quarta-feira, janeiro 14, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _28_zpsab98bbce.jpg

o"28", Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Paulo Portas

A moçoila incompetente da Justiça chegou a dar a entender que não se comportava como o seu colega da Educação que mandou as culpas da confusão da abertura do ano escolar para terceiros. Mas como a barraca dio Citius demorou mais do que esperava socorreu-se dos responsáveis do Citius para responder e atacar a oposição, chegou mesmo a encomendar-lhes uma auditoria para encontrar culpados e após a sua identificação tirou-lhes o escalpe em público, como se isto fosee o Estado Islâmico.

Só que a incompetência é tabnta que nem a inventar culpados a moçoila é boa pelo que enquanto o diabo esfrega um olho a senhora foi apanhada. Agora limpa a honra demitindo os que a apoiaram, mas como não podia deixar de ser não dá a cara e encomenda a demissão a um secretário de Estado.

Uma vergonha do princípio ao fim e só não se entende porque razão o PS de António Costa parece simpatizar com a senhora.

«Despacho foi assinado pelo secretário de Estado António Costa Moura e não por Paula Teixeira da Cruz

Os dirigentes do Instituto do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça,Rui Mateus Pereira e Carlos Brito foram demitidos.O despacho de exoneração foi recebido ontem assinado pelo secretário de Estado da Justiça António Costa Moura. A informação foi confirmada ao DN pelo próprio Rui Mateus Pereira.

Os dois dirigentes são os responsáveis máximos pelo departamento do Ministério da Justiça que lideraram a transferência de 3,5 milhões de processos no dia da entrada em vigor do novo mapa judiciário, a 1 desetembro. O bloqueio do Citius paralisou os tribunais durante mês e meio. Agora são afastados por falta de "competência e perfil"..» [DN]

 O TGV para mercadorias do Passos Coelho

 photo TGV_zpsffab77da.jpg

 Enfim, poderíamos

 photo _poderiamos_zps7aeacd90.jpg



 Nem a propósito...
   
«O jornal judeu ultraortodoxo HaMvaser publicou, tal como grande parte dos jornais a nível mundial, uma foto da marcha dos líderes mundiais em Paris na marcha contra o terrorismo e em homenagem aos 12 mortos no ataque ao jornal satírico francês Charlie Hebdo, mas na foto, Angela Merkel e Frederica Mogherini não estão presentes.

Não que o jornal tenha escolhido uma foto sem mulheres. A foto era a mesma que a utilizada por grande parte dos jornais a nível mundial, da linha da frente da marcha dos líderes mundiais presentes em Paris. Mas o HaMvaser decidiu editar a foto para apagar as mulheres da imagem.

Na linha da frente da manifestação estavam Angela Merkel, chanceler alemã, e Frederica Mogherini, a chefe da diplomacia externa da União Europeia.» [Observador]
   
Parecer:

Estão bem uns para os outros.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 É o mercado, queixam-se os alemães...
   
«Imprensa alemã tece críticas ao sistema de votação da FIFA e considera que Ronaldo e Messi são valorizados por serem "produtos de mercado".

A imprensa alemã insiste nesta terça-feira que o guarda-redes Manuel Neuer merecia a Bola de Ouro e critica que na decisão tenha pesado aquilo que considera ser o "produto de mercado" em que se converteram os futebolistas Cristiano Ronaldo e Messi.» [DN]
   
Parecer:

Às vezes o mercado tem inconvenientes.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Passos se não acha uma ofensa para a generosa Alemanha da sua amiga Merkel ver a Bola de Ouro ir para o mafarrico da Madeira.»

 Portas no seu melhor
   
«O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, admitiu hoje que a sobretaxa aplicada ao rendimento dos contribuintes poderá ser devolvida, já que o Estado obteve receitas excedentes cujo destino é obrigatoriamente o bolso dos que a pagaram. “Cada euro de receita a mais — e tem acontecido ao longo dos anos haver excedente de receita face ao previsto — fica integralmente dedicado à devolução da sobretaxa”, afirmou Paulo Portas, em declarações à agência Lusa. Portas sublinhou que “a sobretaxa sempre foi excecional, aconteceu num determinado momento, por uma determinada circunstância”.

A devolução da sobretaxa já tinha sido defendida por Paulo Portas, tendo em outubro passado — durante as parlamentares conjuntas de PSD e CDS-PP — afirmado que a situação já teria sido possível em 2013 e 2014 se tivesse sido aplicado um crédito fiscal. No entanto, no mês seguinte, em novembro, essa possibilidade ficou mais longe, depois de a Comissão Europeia ter avançado com previsões que apontavam para uma derrapagem no défice de 2015.

Segundo as estimativas então divulgadas, o défice português deveria chegar aos 3,3% do PIB este ano, devido a projeções “mais cautelosas” sobre a receita fiscal.

Com estas contas, o Governo — que inscreveu no Orçamento do Estado para 2015 um défice esperado de 2,7% do PIB e um crescimento de 1,5% -, perderia a margem para devolver a sobretaxa do IRS.

No entanto, disse hoje Paulo Portas, com “o combate à evasão fiscal e os sinais de crescimento económico, é possível que a receita venha a permitir que esse crédito, no todo ou em parte, venha a funcionar a favor do contribuinte”.» [Observador]
   
Parecer:

Depois da barracada que deu com a reforma do IRS Paulo Portas regressa com mais uma iniciativa de puro oportunismo, afirmando que com a evolução da receita, que devemos agradecer ao seu secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e provável candidato ao seu lugar,  Mas Paulo Portas esquece-se de escklarecer algumas dúvidas, a primeira éque fala em devolver a sobretaxa mas fica-se sem perceber se o defende para já ou com base no mecanismo idiota que permite a este governo gastar a receita e ser o próximo a devolver. Por outro lado não explica porque motivo não é coerente e propõe uma rectificação do OE.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mande-se o senhor à fava.»
  

   
   
 photo Victoria-Rogotneva-3_zpsb8c3f201.jpg

 photo Victoria-Rogotneva-2_zpsaeebbcba.jpg

 photo Victoria-Rogotneva-4_zps305f8345.jpg

 photo Victoria-Rogotneva-5_zpse98369ae.jpg

 photo Victoria-Rogotneva-1_zps4627d16b.jpg
  
blog comments powered by Disqus