quarta-feira, maio 28, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo _Quiosque_zps8bcf7a4b.jpg

Quiosque Tivoli, Lisboa
 
   Fotos dos visitantes d'O Jumento


 photo _Bacalhau_zps451d9b5b.jpg
     
Marketing à tuga no Terreiro do Trigo, Lisboa (J. de Sousa)
  
 Jumento do dia
    
António José Seguro

Seguro perdeu a oportunidade de evitar a sua transformação num cadáver político em putrefacção, devia ter tido a coragem de assumir os resultados eleitorais como uma derrota pois foi isso oq ue ele sofreu numa eleição em que se joga a feijões e tudo tinha para atingir resultados históricos. Um quase empate nas eleições europeias é sinal de que muitos eleitores confiam mais no gato da casa do que em Seguro e na sua equipa dos 3B, Betinhos, Belezas e Brilhantes.

Os eleitores não gostam nem confiam em Seguro e tudo o que ele tem feito só lhes dá razão, chega-se mesmo ao ponto de ter feito muito mais oposição ao governo de José Sócrates do que a que faz ao do seu amigo de sempre Passos Coelho.

Ao não sair da liderança do PS com dignidade ou sai de empurrão ou consegue manter-se graças aos laços duvidoso que se desenvolvem em partidos que mais parecem organizações mafiosas e nesse caso empurra o país para mais quatro anos de direita e o PS para a implosão.

«O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, anunciou esta terça-feira que está disponível para se candidatar à liderança do PS. "Estou disponível para assumir as minhas responsabilidades", afirmou o presidente da Câmara de Lisboa.

Segundo o DN apurou junto de fonte da direção do PS, António José Seguro está "disposto a ir a jogo".

Por ora não é no entanto claro se a direção do PS aceita a convocação de um processo eletivo extraordinário ou se tentará obrigar António Costa a recolher as assinaturas necessárias para desencadear obrigatoriamente esse processo.» [DN]

 
 Há qualquer dois de errado nisto tudo

Enquanto os eleitores do PS que conheço manifestavam regozijo pela decisão anunciada de António Cost o aparelho do PS mantém-se ao lado do líder falhado. Ainda não perceberam que para Seguro ser governo é bem provável que tenha de o ser como vice do seu amigo Passos Coelho. A teimosia desta gente vai custar cara ao PS.
 
 António Costa está a dividir o PS?

A acusação de que António Costa está dividindo o PS é ridícula, basta olhar aos resultados eleitorais das europeias para se perceber que quem está a dividir o PS é o Marinho Pinto, o PCP e a abstenção, foi aí os que simpatizando com o PS se recusam a votar num sucedâneo do Pedro Passos Coelho.
 
      
 Líder Seguro, nem uma coisa nem outra
   
«Então, temos uma moção de censura ao Governo. Vocês sabem, aquele Governo que no domingo passado teve uma derrota eleitoral. A próxima vez que ele for a votos, o que será em breve com a tal moção de censura, o Governo ganha. Naturalmente, porque no Parlamento os partidos que apoiam o Governo têm maioria. Quer dizer, a moção de censura servirá para fazer esquecer a derrota recente. Pergunta-se: portanto, a moção de censura, que pretende ser de protesto e vai ter efeito contrário, é tola? Resposta: não é, porque a moção é posta pelo PCP. Ao PCP é irrelevante que a moção passe ou não. A política do PCP não é determinada pela queda dos governos, o PCP vive do seu fundo de comércio que é continuar à margem como o protestador mor. Ele apresenta esta moção, que sabe condenada, não para pôr em causa o Governo mas para entalar o PS. Até aqui, pois, a notícia da moção de censura tem pouca importância, mas está dentro da lógica das coisas. Aqui chegados, passou-se a uma nova situação: ontem, António José Seguro disse que iria votar a moção do PCP, apesar de ser "um claro frete ao Governo." Isto já não é joguinho, é tolice da grossa. O PS, que quer ser a oposição ao Governo, aceita ser acólito de uma iniciativa em que ele próprio não crê e que serve o adversário... António José Seguro não sabe, perante o aviso dos seus resultados eleitorais pífios, reagir com força e inteligência. E nele isso é um caso irremediável: vê-se na cara.» [DN]
   
Autor:
 
Ferreira Fernandes.
   
   
 Quais resultados?
   
«O PS está a viver uma "situação esquizofrénica" em que "contam mais as análises do que os resultados", afirmou hoje ao DN Álvaro Beleza, membro do secretariado nacional do PS e amigo pessoal de António José Seguro há mais de três décadas.» [DN]
   
Parecer:

Este usa umas lentes de aumentar e deve ter visto uma grandiosa vitória do PS que só ele, o Seguro e o Assis viram.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se a merecida gargalhada.»
  
 Começou o jogo sujo da equipa de Seguro
   
«António Galamba, secretário nacional do partido, diz ao Diário Económico que são "epifenómenos" e que "nada disto faz sentido". O dirigente não percebe como é que o partido se enreda nestas disputas num momento em que tem o "PSD a valer 21% e lembra que a última convenção que António José Seguro organizou foi a "prova da capacidade deste PS em fazer pontes" com outras forças da sociedade.

Outras fontes do secretariado falam numa "OPA sobre o PS" que "não tem qualquer correspondência com o partido", confiante que a máquina partidária está com António José Seguro. A mesma fonte lembra que Francisco Assis, que no passado disputou a liderança com Seguro, já manifestou o seu apoio ao líder.

Há também um outro dado que está a ser transmitido pela direcção de Seguro: "É curioso que este anúncio surja depois de se ter começado a falar numa possível candidatura presidencial de António Guterres", diz fonte da direcção. A ideia que corre é que, perante a hipótese de vir a ser ultrapassado por Guterres na corrida a Belém, Costa terá decidido que esta era a última oportunidade para ser "alguma coisa" no PS.» [DE]
   
Parecer:

Não esperaram muito tempo para mostrarem como são parecidos ao PSD de Passos Coelho. Comprova-se que esta gente é boa para fazer oposição dentro do PS e não ao governo dos amigos das discotecas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
   
 Seguro tem medo de Costa
   
«“Não temos condições para andar todos os dias a brincar aos congressos quando em dois anos tivemos duas vitórias que infligiram duas derrotas históricas à direita”, afirma o secretário-nacional

O secretário-geral do PS não vai facilitar a vida a António Costa e não tomará a iniciativa de convocar um congresso extraordinário do Partido Socialista. Segundo António Galamba, secretário nacional do PS e um dos dirigentes mais próximos de Seguro, afirmou ao i, “não podemos andar todos os dias a acusar o governo de direita de não cumprir a Constituição e depois o partido, a nível interno, dar um sinal de que a constituição do partido, ou seja, os seus estatutos, não são para cumprir”. Assim, segundo António Galamba, se António Costa se quiser candidatar a líder terá que cumprir todos os requisitos para a convocação de um congresso extraordinário, o que significa ter a maioria das comissões políticas das federações que correspondam à maioria dos militantes do PS. Ou então a maioria da comissão nacional do partido.» [i]
   
Parecer:

Todos os argumentos usados para evitar o congresso não passam de uma treta, se Seguro está tão seguro das suas vitórias porque razão não aproveita essa vantagem e enfrenta Costa?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Aguarde-se para ver.»
     

   
   
 photo Slawek-Staszczuk-5_zpsf83fec64.jpg

 photo Slawek-Staszczuk-4_zps2f062c73.jpg
 
 photo Slawek-Staszczuk-2_zps1040568f.jpg

 photo Slawek-Staszczuk-1_zpsf151289b.jpg
 
 photo Slawek-Staszczuk-3_zps124fb707.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus