segunda-feira, maio 04, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _Cristo-rei_zpssorddxju.jpg

Cristo Rei, Almada
  
 Jumento do dia
    
Marco António, novo rico de Valondo

A pouco tempo das eleições o PSD está preenchendo todos os altos cargos do Estado com boys e usa os mais simbólicos para comprar as vozes críticas como das de Manuela Ferreira Leite. Desta vez e apesar de estar em causa um cargo cuja escolha deve ser consensual o pequeno Marco António fez tudo em segredo e dispensou o visto prévio de que é defensor em relação às propostas do PS. Este Marco António que tem nome de imperador é mesmo pequenino e desta vez até fez de moço de recados.

Em qualqeur dos casos Manuela Ferreira Leite merece mais do que um cargo provisório, ainda que esta prenda talvez tenha servido para amaciar as suas intervenções, como se percebeu na sua última presença na TVI24.

«Manuela Ferreira Leite foi convidada por Marco António Costa, em nome de Passos Coelho, para suceder a Silva Peneda na presidência do Conselho Económico e Social (CES) mas recusou.
A novidade foi avançada esta noite na SIC por Marques Mendes. Segundo acrescentou, já existirá uma lista com quatro possíveis nomes.

O presidente do CES é eleito no Parlamento por uma maioria de dois terços, implicando portanto um acordo entre o PSD e o PS.

Os dois partidos já acordaram que o sucessor eleito de Silva Peneda será uma solução provisória até ao final da presente legislatura. No início da próxima legislatura haverá nova eleição, agora para um mandato de quatro anos. Para a presente legislatura, compete ao PSD sugerir nomes ao PS. Termina dia 6 o prazo para ser apresentado um nome.» [DN]

 Combatente do PKK

 photo _PKK_zpsfstly0d5.jpg
  (fonte)

 A Voz do Povo volta ao ataque

 photo _Voz_zps4yyvbulw.jpg

Como o pessoal da Voz do Povo considera que ao lado dos holandeses os portugueses são uns atrasadinhos descobriram que na Holanda há visto prévio para as propostas da oposição, apenas da oposição porque ao longo da sua existência este jornal online que se diz ser Observador nunca reparou que as propostas do governo não foram sujeitas a qualquer visto ou mesmo a qualquer avaliação económica.

Agora esperamos que proponha a pena de morte porque nos EUA também existe, e muitas outros sinais de civilização que existem em países com gente mais evoluída do que os barrabotas tugas.  Este regresso ao argumento do visto prévio é sinal de que os seus articulistas foram mal sucedidos e que a direita está com o receio da morte do argumento da falta de alternativa a estas políticas.

Mas quem pensa que a Voz do Povo só diz coisas pretensamente sérias está enganado, por ali também um bom sentido de humor. Só não sabemos em que país europeu se inspiraram para sugerir o Cherne, já que a Holanda é uma monarquia e nem mesmo o merceeiro holandês com a sua fundação vai conseguir mudar isso:

 photo _Voz-1_zpsjyetbxee.jpg

      
 Merkel já ceita falar do passado nazi da Alemanha
   
«Angela Merkel afirmou neste sábado que a Alemanha tem o dever de lidar de com “sensibilidade” com o tema da era Nazi, a propósito da discussão sobre a pretensão da Grécia de receber reparações de guerra pela ocupação alemã do país durante a Segunda Guerra Mundial. “Não podemos apagar a História”, afirmou a chanceler alemã nas vésperas do septuagésimo aniversário do fim do conflito na Europa, que se assinala a 8 de maio, acrescentando, segundo a Bloomberg: “assistimos a este debate na Grécia e noutros países europeus e nós, alemães, temos especial responsabilidade para tratar de forma consciente, sensível e bem informada aquilo que fizemos sob o Nazismo”.

Merkel manifestou compreensão pelas “feridas duradouras” causadas pelo regime Nazi na Europa, mas foi contida quanto ao pedido de Atenas para receber indemnizações de guerra, afirmando que a tarefa que tem de ser enfrentada é a de travar o crescimento da dívida. Adiantou, também, que a questão ficou resolvida quando da reunificação da Alemanha, em 1990.

As afirmações da chanceler surgem no dia em que o presidente da Alemanha mostrou simpatia pelas pretensões gregas. Numa entrevista publicada no jornal germânico Sueddeutsche Zeitung, Joachim Gauck disse que o Governo de Angela Merkel deveria ter em conta as responsabilidades históricas do país perante a Grécia. “Não somos apenas um povo que vive nos dias de hoje, somos também os descendentes daqueles que deixaram para trás um trilho de destruição na Europa” durante o segundo grande conflito mundial, “na Grécia, entre outros locais”. E acrescentou: “A coisa certa a fazer para um país consciente da sua história é a de considerar que possibilidades haverá para pagar reparações” de guerra.» [Observador]
   
Parecer:

É óbvio que o passado da Alemanha impede a postura que Merkel tem mantido.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»
  
 Aumentam os casamentos "brancos"
   
«Elas são, na sua maioria, das zonas mais pobres da Grande Lisboa. Eles vêm sobretudo da Índia e do Paquistão. Conhecem-se através do passa-a-palavra e em troca de dinheiro e alguns bens materiais casam-se. O objetivo é que eles possam viver na Europa de forma legal.

Tratam-se dos casamentos brancos, que em Portugal estão a atingir números recordes. De acordo com o Jornal de Notícias, só no ano passado foram identificados 61 casos deste género de matrimónios por conveniência, um número nunca antes registado no país.

Os dados são do Relatório Anual de Segurança Interna que revela que os homens procuram no seu país de origem redes internacionais e contactos para recrutamento de noivas. Estes pagam entre 10 mil e 12.500 euros por casamento, num regime de tudo incluído: noiva, encontros prévios com ela caso seja necessário, e toda a documentação necessária para a legalização.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Aos menos nestes elas não levam porrada... nem há casos de corrupção.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Oxalá eu pudesse confiar na justiça portuguesa
   
«Primeiro, correu a informação de que teria havido buscas às sedes distrital e nacional do PSD. Mas Virgílio Macedo, líder social-democrata no Porto, e José Matos Rosa, secretário-geral do partido, desmentiram. A direção "laranja" nega também que tenha chegado à sede nacional uma solicitação da PJ reclamando acesso à documentação sobre as contas da campanha eleitoral de Luís Filipe Menezes no Porto, em 2013, ou das autárquicas em geral, mas as fontes da VISÃO garantem que a Judiciária terá já encaminhado um pedido nesse sentido, tendo como destinatário o PSD. Um dos objetivos, pelo menos, é perceber de onde veio e como terá sido gasto o dinheiro da campanha do antigo autarca de Gaia na Invicta, considerada "faustosa" pelos adversários.

Os números oficiais apresentados junto da Entidade das Contas e dos Financiamentos Políticos do Tribunal Constitucional apontam para um desvio de quase 100 mil euros em relação ao valor orçamentado (350 mil), mas fontes partidárias garantem que os valores não correspondem à realidade. "Estão muito abaixo do que foi gasto", assegura quem esteve diretamente ligado à campanha e às verbas nela envolvidas. Nesta fase, o PSD depara-se com outro problema: ao que soubemos, os contactos dos fornecedores que são credores da candidatura "Porto Forte" são diários e em massa, chegando a "entupir" os telefones da distrital, da sede nacional e os telemóveis de dirigentes.    

A poucos dias do Natal, recorde-se, a PJ efetuou buscas na Câmara de Baião, recolhendo documentação sobre uma quinta junto ao Douro, que Menezes comprou e terá posteriormente permutado com os pais. A colaboração da autarquia e outros dados obtidos terão permitido seguir o rasto do dinheiro, suspeitando-se de branqueamento de capitais.» [Visão]
   
Parecer:

A verdade é que sempre que alguém é investigado já fico com um pé bem atrás pois não só as violações do segredo de justiça são muitas vezes violações da verdade, como os nossos investigadores gostam muito de manobras de diversão.

Quanto às dívidas do PSD no Porto recorde-se ao presidente do PSD que ele disser ser um daqueles homens que pagam o que devem.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espeere-se pelo fim desta vaga da justiça contra os políticos para se perecber as intenções e avaliar os resultados.»
  

   
   
 photo Andrew-Shushvalyuk-4_zpsx4awdq2u.jpg

 photo Andrew-Shushvalyuk-3_zpszdtw3dfn.jpg

 photo Andrew-Shushvalyuk-5_zpsmigb8suk.jpg

 photo Andrew-Shushvalyuk-2_zpswu5tnsyl.jpg

 photo Andrew-Shushvalyuk-1_zps5znenp6z.jpg
  
blog comments powered by Disqus