sexta-feira, janeiro 10, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo render_zpsc9d44d2a.jpg
     
Render da Guarda no Palácio de Belém, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD 

O discurso de Montenegro até tem alguma piada retórica, o problema é que o homem presta mais atenção ao soar das suas frases do que ao seu risco e o que ele pede ao PS é que faça o mesmo que o PSD, que ignore a Constituição. Depois de Cavaco no seu discurso de ano novo ter apresentado a manutenção do regime democrático como uma excepção mantida apesar da austeridade, não será de admirar que em nome dos superiores interesses dos portugueses o mesmo Montenegro se lebre de criticar o PS por insistir na defesa do regime democrático e das suas regras. Pela forma como fala este Montenegro tem mais respeito pelo Código da Estrada e pelos soldados da GNR do que pela Constituição e pelos juízes do Tribunal Constitucional.

«"O PS não pode estar permanentemente refém de decisões ou entendimentos constitucionais para fazer vingar os seus pontos de vista. O que é que o PS pensa da reforma do Estado? Como é que o PS quer um Estado mais eficiente, que gaste menos e cumpra os mesmos objetivos, como quer que no futuro Portugal cumpra os termos do tratado orçamental, possa ter uma dívida sustentável, um défice controlado?", questionou Luís Montenegro

O parlamentar "laranja" falava aos jornalistas após reunião da bancada, na Assembleia da República, enquanto o líder parlamentar do maior partido da oposição anunciava, também após reunião da sua bancada, que será ainda hoje enviado para o Tribunal Constitucional (TC) um pedido para "apreciação prioritária" da fiscalização sucessiva da constitucionalidade do Orçamento do Estado para 2014 (OE2014).» [Notícias ao Minuto]

 Mais um milagre da Santinha da Horta Seca

 photo milagre_zps92c4bc8d.jpg

Já se sabe qual o preço de uma aliança PSD/CDS nas prróximas legislativas ou, como sugere o nosso Barbeiro, era o Padre Américo que tinha razão, não há candidatos maus. Aliás, depois destes dois mandatos de Cavaco eu até apoio a candidatura do meu merceeiro, o homem pode roubar no peso mas nunca fez negócios com o O Costa, e fazer negócios com o O Costa é quase a mesma coisa que ter ido à missa com o Al Capone.

 Quanto mais a extrema-direita odeia Sócrates

Mais eu simpatizo com o homem.
 
 Uma pergunta aos intrujões

Onde estão os imbecis e chantagistas, incluindo aquele de Bruxelas que cheira a peixe, que tantas vezes disseram que um chumbo do Tribunal Constitucional afastaria Portugal dos mercados? Se fossem gente honesta viriam agora a público para pedir desculpas aos portugueses que tentaram intrujar.
 
      
 Sócrates, onde estavas no 27/6/66?
   
«Intrujão, pantomineiro, aldrabão, farsolas, sicofanta, maltês, embusteiro, impostor, falso, peteiro, trapaceiro. Enfim, Sócrates. Sócrates, o Pinóquio. A última: perguntado sobre Eusébio, ele reconstruiu a História. Disse que no Portugal-Coreia do Norte, em 1966, saiu de casa, na Covilhã, já Portugal perdia e quando "ia para escola" ouvia os golos de Portugal. Chegado à escola, já Portugal ganhava. Relato vulgar. Só que, neste país de grande jornalismo de investigação e de sucessos de PJ que deixam boquiaberto o Mundo (o país onde os mentirosos não são coxos, são tetraplégicos), logo o intrujão, pantomineiro, aldrabão, farsolas, sicofanta, maltês, embusteiro, impostor, falso, peteiro, trapaceiro, enfim, o Pinócrates, foi apanhado: o dia do jogo, 23 de julho, calhou nas férias grandes, quando não havia aulas. E como entre nós as investigações são como as cerejas, logo outra profunda averiguação revelou: 23 de julho foi sábado! E sábado à tarde (um analista em Tempo Médio de Greenwich conseguiu a hora do começo do jogo: 15.00)! Eh,eh,eh, o gabiru ficou cercado pela verdade dos factos... Mas, vão ver, o manhoso vai escapar como de costume: logo aparecerá um colega a dizer que os garotos de oito anos na Covilhã se reuniam no pátio da escola, até aos sábados e nas férias. Malandro, o Pinócrates, por isso disse que "ia para a escola", não "para as aulas"... Sempre com esquemas e álibis. Mas não é isto prova de farsante?!» [DN]
   
Autor:
 
Ferreira Fernandes.
      
 Paulo Macedo e a armadilha da ADSE
   
«Escrevo este texto longe de Portugal e posso não ter apanhado todos os argumentos sobre a aceleração das novas regras de sustentabilidade da ADSE. Não me surpreenderam as medidas, embora sejam naturalmente discutíveis, sobretudo pela velocidade a que as regras de contribuição e de comparticipação mudam por aquelas bandas. O que mais me espantou foi o regresso do discurso sobre a iniquidade e inutilidade da ADSE, tema sobre o qual Paulo Macedo se tinha pronunciado de forma clara e distinta.

Em finais de junho, na única entrevista de fundo que deu em dois anos, Paulo Macedo disse ao Expresso que não tinha qualquer intenção de acabar com a ADSE, porque era financeiramente autossustentável. Nessa entrevista Paulo Macedo deu uma lição a muita gente, a começar por alguns dos seus colegas - primeiro-ministro incluído -, quando separou ideologia de realidade. Ou seja, para Macedo a existência (ou não) da ADSE não é daquelas questões que ocupam alguns espíritos liberais menos informados ou transeuntes do Compromisso Portugal. Para o ministro da Saúde a questão era outra e tinha apenas a ver com a autossustentabilidade do subsistema e o tipo de acordos mais favoráveis ao ministério que gere. Favoráveis do ponto de vista orçamental e dos resultados nos indicadores de saúde.

Esta era a ideia que Paulo Macedo tinha em junho, mas que agora começa a ser de novo posta em causa. Não por ele (ainda) mas por quem o rodeia e que em vez de gerir ministérios da forma como ele faz (com apoio permanente na realidade) ou de fazerem política com base em estudos, preferem fazer variações sobre a igualdade de sistemas e gostavam que a ADSE acabasse amanhã.

Só para esclarecer, eu não tenho nada contra o fim da ADSE ou contra a sua continuidade. Apenas tenho medo de estar a assistir a uma discussão parecida com a do ensino da Matemática e dos alunos que não aprendiam nada, mas que afinal não era bem assim. Aliás, não era nada assim.» [Expresso]
   
Autor:

Ricardo Costa.
     

   
   
 photo Leda-Robertson-1_zpsc8bc43de.jpg

 photo Leda-Robertson-4_zpsb3befc4f.jpg
 
 photo Leda-Robertson-5_zps9011e65e.jpg

 photo Leda-Robertson-3_zps8649cfd2.jpg
 
 photo Leda-Robertson-2_zpse589593f.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus