quarta-feira, dezembro 18, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo Serpa-1_zps4f83640f.jpg
     
Serpa
  
 Jumento do dia
    
Miguel Macedo, ministro

Está explicada a razão para a criação do tacho em Pais para o director nacional da PSP que se ofereceu em sacrifício numa operação de limpeza da imagem do governo, na capital francesa há muitos portuguese e o polícia que foi incapaz de cuidar de umas dúzias de colegas vai ajudar a polícia francesa a toma conta da comunidade portuguesa.

«O ministro acentuou que "França tem uma das maiores comunidades portuguesas", e garantiu que Paulo Valente Gomes, exonerado após a invasão de polícias à escadaria da Assembleia da República, a 21 de Novembro, "tem todas as competências para o cargo"

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, recusou hoje ter criado "um lugar específico" para o ex-diretor nacional da PSP, nomeado para oficial de ligação em matéria de segurança na Embaixada de Portugal em Paris, França.

Na audição na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, Miguel Macedo justificou a designação do superintendente Paulo Valente Gomes, no âmbito de declaração conjunta dos ministros do Interior de Portugal, França, Espanha e Marrocos, celebrado a 25 de janeiro deste ano, em Rabat, capital marroquina.» [i]

 
 Passos Coelho diz que fundos europeus foram mal gastos

Tem razão, foi uma pena a Tecnoforma não ter tido um papel mais activo, principalmente a dar formação profissional aos funcionários dos aeródromos fechados.
 
 Quanto vale a cabeça de um director nacional da PSP?

12.000€ mensais a pagar pelos contribuintes.
 
      
 A caminho da ditadura
   
«1 Na conferência que fez em Leiria, Rui Rio disse que a democracia em Portugal - com o atual Governo - estava a ser paulatinamente destruída e a caminho da ditadura. Com efeito, infelizmente, assim é. Nada se passa que seja transparente, no essencial, as medidas tomadas são escondidas ou estropiadas. Os partidos da coligação não se entendem e quando falam dizem coisas contraditórias. O próprio Banco de Portugal parece estar, cada vez mais, ao serviço do Governo. Numa palavra, estamos cada vez mais dependentes do Governo - e este da troika - e os portugueses, na pobreza extrema em que se encontram, percebem muito bem o que está a acontecer. Por isso gritaram na Aula Magna: "Não pagamos, não pagamos."
  
Por isso, o Governo e o Presidente da República não podem sair à rua sem serem vaiados e enxovalhados. Sucede que a Justiça praticamente não existe e as personalidades que roubam estão impunes.
  
É triste que tudo isto aconteça. Muito triste. Mas como tenho avisado, o pior está para vir. É, ao que parece, inevitável e perigoso. Oxalá me engane.

(...)» [DN]
   
Autor:
 
Mário Soares.
      
 O nosso oficial de ligação com invasões
   
«O Governo colocou o ex-diretor nacional da PSP, Paulo Valente Gomes, como oficial de ligação na embaixada em Paris. Paulo Gomes vai tratar de terrorismo, droga e migrações ilegais, no âmbito do projeto de segurança G4 (Portugal, França, Espanha e Marrocos). Numa reunião, em janeiro passado, os ministros das polícias desses países decidiram que haveria oficiais de ligação em três cidades. E só falaram dessas três: a espanhola Algeciras (a do célebre Museu Municipal, com sete salas), a senegalesa Dacar (a dos melhores bubus em pano estampado) e a ganesa Acra (a dos bares, na Avenida Kwame Nkrumah, que chegam a ter cerveja fresca). Destinos de sonho que foram logo cobiçados por quem tinha as melhores cunhas. Tendo sido preenchidos esses lugares tão desejados - foram, não foram?... -, Portugal decidiu mandar também um oficial de ligação para Paris, a dos bidonvilles. Claro que ninguém quis ir e só patrioticamente se encontrou quem aceitasse. Onde está o problema? Não será no profissionalismo de Paulo Gomes, do qual não duvido. Está numa imagem, que eu vi. Em novembro, Paulo Gomes demitira-se de diretor nacional da PSP por, na famigerada manifestação dos polícias, se ter deixado as barreiras de segurança serem derrubadas e os polícias subirem a escadaria do Parlamento aos gritos: "Invasão! Invasão!" Hmmm... Para discutir como se guardam as fronteiras, não seria possível encontrar um oficial de ligação com outra imagem?» [DN]
   
Autor:

Ferreira Fernandes.
   
   
 A ministra das Finanças está de parabéns
   
«O relatório da comissão de inquérito aos contratos swaps contraídos por empresas públicas, nomeadamente de transportes, ilibou a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, de qualquer responsabilidade. Pelo contrário, o Governo de Sócrates é acusado de não ter acautelado o interesse público e gestão rigorosa do dinheiro dos contribuintes.

A deputada do PSD, Clara Marques Mendes, está a apresentar hoje no Parlamento a proposta do relatório final que resulta do trabalho da Comissão parlamentar de Inquérito aos swaps, que desde Maio levou a cabo 42 audições e analisou centenas de documentos.» [Notícias aoMinuto]
   
Parecer:

Mais inocente é impossível!
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Mandem-se os parabéns à dedicada deputada Clara Mendes pelas suas aturadas investigações e sugira-se que ainda vai a tempo de elogiar a minitra pelos negócios que fez.»
  
 E Cavaco sabe?
   
«O secretário-geral do PS apelou hoje ao Presidente da República para que force o primeiro-ministro a dar explicações aos portugueses sobre o que tem já contratualizado com as instituições europeias sobre um novo programa financeiro para Portugal.
  
António José Seguro falava aos jornalistas no final de uma reunião com o Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, que durou cerca de hora e meia e que se insere num programa de iniciativas do PS denominado "Combater as desigualdades e a exclusão social".
  
"Considero da maior gravidade o que se está a passar e, por isso, entendo que o próprio Presidente da República deve pronunciar-se sobre esta matéria, obrigando o primeiro-ministro a esclarecer publicamente o que há em matéria de negociações entre o Governo português e as instituições europeias", declarou António José Seguro.» [DN]
   
Parecer:

Antes de pedi a Cavaco que o ajude a forçar  governo a divulgar o que combina com a troika devia exigir que fosse Cavaco a fazê-lo no pressuposto de que em Belém se sabe o que Passos anda a negociar com o estrangeiro.
 
A verdade é que Passos tem feito o que quer com inteira cobertura de Cavaco, o verdadeiro primeiro-ministro deste governo.
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
   
 Uma estranha forma de unir a esquerda
   
«Chama-se "manifesto 3D" e pede unidade na esquerda para a dignidade, a democracia e o desenvolvimento do país. Cinco dos 65 subscritores de um novo manifesto para a convergência de esquerda convocaram hoje, em Lisboa, uma conferência de imprensa para exigir um "compromisso de ação política concreta" para uma alternativa governativa capaz de acabar com a "dramática situação" do país.

O ex-dirigente bloquista Daniel Oliveira, o académico José Reis, a medica Isabel do Carmo, o economista Ricardo Paes Mamede e a professora universitária Ana Castro foram os rostos da iniciativa que, para já, tem como meta uma candidatura conjunta as próximas eleições europeias.

O movimento quer "sentar à mesma mesa" as forças políticas, os movimentos sociais e as individualidades que não se reveem na atual forma de intervenção política e que acreditam que "há em Portugal uma esquerda capaz de ser construtiva e de governar o país".» [Expresso]
   
Parecer:

Querem unir a esquerda, mas de caminho querem uns tachinhos bem remunerados.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»
     

   
   
 photo Tobias-Richter-2_zps277073f3.jpg

 photo Tobias-Richter-4_zpsfa10e896.jpg
 
 photo Tobias-Richter-3_zpsce9b38d4.jpg

 photo Tobias-Richter-1_zps8750f77b.jpg
 
 photo Tobias-Richter-5_zpse5ef7fc2.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus