quinta-feira, abril 09, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura



 Foto Jumento


 photo _garccedila_zpstoo9n3hl.jpg

Garça-real na Quinta das Conchas, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Bacelar de Vasconcelos

Não me recordo de ter ouvido Sampaio da Nóvoa pedir o apoio do PS a uma candidatuira presidencial, nem sequer o possível candidato se fez acompanhar de uma qualquer comissão de honra constituída por membros do PS e sou capaz de apostar que não foi ele a impor a sua presença no congresso do PS, onde o seu discurso foi aplaudido e a sua presença enquanto independente terá tido um grande peso ornamental.

Assim, não se entende o porquê de tantos ataques a Sampaio da Nóvoa, fica-se com a impressão de que há no PS quem pense que ninguém se pode candidatar antes das eleições legislativas e sem autorização prévia do PS. O nome de Guterres circula mesmo quando toda a gente sabe que o emigrante rico nunca será candidato, o mesmo sucedendo com um António Vitorino que não é candidato. Ora, porque razão quando se fala de António Guterres todos aplaudem e há muitos meses que o próprio António Costa lançou a sua candidatura, enquanto que quando é alguém que não tem de pedir autorização do PS se levantam tantas vozes incomodadas com o calendário.

Pela forma como algumas personalidades do PS falam da importância das legislativas e tendo em consideração a forma apressada e desajeitada com que Costa fugiu da Praça do Município para o Rato, até parece que Cavaco marcou as eleições legislativas antecipadas para Setembro, sem ninguém esperar.

É lamnetável ver o PS e a pior direita finalmente unidos e é lamentável porque isso significa que este PS se arrisca a colocar os jogos dos seus barões, marques e baronetes à frente dos interesse do país e perder as eleiçções que dizem ser tão importantes.

«A percepção está a disseminar-se no interior do PS e poderá mesmo acabar por prejudicar o próprio Sampaio da Nóvoa. O possível avanço do ex-reitor da Universidade de Lisboa para uma candidatura à Presidência da República gera preocupação no interior do Partido Socialista (PS), inclusive no seio da direcção do partido, que debateu na segunda-feira a questão na reunião do secretariado.

Pedro Bacelar Vasconcelos, membro do secretariado do PS, confirmou ter defendido nessa reunião o mesmo que defendera já noutros locais. “Esta distracção com uma mistura de estratégias individuais com outros jogos e interesses é desvalorizadora do acto eleitoral de Outubro”, disse o constitucionalista ao PÚBLICO, referindo-se às legislativas.

Depois de frisar que uma candidatura a Belém é “construída sobre a iniciativa individual” e que seria “aberrante que fossem os partidos a promovê-la”, Bacelar Vasconcelos não deixou de fazer notar que o momento “decisivo” para o PS são as próximas eleições legislativas. E por isso reconheceu a candidatura de Sampaio da Nóvoa como uma “manobra de diversão perigosa em relação à questão principal que é derrotar este Governo”.

Bacelar Vasconcelos não está sozinho na leitura que faz. Um outro elemento do secretariado, que não quis identificar-se afirmou ao PÚBLICO reconhecer manobras subterrâneas no presente cenário para a imposição de um candidato ao principal partido da oposição e até “intimidar outros potenciais candidatos mais bem preparados”: “Estão a tentar criar uma estratégia do facto consumado, mas esta questão não está fechada”, disse este secretário socialista. » [Público]

      
 Outra ONG de amigos de Passos
   
«Rogério Gomes era um nome desconhecido até ter aparecido na televisão como director do Gabinete de Estudos do PSD a abrir horizontes ao verbo haver: «não haverarão», disse ele, com ênfase, ao anunciar que iria elaborar o programa eleitoral laranja [cf. vídeo]. Hoje, Ricardo Gomes volta a ser notícia: «Ex-patrão de Passos adjudica contratos públicos a associações a que está ligado».

Rogério Gomes, que é também membro da Comissão Política Nacional do PSD, foi um dos amigos que deu a mão a Passos Coelho antes de o alegado primeiro-ministro ter sido adoptado pela Fomentinvest (Ilídio Pinho, terrível Ângelo, Ricardo Salgado, José Maria Ricciardi…). Mal os estarolas tomaram o poder, Rogério Gomes criou uma ONG — o Instituto do Território —, que utiliza fundos europeus para dar vida às suas próprias empresas, através do infalível método do ajuste directo. 

Umas breves pesquisas na Internet ajudaram a conhecer esta bizarra personagem. A ONG foi criada no dia 1 de Outubro de 2011, tendo contado com a presença do alegado primeiro-ministro no acto da sua apresentação à sociedade. Um ano e meio depois, Paulo Sá, deputado do PCP, questionava o Governo sobre as actividades do Instituto do Território, sabendo-se que promove conferências para as quais têm sido convidados a participar membros do Governo.

Enquanto membro da Comissão Política Nacional do PSD, Rogério Gomes foi entrevistado pelo Públicoem 2012. Estávamos na fase em que a reforma do Estado ainda era apelidada de «refundação», que ele queria impor sob o sugestivo lema de que «o Estado é um Rolls-Royce, o país um Mini»: o resvalar do Estado social para o assistencialismo, com a privatização de serviços públicos. À época, a grande bandeira de Ricardo Gomes era: «garantir que as crianças quando chegam à escola primária tenham um exame de saúde gratuito, para detectar abusos, má nutrição.»
Tanta sofreguidão em esquartejar o Estado parece ter chamado a atenção sobre si: Conheça o senhor Rogério.»
 [Câmara Corporativa]
   
Autor:

Miguel Abrantes.


 Vital Moreira lança candidatura de Jaime Gama
   
«Em 2009, Vital Moreira foi cabeça de lista do PS às eleições europeias. Os socialistas ficaram em segundo lugar, atrás do PSD, com 26,5% dos votos, quase 18% menos do que tinham tido cinco anos antes.

Vital Moreira tem aproveitado o seu espaço na blogosfera, na página ‘Causa Nossa’, para comentar as presidenciais, que se deverão realizar no início de 2016. E se a opinião do antigo cabeça de lista do PS às europeias sobre Sampaio da Nóvoa não é a melhor, já sobre Jaime Gama é particularmente elogiosa.
  
Foi logo no início da semana que Vital Moreira deixou a opinião expressa sobre uma eventual candidatura do antigo reitor da Universidade de Lisboa. Na perspetiva do jurista, Sampaio da Nóvoa é um “provável ‘trouble maker’[um criador de problemas, na tradução literal] institucional”.

Mas se no início da semana Vital Moreira deu a entender que tinha algumas reticências sobre o perfil de Sampaio da Nóvoa para o cargo de Presidência da República, esta quarta-feira deu a conhecer no blogue Causa Nossa um outro perfil, que lhe parece mais adequado.

Sobre Jaime Gama, escreve Vital Moreira que se trata de “um peso-pesado da vida política nacional”. E diz ainda que “há protocandidatos a Belém” e que depois “há os presidenciáveis em sentido próprio. Estes são naturalmente mais raros do que aqueles”, pode ler-se.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Pelo brilhante desempenho eleitoral nas europeias em que foi liderou a lista do PS Vital Moreira dava um bom director de campanha de Jaime Gama. Ms não deixa de ser divertido ver Vital Moreira num dia a desncar em Sampaio da Nóvoa e no dia seguinte lançar o presidente do BES Açores.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a proposta.»
  

   
   
 photo Ryan-Schain-5_zpsxe9duvlu.jpg

 photo Ryan-Schain-1_zps0wgrcobu.jpg

 photo Ryan-Schain-2_zpsz5oqd6jg.jpg

 photo Ryan-Schain-4_zpsml4emsx0.jpg

 photo Ryan-Schain-3_zpshtlgflag.jpg
  
blog comments powered by Disqus