quinta-feira, janeiro 16, 2014

Facadinhas de um pãozinho sem sal

Eu bem gostava de imaginar o Tozé Seguro na sua Lambreta, altas horas da madrugada a sair do Rato e descer a Rua de São Bento a caminho do apartamento da sua namorada. Não é que isso abonasse muito a favor do moço mas pelo menos poderíamos dizer que aquele rapaz com ar de pãozinho sem sal era capaz de nos surpreender. J´estou como os putos que vão pedir aos pais para se divorciarem, para serem como os colegas.
   
Mas este Tozé nem dás facadinhas, nem sai de cima e na mesma semana em que os franceses andam a discutir se a actriz é mais jeitosa do que a jornalista ficou a saber-se que o Hollande não os pôs apenas à sua companheira, o nosso Tozé também esteve à beira de ir para as urgências depois de o Tio Hollande se ter convertido à austeridade.
 
Não é que eu deseje que o Tozé seja um depravado o que, aliás, seria um milagre digno da Santinha da Horta Seca, mas bolas, já que o homem não dá pica nenhuma à oposição ao menos que nos fizesse uma prova de vida, só para sabermos que ele ainda está no activo.
 
Nunca um líder a oposição teve tantos motivos para estar cheio de pica, só em poucos dias o governo e os seus partidos deram várias oportunidades de criticar, gozar e fazer rir. Os deputados do CDS foram à Mealhada e ficaram com um leitão atravessado na garganta, uma hora antes o primeiro-ministro virtual dirigiu-se aos delegados do congresso de homenagem ao líder para dizer algumas meias falsidades e provocar o PS com falsas propostas de flirt e apesar dos os ministros do PSD andarem escondos o Maduro ainda meteu os pés pelas mãos com desculpas para justificar uma falta no parlamento.
 
E o que se viu no Tozé? Nada. O homem não mexeu, não apresentou o mais pequeno sinal de vida, para alguém que ainda há pouco tempo exigia eleições antecipadas é silêncio a mais e oposição a menos. Ninguém neste país sabe o que Seguro pensa, que medidas adoptaria se fosse primeiro-ministro, o que pensa das novas políticas de Holland. Só se sabe que de vez em quando, muito raramente, o Tozé vem a público dizer que discorda e que se fosse ele a governar ia dizer à troika que aumentava o défice.
 
Não há mal que o Tozé não tenha nenhuma pica política, o problema é que ele tomou conta da liderança do maior partido da oposição e nestas circunstâncias é a oposição a ser penalizada pelas disfunções políticas do secretário-geral do PS. O Tozé está a fazer a Passos Coelho o maior favor que este poderia esperar de um líder da oposição, não só uma total ausência de oposição como a aceitação da ideia de que não há alternativas às políticas deste governo. Não admira que uma boa parte dos portugueses diga em surdina que entre Passos e Seguro não há qualquer diferença, na verdade o que distingue os liberais de direita dos liberais de esquerda não são os projectos, os programas, os ideais ou as ideologias, não passam de clãs diferentes.
 


blog comments powered by Disqus