segunda-feira, novembro 18, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo Cogumelos-TP_zpse0cdb689.jpg
     
BIODIVERSIDADE DE LISBOA

Cogumelos no Terreiro do Paço
  
 Jumento do dia
    
João César das Neves

João César das Neves está muito preocupado com as consequências de um aumento diário de 50 cêntimos no salário mínímo.

«João César das Neves afirma que obrigar empregadores a pagar mais pelo trabalho é dificultar a vida aos desempregados com menores habilitações. E diz que em Portugal há muita gente a falar em nome dos pobres, mas que os "verdadeiros pobres" não têm voz.» [DN]
 
 O pensamento político de Pedro Passos Coelho

«Como em quase tudo a parte final é aquela que custa mais.» [2013-11-16]
   
 As novas Alemanhas do Cherne
 
 photo alemanha_zps4a2ed127.jpg
 
 Contributos para o estudo da amnésia

Agora que o PSD exibe o bom exemplo da aliança com o PCP em Loures, nada de estranho num PCP que odeia mais o PS do que a extrema-direita, vale a pena recordar uma ida de glorioso combatente Mário Nogueira à Madeira:

«A inauguração da sede do Sindicato dos Professores no Funchal, juntou ontem o improvável num mesmo acto oficial – o presidente do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, e o líder da Fenprof, Mário Nogueira. "Se o problema da dívida existe, e aqui de dimensão agravada, é bom recordar que não é por responsabilidade de quem, honestamente, tem como quotidiano o trabalho", referiu no discurso o sindicalista, que ao CM frisou não estar ali a fazer campanha pelo PSD madeirense.» [CM]  
 
 Dá-se um prémio

A quem adivinhar a parvoíce que o Rui Machete vai dizer esta semana.
 
      
 A democracia e a inspiração irlandesa
   
«1-Segundo a Forbes, o ministro das Finanças irlandês afirmou, na passada quinta-feira, que as condições económicas para o próximo ano não seriam as melhores. No entanto, como é do conhecimento geral, a Irlanda decidiu regressar aos mercados prescindindo do já famoso programa cautelar. Mais, vários ministros irlandeses, em declarações a vários jornais internacionais, disseram que o Governo irlandês não estava disposto a aceitar novas condições económicas, no caso concreto subida de impostos, em troca do referido programa.

Ficamos daqui a perceber algumas coisas de que já suspeitávamos.

Em primeiro lugar, o programa cautelar não é uma espécie de seguro de crédito que podemos ou não accionar. Ou mesmo que o seja, o preço para o comprar será alto. Se a Irlanda que se pode financiar neste momento a taxas de cerca de 3% - logo o risco de o BCE ter de intervir para as baixar seria reduzido - imagine-se o que será com Portugal, que se financia quase a 6%. Ou seja, se a Irlanda estando numa situação muito melhor do que a nossa não quis aceder ao seguro por achar as medidas de austeridade adicionais demasiado penalizadoras, imagine-se o que nos irá ser exigido.

Em segundo lugar, quanto à recuperação da soberania - expressão que revela um entendimento da comunidade europeia que dispensa comentários - também estamos conversados. Se para acedermos ao programa cautelar teremos de nos sujeitar a novas imposições, cai por terra o discurso de 1640 e patetices semelhantes. O preço será sempre alto e a receita suicida a mesma.

Uma das lições desta recusa irlandesa em aceitar o programa cautelar é percebermos que os decisores europeus, sobretudo os alemães, continuam cegos face ao que está a acontecer aos países sujeitos a resgate e persistem em receitas que se provaram falhadas. Como dizia a Forbes, se nem com a Irlanda, o aluno dilecto, se conseguiu negociar de forma politicamente razoável, o que será com os outros? Que acontecerá quando o Banco Central Europeu tiver de comprar ilimitadamente dívida da França ou da Itália?

Mas há um problema maior que esta crise mais uma vez mostrou - que aqui já foi várias vezes referido. Que raio de legitimidade democrática tem o BCE para impor ou sequer negociar medidas? Se o BCE impõe medidas em função da compra ilimitada de dívida ou dum programa cautelar torna-se num governo de facto. Alguém votou um programa político do BCE? No fundo, temos uma espécie de governo paralelo que ninguém elegeu e que impõe políticas a seu bel-prazer. No fundo, estamos perante o desrespeito do mais sagrado princípio da construção europeia: o democrático.

2-Segundo o primeiro-ministro, "a Irlanda é uma inspiração". A frase, como muitas das que têm sido proferidas por Passos Coelho, não é de fácil entendimento.

Quererá o primeiro-ministro dizer que o facto de o Governo irlandês não se ter sujeitado às imposições da Europa recusando o programa cautelar, sabendo dos riscos que corre no próximo ano, é uma inspiração? Estará Passos Coelho a recordar-se de que o Governo irlandês não foi nem mais um euro além das medidas do memorando? Será que finalmente pensa que teria sido boa ideia ter tido uma postura de permanente negociação com os credores, em vez de ter um ministro das finanças, Vítor Gaspar, que os irlandeses diziam ser um autêntico procurador da troika ? Achará que o salário mínimo, 1400 euros, as taxas de IRC, IRS, IVA na Irlanda são agora inspiradores? Ter-se-á lembrado de que na Irlanda não há reformas ou salários de 600 euros, quanto mais cortes nessas pensões e salários (que sim foram feitos, mas para valores muitíssimo superiores)? Estará a reflectir sobre a reforma do Estado realizada em consenso com os partidos, sindicatos e demais parceiros sociais ? Um plano com metas a atingir, programas a seguir, modelos a implementar e não com umas folhas com a dignidade de papel higiénico de que já ninguém se lembra e que passa à história como uma brincadeira de mau gosto? Será que o primeiro-ministro está a ensaiar um mea culpa e nos pretende dizer que está arrependido por não nos ter dado um Governo minimamente competente sem gente manifestamente impreparada? Será que devemos perceber um pedido de desculpas por não ter procurado, logo de início, consensos e até o Governo ter vivido em permanente ambiente de guerra interna ?

Acreditemos até que, inspirado pela Irlanda, vai finalmente encontrar um caminho e acabar com a triste exibição pública da completa desorientação do Governo. O tal que em duas horas passa duma perda de referência, confessada por Marques Guedes, para uma história da carochinha, contada por Maria Luís, sobre irmos para aos mercados sozinhos.

Já não era mau se a inspiração de Passos Coelho o levasse por alguns destes caminhos, mas já nem o trevo irlandês nos pode ajudar.» [DN]
   
Autor:
 
Pedro Marques Lopes.
   
   
 A prova dos nove dos professores estabelecidos
   
«A Federação Nacional da Educação (FNE) decidiu hoje realizar uma greve a 18 de dezembro, dia da realização da prova de avaliação de conhecimentos e competências dos docentes.

A decisão foi tomada no conselho geral da FNE, que esteve reunido em Évora.» [DN]
   
Parecer:

Quando os professores estabelecidos precisaram do apoio dos contratados para derrubar Sócrates a troco de garantirem uma carreira confortável e com promoções automáticas contaram com o apoio militante dos professores contratados.Agora que lhes cabe avaliar os professores contratados com o objectivo de uma boa parte destes serem corridos definitivamente do sistema de ensino veremos se serão igualmente solidários.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»
  
 Passos apela à "união nacional"
   
«Pedro Passos Coelho apelou, em Cantanhede, a todos os portugueses para que se aliem no esforço que o país está a fazer para concluir o programa de assistência financeira, independentemente do seu partido político.

“Lanço um apelo muito forte, mais uma vez, a todos aqueles”, seja “em que partido possam militar ou ter votado, para se aliarem neste esforço nacional, que é o de concluir o nosso programa [de assistência financeira], para podermos pensar de outra maneira daqui para diante”, afirmou Passos Coelho, que falava, ao início da noite de hoje, no encerramento do VI Congresso dos Autarcas Social Democratas (ASD).

“Tenho a certeza de que aqueles que olham para Portugal colocarão de lado os seus interesses partidários ou os seus interesses pessoais, para garantir que o país se voltará a erguer, com toda a legitimidade e com toda a expectativa de poder concretizar um ideal que está ao seu alcance”, sublinhou o presidente do PSD.» [i]
   
Parecer:

O ridículo do apelo está no facto de Passos o fazer no âmbito de uma iniciativa partidária e enquanto líder do PSD.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sugira-se a Passos que não baralhe os papéis.»
   
 Este governo é como a GNR
   
«Os ministros dos Negócios Estrangeiros e da Defesa da União Europeia, entre os quais Rui Machete e José Pedro Aguiar-Branco, reúnem-se, na segunda-feira, em Bruxelas, num encontro que servirá também para preparar a cimeira de líderes de dezembro.
  
O Conselho ministerial conjunto, presidido pela Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Catherine Ashton, e que decorrerá entre segunda e terça-feira na capital belga, vai analisar ainda os preparativos para a cimeira da UE com os seus parceiros de Leste - a III Cimeira UE/Parceria de Leste -, que terá lugar em Vilnius a 28 e 29 de novembro, e na qual participará o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Parece que Machete deixou de poder viaja sozinho, com ele vai um segundo ministro para dar as entrevistas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
     

   
   
 photo Daniel-Ilinca-3_zpsf9e6e887.jpg

 photo Daniel-Ilinca-1_zps9f2a6273.jpg
 
 photo Daniel-Ilinca-2_zpsf9474b6c.jpg

 photo Daniel-Ilinca-5_zps7752b288.jpg
 
 photo Daniel-Ilinca-4_zps60bf726e.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus