terça-feira, março 04, 2014

Os prémios Zéca Clemente do Jumento

Atribuídos os óscares de Hollywood o Jumento também atribui os seus prémios aos artistas indígenas. Em anos de pontapés nos ditos cujos e porque são coices que estão em causa, os prémios desta temporada serão designados por prémios "Zeca Clemente" em homenagem aos coices do ex-segurança e agora responsável pelas relações públicas e protector da imagem do (ainda) dr. Relvas:
Melhor Filme
“Suplício” o filme da autoria de Passos Coelho que retrata a legislatura durante a qual foi primeiro-ministro. Relvas
Melhor actor:
António José Seguro que anda há três anos a desempenhar desempenhar o papel principal no filme “Oposição” e ainda ninguém percebeu muito quem nem a personagem, nem o que ela pensa. O suspense é total, ninguém é capaz de adivinhar como o filme vai acabar ou mesmo se a personagem se vai aguentar até ao “end”.
Melhor actriz:
O prémio no filme “Vitor Gaspar”. Uma personagem por quem ninguém dava nada estava condenada a estatelar-se na sombra do brilhantismo intelectual do seu fugidiu antecessor. No final foi o dito de quem ninguém se lembrou ou sentiu a falta, uma licenciatura na Lusíada fez esquecer a licenciatura na Católica mais o doutoramento na Nova do inteligentíssimo neto da Dona Prazeres da Serra da Estrela.
Melhor actriz secundária:
Assunção Esteves pelo seu desempenho no filme “Uma esmolinha para o 25 de Abril” em que representou uma presidente de um parlamento pedindo ajuda para financiar as comemorações do 25 de Abril.
Melhor filme de animação:
“O Congresso do PSD” um filme cheio de humor que apesar da austeridade brutal consegue levar os espectadores à gargalhada colectiva. É a história de um partido que não sabe se é de direita ou de esquerda e que elege um presidente do conselho nacional de que não se sabe se é ou não doutor. E como se tudo isto fosse pouco encerra com um Marcelo que não sabe se há-de ou não ser candidato.
Melhor filme estrangeiro:
“Vítor Gaspar”, o filme que conta a história de um ministro português que parecia ter a sede do gabinete em Bona e que quando as coisas se complicaram e teve receio de apanhar umas lambadas no meio da rua, deixou uma carta em cima da mesa e fugiu pelas traseiras. Mais tarde reapareceu antes de fugir de novo para o estrangeiro.
Melhor argumento original:
“Vamos fazer briefings” da autoria do ministro Maduro e do seu secretário de Estado Lomba. Infelizmente os portugueses mal viram o filme pois só esteve um dia em exibição.
Melhor argumento adaptado:
“Ir além da Troika” o filme que resultou da adaptação do memorando de entendimento, passando de um projecto de um filme de “supense” para um filme de terror.
Melhor fotografia:
O prémio vai para o Zeca Mendonça pelo seu desempenho no filme “Corram com os fotógrafos ao pontapé porque vai passar o Relvas”.
Melhor direcção artística:
O prémio vai para Dias Lourenço no filme “E ninguém do BPN foi apanhado”, o desempenho artístico foi impressionante e quando o filme acabar ninguém vai saber quanto foi pago a cada um.
Melhor guarda-roupa:
Maria Cavaco Silva no filme “Sou parecida com a rainha Sofia?”
Melhor som:
“Oposição” um filme que faz lembrar o do comboio, mas desta vez a carruagem está iluminada mas não se ouve o comboio apitar durante toda a viagem.
Melhor montagem:
“Vamos fazer briefings” da autoria do ministro Maduro e do seu secretário de Estado Lomba. Infelizmente os portugueses mal viram o filme pois só esteve um dia em exibição.
Melhores efeitos visuais:
“Cavaco nas Selvagens” um filme em que todos os espectadores pensam “Cai! Cai!” mas, infelizmente, a personagem consegue subir a vereda mantendo-se em pé.
Melhores efeitos sonoros:
“O Congresso do PSD” pelas gargalhadas durante a intervenção do professor Marcelo, uma artista que se fez de convidado.
Melhor caracterização
O prémio vai para Marcelo Rebelo de Sousa pela forma como todas as semanas vai à TVI caracterizar-se na figura de Presidente da República.
Melhor documentário:
“Vou mostrar à minha mulher”, trata-se de um filme amador da autoria de Cavaco Silva onde são mostrados os países por onde a nossa família presidencial passeia à custa dos contribuintes.
Melhor curta-metragem de animação:
“Catavento”, um pequeno documentário realizado por Passos Coelho a propósito das eleições presidenciais.
Melhor canção original:
A melhor música tem o título “O portugueses sabem que não aceito pressões” cantada pro Cavaco silva no filme “Um país sem Constituição”.
Melhor orquestração:
“Aliança Portugal” pelo grupo coral que cantou contra Seguro.
blog comments powered by Disqus