quarta-feira, junho 08, 2011

Dar tempo ao tempo

É bom que a direita tenha alcançado a maioria absoluta e há a certeza de que PSD e CDS formarão uma coligação, assim não poderá imitar o primeiro governo de Cavaco Silva e terá de governar a legislatura, com condições para implementar o seu programa. Tem uma maioria parlamentar, tem um presidente em Belém, tem a comunicação social a apoiá-la. Agora pode implementar o seu programa e não precisa de se aliar à esquerda conservadora para demonstrar tudo que foi feito, pode suspender as Novas Oportunidades, pode “matar” o Magalhães, pode acabar com a avaliação dos professores, pode reabrir escolas com dois ou três alunos, pode financiar ilimitadamente a escola privada, pode reabrir serviços de saúde arcaicos, pode adiar sine die o TGV e o novo aeroporto de Lisboa, pode promover a “contra-revolução socrática” ao mesmo tempo que promove a sua revolução liberal.

Mas esta maioria absoluta é uma prenda envenenada que os eleitores deram à direita. O Alberto João pode festejar mas terá de se roer por dentro pois a aprovação do orçamento de Estado não depende dos seus deputados mas sim de o CDS que o detesta. Cavaco Silva pode sentir o alívio de não ser acusado de ter conduzido o país a uma situação igual à anterior mas não terá a influência que pretendia, Paulo portas será um travão à sua influência e ainda corre o risco de o aturar como ministro dos Negócios Estrangeiros, o que é quase tão difícil quanto aturar José Sócrates às quintas-feiras. Passos Coelho pode festejar a vitória mas não conta com apoio para a revisão constitucional que viabilizaria o seu programa e ainda tem como parceiro de coligação alguém ambicioso, experiente e inteligente, alguém que disse estar à esquerda do PSD e que apelou ao voto para poder combater os excessos de Passos Coelho.

A maioria absoluta ajudou a direita a livrar-se de Sócrates como Manuela Ferreira Leite tão desejava, une Cavaco Passos Coelho e Paulo Portas, algo que em vinte anos nem Deus ousou fazer, mas deixam de ter José Sócrates no parlamento para o explorarem como se fosse um espantalho. Passos terá que mostrar o que vale em vez de desviar as atenção para o passado. Agora já não poderá pedir desculpas por se abster no momento da aprovação do orçamento, já não poderá impor condições para aprovar medidas inadiáveis, já não pode dizer num dia que aumenta o IVA e no outro dizer que corta na despesa, já não pode propor um PEC por ser necessária a austeridade e no outro retirá-lo por ser austeridade a mais.

Cavaco não voltará a fazer discursos a defender que há limites para os sacrificar os portugueses mais pobres, principalmente os que nunca o deixaram de ser dele que ele próprio foi primeiro-ministro e o país chegou a ter que receber ajuda alimentar. Cavaco já não se lembrará de criticar os que questionam os mercados, condenando-os por ousarem irritar os especuladores, dentro de pouco tempo vai questionar a Europa por permitir a sua desregulação. Não poderá continuar a ignorar a crise internacional tal como o fez no seu discurso de posse, um discurso tão miserável na distorção da realidade que até Ramalho Eanes e Fernando Nobre o criticaram, falta pouco para que Cavaco faça como já fez uma vice-presidente do PSD e descubra que Portugal enfrenta a situação mais complexa que teve de enfrentar desde há mais de um século.

A direita tem a maioria absoluta mas desta vez não a tem para gastar rios de fundos comunitários, para privatizar banca e seguros, o país não conta com os fundos europeus, do que era rentável para o sector privado já quase tudo foi privatizado, desta vez a direita terá de mostrar o que vale em tempo de vacas gordas e em vez de deixar o país numa crise financeira como o fez por mais de uma vez no passado, vai ter de resolvê-la.

Um boa parte dos portugueses que deram a maioria à direita foram os que a deram recentemente a Sócrates e são os mesmos que depois afirmam detestar os poderes absolutos, que neste momento é absolutíssimo pois ao governo junta-se a Presidência da República e a propriedade da comunicação social e do poder financeiro por parte de militantes destacados ou simpatizantes do PSD. O PSD vai agora ser vítima dos seus argumentos, a estratégia seguida durante anos que pretendia levar os portugueses a confundir um governo estável com asfixia democrática virar-se-á contra o seu governo. Da mesma forma que os portugueses esqueceram o ódio a Paulo Portas e a Durão Barroso vão agora esquecer o ódio promovido contra Sócrates, dentro de pouco tempo as personagens das anedotas brasileiras passadas por emails deixarão de ser o Sócrates e leremos essas mesmas anedotas que nos encheram a caixa do correio mas desta vez com Portas e Passos Coelho como vítimas do ridículo.

É uma questão de dar tempo ao tempo.
blog comments powered by Disqus