quarta-feira, julho 20, 2016

Umas no cravo e outras na ferradura



 Jumento do dia
    
José de Matos, presidente da CGD

O presidente da CGD queixa-se de não ter recebido orientações do governo, algo estranho pois quando ainda era primeiro-ministro Passos Coelho criticou várias vezes a CGD pelos seus resultados e nessa ocasião o presidente do banco a colocado pela direita nunca se queixou, não falou de orientações governamentais nem escreveu cartas de demissão. Agora que sabia que não irira ser reconduzido e que deixa o banco quase na desgraça já se queixa.

Até parece que o governo se esqueceu de lhe dizer que gerisse a CGD com competência, evitando créditos ma parados e actuando com competência, orientações que, afinal, são as que devem seguir todos os gestores. Deixar no ar que a situação da CGD se deve a uma falta de orientações é brincar com as suas próprias responsabilidades, até apetece perguntar porque esperou tanto para se demitir.

«O conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) queixou-se em junho de não receber “qualquer orientação” e “qualquer explicação” por parte do governo nos seis meses até então, depois de numa reunião com Mário Centeno em dezembro ter sido manifestada “preocupação” e apresentado um plano de capitalização alternativo para o banco público, sem envolver a injeção de mais dinheiros públicos. Um plano que, escreve a TSF, que teve acesso à carta de demissão, ficou na gaveta.

O Público já tinha escrito sobre esta carta de demissão no início de julho, mas a TSF acrescenta algumas passagens em discurso direto que mostram o mal-estar que se vive no banco público, enquanto não entra em funções o novo conselho de administração provavelmente liderada por António Domingues.» [Observador]

      
 O que veio cá fazer o FMI
   
«O legado de problemas no sistema bancário da Europa, em particular em Portugal e na Itália, é um dos riscos apontados pelo FMI para a economia mundial até 2017, bem como as divisões políticas nas economias desenvolvidas.

Na atualização do ‘World Economic Outlook’ divulgada esta terça-feira, o Fundo Monetário Internacional (FMI) justifica a revisão em baixa das projeções com o resultado do referendo no Reino Unido, que ditou a saída do país da União Europeia, mas identifica uma série de outros riscos que podem ainda materializar-se, considerando que “se tornaram mais salientes”.» [Expresso]
   
Parecer:

Até parece que o FMI não andou por cá.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
blog comments powered by Disqus