sábado, junho 07, 2014

O nosso triplete

Se as agências de notação financeira procedessem ao rating dos sistemas políticos o nosso teria agora a classificação de lixo triplo, isto é, um triplete de lixo, o rating da Fitch para as instituições do poder seria DDD. Temos lixo no governo, lixo na Presidência da República e lixo no maior partido da oposição, uma Constituição que não se respeita nem se obriga a respeitar, tribunais em estado de sítio e o maior partido da oposição com um líder que só se percebe que o é por ter motorista.
  
No governo não está uma coligação com maioria absoluta mas sim uma seita ideológica que só conta com apoio maioritário no parlamento porque ainda tem a seu cargo a colocação do alpista nos comedouros dos deputados da maioria. Em termos eleitorais o governo jé nem nas Berlengas tem apoio maioritário dos eleitores e quanto ao CDS já ninguém sabe se ainda é o partido do táxi, o partido do riquexó puxado pelo Paulo Portas, ou mesmo o partido da charrete que só anda porque o Passos substituiu o cavalo.
  
É um governo sem apoio da população e que apenas consegue governar conta com o apoio de um presidente que parece mais ocupado a tirar selfies do que a cumprir e fazer cumprir a Constituição. Se em São Bento reina a incompetência em Belém reina a ausência, Cavaco aparece de vez em quando para fazer discursos banais, para tirar selfies e para receber as visitas dos embaixadores. Já nem serve para cortar fitas pois com este governo a única fita que há para cortar é a fita do cabelo da Paula Teixeira da Cruz.
  
Nomeio de toda esta desgraça o PS tem à sua frente um líder que gosta tanto do lugar que se arrisca a ter menos militantes do seu lado do que habitantes na Ilha do Pessegueiro. Na sua luta desesperada pelo poder está fazendo uma figura tão triste que se já não era credível para a maioria dos eleitores, agora é uma dor de cabeça para o PS. Há uma grande probabilidade de nas directas ter de contratar os arrumadores da capital para que depois de convertidos em simpatizantes do PS votem nesta espécie de sem-abrigo da política.
  
Quiseram que o país tivesse uma crise financeira a sério, agora além de uma crise financeira de proporções maiores do que a que tínhamos, temos a direita sem partidos credíveis, a oposição sem líderes democráticos, um Tribunal Constitucional que é desrespeitado diariamente por quem devia respeitá-lo ou por quem deveria obrigar o poder a aceitar a Constituição, um Estado mantido por funcionários públicos desmotivados, quase na miséria e com o desprezo pelos que permitiram que as coisas chegassem a este ponto e um Exército de soldados e generais à beira da mendicidade.


blog comments powered by Disqus