segunda-feira, julho 06, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _BNU_zps8zjdwsma.jpg

Banco Nacional Ultramarino, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Pires de Lima, ministro cervejeiro

A Europa adopta normas para não entregar o sector do transporte aéreo a empresas de fora da UE, está em causa muito mais do que negócios, está em causa a segurança da Europa. Mas Pires de LIma é um rapaz muito esperto e fecha os olhos e vende a TAP a um empresário português que não passa de um verbo de encher.

«Os estatutos da Atlantic Gateway, que o Governo escolheu para comprar 61% da TAP, geram dúvidas a especialistas em direito comunitário e concorrência. O principal problema que levantam, e que poderá colidir com as regras da União Europeia (UE), é o facto de Humberto Pedrosa, o sócio português que detém 51% do capital do consórcio, ficar dependente de Neeleman para tomar decisões estratégicas para a companhia de aviação.

Como o PÚBLICO noticiou no sábado, os estatutos, registados na conservatória a 19 de Junho, estabelecem que o conselho de administração terá nove elementos (cinco a nomear por Pedrosa e quatro pelo dono da Azul). Mas há um conjunto de deliberações importantes que só podem ser aprovadas por sete elementos.Nesse lote está, por exemplo, a nomeação de gestores, a aprovação de empréstimos, de investimentos e da aquisição ou venda de activos, bem como decisões sobre políticas internas ou a celebração de parcerias.

Gonçalo Anastácio, especialista da sociedade SRS em concorrência e regulação, explica que esta situação poderá significar um controlo conjunto e não o controlo exclusivo por parte do accionista europeu, como obrigam as normas comunitárias (ver caixa). “O controlo conjunto existe quando se verifica o direito de veto do accionista minoritário [neste caso, David Neeleman] relativamente à aprovação dos membros da administração, do plano de negócios, do orçamento ou de investimentos significativos”, refere, acrescentando que a formulação que consta nos estatutos do consórcio “configura um direito de veto, já que se o accionista minoritário não votar a favor, a deliberação não é aprovada”. 

Sendo necessários os votos favoráveis de sete administradores, e não apenas dos cinco a designar por Humberto Pedrosa, há decisões estratégicas que “carecem de aprovação pelo lado não europeu”. Ou seja, “há o poder de uma determinada parte [a minoritária] de bloquear as decisões”, conclui.» [Público]

 O NIM

Jerónimo de Sousa é solidário com os trabalhadores gregos e contra a UE, mas esquece-se de dizer se defende o sim ou o não, o que se compreende, os comunistas gregos votaram nim. Quem também aprece ser pelo nim é António Costa, depois das alegrias eleitorais gregas anda muito cauteloso e prefere esperar para ver.

      
 O não, o sim e o nim
   
«1 Qualquer que seja o resultado do referendo, ninguém sabe o que acontecerá, na Grécia e na Europa, no futuro próximo. De toda a forma, é evidente que as consequências imediatas do referendo na Grécia serão para o povo grego. A possibilidade de os bancos permanecerem fechados, a eventual saída do euro, a intensificação das medidas de austeridade, entre outras possíveis desgraças, serão vividas por homens e mulheres que, segundo o ideal europeu, deviam ter a nossa solidariedade e que, pelo menos, não devíamos encarar como "eles", mas sim como parte de nós. Aliás, tanta autocongratulação sobre o facto de nós, portugueses, não estarmos a viver o drama dos gregos diz muito sobre o caminho que a Europa tomou, exprime bem o ponto onde estamos na construção duma comunidade de povos mais coesa, mais integrada e mais justa.

Mas - e não vale a pena estar a expor o que já toda a gente sabe - as consequências do referendo de hoje recairão imediatamente sobre Portugal, sobre todos os outros países europeus e, como bem demonstra a preocupação do presidente norte-americano, o resto do mundo. Não é altura para abstenções, para posições covardes e politiqueiras como a do Partido Socialista e dos seus dirigentes: há que tomar partido. Considero a posição do PSD e do governo um contributo para o fim do projeto europeu, um passo no sentido dum retrocesso brutal do nosso país, um atentado ao passado do próprio partido, uma posição que, na melhor ou na pior das hipóteses, se justifica apenas por calculismos eleitorais de curtíssimo prazo, mas é clara e frontal. O nim do PS e de António Costa é uma vergonha, um excelente meio para percebermos que não há vontade de dizer exatamente aquilo a que se vem, de afirmar claramente uma vontade. Claro que se ganhar o "não", a Grécia entrar num caos ainda maior e o PS tivesse dito que os gregos não deviam aceitar o pacote europeu, havia o sério risco de os portugueses associarem essa posição aos socialistas e isso conduzir a uma derrota eleitoral. Mas o que se espera dum político é que assuma as suas posições, que corra riscos em função das suas convicções. O que quer afinal o PS? Que ganhe o "sim", apoiando assim a continuação daquelas que têm sido as políticas europeias, subscrevendo as posições, nas palavras de Paul Krugman, "dos arquitetos do falhanço da Europa"? O "não", e o que representa de rutura com o statu quo, perigoso e com consequências imprevisíveis? Ninguém sabe. O que sabemos é que esta postura de nada dizer para dar a entender que é preciso ganhar eleições para depois revelar o que de facto se pensa já não engana ninguém e contribui para o descrédito duma possível alternativa.

Do que o PS e António Costa se esquecem é que estão a fazer aos eleitores portugueses exatamente o que os decisores europeus estão a provocar na Europa: a deixar espaço para os radicais, para os que querem destruir a democracia liberal e o projeto europeu; para os extremistas de esquerda e de direita, para os Iglesias e os Le Pen - e por esta altura, sabendo até onde foram as cedências do governo grego e as suas propostas, não me parece que ninguém de forma minimamente honesta possa dizer que estamos em presença de radicais; no entanto, há que lembrar que foi o plano europeu para a Grécia que conduziu à vitória do Syriza.

É para aí que um sim - dando como certo, e não há nada que faça prever o contrário, que os executores europeus das exigências dos credores nada tenham aprendido com esta crise - levará a Europa. A continuação das atuais políticas, do aprofundamento do desemprego estrutural, das desigualdades, da falta de investimento, da emigração em massa, conduzirá de forma lenta mas inexorável à perpetuação da austeridade e ao desfazer dos laços que ainda unem as comunidades. Daí até às soluções políticas radicais vai um passo dum anão.

O cidadão que assina esta coluna, confortável, sem ter de se pôr na fila do multibanco para dar de comer aos filhos, sem ter - por enquanto - de pensar no que acontecerá às suas economias, temendo saber o que poderá acontecer aos gregos nos próximos tempos, carregado de dúvidas, porá a sua cruzinha imaginária no "não". No fundo, por ter a convicção que um "sim" no referendo de hoje conduzirá, muito provavelmente, ao fim desse tal conforto e ao de muitos dos seus concidadãos portugueses e europeus num futuro não muito longínquo.

2 Já conhecíamos a falta de vergonha de Durão Barroso. Agora ficamos a saber que tem também um problema de memória.

Na apresentação do livro de Miguel Relvas e Paulo Júlio, o inefável Barroso pediu para que os portugueses olhassem bem para a Grécia e vissem o que lhes podia ter acontecido. Esqueceu-se de que foi durante o seu mandato como presidente da Comissão Europeia que foi aprovado aquele magnífico plano que destruiu a Grécia, que foi durante a sua catastrófica gestão que a Europa entrou na profunda crise que vive até hoje.

Não sou daqueles que passam a vida a fazer queixas sobre os atuais líderes, mas há que admitir que é preciso ter muito azar para ter tido homens como este na liderança europeia.» [DN]
   
Autor:

Pedro Marques Lopes.


 Mais um que ama o Sporting desde pequenino
   
«Ricardo Quaresma tem instruções para não se apresentar no Olival para o arranque da temporada 2015/2016 dos ‘dragões’.

A informação é avançada pelo Diário de Notícias, que adianta que a decisão é de Julen Lopetegui que dificilmente irá querer manter o internacional português na equipa.

Na prática, Quaresma será dispensado do FC Porto, numa altura em que ainda tem um ano de contrato, com a SAD azul-e-branca e tem agora de procurar por uma solução. O Bursaspor chegou a ser hipótese mas, para regressar à Turquia, Quaresma preferia voltar ao Besiktas, clube onde foi feliz.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Uma boa aquisição para Jesus.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se ao Bruno que compre este ovo indispensável numa omelete de Jesus.»

 FCP quer que o Quaresma vá "morrer" longe
   
«Ricardo Quaresma vai ser a principal ausência no arranque dos trabalhos para a época 2015-2016 da equipa de futebol profissional do FC Porto, agendado para amanhã no Olival.

O DN sabe que o extremo recebeu indicações da SAD para não se apresentar juntamente com os restantes futebolistas, pois não vai fazer parte do plantel às ordens de Julen Lopetegui. Por outras palavras, Ricardo Quaresma foi dispensado pelo treinador espanhol, uma medida que não colheu de surpresa a SAD, que nas últimas semanas tem tentado resolver airosamente a situação de forma a conter uma reação menos positiva dos adeptos, pois Quaresma é um dos futebolistas mais apreciados pela massa associativa.

Com mais um ano de contrato por cumprir, Ricardo Quaresma tem sido sondado por alguns clubes interessados nos seus serviços. O Bursaspor, por exemplo, propôs um salário mensal de 300 mil euros limpos ao futebolista e estava disposto a pagar seis milhões de euros ao FC Porto, verba aceite pela SAD, mas Ricardo Quaresma não está disposto a regressar à Turquia, a não ser que o Besiktas o desejasse, pois foi no clube de Istambul que se mostrou naquele país e com o qual estabeleceu uma relação especial.» [DN]
   
Parecer:

Pobre Quaresma ainda há pouco tempo dizia que morria no relvado das Antas e apesar de ser o depositáio da mística do Dragão foi dispensado.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «É a vida.»
  

   
   
 photo Sergey-Ryzhkov-4_zpsgwfs4mug.jpg

 photo Sergey-Ryzhkov-3_zpsbnjldltz.jpg

 photo Sergey-Ryzhkov-5_zpspdp6chbd.jpg

 photo Sergey-Ryzhkov-1_zps4efqhexh.jpg

 photo Sergey-Ryzhkov-2_zps3unx5wsi.jpg
  
blog comments powered by Disqus