segunda-feira, outubro 05, 2015

Que governem

Das eleições resultou uma maioria relativa daquilo a que designamos e uma maioria daquilo a que se convencionou esquerda. À direita há um projecto político, ideológico e programático, à esquerda há três projectos tão antagónicos quer no plano ideológico, quer no plano programático que não faz sentido qualquer raciocínio que permita unir todos sob a designação de maioria, à esquerda não á maioria para nada, nem mesmo na oposição. Portanto apenas a direita tem condições para governar, mal, tendo de jogar com as divisões e objectivos mesquinhos de cada partido da esquerda, mas é o único governo viável neste quadro governamental.
  
Não vale a pena ter ilusões, o projecto ideológico do PCP passa pela destruição de tudo o que considera ser de direita, com prioridade aos que mais odeia por serem de direita e dizerem-se de esquerda. O BE sonha substituir o PCP e ara isso nunca poderá aliar-se seja a quem for e muito menos ao próprio PCP. O PS nunca poderá aceitar as bandeiras do PCP e do BE so pena de desaparecer. Com estes resultados eleitorais e com esta esquerda é impossível um governo que conte com o apoio daquilo a que noutros tempos Cunhal designava or maioria de esquerda. Aliás, na opinião do BE e do PCP essa maioria nem sequer existe pois o que consideram-se ser de esquerda representa menos de 20% dos eleitores.
  
DO alto da sua sabedoria o povo decidiu que a direita deveria governar, mas como tem um apoio minoritário dos eleitores deve fazê-lo tendo em conta a opinião dos eleitores que não a escolheram. Com diálogo ou sem dialogo, com consenso ou sem consenso o governo deve governar respeitando a diversidade e não apenas aqueles que o elegeram. Além disso não pode arrogar-se o direito de violar os princípios constitucionais.
  
O mandato frágil deste governo deve condiciona-lo não só aos preceitos constitucionais mas também a programa que apresentou e às promessas eleitorais avulsas que foi fazendo. A minoria que o elegeu fê-lo não porque o Passos Coelho trazia um crucifixo no bolso para o ajudar as eleições ou porque teve pena de uma esposa muito doente por quem o marido não trazia sequer um crucifixo no bolso, escolheram-no e ao fazerem-no amarraram-no ao seu programa. Na última legislatura não respeitaram o seu programa e perderam a maioria, agora podem ser vigiados pela oposição.
  
A oposição deve chamar a si o papel de provedora dos eleitores da direita fazendo questão de chumbar no parlamento todas as medidas que violem as promessas e programa eleitorais e exigindo ao governo que aproe o que prometeu. Desta forma o país terá ela primeira vez um governo que respeitará o seu programa, os seus compromissos e os seus eleitores e no final será avaliado pelo seu desempenho, pela sua competência.
  
Aqui ficam os meus votos para que o governo seja competente e cumpra com todas as suas promessas eleitorais, excepto as que tenham uma importância que impliquem o respeito de uma maioria e as que violem os princípios constitucionais cuja alteração exigem muitos mais votos do que aqueles que a direita teve.
  
Para os que quiserem acompanhar o comportamento deste governo aqui fica o seu programa eleitoral.

blog comments powered by Disqus