quarta-feira, março 22, 2017

Umas no cravo e outras na ferradura




 Jumento do Dia

   
Carlos Carreira, coordenador autárquico do PSD

Carlos Carreira é a imagem da decadência acelerada em que se encontra o partido de Passos Colho, o homem que coordena a campanha autárquica assume que pensa como um membro de uma claque de um clube desportivo, em vez de assumir as responsabilidades de um grande partido com fortes tradições autárquicas, opta por apenas desejar a derrota do adversário só por uma questão de ódio.

Para carreira não está em causa o interesse de Lisboa, pouco importa o futuro do seu partido, a única coisa que conta para ele é que detesta Medina e por isso o seu único objectivo é impedi-lo de continuar à frente da CM de Lisboa. Com gente desta pequenez não é difícil de adivinhar o que vai suceder ao PSD na capital do país.

«É a  Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, que todas as baterias políticas vão estar apontadas nos próximos meses. Poucos dias depois de Passos Coelho ter anunciado o nome de Teresa Leal Coelho como candidata do partido à autarquia de Lisboa, Carlos Carreiras, coordenador autárquico do PSD, assume em entrevista à TSF, esta terça-feira, ser-lhe “indiferente” se a capital vier a ser conquistada pela sua colega social-democrata ou por Assunção Cristas, a cabeça de lista do CDS. O importante, aponta Carreiras, é que a Câmara não continue nas mãos do Partido Socialista.

“Gostaria muito mais que a candidatura do PSD ganhasse, mas, se chegarmos ao dia das eleições e as duas candidaturas estiverem em primeiro e em segundo lugar, será um excelente resultado”, explica o coordenador autárquico do PSD.

Depois de uma longa espera por um nome do PSD para Lisboa, com várias recusas pelo caminho, Carreiras garante que “Teresa Leal Coelho certamente não é o plano Z” e aponta-lhe várias virtudes. O social-democrata diz também não ter “razões para acreditar que Teresa Leal Coelho fique atrás de Assunção Cristas” na corrida à capital.» [Expresso]

 O Vítor Bento tinha razão


O grande economista português justificou o castigo a que os portugueses foram sujeitos com a brilhante conclusão de que os portugueses andavam a consumir acima das possibilidades. O imbecil holandês que preside ao Eurogrupo foi mais preciso e disse ao que o nosso depilado designou por consumir acima das possibilidades, o nosso abuso foi mulheres e copos.

Bendita dívida!

      
 Enfim, Passos é um empata ...
   
«De Messias a obstáculo. Para Carlos Encarnação, ex-deputado e ex-presidente da Câmara de Coimbra pelo PSD, Pedro Passos Coelho “é um obstáculo a que o PSD se reorganize, se revitalize e se consiga afirmar”. Em entrevista ao jornal “i” esta terça-feira, Carlos Encarnação não poupa o líder social-democrata, defendendo até que este devia abdicar da liderança do partido, e mostra-se muito irritado com a escolha da candidata Teresa Leal Coelho para a candidatura a Lisboa.

“Eu tenho muitas pessoas de confiança e nem sempre as escolho para as coisas. Foi assim durante toda a minha vida. A pessoa pode ter muita confiança na outra e ela não cumprir os requisitos para disputar uma eleição. O PSD não pode apresentar um candidato para disputar o segundo ou o terceiro lugar. O partido devia ter um candidato para ganhar. E essa tradição do PSD. Eu não vejo volta a dar em relação a isso. O candidato foi mal escolhido. O candidato não cumpre os requisitos para lutar pela vitória em Lisboa. Ponto final”, aponta Carlos Encarnação.» [Expresso]
   
Parecer:

Pobre Passos, os seus já estão anunciando a derrota nas autárquicas e ainda nem se sabe quando se vão realizar.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Marcelo irritado com o "amigo" Constâncio
   
«"É inacreditável e inaceitável" que o vice-presidente do Banco Central Europeu, Vítor Constâncio, concorde com a aplicação de sanções a Portugal, numa altura em que o país conseguiu pela primeira vez um défice abaixo dos 3%. Este é o sentimento em Belém, onde se questiona "o que é que Vítor Constâncio está lá a fazer".

Na Presidência da República, apurou o Expresso, a notícia de que o BCE pondera aplicar multas de 190 milhões de euros caiu como uma bomba. Foi com grande espanto e indignação que esta segunda-feira tomou conhecimento do boletim do banco central.» [Expresso]
   
Parecer:

O que está Constâncio fazendo? Enriquecendo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Dê-se conhecimento ao visado.»

 Outra vez o anormalão
   
«O ainda ministro das Finanças holandês e presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, acusou os europeus do Sul de gastarem o seu dinheiro “em copos e mulheres” e “depois pedirem que os ajudem”.

Em declarações na segunda-feira ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine, Dijsselbloem fez um resumo do que entende que se passou com a crise com uma frase pouco abonatório para os países do Sul da Europa. “Durante a crise do euro, os países do Norte mostraram-se solidários com os países afectados pela crise. Como social-democrata, atribuo à solidariedade uma importância excepcional. Porém, quem pede [ajuda] também tem obrigações. Não se pode gastar o seu dinheiro em copos e mulheres e depois pedir que o ajudem”, afirmou ao Frankfurter Allgemeine.

Questionado já esta terça-feira no Parlamento europeu pelo eurodeputado espanhol Ernest Urtasun sobre as suas declarações, Jeroen Dijsselbloem recusou-se a pedir desculpa, salientando que a parte mais importante da sua declaração é a que diz respeito à solidariedade entre os países do Norte e do Sul da Europa.» [Público]
   
Parecer:

Mas que grande filho da p. ambicioso.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «mande-se o anormalão à bardamerda.»

blog comments powered by Disqus