sábado, abril 19, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo _estatua_zps5c834325.jpg
     
Estátua do Jardim Gulbenkian
  
 Jumento do dia
    
José Manuel Silva, bastonário dos médicos

Parece que a Ordem dos Médicos agora também faz de lóbi no negócio dos medicamentos.

«O Bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, diz que os doentes podem processar o Infarmed caso a comparticipação do novo medicamento para a hepatite C não seja avaliada no tempo legal, que termina no fim do mês. E diz que "não se pode aceitar" que 80 doentes estejam à espera de tratamento há três meses por falta de decisão, como o DN noticiou.

O Infarmed reagiu à notícia, referindo que "não existe demonstração que o medicamento, por si só, permita a erradicação da hepatite C em todos os doentes, nem que os doentes alegadamente à espera de tratamento com este medicamento não possam ter alternativa terapêutica". Isto apesar de os médicos referirem que apenas estão a prescrevê-lo a doentes que não reagem a outros fármacos e têm já doença grave.» [DN]
 
      
 Passos, o cristalino
   
«"Vamos ter no que respeita a salários e a pensões no futuro de os desonerar. Isso é claro. Possivelmente em 2016." 15/4/2014

"O que é importante as pessoas terem como garantia, para saberem com o que contam, é que não alargaremos estes cortes. Isso é inequívoco." 15/4/2014
"Estas medidas que são de facto temporárias vão ter de permanecer mais algum tempo." 15/4/2014

"Teremos até ao fim deste ano de substituir estas medidas por outras que vigorem daqui para a frente. À medida que ultrapassamos a situação de emergência essas medidas têm de ser de substituídas por outras que não são de emergência." 15/4/2014
"Às vezes por facilidade fala-se de medidas definitivas. Ora isso não faz sentido." 15/4/2014

"Alargámos aquele corte de salários que já vinha do tempo do engenheiro Sócrates um pouco acima da taxa dos 10% até aos 12% - começámos um pouco mais em baixo, nos 2,5% e depois até aos 12%." 15/4/2014

[Sócrates efetuou um corte médio de 5%, iniciado em 3,5% nos 1500 euros, sendo de 10% a partir dos 5000; o atual corte inicia-se com 2,5% nos 675, é de 8,61% nos 1500, de 10% nos 1800 e de 12% a partir dos 2000.]

"Os 15% de pensionistas que são abrangidos pela CES a partir de 1350 euros têm uma taxa mais progressiva." 15/4/2014 [Aplica-se este ano a partir dos mil euros.]

"A ideia de que estamos aqui a esconder essas medidas e que de facto o que vamos fazer depois é aumentar os cortes sobre as pensões e sobre os salários, isso não corresponde à realidade e não há nenhuma razão para estar a criar nas pessoas essa ansiedade." 15/4/2014

"A redução nunca será tão grande como é hoje, mas terá de continuar a existir uma redução da pensão." 15/4/2014

"Não faz sentido fazer especulação sobre um eventual corte permanente nas pensões. O debate devia ser mais sereno e informado e os membros do Governo deveriam contribuir para isso." 27/3/2014
"Se eu tivesse já a medida duradoura para poder apresentar, apresentava-a já aqui." 15/4/2014
"Há uma tentativa de criar uma ansiedade desnecessária junto das pessoas mas não é o Governo que a está a criar." 15/4/2014

"A partir de 2015 iniciaremos a reposição gradual (...) dos cortes nos salários da função pública efetivados em 2011. O Documento de Estratégia Orçamental hoje aprovado não prevê mais medidas de austeridade (...) até 2016." 30/4/2012

"O Governo já disse que não é possível repor o nível de salários e pensões como eles estavam em 2010." 15/4/2014

"Os cortes salariais assumidos este ano são temporários. Mas não podemos regressar ao nível salarial de 2011." 5/3/2014

"Não quero contribuir para criar nenhuma ideia incorrecta face àquilo que o Governo virá a decidir." 15/4/2014» [DN]
   
Autor:
 
Fernanda Câncio.
   
   
 Sócrates responde a Barroso
   
«O antigo primeiro-ministro José Sócrates afirma em declarações ao semanário Expresso que Durão Barroso “lembra-se do que não fez e não se lembra do que fez, como a política de estímulos orçamentais”. Em causa, explica a publicação, estão as declarações do presidente da Comissão Europeia sobre investimento público entre 2008 e 2010.

Sócrates entende que Durão “lembra-se do que não fez”, como por exemplo em relação ao caso BPN, mas “não se lembra do que fez, como a política de estímulos orçamentais”.

A confirmar está reação do antigo primeiro-ministro está um documento, a que o semanário Expresso teve acesso, e no qual, em 2009, a ordem da Comissão era clara: “Mobilizar o investimento privado e público com vista ao relançamento da economia e à mudança estrutural da economia a longo prazo: desenvolver parcerias público privadas (PPP)”, acrescentando que “embora o principal objetivo das PPP deva ser a promoção da eficiência (…) também podem atenuar a pressão imediata sobre as finanças públicas, proporcionando uma fonte adicional de fundos”.

Ora, salienta a mesma publicação, esta informação choca com o que há dias afirmou Durão Barroso em entrevista ao Expresso e na qual garantiu que “a União Europeia nunca disse para os países mais vulneráveis (como é o caso de Portugal) aumentarem a despesa pública”.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Barroso é um nojo de político.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mande-se o Cherne apanhar gambuzinos.»

   
 Se fossem só os laranjas a estarem enjoados...
   
«A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, protagonizou recentemente mais um episódio polémico, desta vez com os militares de Abril. E parece que no seio social-democrata começa a manifestar-se algum desconforto com o que os mais desabridos classificam de postura “politicamente incorreta”, conta hoje o semanário Expresso.

Eleita, por sugestão do PSD, em junho de 2011, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, desde logo marcou a diferença por ser a primeira mulher a ocupar o cargo. Acontece que, decorridos quase três anos, outros traços de ‘diferença’ parecem marcar o seu mandato.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Para além de ter um ar de enjoadinho a senhora enjoa qualquer um com as suas patetices e mania das importâncias e ainda por cima fala aquele português que quase precisa de um tradutor. Mas não deixa de ser curioso que só agora que a senhora teve comportamentos com consequências eleitorais o PSD comece a ficar inquieto, sinal de que por aquelas bandas a aproximação das eleições começa a enervar muita gente.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 E ao Carlos Cruz recusaram a pulseira
   
«Manuel Baltazar, de 59 anos, autor do tiroteio de ontem que matou duas mulheres e feriu outras tantas, em São João da Pesqueira, cortou a pulseira eletrónica que usava depois de ter estado preso preventivamente devido a violência doméstica sobre a ex-mulher, uma das vítimas, avança a imprensa nacional.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Pois, o Carlos Cruz representava mais perigo...
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se uma auditoria ao processo de concessão da pulseira electrónica.»
   
 Qual relatório preliminar
   
«O Governo convidou, em janeiro, três especialistas em Segurança Social para integrarem o grupo técnico que tinha como objetivo procurar a alternativa à Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES). Acontece que, todos garantem hoje ao semanário Expresso desconhecer a existência de um relatório preliminar, conforme avançou o primeiro-ministro Passos Coelho em entrevista à SIC, pelo que se consideram “meros figurantes” neste processo.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Passos mentiu e de seguida a ministra tentou limpar a mentira do chefe inventando outra mentira.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»
   
 Assaltaram a embaixada no Líbia
   
«A representação diplomática portuguesa em Tripoli, na Líbia, foi alvo de um assalto hoje de madrugada, tendo um dos guardas da chancelaria ficado ferido, confirmou à Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Deve ter sido para roubar pins com a bandeirinha de Portugal ou então procuravam fotografias do Passos Coelho.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
        

   
   
 photo Emmanuel-Dautriche-4_zps66d1a3b2.jpg

 photo Emmanuel-Dautriche-3_zpscf71eaaf.jpg
 
 photo Emmanuel-Dautriche-5_zpsbc8c2869.jpg

 photo Emmanuel-Dautriche-6_zps2155c468.jpg
 
 photo Emmanuel-Dautriche-2_zps5c4df999.jpg

 photo Emmanuel-Dautriche-1_zps78fd646d.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus