segunda-feira, julho 21, 2014

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 

 photo _Goraz_zps1c1bbee2.jpg
     
Goraz ou Garça-nocturna (Nycticorax nycticorax), Jardim Gulbenkian, Lisboa
 Jumento do dia
    
Marco António, petit imperador nortenho

Só um imbecil diz que as críticas a um relatório sobre natalidade indica que as medidas estão no caminho certo.

«O vice-presidente do PSD, Marco António Costa, disse hoje, na tomada de posse dos órgãos da Comissão Concelhia de Pombal, que os "ataques" ao relatório sobre a natalidade revelam que o documento "está no caminho certo".» [Notícias ao Minuto]
 
 Festejando um golo na Eslováquia

 
 Dúvida

O que justifica a ida de Passos Coelho e de Cavaco Silva e uma vasta comitiva na 10.ª Cimeira da CPLP em Timor-Leste? O país voltou a estar rico?
 
      
 Apenas cretinice?
   
«1 Na quarta-feira passada fiquei a saber que os reformados e aposentados não podem exercer qualquer tipo de funções públicas. E não, não se está a falar apenas de cargos executivos ou similares. Um homem, com quarenta anos de experiência na área dos serviços florestais, não pode integrar uma comissão estatal para estudar os problemas do setor; uma mulher, que toda a vida tenha trabalhado no Serviço Nacional de Saúde, não pode transmitir os seus conhecimentos a quem está agora encarregue de uma qualquer pasta da atividade; um gestor público aposentado está proibido de dar uma conferência numa universidade pública; um ex-quadro de um banco ligado ao Estado não pode ter um programa de patinagem artística na RTP.

Não, nada tem que ver com os problemas financeiros que o Estado português tem: os aposentados ou reformados não podem, pura e simplesmente, exercer qualquer tipo de funções em organismos ligados a entidades públicas, sejam pagas ou pro bono. Muito excecionalmente, e se forem autorizados pelo ministro das Finanças, podem fazê-lo e, mesmo assim, as pessoas ficam desde logo impedidas de receber a reforma. Ou seja, para trabalharem de borla, têm de prescindir da sua reforma...
Não, não há qualquer tipo de engano. Como, provavelmente, o caro leitor, eu também não fazia ideia desta profunda infelicidade e fui para ela alertado por Bagão Félix, no seu espaço de opinião na SIC Notícias - cuja opinião subscrevo e aplaudo. A aberração consta da Lei 11/2014 de 6 de março - diz muito sobre os nossos media e a oposição ela ter passado despercebida.

O anterior diploma, sobre o mesmo assunto, já proibia a remuneração por trabalho, o que já de si era uma infâmia. Um cidadão trabalharia meses a fio, ou semanas, ou o tempo que fosse, a preparar um qualquer documento ou estudo e nada receberia. É assim uma espécie de comunismo 3.0: o trabalho para o Estado tem de ser gratuito, os indivíduos não interessam, o coletivo é tudo. Em frente, demos de barato que a crise justifica tudo, até termos idiotas funcionais ou patetas deslumbrados a fazer leis.

Afinal a questão - ficámos desde dia 6 de março esclarecidos, sabendo que até de borla os reformados e aposentados não podem trabalhar para nada que cheire sequer a Estado - nada tem que ver com os já referidos atuais problemas financeiros do Estado português. Temos assim duas opções: ou achamos que os representantes dos cidadãos, que fizeram e aprovaram esta lei, e o Presidente da República que a promulgou, tiveram um momento de pura cretinice ou pensamos que há aqui um pensamento.

A segunda hipótese, que com boa vontade apelido de pensamento, partirá do princípio de que um reformado ou aposentado é um peso morto para a comunidade. Nenhuma da sua experiência, do seu trabalho de décadas em prol do bem comum (esse estranhíssimo conceito para quem nos governa) pode ser aproveitado pelas mais diversas organizações ligadas ao Estado, que deve ser até criado um cordão de sanidade entre esses inúteis e a coisa pública. Talvez isto venha no seguimento de uma mentalidade, para aí promovida por uns miúdos que conhecem o mundo através de umas badanas de livros e que nunca saíram do conforto de uma escola qualquer, que afirma que foram os mais velhos, esses bandalhos que agora nos roubam o dinheiro em forma de reformas e pensões, a pôr em causa os seus empregos e os seus direitos. Talvez haja um plano pra suprimir uma geração inteira, uns velhos que têm o descaramento de pedir o que lhes é de direito. Talvez haja quem pense que uma comunidade pode subsistir e prosperar sem a desejável transmissão de experiências, dos ensinamentos das vitórias e das derrotas. Que bela comunidade querem construir, ou melhor, será que percebem sequer a ideia de comunidade?

Prefiro a cretinice. Prefiro pensar que, de facto, houve apenas um momento da mais absoluta cretinice que incluiu os governantes proponentes da lei, os deputados que aprovaram este absurdo, e o Presidente da República que a promulgou.

2 A lei acima referida pode, através de um olhar radiosamente otimista, ser considerada apenas um disparate. Já a marcação, em segredo, de um exame aos professores para dali a cinco dias, com o objetivo de evitar qualquer tipo de reação da classe e pondo em causa as vidas das pessoas, é um ato evidentemente nojento, indigno de um governo e desrespeitador dos mais básicos direitos.

Em qualquer democracia minimamente madura, um ministro que se atrevesse a fazer uma coisa destas era imediatamente posto fora do Governo, mas, de facto, já se ultrapassaram todos os limites.» [DN]
   
Autor:
 
Pedro Marques Lopes.
      
 Firmes com galheteiros moles com passageiros
   
«Não vou discutir a bondade das diretivas, quero é sublinhar o cuidado extremoso da União Europeia com os seus cidadãos. Debruçam-se ao pormenor (tipificam os galheteiros), formam-nos a consciência ecológica (interditam estradas por onde passam musaranhos), fortificam-nos a compaixão (torcem o nariz à matança do porco) e denunciam o bronzear das bolas-de-berlim nas praias. Enfim, um cuidado de legislar até questões de caca: ainda no ano passado quiseram padronizar os autoclismos europeus - moeda única, uma só descarga - para que pelo menos de cócoras sejamos todos iguais do Minho à Vestefália. Repito, não julgo, só assinalo o cuidado. Ora, no dia seguinte ao abate do avião malaio, as companhias de aviação perguntaram à Eurocontrol, a agência de segurança do tráfego aéreo europeu (à qual a UE aderiu): "Podemos voar sobre a Ucrânia?", a Eurocontrol respondeu: "Todas as rotas fechadas são perigosas. Consideramos seguras as áreas não fechadas, mas a decisão de sobrevoar a Ucrânia só as companhias podem tomar..." Já vi musaranhos mais firmemente protegidos. Quando avião malaio passou na Ucrânia Oriental, a zona estava fechada só abaixo dos 32 mil pés e o avião ia 33 mil (cerca de 300 metros) acima - e deu no que deu. Eu esperava, habituado ao zelo que a UE me tem ensinado, que a diretiva fosse outra: "As companhias decidem o que quiserem, mas os administradores serão internados como malucos."» [DN]
   
Autor:

Ferreira Fernandes.
   
   
 A primavera árabe continua em marcha
   
«O grupo extremista Estado Islâmico deu na passada quinta-feira um prazo para que os cristãos de Mossul tomassem a sua decisão. Até ao meio-dia de hoje (10h em Portugal continental), teriam de escolher entre a conversão ao Islão - aceitando as normas impostas pelo grupo -, pagar um imposto ou sujeitarem-se à execução. A maior parte dos 25 mil cristãos residentes em Mossul já abandonou as suas casas.

O êxodo da cidade foi motivado pelo medo e os cristãos têm procurado refúgio no norte do país, em regiões autónomas do Iraque controladas pelas forças curdas. Embora os jihadistas tenham tomado a cidade há mais de um mês - Mossul é controlada pelo grupo Estado Islâmico e por outras forças sunitas desde 10 de junho -, a situação dos cristãos agravou-se apenas nos últimos dias. Além das mensagens divulgadas através dos altifalantes da cidade na quinta-feira, também foram distribuídos folhetos com as condições impostas aos residentes.

Esta é considerada a última vaga migratória cristã a abandonar a cidade. Mossul tinha uma das maiores comunidades cristãs do Médio Oriente, com igrejas Caldaicas, Assírias e Arménias que remontam aos primeiros séculos de cristianismo.» [Expresso]
   
Parecer:

Os políticos imbecis que ajudaram os extremistas deviam ser forçados a irem viver para o Iraque.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão aos imbecis que lideram a França, o Reino Unido, a Alemanha e os EUA.»
  
 Ucrânia: vale tudo na batalha da contra-informação
   
«Depois de noticiada a intensa tensão vivida no local da queda do aparelho da Malaysian Airlines, sabe-se agora que os bens das vítimas têm sido mexidos e até roubados. Há relatos de rebeldes “embriagados” na zona, onde ainda continuam corpos por encontrar.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

A forma como os países envolvidos estão mais interessados em manipular a opinião pública mete nojo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se.»
   
 Um chef para a Quinta da Coelha?
   
«"Espero que um dia volte como 'chef' para Portugal", disse Cavaco Silva, ao que Jorge Lavos da Costa, que já trabalhou na Suíça, no Dubai e agora na Coreia do Sul, respondeu que é esse o seu objetivo, dentro de poucos anos.

Maria Cavaco Silva sugeriu que o cozinheiro vá trabalhar num restaurante no Algarve distinguido com duas estrelas Michelin, que "é muito perto" da casa que possuem na região, de onde Cavaco Silva é natural.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Não seria mais interessante se Cavaco se empenhasse na recuperação dos capitais portugueses que emigraram em vez de andar a convidar os cozinheiros ignorando os muitos jovens quadros.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se a Cavaco porque não pergunta aos muitos jovesn que fogem do país porque o fazem.»
   
   
 Volta kadafi, estás perdoado
   
«"O aeroporto foi atacado esta manhã com disparos de morteiro, 'rockets' e balas dos tanques de combate. Este foi o ataque mais violento", desde o início da ofensiva no domingo, disse à Agência France Presse (AFP) Al-Jilani Al-Dahech, responsável da segurança do aeroporto, precisando que um avião líbio estava a arder na pista.
Fotos publicadas nas redes sociais mostram um aparelho da Libyan Airlines em fogo e colunas de fumo sobre o aeroporto.

Al-Dahech disse que as brigadas da cidade de Zenten (a 170 quilómetros a sudoeste de Tripoli) ripostavam ao ataque levado a cabo por milícias da cidade rival de Misrata (200 km a leste de Tripoli) e outros grupos islamitas do oeste de Tripoli.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Um dia destes o balanço de mortos da "primavera árabe" vai ser bem superior ao de todos os anos de kadafi.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Façam-se as contas.»
   
 Liderança do PSD prefere a o "má moeda"
   
«As sondagens correm melhor a Marcelo Rebelo de Sousa mas a verdade é que a direção do PSD - e acima de tudo Pedro Passos Coelho - prefere Santana Lopes como candidato presidencial em 2016.

Fontes da direção do partido confirmam ao DN a preferência. Ontem, com uma entrevista ao Expresso, Pedro Santana Lopes voltou a pôr as presidenciais na agenda política.» [DN]
   
Parecer:

Este PSD tem uma certa tendência para a desgraça.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
     

   
   
 photo Ilya-Brawlers-1_zps3f925d46.jpg

 photo Ilya-Brawlers-3_zpsda1b896a.jpg
 
 photo Ilya-Brawlers-4_zpsd3ef0e87.jpg

 photo Ilya-Brawlers-2_zps4954f1dd.jpg
 
 photo Ilya-Brawlers-5_zps211a4856.jpg

 
 
 
     
blog comments powered by Disqus