quinta-feira, julho 13, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura



 Jumento do Dia

   
Assunção Cristas

Quando ouvi o discurso de Passos Coelho achei que estava bem estruturado, pensei com os meus botões que aquilo nada tinha que ver com os discursos dos jantares de lombo assado, conclui que desta vez o líder do PSD teria pedido a alguém para lhe escrever a intervenção no importante debate eleitoral. Mas a minha imaginação, que até tem muito de maldosa, nunca conseguiria levar-me a pensar que um líder da oposição se dirigia ao país e ao parlamento com um discurso copiado, mesmo pseno minha opinião que Passos é um político de plástico, que usa ideias alheias.

Só alguém muito estúpido poderia pensar que fazia um discurso e ninguém descobriria que o tinha copiado, mesmo que Maduro apagasse o que escreveu o seu Facebook já não iria a tempo, há sempre alguém que copiou e, além disso, o Google retém todas as páginas, mesmo quando deixam de estar online. Pobre Passos, é um zombie, já morreu e esqueceram-se de o enterrar.

«Pedro Passos Coelho proferiu esta tarde um discurso no debate do Estado da Nação que incluía várias palavras do ex-ministro Miguel Poiares Maduro.

O antigo ministro do Passos Coelho publicou na terça-feira à noite um texto no Facebook em que falava sobre os temas da atualidade. Passos Coelho repetiu as palavras de Poiares Maduro mais do que uma vez no parlamento, nunca citando o verdadeiro autor.» [DN]


 Pobre Cristas

Jogando tudo numa candidatura à CML Assunção cristas teria todo o interesse em correr em pista própria, afirmando os seus projetos. O debate do estado da Nação era o momento ideal para o fazer, já que está a meio da legislatura e o seu partido continua a cair agarrado ao PSD. Em vez disso a líder do CDS não só fez um discurso pobre e vazio, como colocou o seu partido a aplaudir freneticamente o discurso de Passos Coelho. De repente o CDS diluiu-se no PAF e a sua líder foi mais um deputado a aplaudir Passos Coelho.

Assunção Cristas parece não perder uma oportunidade para se afirmar como líder temporária, sem projeto, sem ideias e sem autonomia em relação a um líder do PSD. Ver o CDS empolgado, aplaudindo o discurso que o Passos copiou

 "O MP não guarda paióis", diz a sotôra

A procuradora Maria José Morgado tentou responder às críticas do silêncio do MP a propósito da denúncia de um possível assalto a Tancos com um argumento ridículo, afirmou com ar de quem estava a gozar com todos os que criticam o MP que esta instituição "não guarda paióis".

Mas quanto ao que o MP deve ou não fazer e tendo em consideração o alto cargo que lá desempenha, talvez não fosse má ideia. Se, por acaso, desconhece o Estatuto do Ministério Público pode ficar descansada porque ainda não será desta vez a ser obrigada a lê-lo, basta ir até à alínea i) do artigo 3.º, que estabelece as competências do MP vem lá escarrapachado:

«i) Promover e realizar acções de prevenção criminal; »

A procuradora foi muito clara na sua intervenção, afirmou que a acção do MP só se inicia partir de um fato criminoso, isto é, sem a existência de fatos criminosos não tem nada que fazer. Pois cara procuradora, mas não é isso que consta no estatuto do MP e é uma pena que uma das suas mais altas dirigentes e uma das personalidades mais ativas na comunicação social desconheça uma das regras mais elementares que supostamente norteia a sua ação.

Disse também a procuradora que quando o processo chegar ao seu fim os senhores jornalistas (e, já agora, qualquer cidadão que o requeira) pode consultar o processo e ver o que lá está. Enfim, parece que há um pelo menos um processo no MP que está guardado a sete chaves e que nem o Correio da Manhã, o Sol ou a TVI conseguirão saber o que lá está muito antes da conclusão do que quer que seja. É uma pena  que em processos em que em vez de estar em causa o MP estão políticos, até se fica com a impressão de o seu conteúdo é publicado em dazibaos, os jornais de parede da Revolução Cultura chinesa, um órgão de agit prop muito apreciado pela Dra. Maria José Morgado quando, em vez de estudar andava a promover a ditadura do proletariado orientada pelo grande educador Arnaldo Matos.

Tem razão, ainda que tenha concluído o meu curso sem passagens administrativas, estou entre aqueles que por falta de recursos inteletuais  são estúpidos por questionarem porque motivo o MP tem estado calado. De fato, o MP não tem nada a acrescentar e por isso não deve abrir uma excepção, mas em vez de publicar comunicados manda um dos seus dirigentes à TV dizer que não tem competências na prevenção do crime, que não lhe cabe guardar paióis definindo como estúpida a interrogação para a qual muitos portugueses queriam e querem resposta, pois a procuradora só foi para a TV dizer uns disparates na esperança de disfarçar o incómodo da situação.

Para terminar, alguém com educação e sentido de Estado devia explicar à sotôra que não é bonito atirar responsabilidades para terceiros, como os serviços de segurança ou outros. Ou também é competência do MP apurar responsabilidades em direito na TV?

      
 O Conselho de Finanças Públicas vai acertar uma?
   
«O défice das contas públicas registou uma melhoria homóloga de 490 milhões de euros - o equivalente a 1,2 pontos percentuais do Produto Interno Bruto (PIB) - nos primeiros três meses do ano, fixando-se em 966 milhões de euros, ou seja, 2,1% do PIB, constata o Relatório do Conselho das Finanças Públicas sobre a Evolução orçamental até ao final do primeiro trimestre de 2017.

O CFP é taxativo sobre as razões que justificam esta melhoria: "O aumento da receita, em particular dos impostos indiretos e contribuições sociais, foi fundamental".

Já a despesa, "observa um acréscimo de 66 milhões de euros", nota o relatório, salientando que "estes valores não refletem qualquer eventual impacto decorrente da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos, que se iniciou no primeiro trimestre de 2017".

Perspetivas para o conjunto deste ano? A instituição presidida por Teodora Cardoso lembra que "no passado recente o défice no primeiro trimestre tem vindo a revelar-se superior ao registado nos restantes trimestres do ano".» [Expresso]
   
Parecer:

Pela primeira vez o CFP alinha as suas previsões com as do governo, dir-se-ia que gato escaldado a água fria tem medo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandém-se os parabéns ao CFP.»
  
 Quem não tem nada que fazer faz uma vigília
   
«A Associação Nacional de Sargentos (ANS) promove esta quarta-feira uma vigília em frente à residência oficial do primeiro-ministro que pretende alertar para a necessidade de revisão do Estatuto dos Militares e quanto a preocupações sobre a assistência na doença.

“Queremos entregar um documento no gabinete do primeiro-ministro a elencar as nossas principais preocupações porque, passados 19 meses da tomada de posse deste Governo, continua tudo na mesma”, sustentou o presidente da ANS, sargento Mário Ramos, em declarações à agência Lusa.

Mário Ramos indicou que o protesto foi marcado para assinalar os 60 dias passados da data em que um projeto de lei do PCP com alterações ao do Estatuto dos Militares das Forças Armadas baixou à Comissão de Defesa do parlamento sem votação.» [Expresso]
   
Parecer:

Digamos que os sargentos têm um apurado sentido da opotunidade no momento de escolherem as alturas para se manifestarem.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se o senhores jogar umas suecas.»

 O Estado falhou
   
«O ministro das Finanças disse esta quarta-feira que o Governo apoia uma solução para os lesados do BES e prestará uma garantia pública, criticada pelo PSD, porque as autoridades de supervisão estatais falharam na proteção desses investidores.

"O sistema de supervisão e de regulação não funcionou", tendo permitido vendas fraudulentas de produtos financeiros ('misselling'), disse hoje Mário Centeno perante os deputados, justificando o envolvimento do Governo no mecanismo de compensará parcialmente os lesados do papel comercial vendido pelo BES, nomeadamente através da prestação de uma garantia estatal que poderá levar o Orçamento do Estado a assumir perdas de futuro.

Já questionado por deputados do CDS e PSD sobre o facto de haver lesados que não são abrangidos por esta solução - caso de clientes que comparam papel comercial no sucursal exterior do BES na Madeira ou os lesados emigrantes, que comparam outro tipo de produtos financeiros do BES -, o responsável pelo Ministério das Finanças disse que "o Estado não se pode substituir a todas as perdas" e que "a ação do Estado tem de ser equilibrada".» [Expresso]
   
Parecer:

Isto é tratar o cão com o pêlo do próprio cão.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Mais uma unidade de produção de santos
   
«O Papa Francisco publicou esta terça-feira um decreto onde estabelece um quarto critério que pode levar à canonização na Igreja Católica: a “oferta da vida” de forma voluntária. No documento, lê-se que “são dignos de especial consideração e honra os cristãos que, seguindo mais de perto as pegadas e os ensinamentos do Senhor Jesus, ofereceram de forma voluntária e livremente a vida pelos outros e perseveraram até à morte neste propósito”.

“A oferta heróica da vida, sugerida e apoiada pela caridade, exprime uma verdadeira, plena e exemplar imitação de Cristo e, portanto, merece aquela admiração que a comunidade dos fiéis costuma reservar a quantos de maneira voluntária aceitaram o martírio de sangue e exerceram de modo heroico as virtudes cristãs“, explica ainda o Papa Francisco, que assina pessoalmente o documento.» [Observador]
   
Parecer:
A Igreja Católica está transformada num supermercado de santos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Excesso de zelo da aduana
   
«O iate que Cristiano Ronaldo tem usado nas férias foi hoje abordado por uma lancha do departamento alfandegário da Agência Tributária espanhola e alvo de uma inspeção, avança a revista !Hola!. De acordo com a publicação, o jogador estava no iate com os filhos, a namorada e a família.

Cristiano Ronaldo e acompanhantes regressavam de um almoço em Fermentera, nas ilhas Baleares, quando foram abordados pela lancha do Fisco espanhol com, pelo menos, três agentes armados, que subiram ao iate alugado pelo jogador para fazerem a inspeção pretendida, conta a publicação.» [DN]
   
Parecer:

Uma fiscalização destas, quando uma embarcação não regressa de uma viagem a um país terceiro só se justifica se existirem suspeitas de contrabando ou de tráfico ilícito. Digamos que estamos perante uma manobra intimidatória e difamadora que pretende exibir uma má imagem de CR quando este enfrenta uma acusação do fisco nos tribunais. São métodos pouco comuns na Europa.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»

blog comments powered by Disqus