sábado, junho 03, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura



 Jumento do Dia

   
Marcelo rebelo de Sousa

O que será que Marcelo Rebelo de Sousa considera "bom senso" no processo do abandono da base das Lages por parte dos americanos? Seria muito interessante se o explicasse.

«"Tenho esperança que o bom senso prevaleça", disse o Presidente da República na Base das Lajes, ameaçada pela continuação de um processo de redução da presença militar americana.

Marcelo Rebelo de Sousa reconheceu, no entanto, que Portugal não domina todas as variantes desta equação: "quando há acordo, depende das duas partes cumpri-lo".» [DN]

      
 As secretas querem estar em auto-gestão
   
«A escolha de José Júlio Pereira Gomes para o cargo de secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SG-SIRP) está a provocar “apreensão” dentro do organismo. Ao Observador, fontes conhecedoras da realidade interna dos serviços antecipam um “futuro negro” ao embaixador, pelo perfil “incompatível” com o tipo de liderança que as “secretas” desejam.

Os episódios que têm vindo a ser divulgados nos últimos dias deixaram vários elementos dos Serviços de Informações apreensivos quanto à escolha do gabinete do primeiro-ministro para o cargo de responsável máximo das secretas. O primeiro testemunho foi dado por Ana Gomes, em declarações ao Diário de Notícias. A eurodeputada socialista, que se cruzou com Pereira Gomes em 1999, aquando do referendo à independência de Timor-leste, disse que ao até agora embaixador de Portugal em Estocolmo “falta o perfil psicológico” adequado para as funções. A eurodeputada socialista pôs ainda em causa a “capacidade” de Pereira Gomes “para aguentar situações de grande pressão”, com as consequências internas que isso poderá ter: uma falta de “confiança” dos “espiões” portugueses em relação ao futuro líder do SIRP.» [Observador]
   
Parecer:

No dia em que forem as secretas a escolher quem manda nelas o melhor é fugirmos para Espanha. Depois do que aconteceu com o super-espião era melhor que as secretas fossem menos secretas e não comunicassem através dos jornais. Tanto quanto se sabe ninguém  lhes deu o direito de dizerem aos governos como devem governar.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Investigue-se quem nas secretas quer estar em auto-gestão e convidem-nos a mudar de ramo.»
  
 Presidente, mas pouco
   
«Mal o Presidente norte-americano disse, nos jardins da Casa Branca, que os EUA vão sair do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas, assinado em Dezembro de 2015, os estados da Califórnia, Nova Iorque e Washington anunciaram uma “aliança climática” para continuar a respeitar os limites previstos no acordo.

A decisão foi anunciada num comunicado assinado pelo governador californiano, Edmund D. Brown, onde se chama a esta coligação de “Aliança Climática dos Estados Unidos” e se explica que os estados se comprometem a “concretizar acções agressivas em relação às alterações climáticas”, independentemente da decisão do Presidente.

Estes três estados representam cerca de um quinto da população e do PIB total dos EUA, e produziram 11% das emissões poluentes totais norte-americanas em 2014, segundo dados da Agência de Informação Energética americana, citados pelo Politico.» [Público]
   
Parecer:

Há uns EUA com mau ambiente do Trump e outros EUA com bom ambiente.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

blog comments powered by Disqus