quarta-feira, março 26, 2014

Onde estavas pequeno Rangel?

O pequeno Rangel tem toda a razão ao atribuir a cada candidato a deputado do PS uma quota parte de responsabilidade na dívida e ainda temos de o considerar uma pessoa generosa pois pela forma como os acusa e condena seria de esperar que fosse a correr para o Terreiro do Paço para lhe atear a fogueira. Até porque nem Rangel nem o seu partido têm quaisquer responsabilidades neste capítulo.

Quem não se lembra de Rangel a criticar a sua mãezinha espiritual pelos défices do tempo de Durão Barroso ou a apelar para que não fosse feito o negócio duvidoso da venda da dívida fiscal, dívida que foi depois paga ao mesmo tempo que se corrigia o défice deixado por Pedro Santana Lopes.
  
Quem não se lembra de Rangel a ameaçar Pedro Santana Lopes de o atirar para a fogueira se este não conseguisse controlar o défice orçamental num contexto em que não havia motivos para um descontrolo tão grande. Não admira que enquanto foi eurodeputado Paulo Rangel se tenha destacado na exigência da demissão de Durão Barroso com base nas suas responsabilidades na dívida portuguesa.
  
Quem não se lembra de ver Paulo Rangel estar na linha da frente de todos os debates orçamentais exigindo cortes de despesa pública, propondo o chumbo de todas as obras públicas e principalmente das PPP, sugerindo o encerramento de serviços públicos desnecessários ou a substituição do investimento público pela iniciativa privada.
  
Quem não se lembra de Paulo Rangel a dirigir críticas sistemáticas aos banqueiros por preferirem apostar no crédito fácil ou nas dívidas soberanas de países como a Grécia a apostarem nas empresas que produzem bens transacionáveis, posição com que foi coerente ao protestar contra Passos Coelho e Gaspar quando estes ajudaram a banca privada.
  
Quem não se lembra de Paulo Rangel a criticar a senhora Merkel quando esta apelou em 2008 aos países europeus para que não respondessem à crise financeira com restrições orçamentais, altura em que criticou igualmente Durão Barroso porque a comissão fez vista grossa ao desrespeito em matéria de défie e de peso da dívida.
  
Quem não se lembra de Paulo rangel como uma espécie de Medina Carreira do PSD criticando cada item da despesa pública, propondo a toda a hora o despedimento colectivo dos funcionários públicos ou o fim de todo e qualquer serviço público gratuito. Paulo Rangel como, aliás, todos os seus camaradas de partido, sempre foi um modelo de poupança e de defesa de rigor orçamental.


blog comments powered by Disqus