domingo, julho 21, 2013

Semanada

O país está parado, os portugueses foram para as praias para se descontraírem, os mercados suspenderam as operações, os barcos não partiram para a pesca, os comboios estão parados, os aviões estão em terra, Paulo Portas já faz xixi nas calças, o Álvaro não sabe se faz ou se não faz as malas, o Passos Coelho prepara um discurso onde dirá que não sai nem a tiro, a dona Maria prepara os carapaus alimados, o patriarca não sabe o dizer na homilia, o Marques Mendes está sem saber o que dizer, o Catroga meteu uma rolha na boca para não perturbar o momento com alarvidades, o país está suspenso, Cavaco vai falar e explicar como vai superar a crise que ficará para a história como a crise das cagarras.
 
Cavaco vai falar ao país para dizer o óbvio, que terá de engolir Paulo Portas, o seu velho amigo dos tempo do Independente, como vice-primeiro-ministro e terá de continuar a apoiar a alarvidades económicas do seu amigo Passos Coelho. Cavaco Silva vai dizer ao país aquilo que toda a gente sabe, que continua a ser um presidente de iniciativa governamental, desesperado por encontrar a credibilidade que nunca teve.
 

Contente está Paulo Portas que se escondeu das câmaras e deu o protagonismo ao Lambretas para que o CDS se possa apresentar como uma parte da solução da crise cuja responsabilidade resulta da ambição e oportunismo doentio do seu líder. Agora o CDS aparece como o parido mais disponível para resolver a crise política apresentada como resultante da iniciativa de Cavaco e cujo responsável é o PS por este partido não querer apoiar a política de extrema-direita do governo.
  
Mas o destino tem destas coisas, depois de ter insinuado que havia quem se opusesse à salvação do país Cavaco vai falar minutos antes do comentário de José Sócrates, precisamente um dos alvos das suas insinuações. Cavaco vai acabar por dar cabo das unhas a assistir aos comentários daquele que para o homem de Boliqueime é uma alma penada que o persegue.
blog comments powered by Disqus