segunda-feira, dezembro 02, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo Monsaraz_zps43fbad0c.jpg
     
Monsaraz
  
 Jumento do dia
    
Fernando Ulrich

Fernando Ulrich, o banqueiro de origem alemã que tem como habilitações académicas a frequência do curso de economia e finanças do antigo ISCEF decidiu armar-se em especialista de sistemas de pensões para, como é costume, converter a sua ideologia de direita liberal em regras de política económica.

É uma pena que em vez de andar armado em especialista de sistemas de pensões não fale do que sabe, talvez explicasse porque razão sendo um tão bom gestor precisou da ajuda financeira dos contribuintes. Poderia também explicar que com uma má gestão dos bancos os depósitos dos clientes estão tão seguros como ele defende para as futuras pensões.

«Não existe uma ligação entre o que os contribuintes descontam actualmente e o que podem vir a usufruir de reforma no futuro. Quem o diz é o presidente-executivo do BPI, Fernando Ulrich, de acordo com a Renascença.

Para o gestor, é um engano pensar que os descontos hoje feitos para a Segurança Social venham a resultar numa reforma daqui a alguns anos.

“As pessoas têm que ter consciência de que não existe nenhum mecanismo económico ou financeiro que permita assegurar que por causa de ter feito um determinado desconto, a pessoa vai receber uma determinada contribuição no futuro. Isso não existe”, afirmou, num jantar de antigos alunos de Economia e Gestão da Universidade Católica do Porto.» [Notícias ao Minuto]

 
 Portas, especialista em construção naval




Não há paciência para o aturar.
 
 Paulo Portas, o macho alfa do governo

 photo Macho-alfa_zps5e3fd5d5.jpg

 
      
 Chega de truques
   
«1 Segundo o Jornal de Notícias, Rui Rio foi convidado para presidir a uma nova entidade pública chamada Banco de Fomento. Não aceitou. Não se sabe bem se terá rejeitado em função do seu possível futuro político no PSD ou por não querer aparecer colado a uma governação de que tem manifestamente discordado. Ou pelas duas.

As razões de Rio são aceitáveis, elogiáveis até. Embora seja quase constrangedor ter de elogiar alguém por não aceitar convites extremamente bem remunerados porque não concorda com as linhas gerais do Governo, mas é este o infeliz estado do País. E nem vale a pena pensar nas pessoas que aceitam cargos não concordando com as políticas governamentais e tendo mesmo desprezo intelectual por quem os convida. Mas nestes casos o estado do País pouco conta, o carácter das pessoas é tudo.

Por outro lado, seria bem mais importante saber o que pensa o antigo presidente da Câmara do Porto sobre o facto de o Estado ser proprietário de mais um banco ou interferir ainda mais na economia - sendo esta entidade digna de uma república socialista ou do Estado Novo. O que realmente importa, o que precisamos mesmo de saber é o que um político pensa sobre a maneira como se organiza a comunidade e quais as funções que o Estado deve desempenhar. Isso é incomparavelmente mais importante do que saber se aceita ou não um cargo também por uma questão de futuro político partidário, seja lá o que isso for.

Estamos cansados de assistir a jogos florais de que este convite a Rui Rio é um excelente exemplo. Passos Coelho devia estar mais preocupado com o País e menos com os eventuais candidatos à liderança do seu partido. Ninguém pode acreditar que agradasse ao primeiro-ministro - tendo em conta acontecimentos recentes e menos recentes, que só não se lembra quem não tem memória ou não quer ter - que Rio presidisse ao que quer que fosse. Assim como ninguém pode conceber que Passos Coelho pense que o ex-presidente da câmara fosse dirigir de forma competente, opinião dele, essa entidade. Nada disso. No fundo, o que Passos Coelho está a fazer é a trocar as suas próprias convicções, o que realmente pensa ser o melhor para o País, por uma tentativa de afastar um putativo candidato à sua liderança oferecendo-lhe um cargo importante. Eis um exemplo gigantesco de como se olha para o poder como um fim em si mesmo e não como um instrumento.

Ora, nós estamos todos demasiado cansados de políticos que são muito bons em táctica política e que sabem os truques todos para atingir, e manter, o poder, mas que depois não o sabem exercer em função da comunidade e se perdem em jogadas que podem ser tudo menos de política a sério.
Não faço ideia rigorosamente nenhuma se Rui Rio quer ser líder do PSD ou não, se quer, sequer, concorrer eleitoralmente a qualquer cargo público.

Deixou um bom sinal, não aceitando um cargo por discordar de quem o convidou. Mas deixou também um mau sinal ao não aproveitar o ensejo para nos esclarecer quais são de facto as suas convicções sobre alguns aspectos fundamentais para a comunidade, e deixando também a sensação de que estava a embarcar em jogos politiqueiros de que estamos todos fartos. São as convicções, os projectos, o caminho que se quer para a comunidade que realmente contam. São esses que precisamos de conhecer. Sim, é verdade, já houve políticos que nos disseram que acreditavam nisto e naquilo, já nos disseram que iriam neste ou naquele sentido e, afinal, não acreditavam e não foram. Mas não somos infalíveis - e pouco aprendemos com os erros. Seremos mais ou menos vezes enganados. Mas isso nada tem que ver com política: é da vida.

2 O Presidente da República vai solicitar a fiscalização preventiva do Orçamento para 2014. E vai fazê-lo, pela primeira vez na história da democracia, porque também nunca houve na história da nossa democracia um Governo que tão sistematicamente desrespeitasse a Constituição que jurou respeitar. Porque as normas em questão são fulcrais no edifício orçamental que a Assembleia da Republica negligentemente aprovou. Porque, para ele, a estabilidade política é fundamental e Cavaco Silva tem consciência de que um eventual chumbo em Março ou Abril, no meio da execução orçamental e quase no fim do programa seria utilizado pelo Governo - de forma ignóbil, diga-se - como desculpa para se demitir tentando, para além de tudo, fazer do Tribunal Constitucional e do próprio Presidente bodes expiatórios. A serem declaradas agora inconstitucionalidades, ao Governo não restaria outra opção que fazer um novo orçamento e manter-se em funções. Fazer basicamente aquilo para que foi eleito: governar de acordo com a Constituição, fazendo um orçamento que a respeite.» [DN]
   
Autor:
 
Pedro Marques Lopes.
     

   
   
 photo Kelly-Steffey-2_zps25dccd3c.jpg

 photo Kelly-Steffey-1_zpse601c603.jpg
 
 photo Kelly-Steffey-4_zpsfbd40d8a.jpg

 photo Kelly-Steffey-3_zpsbc7b04fd.jpg
 
 photo Kelly-Steffey-5_zps21eafe6e.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus