quinta-feira, fevereiro 05, 2015

Umas no cravo e outras na ferradura



   Foto Jumento


 photo _arco_zpsef7367a8.jpg

Arco da Rua Augusta, Lisboa
  
 Jumento do dia
    
Mouraz Lopes, meretíssimo sindicalista dos trabalhadores juízes

Parece que os portugueses devem a ter cuidado com o que digam ou o que escrevem, principalmente se opinarem sobre o juiz Alexandre pois tudo o que possa ser interpretado como ameaça ou coacção dá direito a cadeia. É o que resulta da associação sindical que em tempos andou a conferir a despesas de todos os ministros numa tentativa de tramar o governo que eduziu as férias aos magistrados.

Só não entende porque razão o facto de Soares ter escrito a propósito do juiz Alexandre "que se cuide" é um problema sindical que deve suscitar a intervenção de uma associação sindical que já de si é um absurdo. Se está em causa a coação sobre a intervenção de um juiz não é a integridade desse juiz que é questionada e se tal sucedesse seria um problema de polícia.

A não ser que o meretíssimo sindicalista receie que Mário Soares se lembre de dar alguma galheta ao pobre do Alexandre estaremos perante um problema do exercício da justiça e no mundo Ocidental é às instituições da justiça e não a sindicalistas ou uma espécie de sindicalistas que cabe esse papel. A intervenção do meretíssimo sindicalista é digna da ex-URSS, aí é que o Partido delegava nos sindicatos e nas suas células a co-gestão e vigilância das instituições do Estado.

Tanto quanto se sabe o meretíssimo sindicalista não tem por competência assegurar o regular funcionamento da justiça a não ser que julgue que estamos na Coreia do Norte. Aos sindicalistas cabe gerir as relações sindicais, os problemas de segurança é competência das polícias e a defesa da legalidade é competência da PGR e de um juiz, mesmo de um juiz que ande distraído com as lides sindicais espera-se que saiba disso.

Começa a haver a sensação que por detrás da defesa dos valores da justiça e da sua independência escondem-se ódios partidários e corporativos em relação a um partido e a algumas personalidades políticas e sobre isto seria muito interessante ouvir magistrados independentes e que ponham a democracia acima de pequenos aumentos salariais ou de uns dias de férias.

«A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) lamentou esta quarta-feira as declarações do ex-Presidente da República Mário Soares sobre o juiz Carlos Alexandre, entendendo que configuram uma ameaça ao magistrado que ordenou a prisão preventiva de José Sócrates. 

"Os juízes portugueses não podem silenciar a ameaça proferida ao juiz Carlos Alexandre por um conselheiro de Estado, lamentando profundamente tais declarações", refere, em nota enviada à agência Lusa, a ASJP, a propósito das afirmações de Mário Soares num artigo de opinião publicado terça-feira pelo "Diário de Notícias". 

No artigo em que fala sobre a prisão preventiva de Sócrates, Mário Soares questiona os motivos da detenção do ex-primeiro-ministro, critica as decisões do juiz de instrução criminal e termina dizendo: "E o juiz Carlos Alexandre que se cuide...". 

Contactado pela Lusa, o presidente da ASJP, Mouraz Lopes, adiantou que a opinião da direção da Associação está em "consonância com a posição do juiz Carlos Alexandre", que tem o mesmo entendimento sobre o que foi dito pelo conselheiro de Estado. » [Expresso]

 O senhor é um cobarde!

Dizia um doente com hepatite C à saída da Assembleia da República dirigindo-se a Paulo Macedo. Como eu concordo com ele....

Já agora seria de perguntar ao Macedo o que é feito daquela iniciativa junto da UE para pressionar a indústria farmacêutica a propósito do tratamento da hepatite C. É estranho que o ministro agora já não fale dessa iniciativa e até parece que não passou de uma manobra de diversão.

Devia ser feita uma segunda pergunta ao brilhante e competentíssimo Macedo, uma boa alma que gosta de juntar os seus funcionários em missas de acção de graças, devia-se perguntar a esse bom cristão quanto é que o Estado gastou com a mãe do jovem que protestou hoje no parlamento. Será que o competentíssimo Macedo está comparando o custo do medicamento com os custos suportados pelo SNS com a morte lenta e as sucessivas operações aos doentes com hepatite C.

Estamops perante um problema financeiro ou face a uma guerra pessoal do dr. Macedo? Quantos portugueses terão de morrer com hepatite C até que o grandioso Macedo se venha gabar de ter conseguido uma poupança de 4 ou 5% no preço do medicamento?

Depois de fazer passar a falsa imagem de quem cortou nas farmacêuticas para evitar prejudicar o SNS quer ficar agora como o herói da luta contra uma poderosa farmacêutica. O problema é que a empresa já chegou a acordo com 17 países e em Portugal morre-se por conta da teimosia do brilhante e competente dr. Macedo. Fica aqui um desafio ao Opus ministro, que diga quanto custou ao OE a morte da doente que hoje foi notícia, ele que some todos os custos dos internamentos no Egas Moniz e na UCI do Hopital de Santa Maria para que os portugueses saibam quanto poupou o ministro.

Depois da cara de enfado o bondoso ministro recebeu o filho da senhora que morreu e prometeu fazer um inquérito. A conclusão é óbvia, a senhor morreu em nome da estratégia pessoal do ministro e da sua política.

Quantas vidas de portugueses já custou este ministro?

 Dúvidas que me assaltam

Com o MP tão preocupado com a possibilidade de de alguma forma Sócrates poder ter ajudado internacionalmente o grupo Lena será que todos os ministro que no passado ou no presente ajudem alguma empresa no estrangeiro correm o risco de serem presos em Évora?

 Soares cometeu um crime?



A associação sindical dos juízes acha que Mário Soares deve ser perseguido judicialmente por ter dito ao super juiz Alexandre que se cuide, acharam que é coação sobre o magistrado. Ainda bem que não entenderam o aviso como uma ameaça pois já estou a ver o Mário Soares a correr em pleno campus da justiça atrás do Alexandre cantando aos berros "Ai se eu te pego!".

Esta é a mesma associação que não tendo ficado agradada com a perdas de pequenas benesses andou a investigar os cartões de crédito dos membros do anterior governo, na esperança de tramar algum. É uma pena que antes do 25 de Abril os nossos destemidos juízes não tenham mexido um dedo perante tanto crime...
  
 L'immigration portugaise

 photo _immigration_zpsc6a6fd8b.jpg

Uma reportagem fotográfica de visita obrigatória, principalmente para uma certa classe política muito democrática que gosta muito de falar mal dos tempos da democracia.

Le Blog de Gerald Bloncourt

 Uma pergunta ao cómico da Rua da Horta Seca

O ministro da Economia não tem nada a dizer em relação á exigência alemã para que os caministas que trabalhem para empresas portuguesas ganhem o slário mínimo alemão quando atravessem aquele país? Não, o nosso humorista governamental só sente vontade de falar em relação às decisões do governo grego.

 Cobrança coerciva

 photo _Coerciva_zps31c9e895.jpg

      
 Nas cabinas de camião a foto de Angela
   
«A Alemanha quer os camionistas portugueses a ganhar o salário mínimo alemão quando atravessam a Alemanha. A empresa pode ser portuguesa e português o material transportado mas, durante o asfalto alemão, o salário será alemão. A maioria dos camionistas portugueses ganham mais do que o salário mínimo nacional, 505 euros por mês, mas a diferença é grande até ao mínimo alemão, cerca de 1400 euros. Preocupadas com o acréscimo, as empresas rodoviárias portuguesas apelaram para as instâncias europeias. Entretanto, rodemos um pouco pelo insólito precedente. Desde já é de calcular que, nas cabinas dos camiões, a foto de Angela Merkel vai disputar com as do calendário Pirelli. Também entre os sindicatos rodoviários da CGTP a chanceler deve ter ganho uma popularidade inesperada. E, claro, outros, como jornalistas portugueses a cobrir manifestações em Dresden, sonham exigir medida idêntica. E o caixa de supermercado português a caminho da Polónia, retido duas horas no aeroporto de Frankfurt, vai querer cobrar pela tabela alemã. São só duas horas, mas é uma mais-valia de dez euros. Tenho uma má notícia para os pretensos beneficiados: a Alemanha marimba-se para eles. Como, aliás, para os camionistas portugueses. O alvo é a concorrência dos transportes portugueses e dos produtos portugueses. Encarecer estes dá-lhe jeito. Então, com a manobra de nivelar a Europa, sabota-a. Mais uma vez, a Alemanha conduz-se mal, na estrada e fora dela.» [DN]
   
Autor:

Ferreira Fernandes.


 Vitorino responde a Pacheco Pereira
   
«António Vitorino irritou-se esta terça-feira num debate com Pacheco Pereira quando este acusou os socialistas europeus de traírem a sua história se alinharem num posição de isolamento da Grécia a propósito da discussão da dívida deste país.

"A grande prova dos nove para os socialistas vai ser a discussão sobre a dívida grega, porquese os socialistas europeus alinharem com uma posição de isolamento da Grécia, objetivamente traem aquilo que é a historia clássica do movimento socialista e transformam-se num anexo vagamente de esquerda dos partidos no poder mais à direita", afirmou o historiador, num debate sobre a identidade europeia no Teatro D. Maria, no âmbito da iniciativa "Encontros Garrett".

Vitorino não aceitou bem a crítica e, num tom exaltado respondeu que "traição são os partidos do Partido Popular Europeu (onde se integra o PSD) que aceitam o discurso racista e xenófobo", ou o "colega do seu partido, o húngaro Victor Orbán, que é um ditador, que substitui os juízes do Tribunal Constitucional, que acabou com a liberdade de imprensa e a televisão pública".

"É a isso que chamo traição aos valores fundamentais da identidade europeia e não à questão de como gerir a dívida", afirmou ainda o socialista, acrescentando que admitia que se criticasse o Tratado Orçamental, mas não chamar-lhe traição.

O debate pôs frente a frente duas visões de Europa, uma mais europeísta, embora pragmática e realista (a do antigo comissário europeu), outra mais desencantada e descrente, a de Pacheco Pereira, também ele um ex-eurodeputado, que considerou que "o projeto europeu não só se esgotou em parte, como em outras partes foi subvertido".» [Expresso]
   
Parecer:

Isto de ter telhados de vidro aconselha-nos a ter cuidado quando atiramos pedras aos outros.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»

 Pobre Macedo
   
«"Não me deixe morrer, eu quero viver", gritou José Carlos Saldanha, doente que aguarda tratamento contra a hepatite C, ao dirigir-se ao ministro da Saúde durante a audição parlamentar do governante.

José Carlos Saldanha, acompanhado dos filhos de duas doentes com hepatite C, uma das quais falecida na passada sexta-feira, assistiu a várias horas de debate sobre o estado das urgências hospitalares, mas também sobre o acesso aos tratamentos contra a hepatite C.

No meio da discussão, o doente levantou-se e, dirigindo-se a Paulo Macedo, gritou: "Não me deixe morrer, eu quero viver".

José Carlos Saldanha pediu depois desculpa aos deputados pela sua intervenção, não sem antes avisar o ministro: "A si, eu vou encontrá-lo".» [Expresso]
   
Parecer:

As coisas começam a correr mal, já faltou mais para que desapareça a imagem de competência que de forma tão manhosa conseguiu fazer passar ao longo de três anos.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Assista-se às cambalhotas do ministro»

 Andá cá ó Lambretas!
   
«O Instituto Nacional de Estatística (INE) acaba de revelar a taxa de desemprego estimada para o 4º e último trimestre de 2014, bem como a média anual registado no ano passado. Se face ao trimestre anterior subiu “em 0,4 pontos percentuais (p.p.)”, em “termos de média anual, fixou-se em 13,9%, o que representa uma diminuição de 2,3 p.p. em relação a 2013”.
  
A taxa de desemprego estimada para o 4º e último trimestre de 2014 foi de 13,5%, revelou esta manhã o INE, esclarecendo tratar-se de um valor “superior em 0,4 p.p.” face ao do trimestre anterior e “inferior em 1,8 p.p.” face ao trimestre homólogo de 2013.» [Notícias ao Minuto]
   
Parecer:

Mas como é que o Lambretas explica o discurso da redução do desemprego quando o INE
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Pergunte-se ao coordenador económico do governo pois o Lambretas não passa de um moço de recados.»

 O melhor argumento para não se saber o que Cavaco sabe
   
«Carlos Abreu Amorim acusa os partidos da Oposição de se “estarem a colocar ao serviço da estratégia de defesa de Ricardo Salgado” ao insistirem em pedir esclarecimentos ao Presidente da República sobre os encontros entre Cavaco Silva e o ex-presidente do Banco Espírito Santo. O deputado do PSD lembra que nunca um presidente da República depôs numa comissão de inquérito porque o parlamento não tem poderes de fiscalização sobre o titular deste cargo e justifica assim o chumbo aos requerimentos apresentados pelo PS, que pedia um depoimento por escrito, e pelo Bloco de Esquerda e PCP.

O deputado socialista Pedro Nuno Santos, sublinha que o objetivo não é fiscalizar o Presidente, mas sim clarificar que informação foi dada por Salgado a Cavaco Silva. É importante saber o que se transmitiu sobre o impacto da crise do GES no banco, numa altura em que estava em marca o aumento de capital. O deputado socialista pergunta em que medida a prestação de declarações de esclarecimento por parte do presidente “pode ajudar a estratégia de defesa de Ricardo Salgado? A “estratégia do ex-presidente do BES é a de criar confusão. E isso acontece a partir do momento em que Ricardo Salgado faz uma carta que cria confusão e que os partidos da Oposição vão atrás”, responde Abreu Amorim.» [Observador]
   
Parecer:

Há que proteger Cavaco a qualquer custo.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Sorria-se.»
  
 Os artilheiros de Kiev não sabem onde fica o hospital?
   
«Pelo menos três pessoas morreram quando disparos de artilharia atingiram um hospital num bairro no sudoeste de Donetsk, cidade controlada pelos separatistas pró-russos no Leste da Ucrânia. Um novo incidente que reforça o apelo feito pela União Europeia para que seja acordada uma “trégua imediata” que permita a retirada dos civis encurralados pelos cada vez mais intensos combates na região.

Jornalistas da Reuters e da AFP que se deslocaram ao Hospital Nº 27 contam ter visto três civis mortos, um junto ao edifício e dois numa rua próxima. As janelas do hospital, situado no bairro de Kirovski, foram estilhaçadas pela explosão, que provocou também danos em escolas e infantários situados nas imediações.» [Público]
   
Parecer:

E os separatistas é que são designados por terroristas.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Lamente-se.»
  
 Proibido ajudar os sem abrigo na Noruega
   
«Os noruegueses estão indignados e a culpa é do governo de Erna Solberg, que se prepara para aprovar uma lei que, além de proibir a mendicidade no país, pune com penas de prisão quem auxiliar os sem-abrigo.

A mendicidade já tinha sido proibida em alguns municípios noruegueses no ano passado, mas o Executivo quer alargar a interdição a todo o país e conta com o apoio da maioria do Storting, o parlamento da Noruega. Além de estender a regra a todo o território, sabe-se agora que a nova lei também vai penalizar todos os que "cooperem" com os sem-abrigo, com penas de prisão até um ano.» [DN]
   
Parecer:

É evidente que a "ajuda" não está a ajudar a resolver o problema.
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Espere-se pelos resultados.»

 O momento de fama da deputada
   
«Social-democrata acredita que cobrança de taxa viola princípios do Espaço Schengen, questionando Bruxelas sobre se a mesma não é "uma clara violação à liberdade de circulação de pessoas na UE"

A eurodeputada do PSD e do Partido Popular Europeu Cláudia Aguiar solicitou à Comissão Europeia que analise a legalidade da taxa de turismo cobrada pelo município de Lisboa à chegada por via marítima e áerea a Lisboa.» [DN]
   
Parecer:

Será que a deputada se informou antes sobre as taxas que são cobradas quer em Lisboa, quer noutras cidades?
   
Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Faça-se a sugestão à deputada.»

   
   
 photo Denis-Burdin-3_zpsce56226f.jpg

 photo Denis-Burdin-5_zpse9888222.jpg

 photo Denis-Burdin-2_zps7d28c08c.jpg

 photo Denis-Burdin-1_zpsd0fde6a6.jpg

 photo Denis-Burdin-4_zpsb84594c8.jpg
  
blog comments powered by Disqus