domingo, junho 30, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 
 photo orquideas_zps9c6e0202.jpg
 
Orquídeas selvagens do Parque Florestal de Monsanto, Lisboa
   

 Oportunismo

Oportunismo é vender o Magalhães e chamar-lhe Camões.
 
 Lovely owl
 



 Organizem-se
   
«Estava a coligação posta em sossego quando Paulo Portas decidiu vir a público encostar o primeiro-ministro à parede. Disse o líder do CDS-PP, já lá vai mais de uma semana, que "a maioria deve estabelecer um calendário e objetivos firmes para, após a reforma do IRC, iniciar ainda nesta legislatura o desagravamento fiscal em sede de IRS". Quer isto dizer, trocando por miúdos, que o líder do CDS-PP quer baixar impostos já a partir do Orçamento do Estado para 2014.

Já esta semana, na terça-feira, o ministro das Finanças, num ato de surpreendente generosidade - porém, e como de costume, de constitucionalidade duvidosa -, admitiu reduzir, de forma "considerável", a carga fiscal para "os contribuintes cumpridores".

Menos de 24 horas depois, António Pires de Lima pôs mais na carta de Paulo Portas e defendeu que "do ponto de vista social e também do emprego era de uma grande inteligência fiscal" atender aos pedidos dos hoteleiros "e reduzir o IVA na restauração de 23 por cento para 13 por cento, já no Orçamento para 2014".

Ora, poucas horas depois, foi o próprio Passos Coelho quem, em pleno Parlamento, travou as veleidades do parceiro de coligação ao afastar qualquer possibilidade de baixar os impostos no próximo ano, não se comprometendo com qualquer desagravamento até final da legislatura, em 2015.

Ontem, percebemos porquê. Disse o Instituto Nacional de Estatística que o défice no primeiro trimestre deste ano se fixou nos 10,6% do PIB. Isto é, em valores muito próximos daqueles que se registavam em 2011, o ano do pedido de ajuda externa. Ou seja, a receita falhou. E não há como iludir este facto.

Diz o primeiro-ministro, contra a evidência estatística e as previsões cada vez mais catastróficas do FMI e da Comissão Europeia, que a "recessão em Portugal está a abrandar". E que o Governo prevê, numa profissão de fé absolutamente desfasada da realidade, que até final do ano se registe "uma viragem na tendência económica". Porque recuso a ideia de malvadez, só posso concluir uma de duas coisas: ou o primeiro-ministro é política e socialmente autista ou apenas incompetente. Só assim se compreende que perante os relatórios da sétima avaliação da troika, que apontam para a degradação das condições económicas e para uma recessão mais profunda do que a prevista, Passos Coelho se permita fazer tais afirmações sem se engasgar.

Só por autismo e insensibilidade ou incompetência é que, mesmo reconhecendo o papel da intervenção feita no Banif neste miserável desempenho, é que um primeiro-ministro pode insistir no dogma do castigo fiscal sobre os contribuintes sem perceber o colapso da receita dos impostos indiretos, isto é, aqueles que resultam da retração do consumo. Como é evidente, e ao fim de três anos em recessão, e perante a teimosia de quem governa, só podemos esperar, desgraçadamente, que as metas orçamentais que nos estão impostas continuem a não ser cumpridas.

E bem podem o CDS e Paulo Portas bater com a mão no peito e, qual ato de contrição, lamentar-se por terem sido obrigados "a governar contra as suas convicções" quando, na primeira oportunidade para desagravar o IVA da restauração - a tal medida "de uma grande inteligência fiscal", nas palavras de Pires de Lima -, fingem não ter sido o presidente do Conselho Nacional do partido a afirmar que "o efeito desta medida - cerca de 80 a cem milhões de euros no máximo - seria perfeitamente comportável nas contas do Estado em 2014".

De duas uma: ou estamos perante um embuste e uma farsa ou, se Paulo Portas ouvir os apelos do presidente da CIP, António Saraiva, que ainda ontem se lamentava pelo facto de o presidente do CDS não ter força para "fazer as reformas que apregoa", a coligação pode ter os dias contados na negociação do Orçamento para 2014.» [DN]
   
Autor:

Nuno Saraiva.
   
   
 Cavaco faz turismo
   
«É intenção do Presidente da República, Cavaco Silva, pernoitar nas ilhas Selvagens, durante a visita que fará ao local de 18 a 20 de Julho, o que nunca outra chefe de Estado fez. Segundo o Expresso, uma delegação da comitiva presidencial já esteve nas Selvagens a avaliar as condições para receber Cavaco.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Pobre Cavaco, como vais ser um presidente sem história agora ainda vai querer figurar num qualquer Guiness.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»
   
 CDS abre nova frente de batalha com o PSD
   
«Depois de altos e baixos, e num momento em que os ânimos pareciam serenar, pois que no tema volta a balançar a coligação governativa PSD/CDS. Se a Passos “muito surpreenderia” uma redução dos impostos no próximo ano, os centristas asseguram que 2014 “tem de permitir uma viragem em relação aos impostos”, conta hoje o Expresso.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Esta coligação está a ficar bonita, está. O país está à beira do desastre e esta gente digladia-se para disputar os benefícios eleitorais resultantes de uma redução dos impostos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Assista-se ao espectáculo.»
   
 Passos Coelho já não confia nos ministros
   
«Só o primeiro-ministro Passos Coelho e o ministro Adjunto Miguel Poiares Maduro ficaram com as versões integrais dos documentos centrais da agenda do Conselho de Ministros, realizado no passado fim-de-semana. A intenção, explica hoje o Expresso, é evitar fugas de informação para os meios de comunicação, que podia tornar-se mais fácil com o acesso de todos os ministros aos documentos.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Divertido e de baixo nível.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Passos Coelho em que ministros não confia.»
  
 Troika já não confia nem acredita no governo
   
«Uma fonte do Governo, ligada às negociações com a troika, revelou à rádio TSF que as conclusões dos cinco dias de trabalho, realizados esta semana por membros da Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Fundo Monetário Internacional (FMI), apontam para riscos políticos e constitucionais na implementação das medidas apresentadas no início de Maio pelo Executivo. Segundo a mesma fonte, a troika duvida da vontade e capacidade do Governo para executar o corte de 4,7 mil milhões de euros.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:
 
Só agora é parece terem percebidoo onde e com quem estão metidos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Assista-se ao espectáculo triste proporcionado por uma troika mais proecupada em ilibar-se do que com o país que destruíram. »
   
 Anda tudo à facada
   
«Um jovem de 19 anos foi assassinado à facada, este sábado de madrugada, na discoteca República da Música, na zona de Alvalade, em Lisboa.» [DN]
   
Parecer:
 
Nunca se assistiu a tanta facada.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Analise-se o fenómeno.»
blog comments powered by Disqus