro, como se fossem peças de dominó, nem mesmo a CGD escaparia ao desastre pois o país não estaria em condições para um resgaste de um banco das suas dimensões. 

Foi o resgate da Troika que permitiu antecipar a situação dos bancos, dando-lhes balões de oxigénio que evitaram uma desgraça maior. Mesmo assim vimos desaparecer o BES, o BPP e o BANIF. Sem esta intervenção era uma questão de tempo para que o BES, o BCP ou a CGD entrassem em rota de falência, provocando a falência de todo o sistema financeiro.

Uma falência generalizada dos bancos teria consequências bem mais graves do que as dificuldades de acesso ao mercado financeiro por parte doo Estado. Daqui resultam dificuldades para o Estado, o que obrigou a um corte nas suas despesas. Mas uma situação de bancarrota de todo o sistema financeiro a desgraça teria dimensões catastróficas.

De um dia para o outros cidadãos e empresas perderiam os seus depósitos, a maioria das empresas não teria capacidade de sobreviver dada a sua dependência da banca, os exportadores deixariam de ter capacidade para financiarem as exportações, o crédito ao consumo paralisaria. Seria o colapso de toda a economia.

Dedicaremos o próximo post aos responsáveis por este atentado contra Portugal, gente responsável por mais de duas décadas perdidas, que transformaram a banca numa imensa máquina de enriquecimento pessoal. Como é lógico esse post terá por título “Os filhos da puta” pois não há outro nome que consiga caracterizar tão bem o caráter dessa gente.