sábado, fevereiro 14, 2015

Foie gras

Pela forma como alguns comentadores se referem aos problemas financeiro de países como Portugal e a Grécia fica-se umas vezes com a sensação de que estes países foram obrigados a pedir crédito e a gastar o dinheiro como se fossem gansos a serem alimentados à força com o objectivo de produzir foie gras. Como estes países foram obrigados a gastar dinheiro emprestado pelos bancos alemães e os regastes destinaram-se a salvar estes banco s não há grande obrigação de pagar ou, em alternativa, deve ser a Europa e em especial a Alemanha a encontrarem uma solução.
 
Outros políticos fazem passar a ideia de o dinheiro foi gasto em inutilidades a que se convencionou designar por PPP e considera-se que alguns políticos sem escrúpulos se aliaram a interesses económicos para empenhar o país construindo obras inúteis. É esta a ideia que se faz passar e não admira que nos fóruns das estações de rádio seja frequente ouvir quem defenda que não se paguem as PPP. Argumentando com uma ou outra estrada com poucos carros sugere-se que as PPP são uma espécie de obeliscos inúteis, esquecem-se dos tempos em que exigiam um Estado moderno, com hospitais do melhor para todos e boas estradas unindo todas as aldeias do interior.
 
Também há quem sugira que todos os males da nossa economia resultam de uma zona euro que os alemãs de forma manhosa e pela calada da noite organizara de forma a sugar toda a riqueza da europa em favor do sul. Mas ganhamos dois ou três tostões corremos para o stand da BMW comprar o carro novo, mas quando no final do ano a balança pende para o lado da Alemanha acusamos os alemães de nos estarem a levar a riqueza.
 
Outros sugerem que temos banqueiro e empresários exemplares que só não conseguem desenvolver o país porque são impedidos por uma casta de funcionários públicos, por trabalhadores gandulos que se protegem atrás da legislação laboral e porque a EDP não pertence ao Partido Comunista da China, um sinal de ausência de democracia na economia portuguesa. Finalmente um ponto de encontro entre a extrema esquerda e a extrema direita portuguesas, dantes não havia democracia porque não podiam haver comunistas, agora não havia democracia porque os comunistas chineses não podiam ser d EDP.
 

A direita e a esquerda entretém-se a encontrar falsas causas para a crise da economia portuguesa e em consequência sugerem falsas soluções. A direita tentou corrigir o problema com uma polícia económica que lembra os tempos de Pinochet designado a canalhice social em curso por austeridade. A esquerda sugere que não há solução no plano nacional e defende que tudo passa pela Europa, umas vezes defende a mutualização da dívida para de poder fazer mais do mesmo, outras prefere descansar à espera que o Varoufakis diga o que ainda não consta na famosa Agenda da Década que ninguém sabe o que nem é e nem se percebeu ainda a que década se refere.
blog comments powered by Disqus