quinta-feira, abril 04, 2019

FAMÍLIAS GOVERNAMENTAIS


Muito mais grave do que a contratação de um primo para assessor de um gabinete governamental é o que se pode passar em muitos concursos de admissão de funcionários públicos. Isso quando há concursos, já que no caso dos precários muitas escolhas feitas sem qualquer procedimento concursal obedeceram a critérios políticos ou familiares e agora passam à frente de outros cidadãos com dispensa de qualquer concursos. Basta ir a algumas autarquias para se perceber como muitos jotas e afilhados foram promovidos a funcionários autárquicos.

Encontrar primos e conhecidos nos gabinetes ministeriais de qualquer governo, a começar pelos do Cavaco Silva, é fácil. Desses até sabemos qual foi o critério da escolha, o pior é quando os laços são bem mais perigosos e não são identificáveis pelo apelido. Se aprofundarem as investigações vão encontrar muitos representantes de escritórios de advogados em gabinetes sensíveis, senão mesmo secretários de Estado escolhidos por grupos, basta olharem com cuidado para o governo de Passos Coelho.

Os governos não são centros de emprego onde deve respeitar-se o princípio da igualdade no acesso dos cidadãos aos cargos governamentais. O primeiro-ministro, os ministros e secretários de Estado escolhem quem bem entenderem, se escolherem incompetentes, irresponsáveis ou corruptos sofrerão as consequências nas eleições, se nada de grave se souber antes.

Ter míni conselhos de ministros familiares merece um sorriso e não parece ser um modelo de republicanismo. Mas se não gosto da escolha dos ministros da Administração Interna e da ministra do Mar não é porque são marido e esposa, não sinto uma especial sobre as duas personagens e não foi o casamento que as melhorou ou piorou.

Mas é bom que toda o PSD se dedique a estas questões, é sinal de que o Centeno fez um bom trabalho e o Rui Rio não tem muito com que se preocupar. Como o PSD tem uma certa mania de salvador da pátria isso significa que podem ser dispensados para a próxima legislatura.

terça-feira, abril 02, 2019

UMA OPOSIÇÃO SEM PROGRAMA


Primeiro andaram um ano a divertirem-se convencidos de que o diabo lhes faria o trabalho, em vez de alternativas fizeram prognósticos desastrosos e antes do jogo, o resultado foi o que se viu, em vez de ir a São Bento o Mafarrico optou por se instalar na São Caetano e no Largo das Caldas.

Abandonados pelo diabo a imaginação escasseou, tiveram de se dedicar a coisas menores, pouco importando que se tratassem de situações resultantes das políticas que adotaram no passado. O grande problema do país passou a ser a linha verde do Metro de Lisboa. Aqueles que agora dizem que os passes sociais é coisa de citadinos, andaram meses preocupados com os que os algarvios, beirões ou transmontanos sofriam quando iam de Metro entre o Rossio e a Praça de Alvalade.

O Metro lá superou as maldades que lhe fizeram e foi a Catarina Martins que encontrou um argumento fundamental na crítica às políticas de Mário Centeno, era tudo culpa das cativações. Desta vez a direita optou por ser bipolar, começou por o sucesso económico à austeridade, sugerindo que Centeno era aluno do Gaspar, ao mesmo tempo descobriu que quem morria de pneumonia teria sobrevivido se não houvessem cativações.

Mas o diabo apareceu mesmo e veio trazendo o fogo do inferno, Passos exultou e até começou a sonhar com mortos e se as vítimas dos incêndios não podiam ser atribuídas ao governo, então alguém teria de se suicidar porque o governo não os ajudou e surgiram logo mortos e feridos. A teoria da culpa das cativações evoluiu para a teses da ausência do Estado, por causa do Centeno o Estado falhava. A tese até teve honras de apoio presidencial.

Sem mais desgraças alguém reparou que no executivo havia um casal a que se juntavam um assessor e uma chefe de gabinete, descobriram logo que o governo em vez de ter tomado posse em Belém tinha-o feito numa repartição do Registo Civil. Os jornalistas do Observador deixaram de  ler a comunicação social estrangeira para ver o que se podia copiar, agora era necessário encontrar primos até ao terceiro grau, tarefa penosa num ais em que quase todos são Silvas, Pereiras ou Costas.

Cansaram-se depressa, esperemos para ver como é que a direita vai esconder que não têm propostas a fazer ao país, ficaram bloqueados com as políticas da extrema-direita chique e não conseguiram propor um programa diferente do de Passos Coelho.

segunda-feira, abril 01, 2019

MEDALHAS


Alguém do Ministério Público veio a público pedir desculpas à família pelo que fizeram de mal ao Dr. João Vasconcelos, ex-secretário de Estado que se demitiu na sequência de um processo manhoso e que morreu recentemente? É claro que não, até porque segundo os nossos justiceiros de pacotilha ao ter sido arquivado o processo a justiça correu o seu curso e ilibou um inocente.

Mas a verdade é que para o comum do cidadão, que acredita na bondade das nossas autoridades, o João Vasconcelos era um malandro que se demitiu por suspeitas de corrupção por ter ido comer e beber e ver a bola a Paris à conta da GALP a troco de sabe Deus o quê. Viu a sua carreira interrompida com um processo meramente difamatório e acabou por falecer em circunstâncias que nos deixam um nó na garganta.

Entretanto, faleceu um tal Zeca Mendonça que percebo agora que era íntimo de muitos líderes do PSD, mas que eu só conhecia ou lhe dava relevância política desde que se tornou famoso por ter pontapeado um  jornalistas inconveniente que se lembrou de incomoda Passos Coelho com perguntas a que este não quereria responder.

Não tenho nada contra o Zeca Mendonça ainda que não seja um grande apreciador da ponteira dos sapatos dos assessores dos líderes do PSD. Mas fico a pensar com os meus botões para que servirão as condecorações nacionais ou que é que torna as pessoas dignas de reconhecimento público.

Será que os assessores do Jerónimo de Sousa da Assunção Cristas, do António Costa ou da Catarina Martins terão um estatuto merecedor de condecorações em caso de falecimento ou as medalhas são preferencialmente para o pessoal do PSD.

sexta-feira, fevereiro 22, 2019

OS LODEN ESTÃO DE VOLTA



Toda a direita estava animada, falhada a tentativa de eleger Soares Carneiro renasceu a esperança com a candidatura de Freitas do Amaral, PSD e CDS estavam de novo unidos unidos e assim se mantiveram até Cavaco ter deixado o Freitas a pagar as dívidas da campanha com os seus pareceres maçados pelos pingos de suor. 

A direita unida seguiu os velhos tiques portugueses, desataram a imitar o chefe. Na Igreja a voz das homilias parece ser sempre a mesma, no PCP todos tinham o sotaque da Checoslováquia e na direita portuguesa a identidade foi conseguida usando o loden, um hábito de Freitas do Amaral. De um dia para todo não havia gato pingado do PSD ou do CDS que não enfrentasse o frio com um lod verde. Freitas perdeu e austríacos ainda hoje de se devem estar a interrogar sobre a razão de terem vendido tantos a Portugal naquele anho e porque nunca mais os venderam.

Os loden acabaram por ficar fora de moda, aqui ou acolá aparece alguém que os usa, uns mais novos e outros com ar coçado. Quando vi as primeiras imagens do enfermeiro que em direto e inspirado na linguagem do DAESH declarou que estava ali um mártir, ainda que nada nos levasse a crer que o pneu abdominal fosse um cinto explosivo, foi-me impossível não reparar que o homem  enfrentava o frio no jardim de Belém com um velho loden, com ar de já ter feito muitas campanhas.

Esperemos que a onda de solidariedade não se alargue e da mesma forma que nos passado todos compraram um loden, agora ainda corremos um sério de risco de vermos todos os que têm pneus abdominais decidirem juntar-se ao enfermeiro para se martirizarem durante uns tempos, fazendo explodir os quilinhos de gordura em excesso. Algo que não seria má ideia para o Carlos Silva, líder da UGT. Até pode ser que Marcelo, que prometeu oferecer acompanhamento médio, se lembre de contratar o Talon ou mesmo a camarada Isabel do Carmo que pode usar os seus conhecimentos de explosões e de nutricionismo para melhor lhes fazer explodir o toucinhito em excesso. 


Será que Marcelo ainda tem o seu velho lod e um dia destes veste-o para ir fazer companhia ao sem abrigo de Belém, num banco de pedra, do lado oposto da rotunda onde está um com a inscrição “aqui nasceu o Belenenses”? Agora teremos de fazer uma inscrição no banco informando que “aqui morreu um mártir que vestia um loden”.

quarta-feira, fevereiro 20, 2019

SALÁRIO MÍNIMO OU SALÁRIO MAIS BAIXO


Rui Rio defende que o salário mínimo deve ser igual para todos, uma declaração com a qual temos de concordar, mas que tem um pequeno senão, revela um político manhoso que joga com as palavras e está usando a ignorância de alguns eleitores para ganhar votos fáceis.

No PSD há muita gente que tem por profissão político ou funcionário do partido e, portanto, é possível estabelecer qual o salário mais baixo pratica neste partido. Seguindo a lógica intelectual do merceeiro do PSD podemos identificar qual o salário mínimo praticado no PSD. Será que Rui Rio vai tornar esse dado público e voltar a defender que o salário mínimo deve ser igual para todos. É bem provável que tivesse ainda mais votos e se aplicasse esta regra a empresas estrangeiras instaladas em Portugal, então seria um verdadeiro regabofe.

Passos Coelho assentou a sua perseguição aos funcionários públicos numa falsidade, comparou a média de ordenados no Estado com os do setor privado e concluiu que no Estado ganhava-se mais. É lógico, a mesma conclusão teria um estudo que comparasse o Hospital da Luz com uma empresa de segurança ou de limpeza, quando se comparam organizações que exigem qualificações diferentes é óbvio que as que exigem maiores qualificações pagam mais.

Se Rui Rio fosse intelectualmente honesto teria de defender que para categorias idênticas os ordenados devem ser iguais. Assim, comparar-se-ia categoria profissional a categoria profissional, isto é, retinha-se o salário da categoria pior remunerada no Estado e proceder-se ia à comparação da remuneração praticada no setor privado para esta categoria. Só que se for por este caminho Rui Rio vai ter um problema grande, que é a disparidade de remunerações e de modalidades de remuneração entre o Estado e o setor privado.

Para que o debate político fosse sério não seria mau se Rui Rio fosse mais honesto na forma como usa as palavras, não invocando os valores éticos apenas quando lhe dá jeito.

quinta-feira, fevereiro 14, 2019

DE QUE LADO ESTÁ O RUI RIO?

Da última vez que o PS esteve no governo o Cavalo de Tróia da direita para o assalto ao poder foi o ensino e tal como agora assistimos a um acordo tácito entre direita, setor privado, corporações e sindicatos. O Mário Nogueira queria ajudar a derrubar um governo que lhe tinha cortado no número de professores em funções sindicais e as escolas privadas queriam continuar a aceder a subsídios. 

Agora assistimos a mais do mesmo e como os problemas dos professores já perderam a capacidade de mobilização atacam outro pilar do estado social, o Serviço Nacional de Saúde. No passado os professores do setor privado, com condições piores do que os do setor público ficaram em silêncio, agora assistimos ao mesmo, os sindicatos (e agora a Ordem que está ao serviço do Passos Coelho e do seu diabo) só atacam no setor público.

Mas desta vez o ataque está sendo bem mais violento e já não se trata apenas de aumentar subsídios para o setor privado, agora ataca-se o SNS em toda a linha e até o boicote à ADSE, como forma de ameaçar o SNS de colapso está sendo usado. Temos a bastonária extremista dos enfermeiros, os sindicatos, o bastonário dos médicos, as empresas do setor privado, todas concertadas para atacar o SNS. Até o palerma da UGT parece querer uma pequena fatia de protagonismo num sinal de que a ala do PSD naquela central se está a mexer.

Empresas, bastonária, TSD, PCP, UGT e grupos corporativos estão todos unidos para distribuir o pouco que se poupou no Estado antes que se apague. Vale de tudo e basta ver os milhões que estão em causa na ADSE para percebermos que os grupos privados da saúde terão muito a ganhar financiando greves feitas para destruir o Estado e forçar este a reencaminhar os seus doentes para o setor privado, pagando o que estes exigem.

Começa a ser tempo de Rui Rio e do seu PSD tomar posição e assumir de que lado está em relação às reivindicações, ao financiamento secreto de greves que visam destruir o SNS, à chantagem sobre a ADSE e sobre o SNS e a todos os fatos estranhos que estão ocorrendo. De que lado está Rui Rio, do lado do país ou do lado dos que não se cansam de tentar fazer com que o diabo venha?