quarta-feira, julho 17, 2013

Umas no cravo e outras na ferradura


 
   Foto Jumento
 
 photo Graccedila_zps3a2ee184.jpg
   
Graça, Lisboa
   
Imagens dos visitantes d'O Jumento
 
 photo Sorriso_zpsc20c149d.jpg
   
Médico do sorriso em Maputo, Moçambique [J. de Sousa]
    
 A motivação comum a todos os ditadores

Salvar o país. E quanto mais fracos e mais incompetentes mais empenhados estão na salvação da pátria.
 
 Esta gente não brinca em serviço
 
O CM noticiou que a directora-geral do Tesouro e Finanças apresentou a demissão, isto sucede no dia em que a directora-geral esteve no parlamento e com mais um escândalo envolvendo o sector, os negócios do BPN. Até aqui tudo normal, mas os spin do governo sentiram necessidade de denegrir a senhora e qual foi a melhor forma de o fazer, insinuando que a senhora queria um tacho no governo e este foi-lhe recusado.
 
O Público, um jornal cuja credibilidade há muito que foi perdida, serviu para passar a mensagem. O problema é que a jornalista deve achar que os seus leitores são imbecis pois informa que a directora-geral pediu a demissão no mesmo dia em que o Vítor Gaspar se demitiu, isto é, nesse dia nem o Paulo Portas ainda imaginava que irreversível pode significar reversível se o oportunismo a isso obrigar. Será que a jornalista do Público acha que o novo secretário de Estado do Tesouro e Finanças tinha sido escolhido ainda antes da demissão de Vítor Gaspar?
 
Parece que ali para os lados das Finanças a estratégia de defesa passa sempre por manchar quem se atravesse no caminho, depois de Teixeira dos Santos e do próprio Vítor Gaspar parece que a defesa da agora ministra fez a terceira vítima, a sua própria chefe dos tempos de REFER:
   
 Gostei de ver Eanes defender a salvação da nação cavaquista

Mais o Cavaco até podiam fazer uma associação de políticos que odeiam o PS e já derrubaram governos deste partido. Mas têm mais em comum, a fantochada do PRD foi o passaporte para o poder usado por Cavaco Silva.
   
 Previsão

A primeira reunião da salvação da nação cavaquista realizou-se na sede do PS e o sem ninguém esperar o PSD levou dois militantes que, coincidência das coincidências, pertencem ao governo.

A segunda reunião realizou-se na sede do CDS e o PSD apareceu com a ministra mais amada por aquelas bandas, nem mais nem menos do que Luisinha, a Tóxica.

A terceira reunião realizar-se-á na sede do PSD e seguindo esta lógica é de esperar que o PSD se faça representar pelo Miguel Relvas!
 
 O anormal funcionamento das instituições
 
Portugal tem um Presidente que mantém um governo na plenitude das suas funções mas impede o primeiro-ministro de exercer todas as suas competências, que põe os partidos a negociar em segredo e com um vigia com ele nomeado às escondidas dos portugueses, que usa as eleições como bombom para contrapartidas negociais, que faz chantagem com os partidos ameaçando-os com soluções caudilhistas.

Quando um presidente acha que as eleições são um bombom fazendo da vontade dos portugueses um instrumento de troca ou de chantagem sobre os partidos democráticos só há uma coisa a fazer, correr com esse presidente ao pontapé no rabo para repor o normal funcionamento das instituições.

Passos Coelho pode ser uma desgraça, Portas pode ser o que todos sabemos, o Seguro pode revelar-se fraco, mas todos eles foram tão eleitos quanto Cavaco Silva, todos eles exercem o seu mandato com liberdade e nada, nem mesmo uma suposta salvação nacional, deve interferir no normal funcionamento da democracia. A Constituição da República deve ser respeitada e nela a legislatura tem a duração estabelecida e as circunstâncias em que as eleições podem ser antecipadas estão claramente definidas. Um Presidente que desrespeita os valores da Constituição deve ser demitido.
 
 O erro de Seguro

Aceitar negociar com o partido do presidente sob ameaça foi um erro de Seguro, o líder do PS deveria ter exigido a Cavaco que fosse ele próprio a obrigar o governo, o CDS e o PSD a aproximar posições e a dizer quais as propostas e exigências feitas no passado recente que aceitavam como negociáveis.
 
 Cavaco parte para as Ilhas Selvagens
  
Pode ser que se enganem e tragam uma foca de volta.

 Plataforma de salvação ...

Do Cavaco Silva.
  
   
 O PREC da direita leva o desemprego aos 18,6% em 2014
   
«Os últimos dados conhecidos em relação ao desemprego (maio de 2013) apontam para que atualmente, Portugal tenha uma taxa de desemprego de 17,6%, a terceira mais elevada da União Europeia, ainda distante das taxas registadas em Espanha (26,9%) e Grécia (26,8%).
  
No entanto, em menos de um ano, esse número deverá aumentar e chegar a níveis históricos, podendo atingir os 18,6% em maio de 2014. Quem aponta para esta previsão é a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que divulgou esta terça-feira um relatório sobre a estatística de desemprego na Europa e em outros países do continente americano e da Oceânia.» [CM]
   
Parecer:

Só? Parecem previsões optimistas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se para ver.»
  
 CDS suspende democracia interna
   
«O Conselho Nacional do CDS-PP aprovou segunda-feira à noite a desconvocação do congresso, realizando-se uma nova reunião magna em outubro, depois das autárquicas, tendo ainda ficado decidida a realização de uma convenção autárquica em setembro.» [DN]
   
Parecer:
 
Digamos que o Paulo Portas antecipou uma plataforma de salvação nacional para si próprio no CDS. Enfim, esta direita gosta muito de suspender a democracia.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Vomite-se em cima deste político em busca de palácios.»
   
 Que engraçado
   
«Ainda assim, questionada pelo deputado do CDS-PP Hélder Amaral, Elsa Roncon dos Santos reconheceu a falta de meios para "analisar uma matéria tão complexa", adiantando que "compete ao IGCP, enquanto gestor da dívida pública direta", ficar também com a gestão da dívida pública indireta.

"Em todos os momentos referi a falta de meios, foi recorrente em todas as reuniões, que não era apenas relativo ao dossiê 'swap'", disse, referindo que tentou fazer "uma contratação externa" para resolver o problema de falta de recursos humanos, mas que tal não foi possível.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:
 
Na hora de explicar as desgraças fundamentais em vez de funcionários a mais que devem ser despedidos há falta de funcionários....
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se com condescendência por quem problemas pessoais.»
blog comments powered by Disqus