sexta-feira, setembro 25, 2015

No que vai votar no povo?

O povo é uma personagem abstracta que tendemos a analisar com algum romantismo, analisamos os resultados eleitorais como se tratasse de um cidadão ou de um grupo de cidadãos que se reúne para decidir o futuro do país. Os resultados eleitorais não correspondem aos nossos votos depois de somados, o nosso voto não conta, é diluído nessa personagem mítica que é o povo.
  
O povo não se engana, se as eleições resultarem numa maioria absoluta é porque o povo quer que seja um chefe a decidir pois confia no chefe e este, como Cavaco Silva, tem direita a usar esse estatuto para a posteridade. Se sucede o contrário o povo quer diálogo, não se pronuncia sobe o quê, quer apenas consenso.
  
Quando um governo se revela incompetente ou se governa à revelia do seu programa eleitoral e as coisas correm mal nas eleições seguintes, alguém se apressa a concluir que o povo não se deixou enganar, mas se sucedeu o inverso ninguém conclui que o povo gostou de ser enganado.
  
Na noite das eleições teremos dezenas de comentadores a fazer um enorme esforço intelectual para interpretar a vontade do povo, a questionar-se porque razão o povo decidiu de uma determinada forma, porque ignorou este partido e fez crescer aquele. Vamos saber se gostou da mijadela do Gato Fedorento na cara do Marinho, se gostou da barriga da Joana ou se teria preferido ver as mamas, se a cor da pele d Costa influenciou os resultados ou se as fotografias da esposa do Passos o ajudaram.
  
O povo é uma personagem global de inteligência mediana, que mantém uma relação muito íntima com os jornalistas e sondageiros e que confiam em Cavaco Silva e na sua esposa para o representarem. O povo e possuidor de uma grande sabedoria e as suas decisões eleitorais não são questionáveis. Por isso e ainda sem sabermos o que ai resultar nas próximas eleições já podemos pensar sobre o que é que o povo está pensando.
  
Se a direita ganhar é porque o povo gostou de piores serviços de saúde, de ser enganado com um falso programa eleitoral, ficou com pena do Constitucional lhe ter devolvido os cortes das pensões, gostou de ver os filhos partirem para a emigração. Neste caso o povo sanciona tudo o que Passos venha a decidir ao contrário do que prometeu e apoiará o desrespeito da Constituição, Passos terá uma legitimidade popular para cortar, mentir e mandar emigrar.
  

blog comments powered by Disqus