sábado, maio 27, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura



 Jumento do Dia

   
Carlos Alexandre, super juiz

Convenhamos que este modesto juiz, que não quer ser promovido, começa a ser demasiado famoso, a ser alvo de demasiados processos e a dar demasiado nas vistas. Pode-se dizer que sendo uma denúncia de alguém em prisão domiciliária há razões para desconfiar, mas com tanta gente a defender a delação premiada teremos de elogiar uma denúncia sem que implique qualquer retribuição. Como se costuma dizer, é tratar o cão com o pêlo do próprio

«É mais uma denúncia contra o juiz Carlos Alexandre, que levou a Procuradoria-Geral da República a abrir uma investigação. Desta vez, foi o antigo coordenador da Polícia Judiciária Carlos Dias Santos, detido em prisão domiciliária por ordem do juiz Carlos Alexandre no âmbito de um inquérito de corrupção, tráfico de droga e associação criminosa, que reencaminhou um denúncia contra o juiz por supostas escutas ilegais. Segunda avançam a Sábado e o Expresso, Dias Santos acusa o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal de alegadamente ter pedido uma escuta contra um candidato a uma Junta de Freguesia de Mação por suspeitas de tráfico de droga e até já depôs como testemunha num inquérito para apurar se as suspeitas sobre aquele magistrado têm algum fundamento.

O ex-coordenador da Polícia Judiciária (PJ), entretanto reformado, está em prisão domiciliária depois de ter sido formalmente acusado pelo Ministério Público (MP) de tráfico de droga agravado, associação criminosa com vista ao tráfico e corrupção passiva para prática de ato ilícito. Foi o juiz Carlos Alexandre quem ordenou a prisão de Dias Santos, após a respetiva promoção do MP.

O caso remonta a agosto do ano passado, quando foi aberto um processo-crime contra Carlos Alexandre na Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (única entidade judicial que pode investigar casos que envolvam juízes de primeira instância) na sequência de várias denúncias anónimas feitas ao longo dos últimos anos. Uma delas dizia respeito a um suposto assédio de Carlos Alexandre a uma advogada nas instalações do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, e outra dizia respeito a este caso de escuta ilegal relacionado com o ex-investigador da PJ Carlos Dias Santos. Segundo a revista Sábado, que contactou a advogada que teria sido vítima de assédio, a denúncia não tem fundamento. “Isso vem de gente sem escrúpulos e estão a usar-me para enlamear o nome do juiz”, disse. Já a denúncia sobre supostas escutas ilegais viria a ter mais continuidade.» [Observador]

 O labrego americano


 Ainda estão com vontade de rir?




      
 O que dirão os defensores dos mercados?
   
«Donald Trump terá acusado os alemães de serem “muito maus”, numa reunião em Bruxelas com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, por causa dos “milhões de carros que vendem nos Estados Unidos”, prometendo arranjar forma de impedir que isso aconteça.

As declarações, que estão a ser avançadas pela revista alemã Der Spiegel, terão sido feitas durante a recente visita do Presidente dos Estados Unidos a Bruxelas.

Trump, segundo a revista, terá dito mesmo “os alemães são maus, muito maus”, justificando isso com o desequilíbrio comercial que os EUA têm com a Alemanha: “Olhem para os milhões de carros que vendem nos Estados Unidos. Terrível! Mas nós vamos parar com isso”, terá dito.» [Observador]
   
Parecer:

Grande besta!
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Procurar lenha para se queimar
   
«O PS admite que a versão que apresentou para alterar o regime do alojamento local, fazendo depender o arrendamento a turistas da autorização dos vizinhos, não vai ser ainda a versão final da lei. O deputado socialista Carlos Pereira diz que “há abertura” para considerar propostas dos outros partidos e das associações do sector, mas afirma que esta mexida da lei não vai comprometer a criação de emprego na área.

“Não é por esta razão, o envolvimento dos vizinhos na decisão, que se vai comprometer a criação de emprego”, disse o deputado aos jornalistas durante as jornadas parlamentares do partido em Bragança.

A Associação de Alojamento Local de Portugal defendeu nesta quinta-feira que a medida proposta pelo PS poderia pôr em causa dez mil postos de trabalho. Além disso, a associação considera-a iconstitucional, por violar o direito de propriedade privada. O deputado socialista refuta essas duas acusações, dizendo que “o grupo parlamentar do PS não faz nem produz legislação para violar a Constituição. Isso era noutra altura e com outros partidos”.» [Público]
   
Parecer:

Parece que não percebem que estão a mexer num vespeiro, por mais que mudem a lei ficarão sempre metade das pessoas descontentes.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao deputado Carlos Pereira se não tem mais nada que fazer.=
blog comments powered by Disqus