segunda-feira, maio 05, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo _Campo-pequeno_zps2a550df6.jpg
     
Praça do Campo Pequeno, Lisboa

   Fotos dos visitantes d'O Jumento
 
 photo _oliveira_zpsd17fbec4.jpg
 
Bon-sai (oliveira) urbano espontâneo (Dafne)  
 Jumento do dia
    
Nuno Crato

Crato vai sair do ministério da Educação sem ter feito absolutamente nada a não ser aumentar o número de alunos por turma, acabado com o ensino do inglês e interrompido o processo de modernização das escolas. Agora, a cobardia levou a que tenha entrado em modo eleitoral, deixou de haver Crato. Uma nódoa.

«O Ministério da Educação e Ciência(MEC) pode simplificar a prova de avaliação de conhecimentos e capacidades (PACC) para a docência, de forma a que esta ainda se reflita nos concursos de contratação e de ingresso nos quadros que serão lançados até final deste mês.
  
Esta é uma das hipóteses em cima da mesa, depois de o Tribunal Central Administrativo do Sul ter levantado a última providência cautelar que travava este processo. A outra é deixar cair o processo até ao final do ano e recomeçar da estaca zero, já com uma leva de professores a terem participado nos concursos sem terem sido sujeitos a este crivo.» [DN]

 
 Voando num F-16

   
      
 Foi você que pediu uma política de verdade?
   
«"Não são medidas que incidam em matéria de impostos, salários ou pensões", Passos Coelho.
O que leva um primeiro-ministro a apresentar um Documento de Estratégia Orçamental que desdiz completamente o que há quinze dias garantia? Que passará pela cabeça do maior responsável pela condução dos destinos duma comunidade, quando num dia são anunciados aumentos de impostos e contribuições, e, no dia seguinte, ele diz que não houve aumento nenhum?

Há quem diga que não vale a pena perder tempo a analisar os constantes ziguezagues do primeiro-ministro; que o importante é refletir sobre as medidas concretas. Este tipo de raciocínio tem alguma lógica, provavelmente não a que quem o exprime pensa. De facto, a capacidade de o primeiro-ministro dar o dito pelo não dito, de recuar e avançar, de prometer e esquecer é tão avassaladora, que é sempre melhor esperar pela atuação propriamente dita. Mais, e como ficou provado na entrevista que deu à SIC, Passos Coelho é capaz, mesmo de, no espaço de alguns minutos, dizer tudo e o seu contrário com uma descontração desconcertante. O problema é a total descredibilização da personagem que tem este tipo de atuação, ainda para mais num momento em que vivemos um período de crise tão profunda económica e institucional. Ter um primeiro-ministro em que não é possível acreditar é pior do que ter um mau primeiro-ministro. Infelizmente, Passos Coelho tem os dois defeitos. Um líder que no espaço de quinze dias muda radicalmente de opinião em assuntos tão relevantes para a comunidade tem um problema grave. E, claro está, o problema passa a ser nosso.

Fica, pela enésima vez, pornograficamente exposto que não há, não houve, nem haverá qualquer plano para a reforma do Estado; que as fusões, extinções, consultadorias de serviços do Estado que iam gerar poupanças de 1400 milhões de euros são uma fantasia (e se fosse verdade, porque se teria esperado três anos para as fazer?), gorduras do Estado, pois, pois; que as únicas medidas que o Governo tem para nos apresentar são subidas de impostos e contribuições ou cortes nos salários e pensões; que a nova tabela de remunerações da função pública é a de Sócrates; que os cortes provisórios são, espanto dos espantos, definitivos - o grupo de sábios que ia estudar a reforma da Segurança Social deve estar ausente em parte incerta ; que o salário mínimo afinal vai descer quando era suposto subir.

Mas a deterioração na confiança entre representantes e representados, a sensação de que tudo o que se diz ou anuncia pode ser mudado no minuto seguinte, a evidência de que quem governa não tem um plano, não tem estratégia ou acredita no último tipo inteligente que ouve são sintomas tão graves como as próprias medidas em si.

Todos conhecemos, infelizmente, promessas de campanha não cumpridas, súbitas mudanças de opinião, bruscas alterações de políticas. Há, normalmente, uma justificação, uma razão mais ou menos legítima, a ocorrência dum qualquer facto superveniente. O próprio Passos Coelho, numa atitude que elogiei neste mesmo espaço, teve a dignidade em 2010 de pedir desculpas aos portugueses por ter aprovado o PEC III contra o que tinha prometido. Onde vai esse tempo? Agora, em quinze dias nega as suas próprias promessas. Agora, cria uma névoa tal de afirmações e contradições que chega a ser impossível fazer uma análise do seu discurso, que é inviável encontrar uma lógica de raciocínio, uma linha condutora. Não há quem não esteja saturado de tantas medidas anunciadas com pompa e circunstância que nunca vieram a concretizar-se por simples incompetência, por ignorância chocante da realidade ou por outra razão qualquer. É por estas e por outras, aliás, que estão enganados os que pensam que há a mínima hipótese de o DEO contribuir para um melhor desempenho eleitoral da Aliança Portugal: nada pior do que a perda de confiança do eleitor, uma vez perdida não é recuperável.
A falta de previsibilidade na atuação dos agentes políticos, o facto de nunca estarmos seguros se estas ou aquelas medidas vão ser implementadas geram uma desconfiança generalizada na comunidade. É evidente que não há memória de tão grande desprezo pela verdade, pelos cidadãos, pelas próprias instituições democráticas, e isso penalizará, como é lógico, mais Passos Coelho e o Governo, mas desengane-se quem pensar que isto não se arrasta para todo o sistema e a todos os intervenientes no processo político.

Esta semana adubou-se abundantemente, mais uma vez, o campo onde nasce toda a descrença na democracia, todo o ódio aos políticos, toda a aparição de salvadores.» [DN]
   
Autor:
 
Pedro Marques Lopes.
   
   
 E eu que pensava que tinha sido uma decisão da Merkel!
   
«Luís Marques Mendes falou ontem, no seu espaço de comentário semanal no ‘Jornal da Noite’ da SIC, sobre a alegada saída limpa de Portugal da missão externa e sublinhou que a avaliação positiva da troika é “uma vitória de Pedro Passos Coelho”.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Ganda Nóia!
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
     

   
   
 photo Viesturs-Links-5_zps09c731e2.jpg

 photo Viesturs-Links-2_zpsf98442ef.jpg
 
 photo Viesturs-Links-3_zps296d416e.jpg

 photo Viesturs-Links-4_zps4856cb32.jpg
 
 photo Viesturs-Links-1_zps3aeacc56.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus