sexta-feira, outubro 15, 2021

SÍNDROMA DO BX

A elite do PSD sofre daquilo a que poderíamos designar pela síndrome do Citroen BX. Desde que Cavaco deu a golpada em Balsemão e esteve 10 anos a dar cabo do futuro deste país, que no OS todos jogam na lógica do assalto ao poder no momento mais apropriado.

A segunda vítima deste tipo de golpada foi Marcelo Rebelo de Sousa, que agora na qualidade de presidente deve recordar-se bem do que o Durão Barroso lhe fez. Acusado de aproximação a Paulo Porta Marcelo foi despachado pelo famoso Cherne quando já cheirava a poder. Depois foi o que se viu, juntou-se ao CDS, Paulo Portas comprou os submarinos e acabaram por ficarem muito felizes para o resto das suas vidas.

Parece que Rui Rio vai ser a terceira vítima desta síndroma, O Moedas destapou a garrafinha do cheiro a palha e foi o que se viu, o PSD entrou em excitação e até já contam com eleições antecipadas e uma vitória da direita, certamente com o Ventura a fazer de Paulo Portas.

Já houve um tempo em que o Passos Coelho e os seus falavam em refundação do PSD e até convidou o Balsemão para liderar o processo. Mas com a crise das dívidas soberanas aprendeu que para chegar à manjedoura deste país nem sequer é necessário programa, basta dar o golpe no momento certo.

quinta-feira, outubro 14, 2021

CEGUINHOS OU IDIOTAS?




O OE é o mais importante instrumento de política económica. Não se esgotando nele a estratégia de um governo num horizonte de médio/longo prazo, é sem margem para dúvidas, o documento onde um país pode perceber o que pretende um governo.

O que pretende o governo e os partidos ou deputados que ocasionalmente o apoiam para o futuro do país?

Infelizmente, a primeira imagem que a Geringonça e as várias soluções políticas mais ou menos desengonçadas nos têm dado é de uma ausência de visão de futuro, as negociações orçamentais são condicionadas pela lógica deste tipo de negociações, a uma perspetiva imediata.

O PCP quer mostrar aos seus eleitores umas “reconquistas de Abril”, para justificar uma coisa que parece ser-lhe muito difícil, viabilizar um governo que governe à esquerda ou, para ser preciso, menos à direita do que sucederia comum governo PSD ou PSD/CDS/CHEGA.

O BE só aceita apoiar um OE se provar que graças ao voto dos seus deputados manda mais no OS do que o PCP e que graças a ele se conseguem grandes conquista. No ano passado a linha vermelha era o Novo Banco, num ano a linha vermelha desapareceu do seu debate político.

Em cinco orçamentos ainda não se viu um que mostrasse o que se pretende pra o país, todos os anos o OE é condicionado por um ritual exibicionista por parte dos pequenos partidos da esquerda conservadora. 

Enfim, cheira-me que esta estratégia ridícula por parte dos líderes da esquerda vai acabar por parir o pior governo de direita da história de Portugal. 


domingo, outubro 10, 2021

O HOMEM DOS TREMOÇOS REAPARECEU



Sempre que Cavaco Silva aparece recordo-me da anedota do tipo que caiu num tanque de cerveja e que de vez em quando aparecia à superfície para pedir tremoços. Sempre que Cavaco reaparece para dizer das suas atoardas, fico cheio de vontade de lhe bater à porta e dar-lhe um daqueles boiões grandes de tremoços, que estão à venda na seção de frutas do Continente.

Quem o ouve e não o conhece até pensa que aquele velhote é um modelo de virtudes. O problema é que o pobre senhor já nem os do seu partido motiva, até é de estranhar que alguns jornais se arrisquem a perder audiência, fazendo-lhe entrevistas que o homem parece considerar “oportunas” e eficazes contra o obrigou a engolir uma indigesta geringonça. Ainda hoje o homem não conseguiu mastigar a geringonça, lembrando a famosa imagem de quando encheu a boca de bolo-rei.

O país tem um problema de qualificação? Perguntem ao senhor onde e como foram gastos os muitos milhões atribuídos pelo Fundo Social Europeu aquando da entrada de Portugal para a CEE?

A agricultura foi abandonada? Perguntem ao senhor por que motivo decidiu eliminar os mecanismos de proteção da agricultura apenas para conseguir baixar a inflação, à custa da entrada de produtos europeus mais baratos.

A corrupção generalizou-se? Perguntem a esse senhor quando o Tribunal de Contas ou outras instituições questionavam os métodos do seu governo, porque lhes chamava forças de bloqueio.

Há razões d queixa do funcionamento da democracia? Perguntem a esse senhor quais os métodos que usava e que estão bem descritos no livro autobiográfico do jornalista Fernando Lima, o homem que criou a imagem pública da personagem e que foi dispensado quando Cavaco estava em dificuldades com as escutas a Belém, um dossier vergonhoso, que a crer no mesmo Fernando Lima, tinha no centro este pobre blogue.

Cavac Silva disse um dia que para aparecer alguém mais honesto do que ele teria de nascer duas vezes. A verdade é que para o “homem dos tremoços” nos deixar de incomodar terá de morrer duas vezes, uma já aconteceu porque politicamente Cavaco Silva é um morto vivo da vida política. 


PS: alguém que explique ao senhor da Quinta da Coelha que os Citroen BX já só se podem encontrar em museus e mesmo aí não há muitos?



terça-feira, outubro 05, 2021

O TENDÃO DO RICARDINHO



Não sei se teria andado mais ocupado a ler os relatórios diários da DGS sobre as estatísticas daCovid-19, se assuntos como o Afeganistão ou mesmo o cachão dentro da doca do Alfeite, não me terão distraído de assuntos de grande importância nacional.

Mas fiquei a saber que o país discutiu um assunto nacional de grande importância, o tendão do Ricardinho. Desde o Aquiles o mundo não tinha parado por causa do tendão dos artelhos, nem mesmo os artelhos do António Costa mereceram grande discussão por causa da rotura no tendão do Medina.

Aqui ficam as minhas desculpas por nunca ter aqui dado a devida importância ao tendão do Ricardino. O que nos ale é que podemos dormir descansados, temos sempre um Presidente da República que cuida de nós, ajuda-nos a superar as crises nacionais, incluindo a provocada pelo tendão do Ricardinho.



domingo, outubro 03, 2021

INDICADORES DE ALERTA

Na economia há sinais que antecipam as alterações dos ciclos económicos, são indicadores de alerta que permitem aos decisores alterarem as políticas.

É uma pena que os políticos não façam o mesmo e em vez de decidirem em função das sondagens, optem por terem sentido crítico. Mas, em vez de perceberem os pequenos sinais que apontam para o descontentamento, preferem persistir no autismo, vendo grandiosas vitórias onde as derrotas começam a ser evidentes.

É pena que em vez de terem lido os resultados eleitorais das últimas autárquicas, muitos tenham achado que a perda de Lisboa foi largamente compensada pela conquista de Monchique.

Se em vez de pensarem um pouco optarem por alimentar o autismo com sondagens simpáticas, que provocam ondas de alegria nas redes sociais é bem provável que um dia destes aconteça ao nível nacional o que não quiseram perceber que podia acontecer em Lisboa.



sexta-feira, outubro 01, 2021

QUEM FOI O GARGANTA FUNDA?

No caso do cachão provocado pelo problema da troca no almirantado, o grande problema do Rui Rio nem foram os salpicos, mas sim quem fez o vento, tornando pública a intenção do governo.

Se o Presidente da República não sabia, o que é pouco provável, já que sendo o comandante supremo das forças armadas é bem capaz de ter conversas ao pé da orelha com os comandos das Forças Armadas, restam duas fontes possíveis, o governo e o chefe do Estado Maior da Armada, bem como os que souberam através destes.

Quem tinha interesse em deixar o governo em dificuldades? O ministro da Defesa que não gosta do Almirante, o Almirante que não gosta da política de defesa? Aceitam-se palpites. 

quinta-feira, setembro 30, 2021

O QUÊ?


 

Todo o país percebeu que ali para os lados de Belém o mar estava com cachão por causa dos ventos vindos de São Bento. Mas é uma pena que o nosso comandante supremo das Forças Armadas não use farda, como sucede com os reis de Espanha, senão, em vez de trajes de comentador televisivo, Marcelo teria vestido a farda de almirante, a lembrar O rei Juan Carlos a falar aos golpistas do 23F.

Mas em vez de um almirante vimos um comentador explicar aos 10 milhões de alunos que essa coisa da promoção do contra-almirante já estava agendada. Ficámos desiludidos, afinal, aquilo que se pensava ser um prémio pela última batalha das Forças Armadas, já estava combinada.

Mas o que mais chamou à atenção foi um pormenor que escapou a muita gente. O atual Chefe do Estado Maior da Armada anteciparia a sua saída do cargo, para que outros pudessem ascender ao cargo, antes que fossem navegar para as águas tranquilas da reserva naval.

Isto é, os cargos de topo das nossas Forças Armadas não são para comandantes militares, mas sim para pré pensionistas poderem ter mais uma promoção. E tudo devidamente explicado no meio de um recado ao comandante supremo ao grumete do ministro da Defesa.

terça-feira, setembro 28, 2021

NOVOS TEMPOS EM BELÉM


 

Nos tempos de Cavaco Silva o que o então PR queria que constasse era comunicado aos jornais sob a forma de “fonte de Belém”. Quando as coisas corriam mal Cavaco Silva apressava-se a esclarecer que só o que ele dizia contava.

O regabofe das fontes de Belém chegou a um ponto tal, que quando Marcelo ganhou as presidenciais apressou-se a dizer que lhes tinha silenciado com uma rolha. E acabaram, o que é fácil de se perceber, com um PR a falar de manhã à noite, a fonte de Belém é mesmo o presidente, ainda que às vezes pareça menos credível do que as fontes de Cavaco.

Mas parece que as coisas mudaram, com as últimas eleições autárquicas as fontes de Belém ressuscitaram. Ninguém fale em fontes, não vá alguém perguntar ao Marcelo se contratou o Fernando Lima, o antigo jornalista que fez de Cavaco um político e depois de durante tantos aos ao serviço da carreira de Cavaco, foi descartado por causa das famosas escutas em Belém. Enfim, ironia do destino, a fonte de Belém foi dispensada por causa das escutas a Belém...

Agora, usa-se nova terminologia, quando querem que saibamos o que pensa Marcelo sem que o PR assuma a responsabilidade pelo que terºá dito ou terá mandado dizer dizem que será o que se ouve ou pensa "em Belém". Isto é, já não há um “garganta funda oficiosa no palácio”, agora falam alto nas salas do palácio e um qualquer jornalista, que por coincidência passe junto de uma das muitas janelas abertas, ouve os funcionários dizerem o que por ali todos dizem, o que o Presidente quer que se ouça fácilmente nas janelas que dão para a rua.

Estarei enganado ou depois dos “novos tempos” em Lisboa, vamos ter também ter “novos tempos” em Belém? Parece que sim. É como cantou José Mário Branco "Mudam-se os tempos, mudam as vontades".


PS: Na foto aparece um encontro casual entre Marcelo e o agora presidente da CM de Lisboa. Um encontro tão casual como o que aconteceu nas últimas autárquicas entre o mesmo Marcelo e a então candidata do PSD. Enfim, parece que sou o único português que não tem uma selfie com o Presidente , nem se encontrou casualmente com ele.





segunda-feira, setembro 27, 2021

O CASE STUDY

Se este governo cegar ao fim da legislatura sem qualquer remodelação e ganhar as próximas eleições legislativas, sendo um governo minoritário e com alguns ministros “espanta votos” estaremos perante um fenómeno político.

Ainda não percebi se António Costa está sugerindo que o consideramos um case study, mas começo a desconfiar de que sim, talvez estejamos perante um fenómeno político merecedor de atenção de analistas e dos cientistas da ciência política.

Para já, parece que o primeiro-ministro está muito empenhado nesta ideia, tão empenhado que até correu o risco de ir a votos nas autárquicas, partindo do princípio de que armado de uma bazuca evitava o fogo dos tanques inimigos.

Para já, o balanço não foi muito negativo, perdeu algumas câmaras, ganhou outras e continua a ser o maior partido autárquico. Perdeu Lisboa e Coimbra, isso não representa grande custo, afinal, conquistou Monchique  e mais algumas minudências autárquicas. Estatisticamente, neste saldo de derrotas e vitórias seria tão grave perder Alcoutim como Lisboa, as contas são simples na escolha do presidente da associação dos municípios cada câmara vale um voto.

Se António Costa perdeu Medina, mas em contrapartida não atirou o Eduardo Cabrita pela borda fora, antes pelo contrário, até ajeitou o orçamento familiar com um cargo para a esposa. Um balanço deveras positivo, perdeu Medina um autarca que vale tanto como o presidente de Barracos ou de Alcoutim, em contrapartida, manteve umas das famílias mais nobres da corte.

António Costa está de parabéns ganhou as eleições. Só espero que não se recorde dos políticos que tiveram carreiras que terminaram em cargos de primeiro-ministro ou de Presidente da República, depois de terem conquistado essa câmara municipal que na contabilidade eleitoral vale tanto como Alcoutim. 

quinta-feira, julho 29, 2021

BABOSEIRAS ORÇAMENTAIS

Rui Rio foi recebido pelo Presidente da República na ronda de audição dos partidos a propósito do OE 2022. Não sabemos se falou de OE ou se preferiu discutir o tempo com o Presidente da República. Mas terminada a audiência teve direito ao seu momento de fama, concentrando a atenção dos jornalistas de serviço em Belém. 

Ficámos a saber o que pensa Rui Rio do principal instrumento de política económica e um dos poucos que é alvo de um debate sério no parlamento, porque a sua aprovação é competência do parlamento. 

Rui Rio disse o que defendia em matéria de política orçamental aproveitou para defender o seu projeto económico e dizer o que pensa nesta matéria? Não, começo por assumir que é uma carta fora do baralho, explicou a sua aritmética e concluiu que o PS não contava com ele, como se alguma vez ele tivesse sido confiável. 

É triste e mesmo deprimente ver um líder do PSD fazer sucessivas intervenções que não passam da vulgar baboseira.

domingo, julho 25, 2021

OBRIGADO PÁ

 


Não, não vou vomitar sobre o gajo rasca que sonha subir na vida à custa de dizer patetices, não vou falar das muitas lágrimas de crocodilo dos que o ignoraram e desprezaram quando ele mais precisou, nem vou discutir se o comunicado do PCP é ou não uma obra prima do cinismo.

Vou dizer apenas “Obrigado pá”.


quarta-feira, julho 14, 2021

PARA QUE SERVIRÁ A CONSTITUIÇÃO SEGUNDO MARCELO?

 Imaginemos que um juiz sabe que vai condenar um arguido a uma pena de prisão, mesmo sabendo que o arguido não cometeu o crime e estando certo que depois do recurso o preso será colocado em liberdade. 

Questionado por uma jornalista da RTP 3 o juiz disse estar contente já que mesmo que o inocente esteja em liberdade, a verdade é que o seu acórdão teve efeitos práticos, ficou preso tal como ele gostaria de ver. 

Foi este o caso que me veio à cabeça ao ouvir os comentários do Presidente da República a propósito do acórdão do Tribunal Constitucional a propósito dos apoios sociais que promulgou apesar de violarem a lei em matéria de despesas públicas. 

Aquele que jurou prometer a Constituição parece considera uma vitória uma lei inconstitucional ter tido os seus efeitos práticos apesar do acórdão do Tribunal Constitucional. Enfim, é a melhor justificação jurídica que já ouvi para defender um golpe de estado, os fins justificam os meios.

domingo, julho 11, 2021

PELOURINHOS

Às vezes fico com a impressão de que a nossa justiça recuperou os pelourinhos como forma de castigo público daqueles que os magistrados consideram, desconfiam ou tiveram um palpite de que terão cometido algum crime. Uma justiça que até 194 não teve qualquer credibilidade e que desde então nunca conseguiu ter grande imagem, tenta agora exibir-se perante a opinião pública, levando ao pelourinho personalidades caídas em desgraça. 

Com jornalistas, humoristas e políticos a ignorar de forma oportunista o princípio da presunção da inocência, os nossos magistrados levam personalidade que o povo odeia depois de um longo período de bajulação, para sessões de exorcismo coletivo, em pelourinhos instalados na rua, junto dos gabinetes dos juízes de instrução. 

Pouco importa se as vítimas da ida ao pelourinho vão ser ilibados um ou dois anos depois, ou que as acusações venham a ser reduzidas a quase nada, há que matar as saudades do povo dos espetáculos das fogueiras e dos suplícios no pelourinho. Arranjam-se umas acusações com base em palpites, depois de um trabalho de investigação em bases de dados conduzida por um qualquer manga de alpaca e levam-se as novas “bruxas de Salem” ao juiz de instrução. 

Pouco importa a Constituição ou que um dos principais papeis dos juízes de instrução seja defender dos cidadãos dois abusos dos investigadores policiais, agora os juízes de instrução são justiceiros famosos e como disse um advogado carimbam o que lhes diz o MP. Pior, estamos num tempo em que alguns juízes de instrução fazem eles próprios de mandantes do pelourinho. 

Os que devem à banca que se cuidem, porque se as bases de dados tiverem informação que com palpites criativos podem ser transformados em acusações carimbáveis, vão parar ao pelourinho. Antes disso, o espetáculo tem de ser montado como deve ser e terão de ser mantidos detidos e expostos ao povo, com fugas de informação a informar a população do libelo acusatório que justifica o suplício. 

A nossa justiça está com tanta vontade de fazer justiça que primeiro tortura e condena e só depois vai ver se acertou nos palpites a que agora designam por “fortes indícios”.

quinta-feira, julho 01, 2021

RIO SECO

 Só mesmo o Rui Rio iria ao registo automóvel verificar se uma viatura usada por um membro do Governo consta do mesmo. O que preocupava o líder do PSD, que o ministro tinha recorrido ao contrabando e depois recorreu a uma matrícula roubada? Qu o ministro se dedicasse ao roubo de viaturas de luxo para depois as usar em funções oficiais. Bem, já tivemos um caso de uma inspetora da PJ que encomendava viaturas de luxo através de car jacking. 

É óbvio que a ideia não foi de Rui Rio, até porque o homem não tem muitas ideias. Um qualquer pateta do seu partido fez a descoberta e fez chegar a informação a Rui Rio. É aqui que entra a patetice do líder do PSD, achando que havia ali um grande escândalo convoca os jornalistas para contar-lhes o que descobriu. 

Enfim, este Rio é cada vez mais um Rio Seco.

 



A TVI arrisca-se a ser a primeira estação de TV a ganhar um Nobel da Medicina, descobriu que além de glóbulos o sangue tem genes ideológicos e que filho de comunistas tem sangue comunista. Foi preciso chegar a 2021 e o contributo da inteligência da jornalista da TVI para que aos grupos sanguíneos A, B, AB e O seja acrescentado o PCP. 

Agora, esta esperar que a ciência apure quais são os grupos sanguíneos de gente como Rui Rio, André Ventura e muitas aventesmas que andam na política portuguesas, para além dos muitos filhos da dita. 

Portugal está a sofrer de um processo de estupidificação cada vez mais acentuado, com gente de parcos recursos intelectuais a injetar estupidez a toda a hora, através dos canais de televisão.


PS: vou ter de ir ao teste, a minha mãe era uma perigosa comunista que conviveu muito com a mãe do Medina. Começo a achar que tenho sangue de qualidade questionável.


quarta-feira, junho 30, 2021

MINISTRO MENTIROSO?

 É inaceitável que um ministro da Administração Interna tenha emitido um comunicado sugerindo culpas ao operário que faleceu no acidente em que esteve envolvida a sua viatura oficial. Seria inaceitável em quaisquer circunstâncias que um membro do Governo se tivesse antecipado às conclusões de um inquérito que terá de ser feito pelas entidades competentes. É ainda mais inaceitável quando é o ministro que tutela a entidade que vai fazer o inquérito. 

Se esse comunicado continha informação falsa então estamos perante uma situação muito grave. A ser verdade a demissão do ministro é uma inevitabilidade.

segunda-feira, junho 28, 2021

O ELOGIO DA MEDIANIA

 


 

Os nossos heróis voltaram de Sevilha, feridos como se tivessem regressado da Batalha das Laranjas, e o nosso Presidente da República já lá estava à sua espera, como se tivesse acabado de regressar um avião cheio de soldados feridos no Zaire. 

Desta vez não tiveram direito a medalhas, mas esperemos que o Presidente não se tenha esquecido de lhes levar pasteis de Belém, para lhes adoçar as bocas, até porque estas deveriam estar a saber a papel de música. 

Finalmente terminou o espetáculo deprimente do futebol exibido pela seleção com alguns dos melhores jogadores europeus. Mas todos sabemos que se o engenheiro pudesse escolher uma seleção do mundo e no dia seguinte jogasse contra o Liechtenstein, o mais certo é que jogasse à defesa. Foi assim que chegou a campeão europeu, era assim que esperava renovar o título e como todos  nós somos uns patetas, já nos prometeu que iria ganhar o mundial. 

Num país onde o ótimo é inimigo do bom, onde se promove a mediania e onde não ter a posta do meio nos torna tão apetitosos ou apetitosas como as sardinhas, seria estranho se mesmo com bons jogadores um selecionador se lembrasse de ambicionar ter uma equipa a jogar bem. 

No fundo o engenheiro representa o melhor da alma portuguesa e não é apenas na sua devoção aos pastorinho, representa a nossa mediania, falta de ambição e nivelamento de tudo por baixo. Neste país ser ambicioso é defeito, ser brilhante é andar à procura de protagonismo e com treinadores destes foi tão injusto Portugal perder como o autor dos bonecos do Major Alvega nunca ter ganho o mercado Prémio Nobel da Literatura.

quinta-feira, junho 24, 2021

FINALMENTE VAMOS INVADIR A ESPANHA

“Espero que os portugueses se desloquem de forma massiva para o sul de Espanha e que possam apoiar uma grande vitória de Portugal nos oitavos de final deste Campeonato da Europa”, disse Ferro Rodrigues esta quarta-feira à noite, depois do jogo da Seleção com a França. Em declarações transmitidas pela RTP3, sublinhou ainda que estará “com todo o gosto” com o Presidente da República “a acompanhar a Seleção Nacional”. 

O país parece estar com os copos e Ferro Rodrigues não quer ficar de fora desta bebedeira nacional, até porque se não é o presidente da adega é pelo menos o homem que assegura a prova dos vinhos. 

Em plena pandemia e quando se sabe que estamos proibidos de sair de Lisboa para ir molhar os pés ao Troia ou comer na Maria, no Alandroal, eis que o presidente da AR decide apelas aos portugueses para invadirem Espanha, a caminho de um dia de calor no próximo domingo. 

O costume é serem os espanhóis a invadir Portugal e nós enxotá-los com a ajuda de santos e padeiras, finalmente seremos nós a invadir Espanha para comer chocos fritos e acompanhar gambas com algumas canhas. 

Em tempos de crise os portugueses estão ansiosos por fazer centenas de quilómetros, comprar um bilhete de 90 € e pagar um teste ao covid-19. Está claro que para Ferro Rodrigues tudo será mais fácil. Só é pena que os tempos do MES estejam tão longe e o aburguesado Ferro Rodrigues se esquece com facilidade de que os da região de Lisboa estão condenados a ir ver o Tejo e os que fizerem a viagem a Sevilha gastarão umas centenas de euros, num país onde o ordenado mínimo é 600€. 

Mas vamos todos no Falcon com Ferro e Marcelo.

domingo, junho 20, 2021

PERPLEXIDADES COVIDIANAS

Quando se esperava que o alvo das estratégias de comunicação fossem os jovens, eis que se faz saber que há doentes graves que tinham sido vacinados, A mensagem subliminar é evidente, os vacinados devem ter tanto cuidado como deveriam ter se não foicem vacinados. Compreende-se, é preciso assustar os vacinados para que se mantenham firmes no cumprimento das regras, como se estivessem ainda em março do ano passado. 

E desta forma só falta dizer aos jovens que não deixem de ir a farras, a covid-19 é um problema de velhos e a esses nem a vacina lhes vale. Enfim, parece que ao divulgar números de vacinados com doença grave, quando noutros países se aligeiram as medidas, as autoridades são mais eficazes do que os negacionistas que se recusam a receber a vacina. Talvez os jovens, tenham razão, a contaminação em festas é mais eficaz do que as vacinas, ganham-se umas feris em casa e não é preciso esperar meses para receber a segunda dose. 

Há poucos dias Portugal e os seus governantes revoltaram-se contra os ingleses, como não se via desde o tempo do mapa cor-de-rosa. Não só se protestou como se ridicularizou as autoridades britânicas, desde políticos a ingleses asseguraram que o argumento da variante indiana não fazia qualquer sentido, que só tinham sido registados meia dúzia de casos e estavam sob controlo. 

Poucos dias depois de os ingleses terem fugido, eis que a variante indiana é dominante e justifica o descontrolo de uma pandemia que parece estar a provocar uma quarta vaga, Enfim, em janeiro a culpa da terceira vaga era da variante inglesa. Qual será a variante que desencadeará a quinta vaga?

segunda-feira, junho 14, 2021

A DECADÊNCIA DA DIREITA

 Teve alguma graça a organização do arraial liberal, conseguiu o mediatismo proporcionando o exclusivo do dia para muito0s jornalistas frustrados pró falta de notícias, conseguiram-se meia dúzia de adesões com os boletins a cheirara a sardinhas, foi um sucesso, se não fosse o comício ainda teria mais sucesso, seria um arraial alternativo ao estilo do que noutros tempos teria sido organizado pelo Louçã, que agora que é um idoso sério e responsável e sonha com a Mortágua em ministra das Finanças já não organiza. 

O problema é que estamos numa pandemia que destruiu muitas empresas e ver o suposto líder dos liberais tugas a dar de mamar ao vírus que destruiu muitas daquelas que são a maior maravilha das criações divinas, só pode dar vontade de rir. 

Mais vale ter graça do que ser engraçado e a brincadeira do irresponsável que lidera o PL só merece um lamento. Se isto é a direita fina, estamos perante um processo de decadência que é preocupante. Um dia destes o PS é a direita portuguesa e à sua direita só haverá aquele partido que tem um símbolo que parece o logo de uma marca branca de detergente para máquinas de lavar, com um líder a lembrar a REMAX.

sexta-feira, junho 11, 2021

NOTAS SOLTAS SOBRE UM CASO INFELIZ

 

O caso dos ativistas russos envergonha-nos e mostra como na Administração Pública (como em toda a sociedade) há idiotas em lugares chaves. É evidente que o caso tem dimensão política e justifica um pedido de desculpas. Foi o que o presidente da CM de Lisboa fez, fê-lo em nome da CM dando a cara pias asneiras dos seus funcionários. 

O presidente da CM deveria ter corrigido a situação muito antes? É óbvio que sim, mas também é óbvio que nem vereadores, nem deputados municipais da oposição podem dizer que nada têm que ver por não terem funções executivas. A verdade é que os políticos das autarquias estão especializados em matérias que dão votos, não é o caso desta. 

Os responsáveis pelos serviços envolvidos nas manifestações deverão ser, em princípio, formados em direito. É incrível como chefes de divisão e diretores de serviços, exercem funções tão críticas e nem sequer repararam que estavam borrando em cima de todos os valores éticos, legais e constitucionais. 

Se sempre que um funcionário comete um erro administrativo o secretário de estado, o ministro, o primeiro-ministro ou o Presidente da República devessem apresentar a demissão, o melhor seria entregar o país aos cuidados do Reino de Espanha. 

Até ao momento só vimos oportunismo e patetices da parte do Carlos Moedas, embirra com bicicletas, tem um outdoor que ninguém entende, convidou todos os virologistas que apareceram na televisão e parece que quer ganhar por falta de comparência, já que basta encontrar uma pedra solta na calçada para exigir a demissão do Medina. 

Quando tinha centenas de milhões para investir, contava com a luxuosa máquina da Comissão Europeias e os muitos lambe cus da nossa sociedade o homem é brilhante. Agora que só conta com ele e com a máquina do PSD, até parece o Diácono Remédios a fazer nudismo na Praia do Meco, despido não tem por onde se pegar.

Um jeito manso

quarta-feira, junho 09, 2021

A "MADRINHA"

 

 

Não vale a pena entrar no debate em torno da nomeação de um comissário para as comemorações do 25 de abril, desde que existe CHEGA e principalmente depois de o líder do PSD querer ser mais CHEGA do que o André Ventura que quem ousar intervir no debate é facilmente encontrado à direita e À extrema-direita.

Imagino que comemorar o 25 de abril seja uma tarefa tão complexa que só para arquivar o trabalho que foi feito na sua preparação seja necessário mais de um ano e que para se exercer tal tarefa seja necessário uma espécie de ministro a tempo inteiro. Enfim, nem quero imaginar quanto não se gastaria com os dirigentes da Administração Pública se fossem seguidos os mesmos critérios.

O que incomoda mesmo é ver a nomeação da ex-ministra Ana Paula Vitorino para um cargo ode se ganha muito e nada se faz e onde a troco de competência e independência, qualidades que não tem, a senhora vai ganhar uma “pipa de massa”.

Mas o que mais incomoda nesta senhora é que não é a primeira vez que ganha pipas de massa. EM tempos foi notícia um estudo que fez para a CM de Vila Real de Santo António, encomendado por um autarca que arruinou o Município e que merecia desta senhora rasgados elogios e sucessivas visitas ao concelho.

Infelizmente só agora este Município está sob o radar da justiça, porque se o estudo encomendado a esta senhora tivesse passado pelo crivo da justiça de qualquer país europeu, esta senhora já se teria retirado da política. Mas ver uma das personalidades que mais apoio estes autarcas a levar este brinde político não nos pode deixar de incomodar.

Um jeito manso

sábado, junho 05, 2021

ESTAVA ESCRITO NAS ESTRELAS

 Sentem-se num sofá numa daquelas casinhas norueguesas com vista para o fiordes e vejam as celebrações futebolísticas cá do sítio, digam-lhes que depois da festarola junto ao estádio, digam-lhes que o presidente do clube é médico e às tantas da madrugada mandou os jogadores promover mais um grande ajuntamento junto ao Marquês de Pombal.

Agora imaginem o que eles dizem de nós, provavelmente dirão o mesmo que nós já dissemos das manifestações dos holandeses e dos muitos vídeos virais que fizemos circular entre nós. E ainda bem que eles não sabem de tudo, porque não perceberiam a razão porque num lado se põe um concelho dentro de uma cerca sanitária e do outro promove-se o regabofe.

Dizer que foi autorizada a realização de uma  manifestação a uma claque de futebol e que isso não poderia ser impedido por ser um direito constitucional, como se a democracia dependesse do ecrã gigante e das escaramuças de uma claque banida pelo clube é gozar com a nossa inteligência. Então os mesmos que tentaram impedir que os cidadãos se candidatassem às autárquicas estão agora a dizer-nos que que a democracia não sobrevive sem as “manifestações” da Juve Leo?

Não vale a pena virem agora com resquícios da reacção ao Mapa Cor-de-Rosa, porque quem quer promover a imagem de um destino turístico de confiança não pode permitir ou mesmo promover aquilo a que se assistiu.

O ministro dos Negócios Estrangeiros descobriu que não era lá muito inteligente promover espectáculos como aqueles que agora partilhamos nas redes sociais, é pena que o tenha feito tarde, depois de terem arruinado as expectativas do turismo português.

Um jeito manso

quinta-feira, maio 06, 2021

PERPLEXIDADES

Ouvi o ministro mais pateta deste Governo invocar a proteção civil, dando exemplos de incêndios para justificar a requisição civil do empreendimento, estaria em causa a saúde pública e era necessário a decisão para separar doentes de não doentes. Agora já ninguém fala de pandemia e parece que é um problema de direito a uma habitação digna por parte dos emigrantes. 

Disseram-se que era necessário separar doentes de não doentes, mas reparo que há gente a ser levada p+ara o Zemar sem que estivesse em contacto doméstico com doentes, isto é, foram realojados para mudarem de habitação. 

Em Portugal a justiça tem limites, não podendo desencadear operações a qualquer hora. Parece que o ministro da Administração Interna não tem quaisquer limites e para realojar pessoas que não tinham uma habitação digna pode desencadear operações militares a meio da noite para entrar numa propriedade privada que ele requisitou. 

Numa região de baixa densidade populacional onde há aldeias onde são mais os emigrantes do que os residentes, ninguém tinha reparado na realidade miserável destes emigrantes. Onde estão os militantes locais dos partidos com tantas preocupações sociais, os herdeiros dos que nos disseram que o Alentejo era uma espécie paraiso, onde estão os autarcas. Sejamos, honestos, eram todos coniventes com a exploração dos emigrantes. Porque pimenta no rabo dos outros até nos sabe a refresco. 

Ainda que mal pergunte, quando desaparecer o surto de covid em Odemira os emigrantes abandonarão o Zemar ou esta urbanização vai ser algo parecido ao que suceder com os timorenses do Jamor. Receio que o ministro tenha criado um problema porque tentou resolver outro da forma mais fácil e com fogachos demagógicos para melhorar a sua imagem nas televisões.

quarta-feira, abril 07, 2021

PORREIRISMO DESCONFINADOR

Desta vez o primeiro-ministro e o Presidente da República não tiveram a infeliz ideia de irem para a praia, com um a comer maças na Caparica e o outro a mergulhar na Ericeira. Também não se lembraram de fazer uma romaria a um espetáculo no Campo Pequeno. 

É um grande progresso em relação ao que sucedeu na primeira vaga. Mas não seria má ideia mostrarem aos senhores das esplanadas e aos que acham que a pandemia é uma treta e não respeitam normas, que as regras são para cumprir. A ideia de que as regras só se aplicam quando as coisas dão para o torto é meio caminho andado para mais uma desgraça. 

A maioria dos portugueses cumprem as regras, cabe ao governo mandar aplicar a alei para que os outros também cumpra, E talvez não fosse má ideia adotar regras mais duras para os proprietários das esplanadas que fazem vista grossa aos clientes bandalhos, para que daqui a uns tempos não venham com movimentos de pão e água.

quinta-feira, abril 01, 2021

DESAFIO


Parece que é oficial, António Costa recuou na ideia de mandar os diplomas para o Tribunal Constitucional e desafiou Marcelo rebelo de Sousa para um combate de MMA a realizar-se no Ringue do Clube de Excursionistas do Bairro do Rego.
Se António Costa ganhar o Marcelo passa a respeitar e a fazer respeitar a Constituição como estava combinado desde que esta entrou em vigor. Se perder, Marcelo Rebelo de Sousa pode presidir respeitando apenas o Código da Estada, estando ainda autorizado a não respeitar as regras da velocidade, do respeito pelos traços contínuo e ainda as regras de circulação nas rotundas.

MAUS TEMPOS PARA A CONSTITUIÇÃO



Ao dizer que é o direito que serve a política e não a política que serve o direito, o Presidente da República está dizendo que é legítimo que seja ignorada a Constituição da República se ele gostar da medida política. Este argumento tanto pode servir para justificar as medidas que ele entendeu deixar passar, como para viabilizar um qualquer golpe de estado.

Até aqui tínhamos uma Constituição com regras conhecidas e um Tribunal Constitucional, agora tens um Presidente da República que em vez de cumprir e fazer cumprir a Constituição, chamam a si o poder de decidir quando é que o “direito serve a política” passando a ter o poder de ignorar a Constituição.

Deixamos de ter um Presidente que está obrigado a cumprir e fazer cumprir a Constituição, tal como jurou quando tomou posse. Agora temos um Presidente que se sente acima da Constituição e acha que tem poderes para decidir que leis devem ou não estar sujeitas à Constituição.

Mas também não foi o único a transforma r a Constituição numa espécie de “penico” do regime. O PCP que costuma achar que é um mais fiel interprete da Constituição, defendeu algo parecido, que as medidas correspondiam ao cumprimento da Constituição e por isso pouco importa que a lei seja inconstitucional. Os fins justificam os meios e tal como Deus escreve direito por linhas tortas, o PCP aplica a Constituição através de leis inconstitucionais.

Enfim, ao menos ainda todos respeitamos o Código da Estrada.

quinta-feira, fevereiro 11, 2021

O DISCURSO

Se votei no candidato Marcelo confiante em que era o que melhor defenderia a democracia, não me arrependi. No seu primeiro discurso importante depois das eleições Marcelo rebelo de Sousa disse o que eu esperava ouvir de um presidente fiel à Constituição e valores democráticos que defendo. 

Os candidatos a salvadores foram dispensados, o que precisamos não é de vacinas contra a democracia mas sim de vacina contra a covid-19. Goste-se ou não de Marcelo, a verdade é que arrumou com os apelos a esquemas duvidosos. Era o que eu esperava dele e por isso não me desiludiu. 

Depois da intervenção do primeiro-ministro, o Presidente da República fez o que um líder de uma república democrática deve fazer, ser fiel á Constituição, assumir-se como representante de todos e ser solidário com o Governo. 

PS: sobre a senhora bastonária não me pronuncio, é uma pessoas menor que conheço de vista do Sem Espinhas, na Praia do Cabeço, onde terá comido muito bem por conta dos seus colegas. Sobre ela e sobre as personagens com quem anda pró aquelas bandas só tenho a dizer que às vezes a minha praia preferida é mal frequentada.

segunda-feira, fevereiro 08, 2021

UMA GRANDE CAMPANHA DE VACINAÇÃO



 

Vacinar milhões de pessoas com vacinas que são transportadas e conservadas com recurso a temperaturas negativas extremas, vacinar lares, pessoal médico e grupos prioritários ao mesmo tempo que o país luta contra uma terceira vaga imparável, mobilizar os recursos humanos dos centros de saúde para a vacinação quando estes centros têm de compensar a incapacidade por parte dos hospitais de responder a muitas situações. 

Fazer tudo isto hierarquizando os cidadãos, sabendo-se que as bases de dados não estavam preparadas para esta tarefa, que os recursos administrativos na saúde são escassos, que muitos doentes de risco são “desconhecidos” no SNS por não terem médico de família, analisar todos os pedidos vindo de cidadãos considerados nos grupos prioritários que não estão registados nos centros de saúde. 

Fazer tudo isto, ajustando as prioridades redefinidas para acorrer a grupos inicialmente esquecidos, num ambiente se suspeição e com gente como a Ordem dos Médicos a promover petições depois de terem feito as suas propostas. Decidir sobe a atribuição da vacina a milhares de cidadãos idosos ou com morbilidades, sabendo que ao mais pequeno engano pode ocorrer uma denúncia e um pequeno descuido conduz à suspeição e ao risco de enfrentar uma acusação por parte do MP. 

Nos dias que passam não deve ser fácil trabalhar na saúde, num dia o pessoal dos centros de saúde e dos hospitais são heróis, no outro são vilões porque um médico de medicina interna com 70 anos foi vacinado “indevidamente” porque alguém se enganou na ficha e escreveu que era cirurgião, um escândalo que levou a uma heroica demissão do senhor das vacinas. 

Fazer tudo isto trabalhando horas a fio por um país que os tem tratado tão mal, que com o Paulo Macedo como ministro iam sendo reduzidos financeiramente a domésticas. Gente que não cobra as horas extraordinárias que faz num contexto de guerra, que recebem ordenados miseráveis, com médicos especialistas que ganham menos do que muitas empregadas domésticas bem sucedidas. 

É verdade que vimos muitas situações oportunistas, desde bois sem escrúpulos a senhores misericordiosos sem limites no oportunismo. Mas é importante que estes velhacos não nos façam esquecer o esforço feito por muitos milhares de pessoas do SNS, que a troco de quase nada e muitas vezes a vacinarem outras pessoas quando os próprios não foram vacinados e mesmo assim não deixam de mostrar um sorriso no rosto. 

É verdade que somos um país cheios de velhacos, que à primeira oportunidade vão para o CHEGA ou outra coisa qualquer falar mal do país, mas também é verdade que são muitos mais os que estão dando o seu melhor por uma campanha de vacinação que nunca poderia ser exemplar, mas que apesar da falta de recursos e dos oportunistas do costume, não fica atrás de nenhum país.

quinta-feira, fevereiro 04, 2021

JUMENTO DO DIA

 


   
Francisco George

A gestão de Francisco George à frente da Cruz Vermelha está para o Hospital da Cruz Vermelha como a filoxera esteve para as vinhas do douro, a situação chegou a um ponto em que a gestão do hospital foi entregue à Santa Casa. Mandaria o bom senso que este senhor tivesse algum pudor em relação a tudo o que se relacione com aquela unidade hospitalar. 

Mas não, o homem parece ter alguma pedra no sapato e à primeira oportunidade atacou. Fê-lo de forma pouco digna, pondo em causa a honorabilidade dos seus responsáveis, invocando informadores pessoais par dizer que houve vários casos de vacinas indevidamente dadas a quem não tinha direito a ela. Sobre isso esperemos que a auditoria do ministério da Saúde esclareça e vamos ver se o senhor se retrata se vier a provar-se que os seus bufos são tão incompetentes como ele foi na gestão daquele hospital. 

Tudo isto é muito ridículo e miserável, o médico que foi vacinado é um internista com 70 anos, um médico com uma especialidade preciosa nos tempos que correm, com tanta falta de gente com habilitações para trabalhar em unidades de cuidados intensivos. Neste caso há uma violação das regras, mas também há incompetência de quem as redigiu, como se explica que um internista com 70 anos não possa ser vacinado e nos lares das misericórdia só os gatos é que não são vacinados, porque só os cães é que têm sido contagiados? 

Por fim, sugiro que seja atribuída ao Francisco George, depois deste senhor se gabar de não ter sido vacinado apesar de lhe terem oferecido tal possibilidade só posso sugerir que seja promovido a herói, não só por se ter recusado, mas por não dizer quem são os seus amigos que ele não denunciam e andam a oferecer vacinas a quem não tem direito a elas.


[tsf]

UM ARTISTA PORTUGUÊS

Sem culpa nenhuma o governo está a passar um mau bocado por causa do oportunismo de gente menor do aparelho social e aos oportunistas desse buraco negro que é a famosa “economia social”, um mundo de virtudes e de gente com lugar garantido no céu. E se os bois ou os bondosos são com muita frequência exemplares menos recomendáveis, quando se misturam, como vimos em Reguengos, transformam-se em velhacos refinados. 

António Costa ou a ministra da Saúde têm responsabilidades? É evidente que têm, deviam ter-se lembrado de António Guterres e declarado bem alto “no vaccines for de bois”. Era certo e sabido que sem qualquer vigilância a campanha de vacinação se poderia transformar num imenso regabofe. 

Infelizmente não só houve o devido cuidado como quando se tornou público o primeiro caso, o do autarca de Montemor, em vez de ter havido uma reação isenta e dura, assistimos a um secretário de Estado da Saúde tentar dar cobertura ao seu colega de partido. Foi preciso o governo ver a informação inundada de casos sucessivos, alguns, como o das vacinas ao pessoal da pastelaria do Porto, a roçar o ridículo. 

Quem foi o responsável por tudo isto? Foi quem avisado para os riscos de fraude pela OMS andou a distribuir vacinas como distribui papo-secos, o país gastou fortunas com grandes escoltas armadas, receando que algum gangue roubasse as vacinas para vender as seringas no “Casal Ventoso”,esquecendo que nestes casos os ladrões são outros. 

O responsável da task force nem se preveniu nem deu as instruções mais elementares, o que fazer às vacinas que sobrassem, foi preciso ver o governo que o nomeou estar a ser queimado na praça pública, por causa da sua incompetência para ser ultrapassado pela DGS, que deu as instruções que ele se esqueceu de dar. 

Era mais do que óbvio que o homem tinha sido um erro de casting e que foi mais eficaz para conseguir apoios para o CHEGA do que a campanha do Ventura nas presidenciais, talvez por isso tenha misturado política partidária com discursos institucionais, numa tentativa de conseguir apoios na guerra de barricadas com o CHEGA. 

Um caso menor e pouco grave no Hospital da Cruz Vermelha, a que ele preside designado pela Santa Casa, permitiu-lhe sair por cima. Com uma jogada manhosa fez uma limpeza na direção clínica do hospital e saiu por cima, sendo agora apresentado como exemplo de dignidade, obviamente colocou o lugar à disposição e, como se esperava, em poucos minutos foi mantido no lugar. Com esta jogada saiu airosamente, lavou a incompetência e deixou o governo à beira de uma crise. 

Enfim, um artista português. O primeiro-ministro e a ministra que confiaram na sua competência levam bordoada na opinião pública e o responsável por isto tudo, não assumiu as responsabilidades pela sua competência e sai como modelo de dignidade, por causa de uma única vacina ministrada a uma médica. Não teria sido mais digno se tivesse pedido a demissão por causa das vacinas ministradas na pastelaria ou ao autarca de Reguengos?

PS: Curiosamente, o BE que costuma ser muito lesto a pedir demissões, desta vez deu umas cambalhotas oratórias, mas não pediu a demissão do responsável.

terça-feira, fevereiro 02, 2021

JUMENTO DO DIA

 


   
Eduardo Cabrita, ministro da AI à prova de bala e de demissão

Ao contrário do que seria de esperar nai vou sugerir a demissão de Eduardo Cabrita, não porque consideremos que desta vez o homem tenha cometido algo de grave que mereça a condenação política, já que a contratação da ex-diretora do SEF é lago do domínio da estupidez esse em Portugal considerarmos a estupidez um motivo de demissão, teremos de devolver Portugal aos Filipes, neste caso ao Filipe VI. 

Já se percebeu que Eduardo Cabrita é à prova de demissão, a sua posição governamental é tão firme e hirta que ainda vamos ver o Ventura tomar posse como primeiro-ministro e o Cabrita recite na Administração Interna. Além disso, com António Costa a ética republicana é o Código Penal e em vez de debate político deve haver debate instrutório nos termos do Código de Processo Penal. 

Isto começa a ser ridículo demais paria ser verdade, a senhor “ofereceu-se” para ser demitida e assim salvar o ministro. Meia dúzia de dias depois os ministro recompensa-a, convencido de que os portugueses são lorpas e nem vão reparar. É preciso ser muito estúpido. 


«Aex-diretora nacional do SEF, Cristina Gatões, demitida a 9 de dezembro passado, seis dias antes da audição no Parlamento onde iria responder sobre a sua atuação no caso do homicídio de Ihor Homeniuk, foi chamada pelo seu sucessor no cargo, tenente-general Botelho Miguel, para o assessorar e para integrar um grupo de trabalho que vai reestruturar os vistos gold.

Num despacho interno de 28 de janeiro, a que o DN teve acesso, o ex-comandante-geral da GNR - que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, escolheu para liderar a reestruturação do SEF - nomeia Cristina Gatões para integrar um grupo de trabalho que "vai analisar soluções que assegurem maior eficácia e eficiência no âmbito da permanência em Portugal dos titulares de residência para atividade de investimento".» [DN]

MUITA LATA

O que mais me impressiona no caso das vacinas desviadas por oportunistas é a grande lata dessa gente, comportam-se como oportunistas, muito provavelmente estão cometendo crimes, mas acham que estão fazendo uma grande coisa e ainda se gabam de já terem levado a vacina nas páginas do Facebook. 

Este gesto típico de parolos dos aparelhos partidários, diz muito sobre a forma como esta gente vê o país, muito provavelmente estavam convencidos de que divulgando a ficha das vacinas, como fizeram alguns autarcas, estavam a dar provas de grande coragem. 

O oportunista que num hospital do norte mandou vacinar a mulher, dizendo que era médica quando se sabe que é doméstica, bem como a filha que é médica sem estar a exercer a profissão nalgum hospital, deu uma boa desculpa depois de reunir com o advogado, que depois de estarem imunizadas iriam ser voluntárias! 

Quem também se desculpou com o estatuto do voluntariado foi a autarca de Portimão, disse a senhora que dava duas horas por dia de voluntariado, no covidário instalado num pavilhão. EM seu apoio veio o hospital, confirmar a preocupação, de que a obrigaram a ser vacinada por causa da idade, só não explicam a razão por aceitarem uma voluntária que pela idade seria uma pessoa de risco. Onde está o respeito pelas normas da DGS? 

O que a senhora de Portimão não explicou, é como se sente sabendo que há milhares de bombeiros voluntários a apoiar doentes com covid-19, que nem sequer foram considerados uma prioridade no primeiro plano da vacinação. 

Não sei se o mais grave é esta gente das autarquias e do mundo da economia social comportar-se de forma tão miserável, se é a sua perceção de impunidade e da péssima opinião que parecem ter da inteligência dos portugueses. 

Gostei de ouvir o secretário de Estado da Saúde dizer que não abordava casos concretos, defendendo que essas situações eram condenáveis. Pois, parece que este senhor levou alguns dias a perceber onde estava metido, já que quando confrontado com o primeiro caso, o do autarca de Reguengos disse um bom par de patacoadas, tentando defender esse traste de uma fomra que revelava desprezo pela nossa inteligência. Dizia o Home que sendo o autarca presidente da fundação provavelmente teria direito à vacina. Este senhor não se recorda de há alguns meses, quando se deu o escândalo do lar de Reguengos, terem argumentado que o autarca apenas era presidente da fundação proprietária do lar por inerência…

segunda-feira, fevereiro 01, 2021

UM SILÊNCIO DE REVOLTA

A pouca vergonha a que estamos a assistir com os sucessivos casos de oportunismo na utilização indevida de vacinas. É mais um exemplo degradante da promiscuidade que por aí vai. Tudo começou com o autarca de Reguengos, o tal que quando se viu acusado por aquilo que se passou no lar da sua terra, desculpou-se porque era presidente da fundação proprietária do lar por inferência. Mas agora já lhe deu jeito e parece que as responsabilidades no lar eram tais que teve de se vacinar e a pouca vergonha é tanta que até se gabou disso no Facebook. Mas como era um camarada do partido o secretário de Estado deu cambalhotas verbais, justificando de forma miserável aquilo que é inaceitável e inexplicável. 

Tenho visto tanta patetice e incompetência que me remeto ao silêncio, um silêncio de vergonha, mas também de revolta. Aqueles que há poucos dias andara a teorizar sobre o crescimento do CHEGA e que adoram as novas barricadas virtuais, onde são anti-fascistas com excesso de coragem, deviam meditar sobre quantos votos já terá ganho a extrema-direita por conta do oportunismos dos bois e dos senhores da “economia social”. 

O que sentirão os que estando no primeiro grupo de prioridades nas vacinas não sabem quando vão ser vacinados? O que dirão os que pagam a saúde do seu bolso e por não terem médico de família é muito provável que fiquem de fora? Será que estão cheios de vontade de votar no PS nas próximas eleições? 

Parece que o governo e o PS ainda não perceberam as consequências políticas do espetáculo a que estamos a assistir. Assisto a tudo isto com frustração e tristeza porque quase meio século de democracia ainda não chega para que não nos comportemos como gente de uma república das bananas. 

É por isso que quase não me apetece intervier, porque depois de anos a fazê-lo fico com a sensação de que apenas ajudei boys oportunistas a subir na vida. Ás vezes sinto que enquanto lutamos por uma democracia plena, muito boa gente dos aparelhos partidários do PSD e do PS só por ali andam porque são os partidos que mais lhes rende e que em nada se diferenciam dos militantes do CHEGA.

sexta-feira, janeiro 22, 2021

JUMENTO DO DIA

 

   
ANTÓNIO SALES
Secretário de Estado da Saúde

 Há uns meses atrás, quando se deu o escândalo do lar de Reguengos e o autarca local foi acusado por ser o presidente da fundação proprietária do lar, logo se lembraram de dizer e4m sua defesa que era presidente da fundação por inerência, dessa forma não poderia ser associado ao que se passava. 

Quando vejo um secretário de Estado da Saúde dizer com aquele ar cândido de menino da catequeses, que se o traste de Reguengos é presidente da administração da fundação a que pertence o lar, talvez se justifique a vacina do senhor, sinto-me a ser gozado, pior, sinto que este senhor para proteger alguém do seu partido faz de nós burros. 

Segundo a lógica deste governante todos os presidentes das Misericórdias, bem como todos os vogais da direção destas entidades, podem ser vacinados, desde que tenham lares. 

É evidente que o secretário de Estado sabe muito bem que isto foi um abuso oportunista, da mesma forma que sabe o que então se disse sobre o presidente da Fundação de Reguengos, até porque, como se deve recordar, esse processo nem está encerrado. Por isso, este governante teria feito melhor figura se tivesse ficado calado, em vez de encobrir ou tentar encobrir o comportamento oportunista do seu camarada.


segunda-feira, janeiro 18, 2021

JUMENTO DO DIA

 


   
António Costa, primeiro-ministro


Parece que o primeiro-ministro descobriu, através do rastreio da localização dos telemóveis que nos dias da semana apenas se reduziu em 30% o movimentos de telemóveis. O que António Costa não explicou é como poderia reduzir esses movimentos quando os estudantes representam 20% da população e que muitos destes são levados às escolas pelos pais? 

António Costa tenta confinar sem confinar, primeiro inventou a meia dose de confinamento, agora criou regras mais precisas para que essa meia dose, com medidas que merecem gargalhadas. Um bom exemplo disso é a presença em jardins, é possível ir ao jardim, mas não se pode permanecer. Isto é, vou passear duas oras para um jardim, mas se não me sentar num banco isso significa que não permaneci. Pois é o perigo de contágio está nos que se sentam e não nos que fazem corrida e passa a meio metro dos outros, mandando perdigotos em todas as direções. 

No fim destas medidas ridículas vem a conclusão de que tudo depende de nós próprios, isto é, se alguma coisa correr mal a culpa é dos portugueses. Na primeira onde arranjaram-se heróis e personalidades do ano, na segunda e terceira vagas arranjam-se culpados. Em vez de medidas a sério arranjam-se culpados e inventam-se sobressaltos cívicos.


domingo, janeiro 17, 2021

JUMENTO DO DIA: Eduardo Cabrita, o ministro à prova de bala

 

Em plena pandemia, quando Portugal lidera o mundo em matéria de contágios é deprimente ver um ministro da Administração Interna falar com tanta tranquilidade, ao lado de filas gigantes de gente que queria votar antecipadamente. Todos sabemos que este ministro0 deveria ter deixado o Governo  no caso das golas, mantendo-se no lugar porque parece que ser homem do António Costa o transforma num governante à prova de bala. 

Esta gente não sabe fazer contas, não sabe quantas mesas de voo seriam necessárias para que as pessoas votassem em segurança? Já não basta a meia dose de confinamente, para inglês ver pois daqui a uns dias saberemos o preço do Natal à portuguesa e deste confinamento de faz de conta.