terça-feira, abril 14, 2015

Bardamerda para esse princípio da igualdade

 photo _TVI_zpsfnn29jwv.jpg

Quando ontem assisti à reportagem da TVI “1 hora e 35 minutos” só me apeteceu dizer “bardamerda para o princípio da igualdade!”.Onde estão as conclusões dos vários inquéritos que o Opus Macedo disse ter mandado a sua inspecção privativa fazer à lista de mortos abandonados nas urgências por todo o país? Onde estão as conclusões do inquérito que o MP disse ter aberto aos mesmos casos? Onde estão as comissões nacionais de protecção disto e daquilo que só servem para empregar umas quantas dondocas decadentes com bons relacionamentos parlamentares?
  
Compare-se a reacção da nossa classe política com a famosa lista VIP de quatro nomes da qual nada resultou a não ser pancadaria parlamentar e o saneamento de duas vítimas para alegria dos deputados coma reação dos mesmos políticos às mortes nas urgências. Nem mesmo o PCP ou o BE parece,m ter ficado incomodados com o assunto.
  
O princípio da igualdade que tanto excita a nossa classe política não é a igualdade no acesso aos cuidados de saúde, não é assegurar que quem se dirige à urgência de um hospital privado tem a mesma probabilidade de sobrevivência e cura que tem o cidadão que se dirige a uma urgência do SNS. Para esta rapaziada o princípio da igualde é assegurar que os dados fiscais que vendem jornais possam ser consultados livremente por funcionários corruptos ao serviço da comunicação social!

Como explicar o silêncio dos nossos partidos perante o escândalo das mortes nas urgências? Os nossos políticos acreditaram em todas as desculpas que lhes foram sendo dadas pelo Paulo Macedo, primeiro acreditaram que as empresas privadas contratadas para colocar médicos não cumpriram com as suas obrigações contratuais, depois acreditaram que a culpa foi dos médicos que faltaram sem avisar, de seguida acreditaram que a culpa era da falta de médicos resultantes dos entraves colocados à formação pela Ordem dos Médicos e por fim acreditaram que houve um pico de gripe em resultado do mês de Dezembro mais gelado desde que há registo das temperaturas. Não deixa de ser estranho ver todos os partidos políticos a acreditarem em todas as patranhas que lhes foram contadas pelo Paulo Macedo.
  
Na reportagem que a TVI passou ontem à noite ficou óbvio que todas as desculpas dadas por Paulo Macedo foram falsas, que o ministério da Saúde montou encenações para iludir a realidade junto dos jornalistas, que o Dr. Paulo Macedo não só reduziu as camas dos hospitais como mantém enfermarias fechadas enquanto os doentes morrem nos corredores. Mas algum político veio a público manifestar a sua indignação, pedir explicações a Paulo Macedo ou exigir a sua demissão?
  
Não, os mesmos que festejaram a demissão de dois dirigentes do fisco por uma questão da treta parecem não estar agora muito incomodados porque os portugueses morrem ao abandono em consequência de uma gestão manhosa e criminosa da Saúde. Porque será? Será porque os poderes das organizações religiosas secretas estendem, os seus braços desde o CDS ao BE? Será que a imensidão dos negócios da Saúde dá pala alimentar tanta gente ligada aos partidos? Será que o conforto proporcionado aos muitos sindicalistas do sector levam a que os mais combativos assobiem para o ar?

Uma coisa aparece ser óbvia, nem que morra um milhar de portugueses em consequência da gestão do grandioso Paulo Macedo o ministro terá de enfrentar metade da indignação que a nossa classe política manifestou por causa da famosa lista VIP. Afinal que igualdade preocupa a nossa classe política, a igualdade que leva a que todos os portugueses tenham cuidados de saúde ou a igualdade que permite alimentar a canalhagem política?

Agora só nos resta esperar que quando este governo terminar o seu maldito mandato o dr. Paulo Macedo organize mais uma das suas missas de acção de graças e na primeira fila estejam todos os líderes partidários mais os seus líderes dos grupos parlamentares. Talvez se lembre de dedicar um dos pais nossos aos portugueses que morreram abandonados e a quem o princípio da igualdade nada valeu.

blog comments powered by Disqus