segunda-feira, março 09, 2015

Ilusionismo político

Truque 1: a comissão parlamentar de inquérito

É divertido ver uma deputada do BE a gozar com Zainal Bava, um autêntico KO de uma revolucionária a um expoente do sistema. Mas a variedade é que a comissão não serve para avaliar os gestores privados, para fazer auditorias a empresas privadas, para matar a curiosidade mórbida do deputado do PSD, para saber do que vivem as irmãs de Ricardo Salgado e muitos outros faits divers que têm animado o país. 

Enquanto a esquerda se vai divertindo com a sua demonstração da superioridade moral da esquerda conservador e pendura Ricardo Salgado, a direita agradece pois partilha desse objectivo. Fica por se conhecerem as responsabilidades políticas neste processo, designadamente as responsabilidades do governo, do presidente, da CMVM e do BdP na vigarice que foi feita com a venda de produtos tóxicos nos balcões do BES ou com o logro que foi um aumento de capital que todos sabiam ser uma vigarice. Todos os partidos parlamentares parece terem mais a ganhar pendurando Ricardo Salgado do que em conhecer toda a verdade.

Truque 2: as declarações de Cavaco sobre as dívidas de Passos

O homem que mais fitas cortou em campanhas eleitorais não tem a melhor das opiniões sobre a luta partidária, evidenciando uma falta de valores democráticos que nos leva a pensar que o homem não evoluiu muito desde que preencheu a famosa ficha para a Pide o considerar uma boa pessoa na perspectiva do regime.  A forma pejorativa como se refere aos partidos revela um presidente que não o devia ser num regime democrático. Tudo o que incomoda o seu partido ou a sua pessoa são jogos partidários, só lhe falta defender um regime de partido único, o seu.

Truque 3: o caso Sócrates

Até agora o MP deu a conhecer muitos factos ou supostos factos que aponta para uma situação de enriquecimento ilícito, insinuando através de entrevistas dos seus altos responsáveis que o Estado está refém de políticos corruptos. Curiosamente o Estado parece dominado por políticos corruptos que nem estão no poder e até ao momento não foi apresentada nenhuma prova de corrupção, atira-se fumo para o ar e depois diz-se que se há fumo terá de haver fogo. O problema é que em tribunal a prova não é o fumo com que se tem tapado a vista da opinião pública mas sim o fogo.

Truque 4: as dívidas de Passos

O currículo de Passos Coelho prova aquilo que já se sabia, Passos comporta-se como o pecador que um dia viu Deus e entrou para o convento da Cartuxa onde abandonou os prazeres da vida, dedicando-se em exclusivo à oração ideológica com que tem chicoteado um povo de gente pecaminosa. Mas enquanto se discutem os pecadilhos de Passos dizendo que isso lhe retira autoridade para adoptar a medidas que adoptou deixa-se de se questionar se todas essas medidas eram legítimas, se foram justas ou se foram eficazes.

Não é por ter sido um baldas no passado que Passos não tem o direito de adoptar medidas como o corte nas pensões e nos vencimentos, é porque estas medidas são ineficazes, injustas e ilegais por serem inconstitucionais.  Passos foi um jovem baldas e é um político que despreza os valores constitucionais e isso é bem pior do que os pecadilhos que agora foram tornados públicos.


O que não está mal não é o passado pecaminoso de Passos Coelho, é o BdP e o governo terem permitido ao Ricardo Salgado enganar os pequenos investidores, é terem permitido que as ratazanas vendessem as acções que tinham no BES nas últimas horas do banco, é a justiça estar a viciar o jogo da democracia, é o país ter na presidência alguém impróprio para uma democracia, é ter um primeiro-ministro mal preparado, sem competência e com valores éticos mais do que duvidosos.
  
A justiça está a inquinar a democracia, as decisões de Passos prejudicaram a Segurança Social de forma bem mais graves do que os seus esquecimentos, o país vai ter de pagar uma pesada factura pelo BES que está sendo cuidadosamente escondida no banco mau e temos um presidente que podia muito bem trocar de cargo com o presidente da junta de freguesia de Belém.
 
blog comments powered by Disqus